Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo

chile

14

jul
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile convida a participar do Registro Nacional de Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais

Em 14, jul 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

(Texto e foto: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio)

.

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile convida os agentes culturais do país a se inscreverem no “Registro Nacional de Agentes Culturais, Artísticos e do Patrimônio: melhor informação, melhores políticas públicas para a cultura”. A iniciativa tem como principal objetivo obter informações atualizadas, válidas e confiáveis ​​sobre a situação do setor e seus diferentes subsetores nos níveis nacional, regional e municipal.

O cadastro faz parte do Plano de Caracterização de Agentes Culturais, Artísticos e Patrimoniais, do qual também faz parte o III Cadastro Nacional de Espaços Culturais, que já está em execução há algumas semanas.

A ministra das Culturas, Artes e Património, Consuelo Valdés, afirmou que “esta é uma política de Estado e um registro que visa dimensionar, identificar e caracterizar o setor de forma universal e inclusiva. Precisamos atualizar e obter o máximo de informação possível dos agentes culturais, artísticos e patrimoniais existentes no Chile, para que possamos desenhar e implementar melhores políticas públicas para esta área. Por isso a participação de todos é fundamental”. A autoridade acrescentou que “este projeto responde a uma demanda há muito esperada pela comunidade cultural, artística e patrimonial do país, que tem sido levantada pelas diversas organizações do setor em diferentes instâncias participativas”.

O cadastro vem para atualizar e aprofundar o Perfil de Cultura, base de dados de agentes e espaços que vem sendo realizada desde 2016 e que contém informações sobre todas as pessoas inscritas nas convocatórias da instituição. Este instrumento tem sido um dos principais insumos para a implementação de programas e iniciativas ministeriais nos últimos cinco anos.

No entanto, é necessário um instrumento único que forneça mais e melhores dados sobre o setor, de forma a atingir as organizações, agentes e trabalhadores/as culturais que ainda não foram contabilizados. O registro também aprofunda as informações perguntando sobre dados de identificação e localização; a atividade cultural, artística e patrimonial desenvolvida e o meio em que é realizada; emprego, saúde e situação previdenciária, entre outras questões.

.

Quem pode participar?

Podem participar do registro aqueles que se consideram ou se identificam como agentes culturais, artísticos e/ou patrimoniais, sejam organizações, criadores, artistas e/ou trabalhadores e trabalhadoras culturais, incluindo todas as disciplinas artísticas e todos os elos do ciclo cultural (criação, produção, marketing, mediação, educação, etc.). A ideia é também atingir atores sobre os quais o ministério tem pouca ou nenhuma informação.

Para se inscrever, deve-se responder a um questionário com cerca de 50 questões (é preciso escolher entre duas opções de formulários: para pessoas físicas e pessoas jurídicas), que se encontram disponíveis em www.cultura.gob.cl/registroagentes. Dúvidas ou consultas devem ser enviadas ao e-mail consultationsregistro@cultura.gob.cl. As inscrições podem ser feitas até o final de setembro.

O questionário também estará disponível em breve em línguas dos povos indígenas (Rapa Nui, Mapudungun e Aymara). É importante mencionar que o formulário foi desenvolvido e construído de forma participativa com representantes e sindicatos do setor.

.

Cadastro Nacional de Espaços Culturais

Este instrumento é um sistema de cadastramento de espaços públicos e privados de uso cultural, artístico e/ou patrimonial em funcionamento em todo o território nacional e que contam com planejamento anual. A coleta de informações será realizada entre junho e setembro de 2021 por entrevistadores com experiência em coleta de dados (Consultor Pragmac), que entrarão em contato com os responsáveis ​​pelos espaços para aplicar o questionário presencial ou virtualmente, conforme permitido pelas circunstâncias sanitárias. Esta é a terceira versão deste cadastro, a última foi realizada em 2014.

Tags |

28

Maio
2021

Em Notícias

Por IberCultura

“Registro de iniciativas culturais comunitárias” reúne histórias da Região Metropolitana do Chile: uma ideia a replicar

Em 28, Maio 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Há um ano, os membros da Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana (Mesa OCCRM), do Chile, decidiram convocar as OCCs da região para fazer algo que nunca haviam feito antes: contar suas histórias, documentar o que faziam em seus territórios, mostrar que existiam. O projeto, realizado com o apoio do Programa Rede Cultura da Secretaria Regional das Culturas, Artes e Patrimônio, resultou no livro “Registro de iniciativas culturais comunitárias – Região Metropolitana”, lançado em encontro por videoconferência na última quarta-feira dia 26 de maio. 

A publicação reúne, em 176 páginas, um total de 76 organizações e iniciativas culturais comunitárias da Região Metropolitana de Santiago, pertencentes a 27 das 52 comunas que a constituem. Os temas de trabalho são os mais variados, vão desde circo, reciclagem e pintura mural até trabalho com crianças, jovens e mulheres, promoção de direitos, animação cultural de bairro, pesquisa e gestão cultural, entre outros. Na parte final do livro foi incorporado um mapa com a localização territorial de cada uma delas, disponível em sua versão interativa no site www.mesaoccrm.cl.

O lançamento se deu numa das sessões do 6º Encontro de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana. Estavam presentes o coordenador da edição, Roberto Guerra Veas, fundador da Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac); o designer gráfico Alfredo Chuquimia; Camila Garrido, Vania Fernández e Marianela Riquelme, profissionais do programa Red Cultura; Esther Hernández Torres (México), presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, e integrantes de organizações que participam da Mesa de OCC da Região Metropolitana. 

Quatro das organizações presentes no livro se apresentaram neste encontro virtual: Elizabeth Guzmán falou sobre a Escola de Títeres de Lo Espejo; Ruben Berrios, do Grupo Perú Danza; Diana Catani, da Corporación Cultural Teatro Bus Chile; Rosa Luz Vargas, da Ebano y Marfil. A moderação esteve a cargo de Melanie Bustos Alveal, representante da organização La Joya Mosaico. 

Um desejo cumprido

Na abertura do encontro, Camila Garrido, representante do programa Red Cultura, felicitou os representantes da Mesa OCCRM e falou da emoção ao ver o texto, depois de quatro anos de trabalho conjunto em prol do fortalecimento de OCCs para a região. “Havia um desejo de que isso acontecesse, de que esse registro fosse gerado. É muito gratificante ser testemunha deste acontecimento”, comemorou. “Há um ano, quando esse projeto surgiu da mesa, o objetivo técnico era a auto-observação, mas esse foi um pretexto para poder acompanhar, colaborar, se encontrar com as OCCs que estavam no território.”

Segundo Camila, a estratégia era dar visibilidade cultural ao trabalho das organizações, mas havia algo mais: era preciso dar cara, nomes e pele às organizações que distribuíam refeições, coordenavam a entrega de caixas de mercadorias, realizavam bingo, rifas, para ajudar um vizinho com problemas de saúde. “A cultura comunitária acaba sendo um bálsamo nesses momentos difíceis e dolorosos. É uma forma de se conectar com a memória e a resistência”, destacou. Para ela, este registro não é apenas um marco regional, mas também nacional, “uma prática que vale a pena imitar nas várias regiões e comunas do país”, pois sistematizar o que se faz é uma forma de ficar no tempo, uma forma de transcender.

Vania Fernández, outra representante do Red Cultura na região, também expressou a emoção de ver a concretização deste projeto, que “mostra que o trabalho cultural comunitário vai além de se candidatar a fundos públicos”. “Essas organizações trabalham pela construção de uma sociedade que garanta os direitos culturais. Elas trabalham de forma autônoma, se preocupam em empoderar seus pares, se associam, buscam maneiras de sobreviver. (…) Quando começam a deixar de se olhar e passam a olhar para o outro, quando encontram nas expressões artísticas a forma de estimular suas vidas e de todo o seu entorno, é aí que as comunidades começam a crescer. Este registro nos mostra 76 histórias, 76 sonhos, 76 lutas de ativismo territorial.”

Uma experiência inspiradora

Esther Hernández Torres, diretora geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do México e presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, representou o programa no encontro e comentou a emoção transmitida pelos membros da Mesa OCC ao ver materializado este trabalho. “As histórias que vêm das organizações são realmente empolgantes e inspiradoras”, disse ela. Além de parabenizá-los pela edição e pelo complexo trabalho de sistematização (“que eles conseguiram fazer muito bem”), destacou a importância da experiência e do trabalho que as organizações de base realizam quando se articulam nas políticas culturais. 

“Passamos por tempos muito difíceis e nós que gerenciamos políticas de base comunitária nos preocupamos com a necessidade de presença, de território. E quando pensávamos que não podíamos fazer mais nada, as organizações nos surpreendem com redes de solidariedade, sendo agentes de mudança em seus lugares de origem. Agentes que buscam o bem-estar coletivo por meio da arte, da cultura, de suas próprias linguagens, para se manterem vivos. O fato de o trabalho comunitário, em vez de cair como muitos de nós temíamos, ter criado todas essas possibilidades com mais força, é algo que dá muita esperança e que é preciso compartilhar ”, destacou a presidenta do IberCultura Viva.

Para Esther Hernández, a publicação é uma fonte de inspiração para organizações de outras latitudes, de outras partes da Ibero-América, e demonstra a vitalidade da cultura comunitária. “Adorei o que Camila disse: que a cultura da comunidade é um bálsamo em momentos de dor. Sim, é um bálsamo nos momentos difíceis, mas também nos momentos de confiança, de encontro, de alegria. E nos momentos de raiva, de memória, de lembrar por que estamos aqui, por que agimos e por que é cada vez mais necessário trabalharmos juntos, em solidariedade, em redes”, afirmou. 

Sete meses de trabalho editorial

Roberto Guerra Veas, responsável pela coordenação editorial, destacou que as organizações culturais comunitárias são um dos atores mais dinâmicos do setor cultural chileno, estando presentes de uma ponta a outra do país, “de Putre a Puerto Williams”. “Também na nossa região, no conjunto de comunas, elas dizem presente. E têm feito isso desde sempre, desde antes de o ministério existir, e elas estão dizendo presente agora. Nestes tempos complexos, elas se comprometeram a acompanhar seus grupos e comunidades, estão se organizando, ativando, gerando espaços de participação. Aonde o Estado não chega e o mercado não se interessa, aí estão as organizações culturais comunitárias”, comentou. 

Segundo o fundador da Egac, o projeto do livro surgiu a partir de duas das principais demandas que as organizações de base regularmente levantam: que seu trabalho tenha mais visibilidade e seja reconhecido. “Este registro é um presente que damos a nós mesmos e que compartilhamos com todos. O livro nos permite mostrar que existimos, que há processos de ativação e reconhecimento aqui, que há iniciativas que estão fazendo algo que ninguém mais está fazendo, que há um festival de teatro de bonecos que une a população, que estão criando ‘panelas comuns’, que estão pintando murais de forma colaborativa e associativa … Há um valor fundamental aí”, disse, apontando a necessidade de o Estado responder à demanda constante das organizações por um maior reconhecimento, por ter políticas públicas específicas e deixar de ser “os parentes pobres” nas políticas culturais. 

A publicação levou sete meses “intensos” de trabalho e também serviu para lembrar às organizações a necessidade de as organizações prestarem a devida atenção aos processos de registro e documentação de suas práticas. “Isso não é secundário. É importante organizar as informações, documentar o que está sendo feito, ter arquivos, ter fotos que falam bem do seu trabalho”, observou Guerra. “Com informações organizadas, você pode avançar nos processos de sistematização, compartilhar uma experiência. Nesse caso, compartilhar o trabalho de 76 organizações é como tirar uma foto. No outono de 2021, esta é uma foto do setor cultural comunitário que ficará para a história.”

O processo de seleção

Na apresentação do livro, explica-se que o projeto teve início com uma convocatória dirigida a organizações, coletivos e projetos culturais comunitários e sem fins lucrativos, denominados “iniciativas”, que, independentemente da sua natureza jurídica, realizam seu trabalho em qualquer uma das 52 comunas da Região Metropolitana de Santiago. Era necessário ter no mínimo três anos de funcionamento. Concluído o período de registro, foram recebidas 90 postulações de 28 comunas da capital chilena.

A avaliação das iniciativas ficou a cargo de um comitê formado pela Mesa OCCRM e o programa Red Cultura, considerando os critérios de associatividade, trajetória e experiência, abrangência e participação nos encontros regionais de OCCs. As 69 que completaram satisfatoriamente todo o processo juntaram-se às 7 organizações que faziam parte da Mesa OCCRM, completando o total de 76 iniciativas presentes no texto.

Onde baixar a publicação: www.egac.cl

Veja o vídeo do lançamento: https://www.facebook.com/egaccultura/videos/147737554039890

Tags | ,

28

Maio
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Programa Red Cultura disponibiliza uma cartografia cultural da região de Tarapacá, no Chile

Em 28, Maio 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Para tornar visível e valorizar a contribuição à cultura da comunidade organizada, em coordenação com os/as agentes culturais locais, o programa Red Cultura da região de Tarapacá, em Chile, disponibiliza um mapa georreferenciado dos espaços culturais, da secretaria municipal de cultura das 7 comunas pertencentes a esta região e de 29 organizações culturais comunitárias das comunas de Pica, Huara, Iquique, Alto Hospicio e Pozo Almonte.

Com o objetivo de contribuir para a continuidade e sobrevivência dos agentes culturais do território e de suas estruturas sociais, bem como para fortalecer a articulação da comunidade, os diferentes agentes e instituições culturais foram convocados a participar da configuração de uma ferramenta de planejamento de apoio para a geração de novas fontes de financiamento e que, de alguma forma, permitam reativar, reencantar e/ou formar um novo e fortalecido vínculo com as comunidades e públicos aos quais dirigem suas atividades.

Diversas atividades, em sua maioria virtuais, foram desenvolvidas para identificar o patrimônio cultural regional e gerar pontos de contato georreferenciados e informações para esse mapeamento cultural regional. Destacam-se os seis Encontros Participativos: dois com agentes culturais municipais, dois com responsáveis ​​pelos espaços culturais e dois com representantes de organizações culturais comunitárias e com o apoio dos grupos de trabalho que se estabelecem com as contrapartes territoriais do programa Red Cultura.

A iniciativa busca ser um palco para essas e outras OCCs da região, a fim de informar a comunidade sobre sua existência e as atividades que realizam para ativar os territórios e ampliar o repertório de iniciativas culturais comunitárias.

A região de Tarapacá está localizada no norte do Chile, na fronteira com a Bolívia, a quase 2.000 quilômetros da cidade de Santiago. Até 20 anos atrás era também constituída pela região de Arica e Parinacota, na fronteira com o Peru e a Bolívia, possuindo um alto percentual de população migrante. É reconhecida por seu planalto e localidades rurais ricas em história paleolítica de geoglifos, pinturas rupestres e pictoglifos de várias datas e, principalmente, por suas obras de nitrato declaradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Texto: Coordinación nacional del componente OCC – Red Cultura/ Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio de Chile

Conheça o mapa:

https://www.google.com/maps/d/u/0/viewer?ll=-18.449926969621405%2C-70.07813369388832&z=7&mid=1qxpbMuOaPrEId2IEvfg5CF8pBwK3ICrZ

Tags | ,

11

Maio
2021

Em Notícias

Por IberCultura

IberCultura Viva participa de reunião da Mesa Regional de OCCs de Coquimbo, no Chile

Em 11, Maio 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Como a pandemia Covid-19 redefiniu o espaço público? Na região de Coquimbo, no Chile, as pessoas têm se reunido nas praias para compartilhar atividades, as quadras agora estão cheias de pais com filhos, panelas comunitárias são cada vez mais vistas nos bairros… “O espaço público tem se reinventado”, comentou Mirna Veliz , representante da Agrupación Cultural Margot Loyola, de Tierras Blancas, no encontro virtual da Mesa Regional de Organizações Culturais Comunitárias (OCCs) de Coquimbo realizado na quinta-feira, 6 de maio.

A questão da emergência sanitária e suas reflexões sobre a convivência e o uso do espaço público foi levantada por Emiliano Fuentes Firmani, secretário técnico do IberCultura Viva, durante a reunião da Mesa Regional de OCCs, e comentada pelas participantes a partir da percepção que elas têm de seus bairros e arredores. São consultas como esta que norteiam algumas ações do programa, daí a importância que IberCultura Viva dá aos encontros com representantes de OCCs dos países membros.

Durante a sua participação neste encontro virtual -a convite de Maria Rosa Cortés Vergara, coordenadora do programa Red Cultura na região de Coquimbo-, Emiliano Fuentes Firmani explicou como funciona o IberCultura Viva, quais são os seus objetivos, comentou as reformulações que foram feitas no Plano Estratégico Trienal (PET 2021-2023), recentemente aprovado pelo Conselho Intergovernamental, e divulgou as convocatórias que serão realizadas em 2021. 

O secretário técnico destacou algumas novidades nas atividades do programa, como a inclusão de editais para projetos de inclusão digital comunitária, para a publicação de obras em línguas indígenas (traduzidas para o espanhol e português) e para o reconhecimento de portadores e experiências comunitárias na gestão do patrimônio cultural imaterial. Ele também falou sobre a intenção de promover capacitações de curta duração, a exemplo de um curso virtual sobre perspectiva de gênero e cultura comunitária.

Das 14 pessoas que participaram deste encontro, a maioria já tinha conhecimento do programa IberCultura Viva. Claudia Velasco Cornejo, da Corporación Cultural Gestores del Choapa, de Los Vilos, foi uma das bolsistas do Curso Internacional de Pós-Graduação em Políticas Culturais Comunitárias que o programa vem desenvolvendo com a FLACSO-Argentina desde 2018. Mirna Veliz, da Agrupación Cultural Margot Loyola, foi quem recebeu em Tierras Blancas o projeto “Ipadê – Encontros com Axé”, do Grupo Senzala Foz (Brasil), em um dos intercâmbios selecionados na convocatória Iber Entrelaçando Experiências em 2019.

Criada em 2017, a Mesa Regional de Coquimbo é composta por representantes de sete OCCs com perfis distintos, das comunas de Paihuano, Vicuña, Coquimbo e Los Vilos (localizadas nas regiões de pré-cordilheira, vale, zona urbana e litoral). Embora não sejam muitas em relação à representação territorial, essas organizações de Coquimbo são participativas e estabeleceram um trabalho colaborativo com o Estado, participando das diversas atividades propostas pelo programa Red Cultura na região.

Tags |

26

nov
2020

Em Notícias

Por IberCultura

No Chile, organizações culturais comunitárias da região de Tarapacá se reúnem para um balanço anual 

Em 26, nov 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

Os encontros comunais online na Região de Tarapacá, no Chile — organizados pelo Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, através do programa Red Cultura —, foram a ocasião indicada para apresentar as cápsulas audiovisuais que recolhem depoimentos de integrantes de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) de Huara, Pozo Almonte, Pica, Alto Hospicio e Iquique. Os vídeos mostraram o que essas organizações desenvolveram durante este ano e ao longo de suas trajetórias, emocionando os participantes, que pela primeira vez puderam ver o resultado final do trabalho realizado em equipe. 

“Essas agrupações puderam contar algumas das coisas que realizam em suas comunas e mostrar o aporte que são para a região. É justamente disso que se trata esta iniciativa, de que exista um trabalho onde todas as organizações, com suas respectivas especialidades, somem experiências e esforços para difundir a cultura no território”, afirmou a secretária regional ministerial (Seremi) das Culturas, das Artes e do Patrimônio de Tarapacá, Laura Díaz.

O material audiovisual foi reunido durante o Plano Regional de Formação em Gestão Cultural e Sustentabilidade — entre setembro e os primeiros dias deste mês —, quando os integrantes das OCC, junto a uma equipe de produção, criaram os roteiros e gravaram as cápsulas, que permitem mostrar o trabalho feito a favor da promoção e da preservação cultural. Os vídeos serão publicados em breve no Repositório Digital do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio.

Avaliação e georreferenciamento

Durante os encontros, as pessoas participantes também puderam avaliar as instâncias formativas do programa Red Cultura na região, assim como realizar o levantamento de informação para a elaboração de uma cartografia cultural regional, tanto das OCC que participam do programa como de espaços culturais que conformam a rede regional e os municípios que contam com departamentos de Cultura e têm um Plano Municipal de Cultura (PMC) atualizado.

Em cada um dos encontros virtuais, membros dessas organizações fizeram parte da consulta que uma equipe de profissionais desenvolve para elaborar a georreferenciação e cartografia dos agentes culturais da região. Foi assim que o estudo permitiu guiar os participantes na identificação dos ativos culturais de cada comuna, os quais, após ser submetidos a votação, foram georreferenciados.

As Organizações Culturais Comunitárias participantes se caracterizam não apenas por reunir pessoas de distintos grupos etários, mas também por se tratarem de agrupações de cidadãos migrantes com ativa participação na região.

Tags | , ,

05

nov
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile publica informe do Segundo Encontro Nacional de OCC

Em 05, nov 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, através do programa Red Cultura do Departamento Cidadania Cultural, publicou nesta quarta-feira 4 de novembro o informe do Segundo Encontro Nacional de Organizações Culturais Comunitárias, organizado pela Subsecretaria das Culturas e das Artes. A atividade foi realizada em setembro de 2019 na localidade de El Molle, comuna de Vicuña, Região de Coquimbo.

A publicação contém um relato dos dois encontros realizados e uma análise das metodologias utilizadas, os comentários e conteúdos do segundo encontro. Também conta com um informe adicional que contém os anexos associados aos reportes de apoio metodológico, instrumentos de análise e informes de observadores internos e externos.

O encontro buscou ser um espaço de diálogo, intercâmbio e aportes para avançar na definição de matérias relevantes para o fortalecimento de OCC em seu papel de ativação territorial e para que sejam parte reconhecida das estruturas de governança cultural em suas comunas. Reuniram-se  mais de 100 pessoas, representantes de OCC de todas as regiões do país. 


Para baixar o documento:

https://repositorio.cultura.gob.cl/handle/123456789/5531

 

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio de Chile 

 

Tags | ,

30

set
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Ministério das Culturas do Chile abre convocatória para o fortalecimento de organizações culturais comunitárias 

Em 30, set 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

O Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, através do programa Red Cultura, abriu nesta terça-feira 29 a Convocatória 2020 para o Fortalecimento de Organizações Culturais Comunitárias (OCC), destinada a apoiar iniciativas em três modalidades: Diagnóstico e fortalecimento interno da OCC e sua comunidade, Articulação de redes nos territórios, e Iniciativas de apoio e contenção social a partir do trabalho cultural comunitário.

O montante disponível é de 170 milhões de pesos chilenos, que permitirá entregar recursos de até 3 milhões de pesos a cada iniciativa selecionada, e de 1 milhão e meio de pesos como mínimo. Haverá um prazo de cinco meses para concretizá-la.

O objetivo desta convocatória é conceder financiamento a iniciativas postuladas por organizações culturais comunitárias, com ou sem personalidade jurídica, sem fins lucrativos, que permitam sustentar espaços de participação, intercâmbio, integração, criação artística e comunitária no contexto da emergência. O prazo de inscrição se encerra em 21 de outubro, às 17h (hora local).

 

Modalidades

1 – Diagnóstico e fortalecimento interno da OCC e sua comunidade (Intra-OCC)

O objetivo desta modalidade é apoiar a gestão da organização cultural comunitária através de um processo grupal de trabalho autoavaliativo interno que traga como resultado uma proposta de fortalecimento do vínculo da OCC com a comunidade, que lhes permita manter e/ou potenciar espaços de participação. Equipe: mínimo de 3 pessoas.

 

2 – Articulação em redes nos territórios (Inter-OCC)

O objetivo desta modalidade é apoiar a gestão das organizações culturais comunitárias postulantes, através do financiamento de uma iniciativa que considere processos de trabalho grupal autoavaliativo e que traga como resultado uma proposta associativa de fortalecimento do vínculo das OCC com a comunidade, que lhes permita manter e/ou potenciar espaços de participação. A equipe mínimo é de 3 pessoas/ 3 OCC.

3 – Iniciativas de apoio e contenção social a partir do trabalho cultural comunitário (Extra-OCC)

A modalidade contempla iniciativas criadas por uma ou mais OCC para a difusão e/ou criação de material digital ou virtual, que conte com a participação de artistas locais e/ou artistas educadores pertencentes à/às OCC participantes, ou aos territórios de pertencimento delas. Equipe mínimo sugerida: 3 pessoas.

 

Concursabilidade

Na elaboração do regulamento foram considerados os antecedentes aportados pelas Organizações Culturais Comunitárias durante os encontros regionais e nacionais organizados pelo Departamento Cidadania Cultural através do programa Red Cultura. Foram levadas em conta as dificuldades de conexão, as possíveis complexidades das postulações online e a falta de retribuição econômica às pessoas responsáveis das iniciativas.

Por esse motivo, o atual processo de inscrição não requererá registro no Perfil Cultura nem nem será feito através da plataforma www.fondoscultura.cl  A maneira de postular será mediante a apresentação de um formulário Word enviado ao e-mail convocatoria.redcultura@cultura.gob.cl

Outra medida adotada é que se eliminam as cartas de apoio e só se deve apresentar cartas de compromisso da equipe de trabalho. Neste processo também se considera o pagamento de honorários para quem executa a iniciativa e não se contempla uma porcentagem determinada para cada item de gasto.

 

Consultas: redcultura@cultura.gob.cl

Regulamento e formulários: https://bit.ly/33i27Y4

 

 

(*) Texto publicado no site do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile

 

 

Tags | , ,

28

ago
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Programa Red Cultura, do Chile, promove conversas, oficinas e cursos para organizações culturais comunitárias

Em 28, ago 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

Entre 4 de setembro e 15 de outubro será realizada uma série de atividades de formação em Gestão Cultural e Sustentabilidade, gratuitas e em formato virtual, promovidas pela Secretaria Regional Ministerial (Seremi) das Culturas, das Artes e do Patrimônio – Região de Tarapacá (Chile), através do programa Red Cultura. As conversas, oficinas e cursos são dirigidos a representantes de organizações culturais comunitárias (OCC) e juntas de vizinhos, gestores e agentes culturais e pessoas interessadas em desenvolvimento cultural do território. 

A conversa “Impacto da cultura no desenvolvimento dos territórios”, com Gerardo Daniel Padilla, dará início às atividades no dia 4 de setembro, às 17h (horário do Chile). Padilla é coordenador de Inovação e Desenvolvimento Institucional na Direção de Cultura de San Luis Potosí (México), onde lidera a iniciativa de cooperação multilateral “Carta da Cidade de San Luis Potosí pelos Direitos Culturais”, ao lado da UNESCO México, assim como a Comissão COVID-19 da Rede de Cidades e Governos Locais de IberCultura Viva.

Na segunda-feira 7 de setembro começará o curso “Sentido e desafios da organização cultural comunitária hoy”. Serão cinco sessões, sempre às 16h (horário do Chile): “Políticas Culturais” (07/09); “Participação Cidadã e Governança” (08/09); “Animação Sociocultural” (10/09); “Comunicação efetiva” (22/09); “Sentido e desafios da Gestão Cultural Comunitária hoje” (24/09). 

 

Inscrições:

Conversa inaugural: https://forms.gle/1Sum8JBrsXqUG6of7

Curso: https://forms.gle/NkkJWcKrByCUZnbA9

Consultas: redcultura.tarapaca@gmail.com

 

Tags | , , ,

08

Maio
2020

Em Notícias

Por IberCultura

Governo do Chile cria um Plano de emergência em apoio às culturas, às artes e ao patrimônio

Em 08, Maio 2020 | Em Notícias | Por IberCultura

Diante da crise sanitária provocada pela COVID-19 e seus efeitos no setor cultural, o Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile reformulou alguns instrumentos e programas e criou seu Plano de Emergência em Apoio às Culturas, às Artes e ao Patrimônio.

A iniciativa foi elaborada a partir do trabalho com as mesas setoriais e do resultado da Consulta Pública Online, que entre 23 de março e 13 de abril recolheu informação sobre a situação de mais de 15 mil pessoas, organizações culturais e coletivos artísticos.

O plano de emergência consta de quatro eixos: 1) Apoio a instituições culturais; 2) Aquisição de conteúdos culturais; 3) Fomento à criação, produção e circulação; 4) Formação e mediação de conteúdos artísticos e culturais.

 

Saiba mais: https://www.cultura.gob.cl/plandeapoyo/

Tags | , ,

20

out
2019

Em Notícias

Por IberCultura

No Chile, 70 pessoas de 9 regiões participam de curso de Gestão Cultural Comunitária

Em 20, out 2019 | Em Notícias | Por IberCultura

A Secretaria Regional Ministerial das Culturas, das Artes e do Patrimônio da Região de Aysén (Chile) realizou o 2º Encontro de Organizações Culturais Comunitárias, nos dias 16 e 17 de outubro, em Coyhaique, com convidados de oito regiões do país. Durante dois dias de intenso trabalho na Biblioteca Regional de Aysén, profissionais da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina) ministraram o Curso de Gestão Cultural Comunitária. 

A diretora da área de Comunicação e Cultura da faculdade, Belén Igarzábal, e o sociólogo Franco Rizzi trabalharam com 70 profissionais das regiões de La Araucanía, Atacama, Magallanes, O’Higgins, Coquimbo, Biobío, Antofagasta, Los Ríos e Aysén. Franco e Belén são os coordenadores acadêmicos do Curso de Pós-graduação Internacional em Políticas Culturais Comunitárias, realizado por FLACSO Argentina em parceria com o programa IberCultura Viva.

Belén Igarzábal considerou “excelente” a atividade, especialmente pelas pessoas que vieram de diferentes regiones, com muita disposição para trabalhar. “Dividimos a jornada em duas partes. Uma primeira, mais expositiva, e uma segunda de trabalho em mesas e em rede. As pessoas estavam muito dispostas a participar, opinar e debater. Criaram projetos muito interessantes em que se viram refletidos o território, a diversidade, a identidade”, comentou a diretora.

A secretária regional ministerial (seremi) de Culturas de Aysén, Margarita Ossa, também se mostrou satisfeita com o resultado do encontro de organizações culturais comunitárias (OCC). “Contamos com a participação de oito regiões, trocando experiências e criando redes. Ademais, temos uma importante participação das agrupações culturais de nossa região”, ressaltou.

Para María Cristina Arteaga, que viajou de La Araucanía para participar do encontro, a atividade foi “muito benéfica”. “Conhecemos outras experiências, distintas atividades culturais que estão fazendo em outras regiões, e aprendemos com muita gente que tinha mais experiência que nós. Isso nos abre a mente para seguir com entusiasmo neste caminho de gestores culturais”, afirmou.

Todos os participantes receberam certificados da FLACSO-Argentina em Gestão Cultural Comunitária, levando a seus currículos novas ferramentas para seguir enriquecendo o trabalho das organizações culturais comunitárias.

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio

 

Tags | , , ,