Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.

Arquivos formação - IberCultura Viva

19

maio
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Andrea Neira ministrará a primeira aula aberta do Curso de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária 2023

Em 19, maio 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

“Cultura e Decolonialidade”, da colombiana Andrea Neira, será a primeira aula aberta da edição 2023 do Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO-IberCultura Viva. Esta aula aberta, que será na quarta-feira, 24 de maio, às 12h (horário de Brasília e Argentina), será transmitida ao vivo no canal do IberCultura Viva no YouTube.

Assistente social pela Universidade Colegio Mayor de Cundinamarca, com mestrado em Estudos de Gênero (Universidade Nacional da Colômbia), Andrea Neira é atualmente professora pesquisadora do Instituto de Estudos Sociais Contemporâneos da Universidade Central (Colômbia), onde atua como coordenadora acadêmica do Mestrado em Pesquisa em Problemas Sociais Contemporâneos.

Além de liderar o grupo de pesquisa Conhecimentos e Identidades Culturais (GICEIC), coordena o Grupo de Trabalho CLACSO “Epistemologias decoloniais, territórios e cultura”. Ela tem pesquisado sobre pós-desenvolvimento, alternativas ao desenvolvimento, subjetividades juvenis, masculinidades e feminilidades no hip hop, masculinidades e ex-combatentes, e economias feministas e comunitárias.

.

Encontros anteriores

As aulas transmitidas pelo YouTube foram uma novidade da edição 2021 do Curso Internacional de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária. A primeira palestra, realizada em 27 de maio de 2021, foi “Cultura: espécies culturais digitais e territoriais“, do professor Omar Rincón (Colômbia). A segunda, em 15 de setembro, foi “Gestão cultural dissidente, decolonial, comunitária e feminista“, dada pela guatemalteca Lucía Ixchíu. A argentina Laura Taube ministrou a terceira e última aula aberta do ano de 2021, “Desenvolvimento de públicos para o setor cultural”, no dia 11 de novembro.

No ano passado foram realizadas duas aulas abertas: Cultura e Decolonialidade”, com Andrea Neira, em 26 de maio de 2022, e “Como construir tramas poéticas com territórios”, com Paula Mascias, em 18 de agosto. Este ano, Andrea Neira retorna à sexta turma do curso, que teve início no dia 20 de abril.

Esses encontros virtuais (pelo Zoom) contam com a participação dos alunos matriculados no curso (que podem tirar dúvidas durante a videoconferência) e estão disponíveis no canal do IberCultura Viva no YouTube para quem quiser assistir depois.

.

.

Quando:

Quarta-feira, 24 de maio

9:00 (CRI-MEX-SLV), 10:00 (COL-ECU-PER), 11:00 (CHL-BOL-VEN-PRY), 12:00 (ARG-BRA-URY), 17:00 (ESP)

Onde assistir: https://www.youtube.com/@IberCulturaViva/streams

Tags | ,

21

abr
2023

Em Destaque
Notícias

Por IberCultura

Começa a sexta turma do Curso de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária

Em 21, abr 2023 | Em Destaque, Notícias | Por IberCultura

Mais de 80 pessoas participaram da sessão inaugural da sexta turma do Curso Internacional de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária da FLACSO-Argentina, nesta quinta-feira, 20 de abril. Além de receber as pessoas inscritas nesta edição, este primeiro encontro de 2023 teve como objetivo explicar como funciona o curso e como será ao longo do ano.

Franco Rizzi

Franco Rizzi, coordenador acadêmico do curso de pós-graduação (juntamente com Belén Igarzábal), abriu a sessão apresentando a equipe responsável pelo curso na FLACSO-Argentina e celebrando a diversidade que se apresenta a cada edição. “É o nosso sexto ano e é sempre muito bom ver pessoas de diferentes partes do continente e da Espanha que se juntam a nós. O mais bonito (nesta pós-graduação) é essa diversidade. Aproveitem!”

Manuel Trujillo, responsável técnico da presidência do IberCultura Viva, agradeceu à equipe da FLACSO pelo trabalho desenvolvido nestes seis anos, deu as boas-vindas aos novos alunos e alunas e manifestou alegria por ver que a cada edição se mantém o interesse por esta pós-graduação.

“Convidamos a todos e todas a fazer deste curso um curso de vocês, para poder trabalhar, aprender, compartilhar, pois as políticas culturais de base comunitária são muito importantes. O programa tem se caracterizado sobretudo pelo trabalho com comunidades e organizações culturais comunitárias, e também pelo trabalho territorial que realiza com os governos locais. Este desenho de curso vai ser muito útil para todos”, afirmou Trujillo.

.

Passeio teórico

Em seguida, Belén Igarzábal, diretora de Comunicação e Cultura da FLACSO-Argentina que divide a coordenação deste curso com Franco Rizzi, tratou de explicar a proposta acadêmica distribuída em cinco módulos, cada um com quatro ou cinco aulas (com exceção do módulo introdutório, que tem duas classes). As aulas são publicadas semanalmente, às quintas-feiras, a partir deste dia 20 de abril, com intervalo de uma semana entre os módulos.

Belén Igarzábal

No Módulo 1 (“Processos Culturais Contemporâneos”), as quatro aulas apresentam um quadro mais amplo das teorias culturais e alguns debates atuais em torno delas, desde uma perspectiva histórica e ibero-americana. Ali também é abordado o conceito de “epistemologias periféricas”, que, conforme explica a coordenadora acadêmica, são as “epistemologias que ocorrem não no centro acadêmico/histórico, mas são construídas a partir de outros territórios, de outras perspectivas”.

O Módulo 2 (“Políticas Culturais”) faz um passeio pelas noções de políticas culturais, com especial ênfase nos direitos culturais e nas questões da cidadania e da comunidade. O Módulo 3 (“Cultura de base comunitária”), por sua vez, aprofunda a política de base comunitária. Novas formas de organização cultural comunitária, incidência política das organizações culturais comunitárias, abordagem e intervenção no território são alguns dos temas abordados neste módulo.

“Redes e cultura colaborativa” é o tema do Módulo 4, que procura refletir sobre novas formas de produção cultural, economia colaborativa e sustentável, redes socioculturais e cultura participativa, cooperação e diversidade cultural, saberes tradicionais e novas tecnologias. Por fim, o Módulo 5 (“Desenho, monitoramento e avaliação de políticas públicas”) tem o formato de oficina para elaboração de trabalho de conclusão de curso, com o objetivo de capacitação em criação, desenho, implementação e avaliação de projetos.

.

Troca de experiências

“Uma coisa importante é que este curso não implique uma assimetria de poder, onde alguns especialistas venham impor seus conhecimentos. Sim, há especialistas, mas também há o teu conhecimento, a tua bagagem, as tuas viagens pelos territórios”, disse Belén Igarzábal, destacando que os fóruns que se abrem em cada módulo são um bom espaço para os alunos e alunas partilharem as suas experiências, ideias e opiniões. “As pessoas nem sempre concordam, mas podemos debater com respeito.”

Malena Taboada, assistente técnica da equipe, também destacou a importância da participação de todos os alunos e alunas nos fóruns. “Os fóruns são uma exigência, uma forma que encontramos de atender, de saber quem está ali acompanhando o curso. São um espaço de avaliação, onde se pode conversar com colegas, trazer ideias, compartilhar dúvidas e experiências ligadas ao que estão lendo”, comentou.

O primeiro fórum que se abre no curso é o fórum de apresentação, onde as pessoas contam o que fazem e o que lhes interessa, para que o grupo se conheça. Este fórum estará aberto todo o ano, ao contrário dos outros, que ficam em sua maioria abertos durante algumas semanas e depois fecham.

Outro tema que os coordenadores procuraram esclarecer durante esta sessão foi o formato das aulas, que podem ter suporte escrito e/ou audiovisual (quase todas em espanhol) e são todas assíncronas. Ou seja, a equipe da FLACSO torna as aulas visíveis no campus virtual às quintas-feiras, uma aula por semana, e as pessoas podem ver quando quiserem (dentro daquela semana).

Ao longo do ano haverá algumas reuniões “ao vivo”, provavelmente mais duas com a equipe (para tratar de trabalhos parciais e finais), e outras duas com especialistas num tema de interesse dos alunos. Nas duas turmas anteriores houve algumas aulas abertas com professores convidados (3 em 2021; 2 em 2022), transmitidas ao vivo no canal do IberCultura Viva no YouTube.

.

Transformando realidades

Em relação ao trabalho final que se espera dos alunos, e sobre o qual eles vão discutindo ao longo do ano, os coordenadores explicaram que não precisa ser necessariamente o desenvolvimento de uma política pública. “Pode ser um projeto cultural”, disse Belén. “Sabemos que nem todas as pessoas que estudam trabalham nos Estados, na gestão pública, mas são de organizações da sociedade civil ou organismos internacionais. Você vai conseguir articulá-lo com o que vem trabalhando”, sugeriu.

Para Dolores Nazate, uma das novas alunas do Equador, o desafio será exatamente este: terminar o curso com ferramentas para poder fazer uma proposta de política pública comunitária, com perspectiva de gênero. Artista popular desde 1990, gestora cultural desde 2000, líder de bairro e ativista dos direitos culturais, Dolores integrou diferentes organizações comunitárias em paróquias periféricas e rurais do Equador. Mãe de quatro filhos, acostumada a “autoeducar-se” (já que o acesso a cursos de formação tem sido difícil para ela), ela espera aproveitar esta oportunidade para, a partir da sua experiência pessoal, motivar outras mulheres a “ousar também”.

“Estamos muito entusiasmadas porque as políticas culturais de base comunitária falam de nós. É importante que o Estado entenda que nós existimos. Já temos 25 anos trabalhando a partir da base cultural autogerida, mas isso também tem implicado um trabalho precário e que o Estado não nos fortalece. Cada vez que vem outro governo, eles anulam nossos processos. Esperamos que ao final desta experiência possamos estar preparadas, com ferramentas para poder fazer uma proposta de política pública com uma perspectiva de gênero que transforme a realidade de muitos”, afirmou a equatoriana.

Dolores Nazate foi uma das 96 pessoas selecionadas no Edital de Bolsas IberCultura Viva para participar desta sexta turma do curso FLACSO-Argentina. As cotas foram distribuídas entre os 12 países membros do Conselho Intergovernamental (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Paraguai, Peru e Uruguai).

Outras 16 pessoas – 8 do Brasil, 8 do Chile – receberam bolsas extras para esta edição de 2023 da pós-graduação. Isso foi possível porque as representantes dos governos desses dois países decidiram aumentar suas cotas usando os recursos disponíveis no Fundo Multilateral IberCultura Viva para apoiar a formação de organizações culturais comunitárias. Este é o quinto ano em que os governos do Brasil e do Chile aumentam o número de bolsas para pessoas candidatas de seus países.

.

Leia também:

96 pessoas de 12 países foram selecionadas para receber as bolsas de pós-graduação da FLACSO

Tags | ,

31

mar
2023

Em Destaque
EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

96 pessoas de 12 países foram selecionadas para receber as bolsas do curso de pós-graduação de FLACSO

Em 31, mar 2023 | Em Destaque, EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva publicou nesta sexta-feira, 31 de março, a lista de pessoas que receberão bolsas para participar da sexta turma do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária, que se realizará no campus virtual da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina) de abril a dezembro. 

As 96 bolsas concedidas pelo programa nesta edição foram repartidas entre os 12 países participantes: Argentina (8), Brasil (9), Chile (9), Colômbia (9), Costa Rica (8), Equador (8), El Salvador (8), Espanha (6), México (8), Paraguai (7), Peru (8) e Uruguai (8). 

O número de vagas que estava previsto era de oito por país; como Espanha e Paraguai não apresentaram essa quantidade de candidaturas habilitadas, as três vagas restantes foram concedidas às pessoas que obtiveram a 9ª colocação nos três países que apresentaram mais candidaturas: Colômbia, Brasil e Chile. 

O Edital de Bolsas 2023 teve inscrições abertas entre 16 de dezembro de 2022 e 15 de fevereiro de 2023. Do total de 493 postulações enviadas à plataforma Mapa IberCultura Viva, foram habilitadas 453. As candidaturas que obtiveram as maiores pontuações em  cada país – conforme os critérios estabelecidos no regulamento – foram selecionadas para receber as bolsas.

Esta convocatória foi dirigida a pessoas que trabalham com políticas culturais, podendo ser funcionários/as em órgãos públicos de Cultura, membros de organizações culturais de base comunitária ou de povos originários ou que se dedicam à gestão cultural nos países integrantes do IberCultura Viva. 

A seleção levou em conta critérios como a experiência na incidência, elaboração e execução de políticas culturais públicas e/ou em gestão cultural comunitária, e a formação (certificada) em gestão cultural e em disciplinas afins, como artes, ciências sociais, humanas e econômicas. 

A classificação final também considerou que ao menos 50% das pessoas selecionadas deveriam ser mulheres. Pessoas pertencentes a povos originários e afrodescendentes receberam um ponto extra na avaliação. 

As 96 pessoas selecionadas neste edital receberão um correio eletrônico da FLACSO-Argentina com os passos a seguir para efetivar a bolsa e completar a inscrição no curso de pós-graduação. Essas pessoas ganharão uma bolsa integral e não terão que pagar nada pelo curso, desde que cumpram com as avaliações parciais, participem das atividades propostas e apresentem o trabalho final. 

.

Proposta acadêmica

O Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária foi lançado em 2018, como uma construção conjunta de IberCultura Viva e FLACSO Argentina, com o objetivo de fortalecer a formação e a pesquisa das políticas culturais de base comunitária e o conceito de “cultura viva” como política pública. Em suas cinco primeiras edições, entre 2018 e 2022, o curso contou com mais de 650 estudantes. 

Os conteúdos estão distribuídos em seis módulos e 26 aulas, em suporte escrito e audiovisual assincrônico, nas quais são trabalhadas noções sobre processos culturais contemporâneos, propondo um marco teórico amplo sobre as distintas teorias da cultura e os debates atuais em torno delas. A proposta acadêmica coordenada por Belén Igarzábal e Franco Rizzi busca a diversidade de miradas, com a participação de professores de vários países ibero-americanos. 

Também são abordadas noções de políticas culturais com ênfase nas questões de direito, cidadania e comunidade e debatidas as teorias existentes a respeito das políticas culturais de base comunitária, as novas formas de produção cultural e o uso de tecnologias a serviço da criação de redes. Além disso, o curso oferece ferramentas de gestão, planejamento, monitoramento e avaliação de políticas públicas culturais específicas para territórios e comunidades. 

As aulas são publicadas uma vez por semana – com uma semana de recesso no final de cada módulo – e se abre um fórum para cada aula publicada, gerando um espaço de debate e intercâmbio de ideias e experiências em torno dos temas tratados. Também se realizam encontros sincrônicos virtuais com professores/as convidados e com as tutoras do curso.

Para cumprir com os objetivos do curso, deve-se realizar um trabalho parcial escrito sobre os três primeiros módulos e um trabalho final integrador, que consiste em desenhar e planejar um projeto cultural comunitário ou uma política cultural pública de base comunitária. Os trabalhos podem ser entregues em espanhol ou português. As aulas são ministradas em espanhol, exceto as que estão a cargo de professores brasileiros, que são dadas em português e têm tradução para o espanhol. 

.

. Confira a lista de pessoas bolsistas:

Informação às Pessoas Interessadas III – Etapa de Avaliação – Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária 2023


.

(*) Além das 96 pessoas selecionadas neste edital, outras 8 candidatas do Brasil e 8 de Chile receberão bolsas para participar da sexta turma do curso de FLACSO-Argentina. Estas bolsas extras foram concedidas com recursos que esses países tinham à disposição para a formação de representantes de organizações culturais comunitárias. http://bit.ly/42ZsMFB

.

.

(**) Aquelas que não tenham sido selecionadas no edital e ainda quiserem se inscrever no curso, poderão fazê-lo pagando a matrícula diretamente para a FLACSO Argentina

Tags | , ,

01

mar
2023

Em Destaque
EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Foram habilitadas 453 inscrições para as bolsas do Curso de Políticas Culturais de Base Comunitária

Em 01, mar 2023 | Em Destaque, EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O Edital de Bolsas para o Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária 2023 teve 453 candidaturas habilitadas, num total de 493 enviadas para a plataforma Mapa IberCultura Viva. Essas pessoas passarão à segunda fase do processo seletivo do edital, que concederá 96 bolsas para agentes culturais provenientes dos 12 países participantes do IberCultura Viva.

Uma primeira lista com o resultado da etapa de habilitação – com 441 candidaturas habilitadas – foi publicada em 1º de março, dia em que se abriu o prazo de recursos para que as 52 pessoas que tiveram suas candidaturas invalidadas pudessem apresentar recursos e completar a documentação necessária para prosseguir no processo seletivo. Este prazo terminou no sábado, 4 de março; 12 recursos foram aceitos.

Na lista definitiva de candidaturas habilitadas, publicada nesta segunda-feira, 6 de março, após a análise dos recursos, Colômbia é o país com o maior número de postulantes (104), seguido do Brasil (61) e do Chile (60). Depois vêm Argentina (53), México (47), Peru (33), Uruguai (31), Equador (23), Costa Rica (17). El Salvador (11), Paraguai (7) e Espanha (6).

En la segunda etapa del proceso de selección, la evaluación de las candidaturas será responsabilidad de los representantes gubernamentales de cada país participante. Las candidaturas que obtengan mayor puntuación por país, conforme los criterios establecidos en el reglamento, serán las seleccionadas para recibir las becas. El resultado final de la convocatoria deberá ser divulgado a finales de marzo. 

Nesta segunda etapa do processo seletivo, a avaliação das candidaturas ficará a cargo dos representantes governamentais de cada país participante. Aquelas que obtiverem a maior pontuação por país, de acordo com os critérios estabelecidos no regulamento, serão as selecionadas para receber as bolsas. O resultado final do edital deverá ser divulgado no fim de março.

O Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO-IberCultura Viva será ministrado online entre abril e dezembro de 2023, por meio do Campus Virtual da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), sede Argentina.

.

Confira a lista de candidaturas habilitadas e não habilitadas após a análise dos recursos:

 Informação às Pessoas Interessadas II – Etapa de Habilitação – Edital de Bolsas para o Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária 2023

.

(*) Texto atualizado em 6 de março de 2023, após o prazo de recursos

.

Leia também:

493 pessoas de 12 países enviaram candidaturas ao Edital de Bolsas 2023

IberCultura Viva concederá 96 bolsas para o Curso de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária

Tags | , ,

16

dez
2022

Em Destaque
EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

IberCultura Viva concederá 96 bolsas para o Curso de Políticas Culturais de Base Comunitária em 2023

Em 16, dez 2022 | Em Destaque, EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva abre nesta sexta-feira, 16 de dezembro, o edital de bolsas para a turma de 2023 do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária, que se realizará no campus virtual da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina) de abril a dezembro de 2023. As pessoas interessadas em postular a uma bolsa deste curso poderão fazer suas inscrições até o dia 15 de fevereiro. O formulário de inscrição já está disponível na plataforma Mapa IberCultura Viva.

As 96 bolsas que estão previstas neste edital serão repartidas equitativamente entre os 12 países integrantes do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Paraguai, Peru e Uruguai. 

As pessoas candidatas devem trabalhar com políticas culturais, podendo ser funcionários/as em órgãos públicos de Cultura, ser membros de organizações culturais de base comunitária ou de povos originários ou se dedicar à gestão cultural nos países integrantes do IberCultura Viva. 

Experiência na incidência, elaboração e execução de políticas culturais públicas e/ou em gestão cultural comunitária estão entre os critérios que serão levados em conta na seleção das pessoas candidatas. Também será valorizada a formação certificada em gestão cultural e em disciplinas afins, como artes, ciências sociais, humanas e económicas. Pelo menos 50% das pessoas selecionadas devem ser mulheres.

Lançado em 2018, este curso de pós-graduação internacional foi construído em conjunto por IberCultura Viva e FLACSO Argentina com o objetivo de fortalecer a formação e a pesquisa das políticas culturais de base comunitária e o conceito de “cultura viva” como política pública. Em suas quatro primeiras edições, entre 2018 e 2021, o curso contou com 504 estudantes. Este ano, foram matriculados na quinta turma 147 estudantes (desse total, 96 pessoas de 12 países foram selecionadas no Edital de Bolsas 2022). Aquelas que receberam bolsas nas convocatórias anteriores do IberCultura Viva não serão habilitadas a participar da edição 2023.

.

Proposta acadêmica

Os conteúdos estão distribuídos em seis módulos e 26 aulas, em suporte escrito e audiovisual assincrônico, nas quais são trabalhadas noções sobre processos culturais contemporâneos, propondo um marco teórico amplo sobre as distintas teorias da cultura e dos debates atuais em torno dela. A proposta acadêmica coordenada por Belén Igarzábal e Franco Rizzi busca a diversidade de miradas, com a participação de professores de vários países ibero-americanos. 

Também são abordadas noções de políticas culturais com ênfase nas questões de direito, cidadania e comunidade e debatidas as teorias existentes a respeito das políticas culturais de base comunitária, as novas formas de produção cultural e o uso de tecnologias a serviço da criação de redes. Além disso, o curso oferece ferramentas de gestão, planejamento, monitoramento e avaliação de políticas públicas culturais específicas para territórios e comunidades. 

As aulas são publicadas uma vez por semana – com uma semana de recesso no final de cada módulo – e se abre um fórum para cada aula publicada, gerando um espaço de debate e intercâmbio de ideias e experiências em torno dos temas tratados. Também se realizam encontros sincrônicos virtuais com professores/as convidados e com as tutoras do curso.

Para cumprir com os objetivos do curso, deve-se realizar um trabalho parcial escrito sobre os três primeiros módulos e um trabalho final integrador, que consiste em desenhar e planejar um projeto cultural comunitário ou uma política cultural pública de base comunitária. Os trabalhos podem ser entregues em espanhol ou português. As aulas são ministradas em espanhol, exceto as que estão a cargo de professores brasileiros, que são dadas em português e têm tradução para o espanhol. 

.

 Confira o regulamento do edital

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/230/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

Como se cadastrar no Mapa IberCultura Viva: http://iberculturaviva.org/manual/

.

Saiba mais sobre o curso

http://flacso.org.ar/formacion-academica/posgrado-internacional-en-politicas-culturales-de-base-comunitaria/

.

(*Atenção: para concorrer a uma das vagas, é necessário se inscrever através da plataforma Mapa IberCultura Viva. As pessoas que não forem selecionadas no edital e/ou aquelas que não são provenientes dos países integrantes do programa IberCultura Viva podem se inscrever pagando a matrícula do curso diretamente a FLACSO Argentina.)

Tags | , ,

23

maio
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Andrea Neira inicia a série de aulas abertas do Curso de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária 2022

Em 23, maio 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

 

A primeira aula aberta da edição 2022 do Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária FLACSO-IberCultura Viva será um encontro com Andrea Neira, nesta quinta-feira, 26 de maio, às 12h (horário de Brasília). A palestra “Cultura e Decolonialidade” será transmitida no canal IberCultura Viva no YouTube

Professora universitária há mais de 11 anos, em diversas universidades públicas e privadas da Colômbia, Andrea Neira é doutoranda em antropologia na Universidade de Cauca, com mestrado em Estudos Feministas e de Gênero. Também tem no currículo trabalhos com gestão acadêmica e administrativa de pesquisa e projeção social. 

Além de coordenadora do Grupo de Trabalho “Epistemologias, territórios e cultura decoloniais”, da CLACSO, ela é pesquisadora do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Gênero da Universidade Nacional da Colômbia e faz parte do grupo de trabalho “Masculinidades na América Latina. Fricções, vazamentos e fissuras”. 

Seus temas de pesquisa, atravessados ​​especialmente por feminismos negros e pós-coloniais, são: masculinidades, militarização, conflito armado e processos de reincorporação; economias alternativas e feministas; subjetividades juvenis, hip hop e paz; e pós-desenvolvimento e alternativas ao desenvolvimento. Em 2019, Andrea Neira ganhou o Prêmio Jorge Bernal de Investigación Social.

Outras duas aulas abertas serão realizadas este ano, na quinta turma do curso ministrado no campus virtual da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina). Esses encontros virtuais (pelo Zoom) contam com a participação dos alunos matriculados no curso (que podem tirar dúvidas durante a videoconferência) e estão disponíveis no canal do YouTube do IberCultura Viva para quem quiser assistir depois.  

.

Aulas anteriores

.

As aulas transmitidas pelo YouTube foram uma novidade da edição 2021 do Curso Internacional de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária. A primeira palestra, realizada em 27 de maio de 2021, foi “Cultura: espécies culturais digitais e territoriais“, do professor Omar Rincón (Colômbia). A segunda, em 15 de setembro, foi “Gestão cultural dissidente, decolonial, comunitária e feminista“, dada pela guatemalteca Lucía Ixchíu. A argentina Laura Taube ministrou a terceira e última aula aberta do ano, “Desenvolvimento de públicos para o setor cultural”, no dia 11 de novembro.

.

Acompanhe a transmissão:

.

Quando:

Quinta-feira, 26 de maio

9h (CRI-SLV), 10h (COL-MEX-ECU-PER), 11h (CHL-BOL – VEN-PRY), 12h (ARG-BRA-URY), 17h (ESP)

Tags | , ,

28

abr
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Organizações da Região do Atacama, no Chile, recebem certificação em gestão cultural comunitária

Em 28, abr 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

(Fotos: Camila Guerra)

O encerramento da Escola de Gestão Cultural Comunitária, que reuniu mais de 30 organizações da região do Atacama, no Chile, se deu no dia 24 de abril, na Estação Centro Cultural Caldera, com a entrega dos certificados. Esse processo formativo teve como objetivo fortalecer a capacidade de gestão das Organizações Culturais Comunitárias (OCC) para aprimorar seu trabalho com grupos e comunidades, além de aprofundar a noção de comunidade na cultura.

Na solenidade, Roberto Córdova, secretário regional de Culturas, reconheceu a importância das OCCs no desenvolvimento cultural local de seus territórios: “Essa importância está diretamente relacionada ao fortalecimento da cidadania, fruto dos processos de participação e manifestação de direitos culturais a partir das bases comunitárias”. Destacou, ainda, o valor do trabalho, com visão e identidade, realizado por instituições locais e regionais para a gestão e o fortalecimento da cultura, da arte e do património no território. Segundo ele, a Secretaria Ministerial Regional (Seremi) dará continuidade ao trabalho colaborativo com as OCCs de Atacama neste ano de 2022.

A Escola de Gestão Cultural Comunitária foi promovida pela Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região do Atacama. A instância de formação ficou a cargo da Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac), com financiamento do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio, por meio do programa Red Cultura do Departamento de Cidadania Cultural.

A atividade também contou com a presença da prefeita de Caldera, Brunilda González; o conselheiro regional Alex Ahumada, de Chañaral; o vereador de Freirina, Claudio Lazcano; e a conselheira regional Luz Lucero; além de representantes de OCCs de Chañaral, Huasco, Freirina, Copiapó, Caldera e Vallenar.

Cerca de 30 representantes de OCC participaram da Escola de Gestão Cultural Comunitária, que se realizou entre novembro de 2021 e abril de 2022, com financiamento do programa Red Cultura

.

Avaliações e aprendizados

Durante a atividade, as OCCs que participaram da capacitação em gestão cultural comunitária compartilharam suas avaliações e aprendizados, destacando a relevância das tarefas de gestão e planejamento no desenvolvimento de iniciativas culturais comunitárias, a associatividade entre organizações para estabelecer propostas de objetivos comuns para o desenvolvimento cultural local e a importância de articular relações de trabalho colaborativo com diferentes instituições públicas de cultura para influenciar os processos de participação e desenvolvimento local.

A União Comunitária de Grupos Culturais de Caldera apresentou a sua experiência de gestão cultural comunitária, focada na reativação e programação artística e cultural de artistas, grupos artísticos, OCC e grupos culturais, desenvolvendo iniciativas de dança, artesanato, literatura, teatro, circo e musicais, entre outros.

Essas experiências repercutiram no reconhecimento do trabalho sustentado da Mesa Regional OCC Atacama, destacando entre os participantes como essa instância vem ampliando sua participação nos espaços de trabalho em diferentes níveis locais e que esse modelo de gestão articula um conjunto coeso de organizações, fortalecendo processos de participação cidadã nas diferentes comunas da região.

.

  [Fonte: Ministério das Cultura, das Artes e do Patrimônio]

Tags | , , ,

21

abr
2022

Em Destaque
Notícias

Por IberCultura

Começa a quinta edição do Curso de Pós-Graduação em Políticas Culturais de Base Comunitária

Em 21, abr 2022 | Em Destaque, Notícias | Por IberCultura

A quinta turma do Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária teve início nesta quinta-feira, 21 de abril, com uma sessão virtual para dar as boas-vindas às pessoas matriculadas nesta edição, explicar de que se trata o curso e como será o trabalho nos próximos oito meses. Participaram deste encontro 77 pessoas, entre alunos e alunas, a equipe da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina) e a Unidade Técnica de IberCultura Viva.

Esta edição de 2022 conta com cerca de 150 pessoas matriculadas, provenientes de 14 países. Desse total, 96 foram selecionadas no Edital de Bolsas IberCultura Viva, que este ano recebeu um total de 360 ​​inscrições. As cotas foram distribuídas igualmente entre os 11 países membros do Conselho Intergovernamental (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai) e Paraguai, que participou do edital como país convidado. 

Outras 22 pessoas – 8 do Brasil, 8 do Chile e 5 de El Salvador – receberam bolsas extras porque os representantes desses três países decidiram aumentar suas vagas usando os recursos disponíveis no Fundo Multilateral IberCultura Viva para apoiar a formação de organizações culturais comunitárias. Este é o quarto ano que Brasil e Chile aumentam o número de bolsas para candidatos/as de seus países.

.

Trabalho conjunto

O encontro desta quinta-feira começou com Franco Rizzi, coordenador acadêmico do curso de pós-graduação (junto com Belén Igarzábal), lembrando que este curso surgiu de um trabalho conjunto após uma pesquisa do IberCultura Viva realizada em 2017. “Buscamos espaços específicos para formação em políticas culturais comunitárias e não encontramos nada na América Latina. Havia espaços de formação dos governos, mas não de qualquer universidade ou centro de formação acadêmica. Com base nisso, este curso foi construído. Hoje temos mais de 500 pessoas formadas em toda a região, e a cada ano que renovamos muitas pessoas ingressam, o que mostra que há uma demanda real no setor e uma movimentação de pessoas muito interessante”, disse.

Em seguida, Flor Minici, a nova secretária técnica do IberCultura Viva, deu as boas-vindas às pessoas que estão iniciando o curso. “Estamos muito felizes com o trabalho realizado em conjunto. (…) Esta proposta se baseia em uma série de iniciativas, uma série de buscas que têm a ver com o fortalecimento da formação e da pesquisa de políticas culturais de base comunitária, ou o que entendemos por Cultura Viva, que é um conceito que para nós é algo central para as políticas públicas dos países que o compõem, e isso está muito bem cristalizado na proposta acadêmica de excelência que este curso de pós-graduação internacional da FLACSO realiza”, afirmou.

Em nome da presidência do IberCultura Viva (exercida pela Secretaria da Cultura do Governo do México no período 2021-2023), Manuel Trujillo também expressou satisfação com o projeto que o programa desenvolve com a FLACSO desde 2018, agradeceu à equipe e comentou a relevância do estudo e da revisão das políticas culturais de base comunitária na região. “Para o programa IberCultura Viva, esta reflexão é importante, nos vários níveis que existem nas organizações de base comunitária, nas comunidades. Esta é uma região muito diversificada, muito rica, única”, afirmou, ressaltando que é um curso em que se deve “conversar, ler muito e também ouvir as coordenadoras, que têm um acompanhamento muito interessante”. 

.

Proposta acadêmica

Além de apresentar a equipe da FLACSO que acompanhará os alunos e alunas até dezembro (os coordenadores acadêmicos, as tutoras Célia Coido e Cecilia Salguero, e a responsável pela assistência técnica, Malena Taboada), esta reunião por videoconferência serviu para divulgar os conteúdos, as ferramentas disponíveis e a organização do curso (aulas publicadas às quintas-feiras, fóruns de intercâmbio disponíveis às sextas-feiras, trabalhos parciais e finais, etc).

Belén Igarzábal, que é diretora de Comunicação e Cultura da FLACSO-Argentina e divide a coordenação acadêmica da pós-graduação com Franco Rizzi, apresentou a proposta de conteúdo dividida em cinco módulos, os temas que serão abordados ao longo do ano, sempre com um olhar regional. Cada módulo tem quatro ou cinco aulas, que são publicadas às quintas-feiras, com uma semana de intervalo entre os módulos. 

No módulo 1, por exemplo, serão discutidos processos culturais contemporâneos, teorias da cultura e alguns debates atuais em torno deles. O módulo 2, dedicado às políticas culturais, buscará conceituar o que tem a ver com direitos culturais, cidadania e construção de comunidades. Já o módulo 3 se aprofundará nas políticas comunitárias, com professores/as de diferentes nacionalidades falando sobre as políticas culturais existentes nos países ibero-americanos. 

No módulo 4, serão trabalhados temas relacionados a redes, cultura colaborativa e novas tecnologias que ajudam a promover e consolidar o trabalho e as redes de intercâmbio. O quinto e último módulo destina-se ao desenvolvimento de projetos culturais, diretamente relacionados com o trabalho final que os alunos terão de apresentar. O projeto final consiste em desenhar, conceituar e planejar um projeto cultural comunitário ou uma política cultural pública de base comunitária. 

“O que enriquece o nosso curso são vocês, que sabem muito sobre políticas culturais, projetos culturais, algumas pessoas têm muita experiência na área. Todas essas diferentes visões tornam o intercâmbio ao longo do ano muito rico e os trabalhos finais muito interessantes, servindo também para a própria prática”, comentou Belén. 

.
Promovendo encontros

A importância do intercâmbio e da participação nas atividades do curso também foi reforçada pela tutora Célia Coido, ao comentar que nos fóruns deste ano serão propostos alguns slogans para trabalhar em duplas, trios ou em grupos, para continuar promovendo encontros, aprofundando o intercâmbio entre os alunos. 

“Um dos grandes capitais deste curso é a possibilidade de encontro. É muito difícil para as pessoas que estão trabalhando em projetos diversos, de tantos países da América Latina, ter a possibilidade de se encontrar e compartilhar o tempo. Essa rede de vínculos, relacionamentos, reconhecimento, é a coisa mais rica que a pós-graduação tem. Cada pessoa que faz este curso vem com muito para dar e partilhar. É bom que isso circule e que aproveitemos, porque isso vai enriquecer a todos”, destacou Celia.

Os encontros pela plataforma Zoom, iniciados em 2021, também serão realizados este ano, com a participação de alunos e professores especializados em diferentes temas. Está prevista a realização de três aulas ao vivo, com transmissão no YouTube para quem tiver interesse em assistir, em datas que ainda serão definidas e posteriormente divulgadas nas redes sociais do IberCultura Viva. 

Tags | , ,

08

out
2021

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Prazo de inscrição do seminário “Memórias Vivas: Arquivos e museus comunitários” é ampliado

Em 08, out 2021 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

Foi prorrogado até 15 de outubro o prazo de inscrições do Seminário Intensivo “Memórias Vivas: Arquivos e museus comunitários”, que será realizado em formato virtual de 30 de outubro a 4 de dezembro de 2021. O programa IberCultura Viva, que organizou este seminário em conjunto com a área de Mobilização do Conhecimento do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso), concederá 100 bolsas para representantes de organizações culturais comunitárias de todos os países ibero-americanos (*).

O curso tem como objetivo fornecer ferramentas para a constituição de arquivos e projetos museais comunitários, contribuindo para a partilha de conhecimentos e saberes, práticas e experiências, pesquisas e reflexões. 

Os encontros virtuais serão aos sábados e terão duração de três horas. Serão seis aulas no total: duas aulas teóricas e quatro de apresentação e transferência de experiências e tecnologias sociais desenvolvidas nos últimos 20 anos. Os fundamentos teóricos estarão ancorados principalmente em autores latino-americanos, e uma extensa documentação será compartilhada, incluindo material audiovisual, fotografias, textos, bibliografias e links. Estão previstas apresentações de experiências do Brasil, México, Colômbia, Chile, Paraguai e Espanha.

.

Quem coordena

A coordenação pedagógica está a cargo de Mário Chagas (Brasil), profissional com larga experiência no campo da museologia e da museografia, com ênfase na museologia social, nos museus sociais e comunitários, na educação museal e nas práticas sociais de memória, política cultural e patrimônio.

Poeta, museólogo, mestre em Memória Social e doutor em Ciências Sociais, Mario de Souza Chagas ́foi um dos responsáveis pela Política Nacional de Museus e um dos criadores do Sistema Brasileiro de Museus (SBM), do Cadastro Nacional de Museus (CNM), do Programa Pontos de Memória, do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) e do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Foi também fundador da Revista Brasileira de Museus e Museologia (MUSAS) e criador do Programa Editorial do IBRAM. Atualmente é diretor do Museu da República no Rio de Janeiro.

.

Quem pode participar

A convocatória é dirigida a representantes de organizações culturais comunitárias (OCC) dos 22 países ibero-americanos. Das 100 bolsas disponíveis, ⅔ (66) serão destinadas a pessoas dos 11 países membros do IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai. As demais 34, correspondentes a ⅓ do total, serão distribuídas entre candidatos/as dos outros 11 países da Conferência Ibero-americana: Andorra, Bolívia, Cuba, República Dominicana, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Portugal e Venezuela.

Podem participar representantes de OCCs e representantes de povos originários, indígenas e afrodescendentes. No caso do Brasil, podem participar apenas representantes de OCCs certificadas como Pontos de Cultura e com cadastro atualizado na plataforma Rede Cultura Viva. No caso do Equador, é preciso estar inscrito no Cadastro Único de Artistas e Gestores Culturais (RUAC). No caso do México, só podem participar representantes de OCCs inscritas no Registro Nacional de Espaços, Práticas e Agentes Culturais (TELAR). 

A seleção buscará contemplar a diversidade temática e a localização territorial entre as OCCs participantes de cada país. Pelo menos 50% das pessoas selecionadas devem ser mulheres. A intenção é que pelo menos 30% das vagas sejam destinadas a representantes de povos indígenas e afrodescendentes. 

.

Confira o regulamento: https://bit.ly/3m8TbMv 

Onde se inscrever: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/188/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

.

Como se cadastrar na plataforma Mapa IberCultura Viva

.

1. Como iniciar a inscrição?

Para se inscrever em um edital do programa, é necessário primeiro se cadastrar como agente cultural no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individuais e coletivos. Por agentes individuais entendemos indivíduos, e por agentes coletivos, organizações culturais comunitárias, entidades, povos indígenas, coletivos, grupos e instituições. Neste concurso, é obrigatório o registro do perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). 

Atenção: O sistema só aceita registros de agentes individuais para os editais e concursos. Caso o perfil do candidato esteja registrado como “agente coletivo”, é necessário alterá-lo para “individual” para que o seu nome seja encontrado no campo de busca da página inicial do concurso.

(Aqui está um guia que pode ajudar no registro na plataforma: http://iberculturaviva.org/manual/?lang=es)

.

2. Se o candidato participou de outro edital do IberCultura Viva por meio desta plataforma, ele deve se registrar novamente como agente?

Não. Pessoas que já participaram de algum edital do programa publicado no Mapa IberCultura Viva ou já preencheram o perfil nesta plataforma não precisam se cadastrar novamente como agentes; só precisam inserir o nome no campo de busca para iniciar a inscrição.

O campo “Registrar” na página inicial do Mapa IberCultura Viva é usado apenas pela primeira vez. Nas seguintes vezes é necessário ir em “Ingresar” para acessar o seu perfil. (Será necessário clicar em “Editar” para acessar / alterar os dados cadastrais.)

Atenção: lembre-se que existem duas etapas para se inscrever na convocatória: 1) preencher o registro de agente individual no Mapa IberCultura Viva (se você já participou de outros editais do programa, deve usar o mesmo registro); 2) preencher o formulário de inscrição do seminário.

.

3. Uma vez concluído o cadastro como agente, onde encontro o formulário de inscrição do edital?

Quando você tiver um perfil de agente cadastrado, clique em “Editais” (no alto da tela) e procure o arquivo que aparece com o título “Seminario Intensivo “Memorias Vivas. Archivos y Museos Comunitarios” CLACSO-IberCultura Viva 2021”.  

Para iniciar a inscrição, clique no campo de busca, localize o nome da pessoa responsável (seu perfil de agente previamente registrado) e selecione “Realizar inscrição“. O formulário aparecerá em seguida, primeiro em espanhol e depois em português. 

O sistema gera um “número de inscrição”, que deve ser fornecido sempre que você entrar em contato com o programa IberCultura Viva para obter qualquer informação sobre sua proposta.

Atenção: A qualquer momento é possível salvar os dados cadastrais utilizando o botão “Salvar” na margem superior direita. Depois de fazer isso, você pode sair da plataforma e continuar em outro momento, antes do final do período de inscrição. 

.

4. Como saber se a candidatura foi realmente enviada?

A candidatura só será enviada após o preenchimento de todos os campos obrigatórios do registo do agente e da ficha de inscrição do edital, incluindo os anexos.

Caso o cadastro do agente na plataforma não tenha sido totalmente preenchido, não será possível enviar  inscrição. O sistema apresentará um alerta (um “!” vermelho no qual se deve clicar para saber onde está o problema). 

Se o erro estiver no registro do agente, será necessário acessar “Meu perfil” (clicando no nome ou na foto do perfil) e editar o cadastro, preenchendo todos os campos do formulário. Atenção: é necessário preencher todos os campos marcados com o símbolo “*” e selecionar pelo menos uma área de atuação, no canto superior esquerdo da página.

Verifique as informações antes de clicar em “Enviar inscrição”. Após o envio não será possível editá-la. A plataforma exibirá uma confirmação: o dia e a hora do envio da inscrição aparecerão na tela destacados em verde.

.

(*) Os países ibero-americanos são: Andorra, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala , Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana, Uruguai, Venezuela.

.

(Foto: Bernardo Guerreiro. Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros. São Jorge-GO, 2015)

Tags | , , ,

04

set
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Lucía Ixchíu dará a segunda aula aberta do Curso de Políticas Culturais de Base Comunitária

Em 04, set 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

“Encontro com Lucía Ixchíu: Gestão cultural dissidente, decolonial, comunitária e feminista” será a segunda aula sincrônica da edição 2021 do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária ministrado por FLACSO Argentina. A conversa será no dia 15 de setembro, às 12h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo pelo canal de YouTube de IberCultura Viva

Nascida em Totonicapán (Guatemala) en 1990, Lucia Ixchíu é uma mulher K´iche, feminista comunitária, arquiteta, designer gráfica, ativista de direitos humanos, artista, gestora cultural e jornalista comunitária. Tornou-se ativista e jornalista pelo massacre de 4 de outubro de 2012, na cumbre de Alaska, contra o povo indígena de Totonicapán. Atuante no movimento estudantil de 2012 a 2017, representante e líder estudantil do Conselho Superior Universitário da Universidade de San Carlos de Guatemala, foi a primeira mulher indígena a ocupar este cargo em sua faculdade, entre 2014 e 2016. 

Além de cofundadora de Festivales Solidarios, espaço de arte e comunicação para a defesa do território, prisão política e memória histórica, foi cofundadora do espaço feminista interseccional Mujeres en Movimienta, cofundadora da rede latino-americana de gestoras culturais e artistas Conectadas, e parte da equipe organizadora do encontro feminista ELLA.

Também tem atuado como correspondente do noticiário indígena Maya K’at, da Federação Guatemalteca de Escolas Radiofônicas, correspondente radialista de  Latinoamérica Rompe el Cerco (semanário de notícias de povos originários), e colunista de opinião em meios nacionais e latino-americanos. Na arquitetura, trabalha com a implantação de hortas urbanas, pesquisa o retomar do conhecimento do trabalho ancestral de construção com a terra.

.

Aulas abertas

Estas aulas abertas transmitidas por YouTube são uma das novidades do Curso de Pós-graduação Internacional de Políticas Culturais de Base Comunitária em 2021. A primeira aula, realizada em 27 de maio, foi “Cultura: as espécies culturais digitais e de território”, a cargo do professor Omar Rincón (Colômbia). Os alunos e alunas do curso participaram do encontro e puderam fazer perguntas durante a videoconferência. Uma terceira classe está prevista para este semestre.

Este curso de pós-graduação ministrado pela FLACSO-Argentina surgiu de uma pesquisa realizada pelo IberCultura Viva em 2017, que mostrou que não havia espaços acadêmicos trabalhando com políticas culturais de base comunitária como tema específico. Desde a primeira turma, em 2018, o programa abre em dezembro um edital de bolsas para pessoas dos países integrantes do IberCultura Viva. Em quatro anos, somando as pessoas selecionadas nos editais para as edições de 2018 a 2021, foram concedidas 375 bolsas para o curso. 

Atualmente em sua quarta turma, o curso se realiza de maneira virtual durante nove meses, de abril a dezembro. Os conteúdos estão distribuídos em seis módulos e 24  aulas em que se trabalham noções teóricas sobre processos culturais contemporâneos, propondo um marco teórico amplo sobre as distintas teorias da cultura e os debates atuais em torno dela, com enfoque principal no contexto ibero-americano. A proposta acadêmica coordenada por Belén Igarzábal e Franco Rizzi busca a diversidade de visões, com a participação de professores de vários países ibero-americanos. 

O colombiano Omar Rincón, que deu a primeira aula aberta de 2021, é um dos professores do curso desde a primeira turma. Ensaísta, jornalista, crítico de televisão e autor audiovisual, Rincón é pesquisador e professor de Comunicação e Jornalismo da Universidade dos Andes, diretor do Centro de Estudos em Jornalismo da mesma universidade e diretor do Centro de Competência em Comunicação da América Latina da Fundação Ebert. 

.

Assista ao encontro com Omar Rincón em nosso canal no YouTube:

.

⇒Onde assistir a aula de Lucía Ixchíu: https://www.youtube.com/c/IberCulturaViva

Tags | , ,