Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

redes

30

Sep
2020

EmDestaque
EDITAIS
Notícias

PorIberCultura

Edital de Apoio a Redes 2020 seleciona 53 iniciativas realizadas em comunidades de 10 países 

Em30, Sep 2020 | EmDestaque, EDITAIS, Notícias | PorIberCultura

(Foto: Cultura de Red)

O programa IberCultura Viva anunciou nesta quarta-feira 30 de setembro os 53 projetos selecionados no Edital de Apoio a Redes 2020: COVID-19 e Redes Culturais Comunitárias. As inscrições estiveram abertas no Mapa IberCultura Viva entre 21 de julho e 4 de setembro. Foram recebidas 90 postulações. As propostas selecionadas são dos seguintes países: Argentina (10), Brasil (4), Chile (7), Colômbia (9), Costa Rica (1), Equador (5), El Salvador (3), México (6), Peru (6) e Uruguai (2).

Esta edição foi dirigida a iniciativas de redes culturais comunitárias que articulam ações de apoio à emergência sanitária pela pandemia de COVID-19. As atividades de apoio e assistência podiam ser em temas de alimentação, de saúde o educação no contexto da pandemia. Cada projeto selecionado receberá US$ 1 mil para utilizar em insumos e/ou logística das atividades.

O processo de seleção seguiu critérios que incluem a trajetória de trabalho territorial da organização responsável e sua experiência no desenvolvimento de ações apoio e assistência em matéria de alimentação, saúde e/ou educação. Também contaram pontos seu trabalho no desenvolvimento de uma cultura cooperativa, solidária e transformadora, mediante o fortalecimento da capacidade de organização comunitária.

As organizações culturais comunitárias e/ou povos originários com candidaturas selecionadas receberão, no decorrer da próxima semana, um correio eletrônico com as indicações e documentação necessária para o recebimento da ajuda.

 

Confira a lista de projetos selecionados

Tags | ,

20

Aug
2020

EmEDITAIS
Notícias

PorIberCultura

Amplia-se o prazo do Edital de Apoio a Redes 2020 

Em20, Aug 2020 | EmEDITAIS, Notícias | PorIberCultura

O Conselho Intergovernamental do IberCultura Viva decidiu ampliar o prazo de postulação do Edital para Apoio a Redes 2020: COVID-19 e Redes Culturais Comunitárias. As inscrições se encerram na sexta-feira 4 de setembro, às 18h, considerando o horário de Brasília e Buenos Aires. Serão aceitas apenas as postulações enviadas dentro do prazo através da plataforma Mapa IberCultura Viva.

Nesta edição do edital, serão selecionadas iniciativas de redes culturais comunitárias que articulam ações de apoio para a emergência sanitária pela Covid-19. As atividades de apoio e assistência podem ser em matéria de alimentação, saúde ou educação no contexto da pandemia. 

Cada projeto selecionado poderá receber até US$ 1 mil para utilizar em insumos (como alimentos para cestas básicas, itens escolares,  material de limpeza ou de uso sanitário) e/ou logística (despesas como gasolina, tíquetes, aluguel de transporte, etc.). O valor total do edital é de US$ 110 mil.

Diferentemente das edições anteriores, este edital não está voltado ao apoio de projetos que ainda serão realizados, e sim ao apoio de ações que organizações e coletivos já vêm desenvolvendo de maneira colaborativa em seus territórios. 

 

⇒ Como inscrever-se no edital

 

Inscrições:

https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/140/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

 

(Foto: Cultura de Red. Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária. El Alto, La Paz, Bolívia, maio de 2013)

Tags | , , ,

23

Jul
2020

EmEDITAIS
Notícias

PorIberCultura

Como inscrever-se no Edital de Apoio a Redes

Em23, Jul 2020 | EmEDITAIS, Notícias | PorIberCultura

(Foto: La combi-arte rodante)

 

O programa IberCultura Viva abriu esta semana o Edital para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2020. Nesta edição, serão selecionadas iniciativas de redes culturais comunitárias que articulam ações de apoio para a emergência sanitária pela Covid-19. As atividades de apoio e assistência podem ser em matéria de alimentação, saúde ou educação no contexto da pandemia. 

Diferentemente das edições anteriores, este edital não está voltado ao apoio de projetos que ainda serão realizados, e sim ao apoio de ações que organizações e coletivos já vêm desenvolvendo de maneira colaborativa em seus territórios. Cada projeto selecionado poderá receber até US$ 1 mil para utilizar em insumos (como alimentos para cestas básicas, itens escolares,  material de limpeza ou de uso sanitário) e/ou logística (despesas como gasolina, tíquetes, aluguel de transporte, etc.). O valor total do edital é de US$ 110 mil.

O prazo de inscrições terminará no dia 4 de setembro(*), às 18h, considerando o horário de Buenos Aires, Argentina. Serão aceitas somente as postulações enviadas dentro do prazo através da plataforma Mapa IberCultura Viva. 

A seguir apresentamos um guia que pode ajudar a realizar a inscrição.

 

A quem se dirige o edital?

Poderão inscrever-se no edital organizações culturais comunitárias (OCC) que trabalhem em rede nos países que fazem parte do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai. 

Os projetos deverão contemplar a participação de pelo menos duas OCC. Uma delas deverá ser a organização responsável que ficará a cargo da administração dos recursos. Entende-se por OCC as organizações sociais (sem fins lucrativos), com ou sem personalidade jurídica, que trabalham a partir da cultura para promover o desenvolvimento comunitário. 

No caso do Brasil, é necessário que a organização responsável seja um Ponto ou Pontão de Cultura reconhecido e certificado pela Secretaria Especial de Cultura, com cadastro atualizado na Rede Cultura Viva.

 

Que documentos devem ser preenchidos e enviados?

Além de preencher o formulário específico do Edital de Apoio a Redes 2020 que está disponível no Mapa IberCultura Viva, as pessoas postulantes devem anexar o certificado de pessoa jurídica (CNPJ) ou a carta aval do REPPI, e o certificado de compromisso de participação das OCC integrantes da rede, estabelecendo as responsabilidades de cada uma dentro do projeto. Estes documentos são enviados anexados ao formulário (para isso, usa-se o botão “enviar” que aparece nos campos em que os anexos são obrigatórios).

No caso do Brasil, não se aplica a solicitação de carta aval ao REPPI. Só podem participar as OCC reconhecidas e certificadas como Pontos ou Pontões de Cultura, com inscrição atualizada na plataforma Rede Cultura Viva (há um campo para enviar o comprovante do certificado). No caso do Equador, a pessoa responsável pelo projeto deve estar inscrita no  Registro Único de Actores Culturales (RUAC). 

Para os outros países membros de IberCultura Viva, as OCC postulantes que não possuam personalidade jurídica deverão apresentar carta aval do REPPI. 

 

O que é a carta aval do REPPI?

REPPI é a abreviação que se usa na Cooperação Ibero-americana para “Representantes dos Programas e Iniciativas”. Cada país membro do programa tem um REPPI*, que responde em nome de seu país no Conselho Intergovernamental. Esta pessoa será aquela que deve assinar a carta aval requerida neste edital, caso a organização responsável pela inscrição não conte com personalidade jurídica. Se quem postula é uma OCC com personalidade jurídica não é necessária a apresentação da carta aval.

Os órgãos que respondem pelo programa em cada país (Ministério de Cultura, Secretaria de Cultura ou equivalente) determinam os critérios requeridos para a emissão de seu aval. (No Brasil, o órgão representante atualmente é a Secretaria de Economia Criativa e Diversidade Cultural – SECDC, da Secretaria Especial de Cultura). 

 

Como completar o certificado de compromisso?

Neste campo do formulário de inscrição, há um modelo de certificado de compromisso para baixar. É um documento simples, no qual se deve dizer que as pessoas abaixo assinadas manifestam seu aval à organização que se apresenta como entidade responsável pelo projeto, e que estará a cargo da administração dos recursos. Também é preciso esclarecer como foram distribuídas as responsabilidades entre as organizações que integram o projeto (a organização X se encarregará de determinada tarefa, o coletivo Y terá tal missão, etc). 

É necessário baixar o modelo disponível (o mesmo arquivo traz uma versão em espanhol e outra em português), completar os campos requeridos, imprimir, coletar as assinaturas das pessoas responsáveis pelas organizações que integram a rede, fotografar ou escanear este certificado, e enviá-lo anexado ao formulário, no campo correspondente.

 

Por que se deve apresentar documentação comprobatória da organização responsável?

O processo de seleção será regido por critérios de avaliação que incluem a trajetória de trabalho territorial da organização responsável e sua experiência no desenvolvimento de ações de apoio e assistência em matéria de alimentação, saúde e/ou educação. Por isso, deve-se anexar em um arquivo PDF documentos como ata de constituição de pessoa jurídica, notas de imprensa, publicações na internet com data especificada ou links de vídeos com data que possam comprovar a trajetória da organização. (Atenção: toda a informação deve estar reunida em um só arquivo PDF.) 

 

¿Como comprovar os antecedentes em tarefas de apoio e assistência comunitária na emergência sanitária?

Além da trajetória da organização responsável, será levado em conta na seleção se as ações realizadas pelas organizações que formam a rede, durante a emergência sanitária pela Covid-19, foram destinadas principalmente à população vulnerável, enfocando mulheres, crianças, pessoas da terceira idade e pessoas trans. O alcance das ações no território poderá ser demonstrado por meio de fotos, listas de presença e faturas de gastos efetuados durante este período de pandemia. 

O formulário conta com dois campos diferentes para o envio de documentação comprobatória de atividades. O primeiro é para enviar fotos, textos, vídeos ou atas que demonstrem a existência/trajetória da organização; o segundo, no final, é para comprovar a realização de tarefas de apoio e assistência comunitária durante a emergência sanitária por meio de fotos, vídeos, listas de presença ou faturas de gastos. (Atenção: toda a informação deve estar reunida em um só arquivo PDF.) 

 

Como iniciar a inscrição?

Para inscrever-se num edital do programa é necessário primeiramente registrar-se como agente cultural no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais compreendem-se as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, entidades, povos originários, coletivos, agrupações e instituições. No caso deste edital, é obrigatório registrar o perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). Aqui está um guia que pode ajudar com o registro do perfil: http://iberculturaviva.org/manual.

 

Se a pessoa responsável pela inscrição já participou de outro edital IberCultura Viva por meio desta plataforma, deve se registrar mais uma vez como agente?

Não. Pessoas que já participaram de algum edital do programa publicado no Mapa IberCultura Viva, ou já completaram seu perfil nesta plataforma, não necessitam registrar-se uma vez mais como agentes; basta ingressar em seu perfil para iniciar a inscrição.

O campo “Registrarse” na página inicial é usado apenas na primeira vez. Nas próximas vezes, você deve clicar “Ingresar” para ter acesso ao seu perfil. (Caso tenha esquecido a senha cadastrada, clique em “Olvidé mi contraseña”). Obs: Na primeira vez, ao fazer o registro, o agente é direcionado automaticamente para o perfil. Depois, será necessário clicar em “Editar” para poder acessar/modificar os dados do cadastro.

 

Uma vez concluído o registro de agente, onde encontrar o formulário de inscrição do edital?

Quando tiver o perfil de agente registrado, clique em “Editais” (na parte superior da tela) e vá até o arquivo que aparece com o título “Convocatoria IberCultura Viva 2020: COVID-19 y Redes culturales comunitarias”. (O formulário se encontra em espanhol e português; o regulamento também aparece primeiro em espanhol, depois em português). 

Para iniciar sua inscrição, clique no campo de busca, localize o seu nome (o registro de agente individual/pessoa física previamente cadastrado) e selecione a opção “Realizar inscrição”, disponível ao lado do campo de busca.

Complete as informações requeridas no formulário de inscrição. A qualquer momento é possível salvar os dados de sua inscrição utilizando o botão “Salvar” no canto superior direito. Feito isso, é possível sair da plataforma e continuar o preenchimento em outro momento, antes do término do período de inscrições.

 

Como saber se a inscrição foi enviada?

A proposta será enviada para a participação no edital somente após o preenchimento de todos os campos do formulário e a inclusão dos anexos obrigatórios. Caso o seu registro de agente na plataforma não tenha sido completamente preenchido, não será possível enviar sua inscrição. O sistema apresentará um alerta (um ponto de exclamação “!” em vermelho, em que se deve clicar para saber onde está o problema). Se o erro estiver no registro de agente, será necessário clicar no seu nome ou na sua imagem de perfil, acessar “Meu perfil” e editar seu registro, completando todos os campos do formulário que estiverem marcados com o símbolo “*”. Também é preciso selecionar ao menos uma área de atuação, no canto superior esquerdo da página de registro.

Revise as informações antes de clicar em “Enviar inscrição”. Após o envio, não será possível editá-la. A plataforma exibirá a tela de confirmação do envio: o dia e o horário do envio aparecerão na tela com uma tarja verde.

 

(*) Texto atualizado no dia 20 de agosto de 2020

 

⇒ Confira o regulamento

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/140/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

Tags | , , , ,

20

Jul
2020

EmEDITAIS
Notícias

PorIberCultura

Edital de Apoio a Redes 2020 selecionará projetos de assistência desenvolvidos durante a emergência sanitária

Em20, Jul 2020 | EmEDITAIS, Notícias | PorIberCultura

(Foto: Cultura de Red)

 

A edição 2020 do Edital IberCultura Viva para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo selecionará iniciativas de redes culturais comunitárias que articulam ações de apoio para a emergência sanitária pela Covid-19. As atividades de apoio e assistência podem ser em temas alimentares, de saúde ou educativos no contexto da pandemia. 

O valor total do edital é de US$ 110 mil, e cada projeto selecionado poderá receber até US$ 1 mil para utilizar em insumos e/ou logística. Diferentemente das edições anteriores, este edital não está voltado ao apoio de projetos que ainda estão por serem realizados, e sim ao apoio de ações que organizações e coletivos já vêm desenvolvendo de maneira colaborativa em seus territórios.

As inscrições terão início no dia 21 de julho e terminarão no dia 4 de setembro (*), às 18h, considerando o horário de Buenos Aires, Argentina. Poderão inscrever-se organizações culturais comunitárias que trabalhem em rede nos países que fazem parte do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai. As postulações se realizam por meio da plataforma Mapa IberCultura Viva

Os projetos deverão contemplar a participação de pelo menos duas organizações culturais comunitárias (OCC). Uma delas deverá ser a organização responsável que ficará a cargo da administração dos recursos. Entende-se por OCC as organizações sociais (sem fins lucrativos), com ou sem personalidade jurídica, que trabalham a partir da cultura para promover o desenvolvimento comunitário. 

No caso do Brasil, só poderão participar as OCC reconhecidas e certificadas como Pontos de Cultura, com inscrição atualizada na plataforma Rede Cultura Viva. No caso do Equador, a pessoa responsável pelo projeto deverá estar inscrita no Registro Único de Actores Culturales (RUAC). Para os outros países membros de IberCultura Viva, as OCC postulantes que não possuam personalidade jurídica deverão apresentar carta aval do representante nacional ante o programa (REPPI). 

 

Seleção

O processo de seleção será regido por critérios de avaliação que incluem a trajetória de trabalho territorial da organização responsável e sua experiência no desenvolvimento de ações de apoio, assistência e contenção em matéria de alimentação, saúde e/ou educação. Também contará pontos o trabalho para o desenvolvimento de uma cultura cooperativa, solidária e transformadora, mediante o fortalecimento da capacidade de organização comunitária.

Além disso, será levado em conta na seleção se as ações realizadas pelas organizações que formam a rede, durante a emergência sanitária pela Covid-19, foram destinadas principalmente à população vulnerável, enfocando mulheres, crianças, pessoas da terceira idade e pessoas trans. O alcance das ações no território poderá ser demonstrado por meio de fotos, listas de presença e faturas de gastos efetuados durante este período de pandemia. 

 

Inscrições

Para inscrever-se num edital do programa é necessário primeiramente  registrar-se como agente cultural no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais compreendem-se as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, entidades, povos originários, coletivos, agrupações e instituições. No caso deste edital, é obrigatório registrar o perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). 

Uma vez concluído o registro de agente, pode-se buscar o edital de interesse e iniciar a inscrição. (Pessoas e organizações que já participaram de algum edital do programa por esta plataforma não necessitam registrar-se uma vez mais como agentes; basta ingressar em seu perfil para iniciar a inscrição.

Além de preencher o formulário específico do Edital de Apoio a Redes 2020, as pessoas postulantes deverão enviar (anexando ao formulário) o certificado de pessoa jurídica ou carta aval do REPPI e a declaração de compromisso de participação de cada organização cultural comunitária integrante da rede, estabelecendo as responsabilidades de cada uma dentro do projeto.

 

(*) Texto atualizado em 20 de agosto de 2020

 

⇒ Confira o regulamento

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/140/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

 

Leia também:

Como inscrever-se no Edital de Apoio a Redes

 

(Foto: Cultura de Red. Congreso Latinoamericano de Cultura Viva Comunitaria. El Alto, La Paz, Bolivia, mayo de 2013)

Tags | , , , ,

22

Jul
2019

EmEDITAIS
Notícias

PorIberCultura

Está aberto o prazo de recursos da etapa de habilitação do Edital de Apoio a Redes 2019 

Em22, Jul 2019 | EmEDITAIS, Notícias | PorIberCultura

(Foto: Mauro Rico / Secretaría de Cultura de la Nación)

 

O Edital IberCultura Viva para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2019 recebeu 59 inscrições dos 11 países integrantes do programa. México foi o país membro com o maior número de postulações (18), seguido de Argentina (8), Chile (6), El Salvador (5), Peru (5), Brasil (4), Equador (4), Guatemala (3), Uruguai (3), Costa Rica (2) e Espanha (1). Do total de propostas apresentadas, 40 foram habilitadas. 

As outras 19 foram consideradas inabilitadas por motivos diversos, como a não apresentação de carta aval, apresentação de carta aval sem assinaturas ou falta de personalidade jurídica. O prazo de recursos para corrigir documentos se abre nesta segunda-feira (22/07) e termina na quarta-feira (24/07). 

Os recursos são realizados por correio eletrônico. As organizações culturais comunitárias e/ou povos originários com candidaturas não habilitadas terão esses três dias para dirigir um texto com os motivos para a reconsideração da habilitação para o e-mail programa@iberculturaviva.org, com a indicação de “Recurso” no assunto e a identificação da organização responsável. A documentação faltante, citada na lista de inabilitados, deve ser anexada a este e-mail.

A lista definitiva de candidaturas habilitadas será divulgada após o prazo e análise dos recursos e será enviada para o Comitê de Seleção para dar continuidade ao processo de avaliação do edital. 

Entre os critérios que serão levados em conta na avaliação dos projetos estão a  adequação aos objetivos estratégicos do programa; os impactos artístico-culturais, econômicos e/ou sociais; a experiência da rede ou coletivo proponente; a proposta técnica apresentada, e a coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho.

 

Trabalho colaborativo

O Edital IberCultura Viva para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2019 destinará um total de US$ 55 mil para encontros, congressos, seminários, festivais, feiras, colóquios e/ou simpósios a serem realizados entre outubro de 2019 e maio de 2020, com entrada gratuita. Cada projeto poderá receber até US$ 5 mil.

As inscrições estiveram abertas no Mapa IberCultura Viva de 1º de junho a 15 de julho. Os projetos deveriam ser apresentados por uma organização cultural comunitária ou povo originário com personalidade jurídica, sem fins lucrativos, que trabalhe em articulação e de maneira colaborativa com ao menos outras duas organizações e/ou coletivos. 

No caso do Brasil, podiam participar apenas as organizações reconhecidas e certificadas como Pontos de Cultura, com inscrição atualizada na plataforma Rede Cultura Viva. No caso do Equador, a pessoa responsável pelo projeto deveria estar inscrita no Registro Único de Actores Culturales (RUAC).

 

Confira a lista de projetos habilitados e não habilitados no edital:

Informação aos interessados 1 – Etapa de habilitação – Edital para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2019

 

Confira o regulamento do edital: https://bit.ly/311pQZp

Tags | , ,

18

Mar
2019

EmNotícias

PorIberCultura

Encontro sobre bem viver, território e cultura popular reúne representantes de organizações na Argentina

Em18, Mar 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

No dia 7 de março foi realizado em José León Suárez (San Martín, Buenos Aires) o “Encontro sobre bem viver, território e cultura popular”. A roda de conversa na Casa UNSAM, uma das 17 propostas ganhadoras do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo, contou com a participação de líderes das organizações sociais que integram a Rede Mesa Reconquista.

Entre os expositores estavam Diego Benhabib, coordenador do Programa Pontos de Cultura da Argentina; Alexandre Roig, secretário acadêmico da UNSAM, e Claudia Villamayor, professora e pesquisadora da Faculdade de Jornalismo e Comunicação Social da Universidade Nacional de La Plata (UNLP) e da Universidade Nacional de Quilmes (UNQ). A moderadora foi Andrea Biscione, vice-diretora da Casa UNSAM.

Diego Benhabib comentou, entre outros temas, a complexidade do conceito de cultura (“definições que às vezes se chocam, às vezes se complementam”) e como a cultura comunitária vem integrando algumas cuestiones – sobretudo da cultura popular – no âmbito das políticas públicas.

“Este movimento social conseguiu legitimar, ou ajudar a legitimação, de um tipo de política pública que implica o reconhecimento do protagonismo da cidadania na produção cultural”, afirmou o coordenador de Pontos de Cultura, também representante da presidência do programa IberCultura Viva.

 

 

Claudia Villamayor ressaltou a importância de pensar na universidade como sede territorial, “cheia de povo”; e dos bairros “cheios de universidade, para outra universidade possível”. A comunicadora trabalha como assessora de estratégias em gestão de políticas de meios de comunicação comunitários, movimentos sociais e organizações.

Alexandre Roig, por sua vez, falou da necessidade de atualizar o ideal extensionista da universidade argentina, “cujos princípios seguem ligados à reforma de 1918”, e onde “infelizmente ainda não conseguimos encontrar a fórmula” para entabular relações mais igualitárias com a comunidade. Porque “se a educação é um direito, então não se deve nada a ninguém”.

Depois das apresentações, a conversa girou em torno de temas como as relações que se estabelecem entre Estado e sociedade civil para a formulação das políticas culturais; a ideia do extensionismo universitário, sua vinculação com o territorial e as valorações que se fazem sobre os saberes populares, entre outros.

Este bate-papo, organizado pela Asociación de Mujeres La Colmena-FM Reconquista, foi uma das atividades do projeto “Fortalecimento da Mesa Reconquista”, apresentado no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018. A proposta busca gerar confluência e associatividade das organizações para um maior impacto cultural e social da rede, assim como potenciar sua visibilidade.

 

A rede

A Mesa Reconquista é uma experiência organizativa, propositiva, de ação e reflexão, que reúne diversas organizações sociais e instituições da zona norte do conurbano de Buenos Aires. Criada em 2011, a articulação é formada por associações de bairro, bibliotecas e escolas populares, centros culturais, jardins comunitários, associação de mulheres, rádio comunitária, empresas recuperadas, cooperativas de trabalho, ordens religiosas e igrejas.

Esta multiorganização foi constituída para construir um olhar comum sobre as prioridades da região. É um espaço de encontro e construção coletiva em que se discutem problemáticas e necessidades concretas, se estabelecem prioridades e se desenham possíveis iniciativas para atendê-las.

Participaram da roda de conversa na Casa UNSAM representantes das seguintes organizações: Centro Cultural Crecer de a Poco, La Colmena, Escuela Técnica UNSAM, Teatro Osadía, Articulación Territorial UNSAM, Asociación Puntos de Encuentro, Cine en Movimiento, Bachillerato Popular La Esperanza, Merendero Los Amigos e Centro Comunitario 8 de Mayo.

(Fotos: Articulación Territorial UNSAM)

 

Tags | , ,

06

Mar
2019

EmNotícias

PorIberCultura

1º Colóquio Regional de Cultura Comunitária é realizado no Maule, no Chile

Em06, Mar 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

(Foto: Benjamín Cataldo)

A Rede de Organizações Culturais Comunitárias da Região do Maule, no Chile, realizou  neste sábado (02/03), na cidade de Parral, o Primeiro Colóquio Regional Cultura Comunitária de Base e uma feira cultural. O encontro contou com a participação massiva de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) da Região do Maule e de outras seis regiões do país.

O espaço de conversação e reflexão girou em torno da pergunta “O que é cultura comunitária?”, buscando incorporar também a mirada de outros territórios e comunidades do país, mediante o convite estendido a representantes da cultura comunitária de Tarapacá, Coquimbo, Valparaíso, Metropolitana, O’Higgins e Los Lagos. Durante a instância de abertura, os participantes receberam a saudação da secretária regional do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio da Região do Maule, María Pía Soler. O colóquio também contou com a participação de Alexandre Santini, especialista brasileiro em cultura comunitária, e de Marianela Riquelme, encarregada de OCC do Programa Red Cultura do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio.

A experiência teve como objetivo fortalecer o trabalho de todas as organizações que integram a Rede de OCC — Região do Maule, além de propiciar uma reflexão e um relato comum que contribua para o reconhecimento do papel da organização cultural comunitária, o contexto e os objetivos do trabalho desenvolvido pela organização com as diferentes comunidades da região. Os participantes ressaltaram a grande capacidade de gestão e convocatória da Rede de OCC do Maule, e a visão descentralizadora da organização ao realizar o evento em uma cidade distinta da capital regional.

Contexto

A atividade foi possível a partir do financiamento do Edital IberCultura Viva de Apoyo a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018, que favoreceu 17 iniciativas ibero-americanas, sendo esta iniciativa da Rede de OCC do Maule a única executada no Chile.

A Rede de Organizações Culturais Comunitárias — Região do Maule foi criada em 2015 e segue vigente, reunindo-se sob as lógicas de conversações permanentes com o Estado através do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio. É formada por uma mesa de representantes em que participam cerca de organizações culturais comunitárias de diversos territórios e comunidades, organizados de maneira horizontal, sem hierarquia.

 

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio

Tags | , ,

29

Jan
2019

EmNotícias

PorIberCultura

8º Festival Icozeiro: a cidade como espaço de convivência e aprendizagem

Em29, Jan 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

Espetáculo Urrou, da Cia. Monica Alvarenga (Foto: Elisa Monteiro)

 

Icó é uma cidade do sertão do Ceará que teve seu conjunto arquitetônico e urbanístico  tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1998. A cidade foi a primeira a receber este tipo de tombamento (conjuntos urbanos protegidos pelo Iphan) e uma de suas maiores expressões é o centro histórico, que remonta ao período colonial. É ali que anualmente se realiza o Festival da Cultura Icoense – Icozeiro, evento criado em 2011 para a divulgação, articulação, fruição e fortalecimento da produção cultural local.

O festival, que teve sua oitava edição realizada entre os dias 18 e 30 de dezembro, foi um dos eventos ganhadores do Edital IberCultura de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018. As atividades ocorreram em espaços públicos tombados, como o Largo do Théberge, o Centro de Arte e Cultura Prefeito Aldo Marcozzi Monteiro (instalado no prédio da antiga Casa de Câmara e Cadeia de Icó), o Teatro da Ribeira dos Icós e o Sobrado do Canela Preta.

Ao dar vazão a uma demanda do município no tocante à ocupação do espaço público, entendendo a cidade como um espaço de convivência e aprendizagem, os organizadores do festival buscam fortalecer a identidade local, promover o intercâmbio cultural e possibilitar a geração de renda em torno da economia criativa, em espaços que representam a memória, a história e a cidadania.

Além de apresentações de música, teatro, dança, audiovisual, literatura, artes plásticas e artesanato, a programação contou com oficinas, palestras, campanhas, ações educativas e formativas. Também reuniu homenagens a figuras locais, como Gerson do Acordeon, com mais de 60 anos no cenário cultural regional; Bonfim Fogueteiro, conhecido pela montagem das bombas artesanais da Festa do Senhor do Bonfim; e dona Menininha Pipoqueira, que há 40 anos está no imaginário coletivo cotidiano de Icó.

O evento foi apresentado ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018 como uma proposta da Associação Filhos e Amigos de Icó (Amicó) promovida em articulação com Universidade Federal do Cariri (UFCA)/ Instituto de Estudos do Semiárido (IESA), Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Icó (Sindsepmi), Escola Livre de Artes (ELA) e Faculdade Vale do Salgado (FVS).

 

Assista à reportagem de Tep Rodrigues no programa Partiu, da TV Verdes Mares:

Programa Partiu Icó Icozeiro (05.01.2019) – Parte 02 – TV Verdes Mares

Vídeo do segundo bloco do Programa Partiu, da Tv Verdes Mares, exibido na tarde deste sábado (05/01/2019), sobre o Icó. Nesta parte, é trazido ao público um pouco do 8º Festival Nacional Icozeiro – Festival da Cultura Icoense 2018, que espalhou-se por todo o Município icoense. Reportagem de Tep Rodrigues.

Publicado por Festival da Cultura Icoense – Icozeiro em Sábado, 5 de janeiro de 2019

 

Saiba mais: https://www.facebook.com/Festival.Icozeiro/

Tags | , , ,

23

Jan
2019

EmNotícias

PorIberCultura

Festival Colores de la Sierra: uma semana de atividades para o povo wixárika em Jalisco

Em23, Jan 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

O Festival Intercultural Colores de la Sierra, que será realizado de 28 de janeiro a 3 de fevereiro, é um evento dirigido às comunidades indígenas da Sierra Huichol, no município de Mezquitic (Jalisco, México). A proposta de criar um festival de uma semana para compartilhar e criar junto com a comunidade de San Andrés Cohamiata, onde vive o povo wixárika, foi um dos 17 projetos ganhadores do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Coletivo 2018.

O enfoque da programação está na promoção dos direitos  dos povos indígenas. As atividades incluem música, dança, canto, cinema, teatro, poesia, contação de histórias, murais, jogos cooperativos, oficinas de artesanato e conversas sobre temas variados, que vão desde plantas medicinais até captação de água da chuva e autocuidados.

 

A rede

A rede Ha Ta Tukari, promotora do projeto, é uma equipe multidisciplinar formada por quatro ONGs que há  nove anos trabalham em comunidades da Sierra Huichol (La Cebolleta e La Laguna), uma área de difícil acesso e com alto grau de vulnerabilidade. O isolamento geográfico dificulta que as localidades contem com serviços básicos, como água potável, drenagem, oferta educativa e atenção médica de qualidade.

Nestas comunidades, a rede impulsiona um programa de educação para a saúde e a sustentabilidade, com oficinas e teatro didático para a adoção de práticas e tecnologias sustentáveis (captação pluvial, hortas, restauração ambiental) e promoção de hábitos de higiene e nutrição. Também atua com um programa de participação e vinculação comunitária que inclui projetos de arte comunitário, biblioteca, cinema ao ar livre, convivências e exposições, entre outras atividades.

(Foto: Red Ha Ta Tukari)

Nova aliança

Para a realização do Festival Colores de la Sierra, esta rede de organizações aliadas (Proyecto ConcentrArte A.C., Desarrollo Rural Sustentable Lu’um A.C., Isla Urbana A.C.) tem a colaboração do Grupo Teukari Jicareros de San Andres, Fuego Azul Arte, Casa Huichol e Colores de la Tierra.

Criado em 2012, Colores de la Tierra é um projeto multicultural que alcança mais de 1.500 meninos e meninas em oito comunidades da serra, mediante a criação de espaços para compartilhar ferramentas criativas e ecológicas, sempre com o objetivo de promover e preservar a cultura wixárika.

O povo wixárika é formado por cerca de 20 comunidades e, até o momento, a rede Ha Ta Tukari e Colores de la Tierra vinham atuando em comunidades diferentes. A nova aliança é uma forma de ampliar seu espectro de ação, realizando um trabalho mais profundo e de maior alcance, com um mesmo objetivo: um futuro sustentável para o povo wixárika mediante o respeito e a preservação de sua cosmovisão e tradições.

(Foto: Taller LUUM)

 

Tags | , , ,

27

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Organizações e coletivos culturais comunitários de El Salvador se reúnem durante o 22º Festival Artístico Chalateco

Em27, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Fotos: René Figueroa

 

Diversos coletivos e organizações de El Salvador compartilharam experiências e metodologias em “Um encontro de Cultura Viva Comunitária”, realizado durante o 22º Festival Artístico Chalateco e 12º Festival del Maíz, nos dias 23, 24 e 25 de novembro, no município de San Antonio Los Ranchos, departamento de Chalatenango.

O evento, que foi um dos selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018, teve como objetivo contribuir para as políticas culturais comunitárias em El Salvador. Participaram das jornadas representantes de organizações e coletivos como TALEGA, FundArte Cojutepeque, ADES Santa Marta, Asociación CusCambia, EDUC-ARTE, Red De Comunicadores Occidente, CCCOT, Colectivo 12-15 y Tamarindo Foundation e Colectivo La-VoR.

Eduardo Balán

O argentino Eduardo Balán, do coletivo El Culebrón Timbal, esteve presente no encontro e falou da preparação do 4º Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária, que se realizará na Argentina em mayo de 2019.  “A Cultura Viva é este caminho amplo compartilhado por centenas de milhares de coletivos populares na América Latina há séculos e que continua crescendo, através das ações artísticas, produtivas e educativas realizadas nos bairros”, comentou Balán, que também elogiou o trabalho desenvolvido em El Salvador a partir da Associação TNT (“grupo lendário na América Latina”).

Os festivais

“13703, El misterio de las utopías”

O 22º Festival Artístico Chalateco, reconhecido como o encontro anual das artes cênicas no departamento de Chalatenango, teve início na quinta-feira (22/11) no Centro Cultural Jon Cortina, com a apresentação dos espetáculos dos grupos Escena X (“Cerdos”) e Los Del Quinto Piso (“13703, El misterio de las utopías”). A abertura contou com a presença de  crianças, jovens, adultos e “adultos maiores” de diferentes comunidades, como Guarjila, Las Minas e San Antonio Los Ranchos.

O segundo dia continuou no anfiteatro do Parque Cultural de San Antonio Los Ranchos e marcou a inauguração da 12ª edição do Festival del Maíz (“Festival do Milho”), a feira gastronômica e artesanal que desde 2007 se realiza simultaneamente ao Festival Artístico Chalateco. Elotes locos, tamalitos de elote, riguas, atol de maíz blanco, enchiladas, tacos, pães recheados, pastéis e chicha à base de milho foram alguns dos pratos elaborados por pessoas empreendedoras do município.

“Cerdos”, do grupo Escena X

No anfiteatro

“Juguemos diferente”

A apresentação de espetáculos no anfiteatro começou com a escola infantil de teatro impulsionada pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro com a obra “Juguemos diferente” (“Brinquemos diferente”). Depois vieram “Pobrecitos mis cuentos de barro”, do Teatro Cíclico de El Salvador, e “Los viajes de Wenceslao”, da Compañía Teatral Quimera (Honduras).

No sábado (24/11), foi a vez do Coro Nacional de Personas Adultas Mayores de El Salvador (CAMES) e do Circus Contemporaneum, com “Alicia en el País de las Maravillas”. A programação de domingo contou com os “Cuentos mágicos” de César Ilusionista, a “Sesión Cirkus” do  palhaço Simoon, e o concerto musical da salvadorenha Nadia Maltez.

 

A equipe produtora de Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT) se apresentou no encerramento, e Walter Romero, diretor da TNT, agradeceu a todas as pessoas e instituições que fazem possível o festival. Aproveitou para falar do trabalho que se faz na instituição, dos diferentes processos de educação artística que se desenvolvem nas comunidades de Azacualpa, Guarjila, Guancora, Las Minas, San Miguel de Mercedes e San Antonio Los Ranchos. Também contou ao público novidades, como a turnê pela Alemanha que o elenco fará em 2019, representando El Salvador na Europa.

Saúl Marín, prefeito de San Antonio Los Ranchos, também agradeceu e reconheceu o trabalho que TNT ali realiza para a prevenção da violência a partir da arte e da cultura. A Asociación TNT nasceu em 1993, um ano depois da assinatura dos Acordos de Paz, que terminou com mais de uma década de guerra civil em El Salvador. Surgiu nas montanhas de um departamento historicamente excluído, Chalatenango, e ali permanece depois de 25 anos, como uma referência de arte comunitária para toda a América Latina.

Leia também:

Apertura del 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz en San Antonio Los Ranchos

Segundo día del 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival del Maíz

Tercer día en el 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz

Cuarto día en el 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz

Tags | , , ,