Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo

Notícias

02

Maio
2021

Em Notícias

Começa a quarta turma do Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais Comunitárias 

Em 02, Maio 2021 | Em Notícias |

Se há algo que chama a atenção no Curso de Pós-Graduação Internacional em Políticas Culturais de Base Comunitária, que a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO-Argentina) desenvolve com IberCultura Viva desde 2018, é a riqueza do intercâmbio que se gera entre todos e todas que participam deste espaço. Na sessão virtual que ocorreu na segunda-feira, 26 de abril, para dar as boas-vindas às mais de 130 pessoas inscritas na quarta turma do curso, tanto a equipe da FLACSO quanto o representante do IberCultura Viva destacaram o valor desses encontros e dessa diversidade de miradas.

“Tem gente que trabalha nas políticas públicas, tanto nacionais como regionais, estaduais e municipais, tem gente de organizações da sociedade civil, tem gente de centros culturais independentes, tem professores de toda a região. A ponte que se gera nos fóruns de intercâmbio, e também como as redes vão se tecendo, é algo muito valioso neste curso. Apelamos a vocês que aproveitem isso desde o primeiro momento ”, afirmou Belén Igarzabal, coordenadora acadêmica da pós-graduação (junto com Franco Rizzi) e diretora de Comunicação e Cultura da FLACSO-Argentina.

Nesta edição de 2021, o programa IberCultura Viva concedeu 88 bolsas a pessoas dos 11 países membros (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai). Outras 16 pessoas (8 do Brasil, 8 do Chile) receberam bolsas extras porque os representantes do Chile e do Brasil no Conselho Intergovernamental decidiram ampliar suas cotas utilizando os recursos disponíveis no Fundo Multilateral IberCultura Viva para apoiar a formação de organizações culturais comunitárias. Foi a terceira vez que os dois países ampliaram o número de bolsas para candidatos de seus respectivos países, levando em consideração a quantidade e a qualidade dos candidatos. Este ano, 502 pessoas enviaram inscrições para o Edital de Bolsas IberCultura Viva.

“Estamos muito felizes com o resultado. A cada ano mais pessoas se candidatam a bolsas e cada vez mais temos alunos/as matriculados no curso, o que mostra que há uma demanda constante por formação, e ainda há um longo caminho a percorrer a partir desse espaço. Embora existam realidades muito diferentes, da Espanha, do México ao sul da Argentina, há muitos problemas em comum e há muito o que aprender com todos e todas”, disse Franco Rizzi. “(…) O que mais gostamos é que aproveitem para tecer redes, se conhecerem, se encontrarem, porque muito do que ganhamos nesses lugares é conhecer outras realidades e poder contatá-las também.”

Início do curso

O encontro desta segunda-feira, que contou com a presença de 92 pessoas, começou com uma contextualização pelo coordenador acadêmico, lembrando que o curso surgiu de uma pesquisa que começou a ser realizada no IberCultura Viva em 2017. “Vimos que havia espaços de formação em gestão cultural em todos os países, que havia espaços de formação cultural de base comunitária, sobretudo vinculada às políticas públicas de governos, mas não havia espaços acadêmicos que trabalhassem com políticas culturais de base comunitária como temática específica. Com isso, pareceu-nos importante proporcionar um espaço de reflexão, formação e geração de conhecimento acadêmico, também para poder crescer nesse sentido, não só na prática, mas também colocar a teoria e vincular a teoria à prática”, comentou Franco Rizzi. 

Após apresentar a equipe da FLACSO que acompanhará os alunos até dezembro (a coordenadora Belén Igarzabal, as orientadoras Celia Coido e Cecilia Salguero, e a encarregada da assistência técnica, Malena Taboada), o coordenador acadêmico cedeu a palavra a Diego Benhabib, coordenador de Pontos de Cultura da Argentina, representante do país no IberCultura Viva e também professor deste curso de pós-graduação. Em nome do IberCultura Viva, Benhabib deu as boas-vindas aos novos alunos e alunas e destacou que neste ano o curso atingiu um total de 375 bolsistas do programa. “Este é um espaço muito importante de formação, de geração não só de conteúdo, mas também de reflexão e massa crítica sobre o papel que as políticas culturais de base comunitária têm hoje em nossos países”, afirmou.

Para Benhabib, o currículo desta pós-graduação mostra uma história comum e um consenso sobre a importância da cultura comunitária nos países ibero-americanos, visto que tem esse eixo no território, na identidade e no trabalho coletivo. “Isso quando se articula com os Estados e com os governos locais torna-se muito mais poderoso. Este vínculo é necessário, e creio que haja um eixo muito particular para gerar espaços de formação no sentido de, por um lado, valorizar as políticas culturais de base comunitária que se sustentam em nossos países, e por outro, reconhecer o enorme esforço e trabalho coletivo que vem fazendo todo um movimento de diferentes redes de cultura comunitária da região”, destacou o representante do Ministério da Cultura da Argentina. “É por isso que este curso costuma ser frequentado tanto por gestores culturais públicos como por representantes de organizações culturais comunitárias. Há uma riqueza muito valiosa aí.”

Proposta acadêmica

Ao comentar a proposta acadêmica, Belén Igarzabal explicou aos/às participantes que os conteúdos vistos ao longo do curso vão aprofundar a cultura viva, a cultura comunitária, as políticas públicas, a gestão do território, “como se dá essa cultura que é mutante, que é diversa e que na nossa região é tão efervescente”. Ao longo dos cinco módulos, serão desagregados diversos temas, sempre com um olhar na região ibero-americana e também numa perspectiva histórica.

Serão discutidos, por exemplo, os processos culturais contemporâneos, quais são os debates atuais, as diferentes concepções que se deram de cultura ao longo dos anos. Haverá também um módulo sobre políticas culturais onde vão conceituar o que tem a ver com direitos culturais, com cidadania, com o comunitário, como é gerada uma política cultural. 

É especialmente aí, quando são discutidas políticas de cultura e território, que o grupo docente também conta com a participação do grupo discente, já que muitos dos alunos/as trabalham na gestão de políticas públicas. “Cada região, cada país, cada município, tem suas peculiaridades. Apelamos a todo o tempo a esta troca, para que contem as suas experiências, para que contribuam desde o seu território específico, a partir da sua expertise – pragmática, prática – e também das suas próprias leituras e dos seus percursos ”, comentou Belén.

No módulo 4, em que se contextualiza mais especificamente a cultura comunitária, quais são os incidentes dentro do que são políticas culturais de base comunitária, pretende-se mostrar como foram se transformando ao longo do tempo, quais são as políticas existentes nos países ibero-americanos e os diferentes tipos de ferramentas que são utilizadas nessas políticas e que podem ser transferidas para diferentes lugares. Este módulo também fala sobre redes e cultura colaborativa, focando em como a cultura viva comunitária precisa de redes.

O quinto e último módulo destina-se ao desenho e acompanhamento da avaliação de políticas públicas. Durante este módulo, os alunos irão produzir o seu trabalho final, que consiste na concepção, conceituação e planejamento de um projeto cultural comunitário ou de uma política pública cultural de base comunitária. O prazo para apresentação deste trabalho é dia 20 de novembro. 

As datas, as ferramentas disponibilizadas e a organização do curso (aulas publicadas às quintas-feiras, fóruns de intercâmbio disponíveis às sextas-feiras, etc.) foram explicadas pelos coordenadores acadêmicos e pelas tutoras ao longo deste primeiro encontro virtual, que teve uma hora de duração. Duas outras sessões como esta, mais operacionais, serão realizadas quando forem publicadas as instruções para as avaliações parcial e final. Também estão planejadas mais três conferências síncrônicas conceituais, que serão transmitidas pelo YouTube. As datas dessas aulas ao vivo (que serão como entrevistas com professores convidados) ainda serão definidas e posteriormente divulgadas nas redes sociais do IberCultura Viva.

Tags | ,