Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

redes

22

Jul
2019

EmEDITAIS
Notícias

PorIberCultura

Está aberto o prazo de recursos da etapa de habilitação do Edital de Apoio a Redes 2019 

Em22, Jul 2019 | EmEDITAIS, Notícias | PorIberCultura

(Foto: Mauro Rico / Secretaría de Cultura de la Nación)

 

O Edital IberCultura Viva para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2019 recebeu 59 inscrições dos 11 países integrantes do programa. México foi o país membro com o maior número de postulações (18), seguido de Argentina (8), Chile (6), El Salvador (5), Peru (5), Brasil (4), Equador (4), Guatemala (3), Uruguai (3), Costa Rica (2) e Espanha (1). Do total de propostas apresentadas, 40 foram habilitadas. 

As outras 19 foram consideradas inabilitadas por motivos diversos, como a não apresentação de carta aval, apresentação de carta aval sem assinaturas ou falta de personalidade jurídica. O prazo de recursos para corrigir documentos se abre nesta segunda-feira (22/07) e termina na quarta-feira (24/07). 

Os recursos são realizados por correio eletrônico. As organizações culturais comunitárias e/ou povos originários com candidaturas não habilitadas terão esses três dias para dirigir um texto com os motivos para a reconsideração da habilitação para o e-mail programa@iberculturaviva.org, com a indicação de “Recurso” no assunto e a identificação da organização responsável. A documentação faltante, citada na lista de inabilitados, deve ser anexada a este e-mail.

A lista definitiva de candidaturas habilitadas será divulgada após o prazo e análise dos recursos e será enviada para o Comitê de Seleção para dar continuidade ao processo de avaliação do edital. 

Entre os critérios que serão levados em conta na avaliação dos projetos estão a  adequação aos objetivos estratégicos do programa; os impactos artístico-culturais, econômicos e/ou sociais; a experiência da rede ou coletivo proponente; a proposta técnica apresentada, e a coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho.

 

Trabalho colaborativo

O Edital IberCultura Viva para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2019 destinará um total de US$ 55 mil para encontros, congressos, seminários, festivais, feiras, colóquios e/ou simpósios a serem realizados entre outubro de 2019 e maio de 2020, com entrada gratuita. Cada projeto poderá receber até US$ 5 mil.

As inscrições estiveram abertas no Mapa IberCultura Viva de 1º de junho a 15 de julho. Os projetos deveriam ser apresentados por uma organização cultural comunitária ou povo originário com personalidade jurídica, sem fins lucrativos, que trabalhe em articulação e de maneira colaborativa com ao menos outras duas organizações e/ou coletivos. 

No caso do Brasil, podiam participar apenas as organizações reconhecidas e certificadas como Pontos de Cultura, com inscrição atualizada na plataforma Rede Cultura Viva. No caso do Equador, a pessoa responsável pelo projeto deveria estar inscrita no Registro Único de Actores Culturales (RUAC).

 

Confira a lista de projetos habilitados e não habilitados no edital:

Informação aos interessados 1 – Etapa de habilitação – Edital para Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2019

 

Confira o regulamento do edital: https://bit.ly/311pQZp

Tags | , ,

18

Mar
2019

EmNotícias

PorIberCultura

Encontro sobre bem viver, território e cultura popular reúne representantes de organizações na Argentina

Em18, Mar 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

No dia 7 de março foi realizado em José León Suárez (San Martín, Buenos Aires) o “Encontro sobre bem viver, território e cultura popular”. A roda de conversa na Casa UNSAM, uma das 17 propostas ganhadoras do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo, contou com a participação de líderes das organizações sociais que integram a Rede Mesa Reconquista.

Entre os expositores estavam Diego Benhabib, coordenador do Programa Pontos de Cultura da Argentina; Alexandre Roig, secretário acadêmico da UNSAM, e Claudia Villamayor, professora e pesquisadora da Faculdade de Jornalismo e Comunicação Social da Universidade Nacional de La Plata (UNLP) e da Universidade Nacional de Quilmes (UNQ). A moderadora foi Andrea Biscione, vice-diretora da Casa UNSAM.

Diego Benhabib comentou, entre outros temas, a complexidade do conceito de cultura (“definições que às vezes se chocam, às vezes se complementam”) e como a cultura comunitária vem integrando algumas cuestiones – sobretudo da cultura popular – no âmbito das políticas públicas.

“Este movimento social conseguiu legitimar, ou ajudar a legitimação, de um tipo de política pública que implica o reconhecimento do protagonismo da cidadania na produção cultural”, afirmou o coordenador de Pontos de Cultura, também representante da presidência do programa IberCultura Viva.

 

 

Claudia Villamayor ressaltou a importância de pensar na universidade como sede territorial, “cheia de povo”; e dos bairros “cheios de universidade, para outra universidade possível”. A comunicadora trabalha como assessora de estratégias em gestão de políticas de meios de comunicação comunitários, movimentos sociais e organizações.

Alexandre Roig, por sua vez, falou da necessidade de atualizar o ideal extensionista da universidade argentina, “cujos princípios seguem ligados à reforma de 1918”, e onde “infelizmente ainda não conseguimos encontrar a fórmula” para entabular relações mais igualitárias com a comunidade. Porque “se a educação é um direito, então não se deve nada a ninguém”.

Depois das apresentações, a conversa girou em torno de temas como as relações que se estabelecem entre Estado e sociedade civil para a formulação das políticas culturais; a ideia do extensionismo universitário, sua vinculação com o territorial e as valorações que se fazem sobre os saberes populares, entre outros.

Este bate-papo, organizado pela Asociación de Mujeres La Colmena-FM Reconquista, foi uma das atividades do projeto “Fortalecimento da Mesa Reconquista”, apresentado no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018. A proposta busca gerar confluência e associatividade das organizações para um maior impacto cultural e social da rede, assim como potenciar sua visibilidade.

 

A rede

A Mesa Reconquista é uma experiência organizativa, propositiva, de ação e reflexão, que reúne diversas organizações sociais e instituições da zona norte do conurbano de Buenos Aires. Criada em 2011, a articulação é formada por associações de bairro, bibliotecas e escolas populares, centros culturais, jardins comunitários, associação de mulheres, rádio comunitária, empresas recuperadas, cooperativas de trabalho, ordens religiosas e igrejas.

Esta multiorganização foi constituída para construir um olhar comum sobre as prioridades da região. É um espaço de encontro e construção coletiva em que se discutem problemáticas e necessidades concretas, se estabelecem prioridades e se desenham possíveis iniciativas para atendê-las.

Participaram da roda de conversa na Casa UNSAM representantes das seguintes organizações: Centro Cultural Crecer de a Poco, La Colmena, Escuela Técnica UNSAM, Teatro Osadía, Articulación Territorial UNSAM, Asociación Puntos de Encuentro, Cine en Movimiento, Bachillerato Popular La Esperanza, Merendero Los Amigos e Centro Comunitario 8 de Mayo.

(Fotos: Articulación Territorial UNSAM)

 

Tags | , ,

06

Mar
2019

EmNotícias

PorIberCultura

1º Colóquio Regional de Cultura Comunitária é realizado no Maule, no Chile

Em06, Mar 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

(Foto: Benjamín Cataldo)

A Rede de Organizações Culturais Comunitárias da Região do Maule, no Chile, realizou  neste sábado (02/03), na cidade de Parral, o Primeiro Colóquio Regional Cultura Comunitária de Base e uma feira cultural. O encontro contou com a participação massiva de Organizações Culturais Comunitárias (OCC) da Região do Maule e de outras seis regiões do país.

O espaço de conversação e reflexão girou em torno da pergunta “O que é cultura comunitária?”, buscando incorporar também a mirada de outros territórios e comunidades do país, mediante o convite estendido a representantes da cultura comunitária de Tarapacá, Coquimbo, Valparaíso, Metropolitana, O’Higgins e Los Lagos. Durante a instância de abertura, os participantes receberam a saudação da secretária regional do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio da Região do Maule, María Pía Soler. O colóquio também contou com a participação de Alexandre Santini, especialista brasileiro em cultura comunitária, e de Marianela Riquelme, encarregada de OCC do Programa Red Cultura do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio.

A experiência teve como objetivo fortalecer o trabalho de todas as organizações que integram a Rede de OCC — Região do Maule, além de propiciar uma reflexão e um relato comum que contribua para o reconhecimento do papel da organização cultural comunitária, o contexto e os objetivos do trabalho desenvolvido pela organização com as diferentes comunidades da região. Os participantes ressaltaram a grande capacidade de gestão e convocatória da Rede de OCC do Maule, e a visão descentralizadora da organização ao realizar o evento em uma cidade distinta da capital regional.

Contexto

A atividade foi possível a partir do financiamento do Edital IberCultura Viva de Apoyo a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018, que favoreceu 17 iniciativas ibero-americanas, sendo esta iniciativa da Rede de OCC do Maule a única executada no Chile.

A Rede de Organizações Culturais Comunitárias — Região do Maule foi criada em 2015 e segue vigente, reunindo-se sob as lógicas de conversações permanentes com o Estado através do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio. É formada por uma mesa de representantes em que participam cerca de organizações culturais comunitárias de diversos territórios e comunidades, organizados de maneira horizontal, sem hierarquia.

 

Fonte: Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio

Tags | , ,

29

Jan
2019

EmNotícias

PorIberCultura

8º Festival Icozeiro: a cidade como espaço de convivência e aprendizagem

Em29, Jan 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

Espetáculo Urrou, da Cia. Monica Alvarenga (Foto: Elisa Monteiro)

 

Icó é uma cidade do sertão do Ceará que teve seu conjunto arquitetônico e urbanístico  tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1998. A cidade foi a primeira a receber este tipo de tombamento (conjuntos urbanos protegidos pelo Iphan) e uma de suas maiores expressões é o centro histórico, que remonta ao período colonial. É ali que anualmente se realiza o Festival da Cultura Icoense – Icozeiro, evento criado em 2011 para a divulgação, articulação, fruição e fortalecimento da produção cultural local.

O festival, que teve sua oitava edição realizada entre os dias 18 e 30 de dezembro, foi um dos eventos ganhadores do Edital IberCultura de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018. As atividades ocorreram em espaços públicos tombados, como o Largo do Théberge, o Centro de Arte e Cultura Prefeito Aldo Marcozzi Monteiro (instalado no prédio da antiga Casa de Câmara e Cadeia de Icó), o Teatro da Ribeira dos Icós e o Sobrado do Canela Preta.

Ao dar vazão a uma demanda do município no tocante à ocupação do espaço público, entendendo a cidade como um espaço de convivência e aprendizagem, os organizadores do festival buscam fortalecer a identidade local, promover o intercâmbio cultural e possibilitar a geração de renda em torno da economia criativa, em espaços que representam a memória, a história e a cidadania.

Além de apresentações de música, teatro, dança, audiovisual, literatura, artes plásticas e artesanato, a programação contou com oficinas, palestras, campanhas, ações educativas e formativas. Também reuniu homenagens a figuras locais, como Gerson do Acordeon, com mais de 60 anos no cenário cultural regional; Bonfim Fogueteiro, conhecido pela montagem das bombas artesanais da Festa do Senhor do Bonfim; e dona Menininha Pipoqueira, que há 40 anos está no imaginário coletivo cotidiano de Icó.

O evento foi apresentado ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018 como uma proposta da Associação Filhos e Amigos de Icó (Amicó) promovida em articulação com Universidade Federal do Cariri (UFCA)/ Instituto de Estudos do Semiárido (IESA), Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Icó (Sindsepmi), Escola Livre de Artes (ELA) e Faculdade Vale do Salgado (FVS).

 

Assista à reportagem de Tep Rodrigues no programa Partiu, da TV Verdes Mares:

Programa Partiu Icó Icozeiro (05.01.2019) – Parte 02 – TV Verdes Mares

Vídeo do segundo bloco do Programa Partiu, da Tv Verdes Mares, exibido na tarde deste sábado (05/01/2019), sobre o Icó. Nesta parte, é trazido ao público um pouco do 8º Festival Nacional Icozeiro – Festival da Cultura Icoense 2018, que espalhou-se por todo o Município icoense. Reportagem de Tep Rodrigues.

Publicado por Festival da Cultura Icoense – Icozeiro em Sábado, 5 de janeiro de 2019

 

Saiba mais: https://www.facebook.com/Festival.Icozeiro/

Tags | , , ,

23

Jan
2019

EmNotícias

PorIberCultura

Festival Colores de la Sierra: uma semana de atividades para o povo wixárika em Jalisco

Em23, Jan 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

O Festival Intercultural Colores de la Sierra, que será realizado de 28 de janeiro a 3 de fevereiro, é um evento dirigido às comunidades indígenas da Sierra Huichol, no município de Mezquitic (Jalisco, México). A proposta de criar um festival de uma semana para compartilhar e criar junto com a comunidade de San Andrés Cohamiata, onde vive o povo wixárika, foi um dos 17 projetos ganhadores do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Coletivo 2018.

O enfoque da programação está na promoção dos direitos  dos povos indígenas. As atividades incluem música, dança, canto, cinema, teatro, poesia, contação de histórias, murais, jogos cooperativos, oficinas de artesanato e conversas sobre temas variados, que vão desde plantas medicinais até captação de água da chuva e autocuidados.

 

A rede

A rede Ha Ta Tukari, promotora do projeto, é uma equipe multidisciplinar formada por quatro ONGs que há  nove anos trabalham em comunidades da Sierra Huichol (La Cebolleta e La Laguna), uma área de difícil acesso e com alto grau de vulnerabilidade. O isolamento geográfico dificulta que as localidades contem com serviços básicos, como água potável, drenagem, oferta educativa e atenção médica de qualidade.

Nestas comunidades, a rede impulsiona um programa de educação para a saúde e a sustentabilidade, com oficinas e teatro didático para a adoção de práticas e tecnologias sustentáveis (captação pluvial, hortas, restauração ambiental) e promoção de hábitos de higiene e nutrição. Também atua com um programa de participação e vinculação comunitária que inclui projetos de arte comunitário, biblioteca, cinema ao ar livre, convivências e exposições, entre outras atividades.

(Foto: Red Ha Ta Tukari)

Nova aliança

Para a realização do Festival Colores de la Sierra, esta rede de organizações aliadas (Proyecto ConcentrArte A.C., Desarrollo Rural Sustentable Lu’um A.C., Isla Urbana A.C.) tem a colaboração do Grupo Teukari Jicareros de San Andres, Fuego Azul Arte, Casa Huichol e Colores de la Tierra.

Criado em 2012, Colores de la Tierra é um projeto multicultural que alcança mais de 1.500 meninos e meninas em oito comunidades da serra, mediante a criação de espaços para compartilhar ferramentas criativas e ecológicas, sempre com o objetivo de promover e preservar a cultura wixárika.

O povo wixárika é formado por cerca de 20 comunidades e, até o momento, a rede Ha Ta Tukari e Colores de la Tierra vinham atuando em comunidades diferentes. A nova aliança é uma forma de ampliar seu espectro de ação, realizando um trabalho mais profundo e de maior alcance, com um mesmo objetivo: um futuro sustentável para o povo wixárika mediante o respeito e a preservação de sua cosmovisão e tradições.

(Foto: Taller LUUM)

 

Tags | , , ,

27

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Organizações e coletivos culturais comunitários de El Salvador se reúnem durante o 22º Festival Artístico Chalateco

Em27, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Fotos: René Figueroa

 

Diversos coletivos e organizações de El Salvador compartilharam experiências e metodologias em “Um encontro de Cultura Viva Comunitária”, realizado durante o 22º Festival Artístico Chalateco e 12º Festival del Maíz, nos dias 23, 24 e 25 de novembro, no município de San Antonio Los Ranchos, departamento de Chalatenango.

O evento, que foi um dos selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018, teve como objetivo contribuir para as políticas culturais comunitárias em El Salvador. Participaram das jornadas representantes de organizações e coletivos como TALEGA, FundArte Cojutepeque, ADES Santa Marta, Asociación CusCambia, EDUC-ARTE, Red De Comunicadores Occidente, CCCOT, Colectivo 12-15 y Tamarindo Foundation e Colectivo La-VoR.

Eduardo Balán

O argentino Eduardo Balán, do coletivo El Culebrón Timbal, esteve presente no encontro e falou da preparação do 4º Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária, que se realizará na Argentina em mayo de 2019.  “A Cultura Viva é este caminho amplo compartilhado por centenas de milhares de coletivos populares na América Latina há séculos e que continua crescendo, através das ações artísticas, produtivas e educativas realizadas nos bairros”, comentou Balán, que também elogiou o trabalho desenvolvido em El Salvador a partir da Associação TNT (“grupo lendário na América Latina”).

Os festivais

“13703, El misterio de las utopías”

O 22º Festival Artístico Chalateco, reconhecido como o encontro anual das artes cênicas no departamento de Chalatenango, teve início na quinta-feira (22/11) no Centro Cultural Jon Cortina, com a apresentação dos espetáculos dos grupos Escena X (“Cerdos”) e Los Del Quinto Piso (“13703, El misterio de las utopías”). A abertura contou com a presença de  crianças, jovens, adultos e “adultos maiores” de diferentes comunidades, como Guarjila, Las Minas e San Antonio Los Ranchos.

O segundo dia continuou no anfiteatro do Parque Cultural de San Antonio Los Ranchos e marcou a inauguração da 12ª edição do Festival del Maíz (“Festival do Milho”), a feira gastronômica e artesanal que desde 2007 se realiza simultaneamente ao Festival Artístico Chalateco. Elotes locos, tamalitos de elote, riguas, atol de maíz blanco, enchiladas, tacos, pães recheados, pastéis e chicha à base de milho foram alguns dos pratos elaborados por pessoas empreendedoras do município.

“Cerdos”, do grupo Escena X

No anfiteatro

“Juguemos diferente”

A apresentação de espetáculos no anfiteatro começou com a escola infantil de teatro impulsionada pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro com a obra “Juguemos diferente” (“Brinquemos diferente”). Depois vieram “Pobrecitos mis cuentos de barro”, do Teatro Cíclico de El Salvador, e “Los viajes de Wenceslao”, da Compañía Teatral Quimera (Honduras).

No sábado (24/11), foi a vez do Coro Nacional de Personas Adultas Mayores de El Salvador (CAMES) e do Circus Contemporaneum, com “Alicia en el País de las Maravillas”. A programação de domingo contou com os “Cuentos mágicos” de César Ilusionista, a “Sesión Cirkus” do  palhaço Simoon, e o concerto musical da salvadorenha Nadia Maltez.

 

A equipe produtora de Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT) se apresentou no encerramento, e Walter Romero, diretor da TNT, agradeceu a todas as pessoas e instituições que fazem possível o festival. Aproveitou para falar do trabalho que se faz na instituição, dos diferentes processos de educação artística que se desenvolvem nas comunidades de Azacualpa, Guarjila, Guancora, Las Minas, San Miguel de Mercedes e San Antonio Los Ranchos. Também contou ao público novidades, como a turnê pela Alemanha que o elenco fará em 2019, representando El Salvador na Europa.

Saúl Marín, prefeito de San Antonio Los Ranchos, também agradeceu e reconheceu o trabalho que TNT ali realiza para a prevenção da violência a partir da arte e da cultura. A Asociación TNT nasceu em 1993, um ano depois da assinatura dos Acordos de Paz, que terminou com mais de uma década de guerra civil em El Salvador. Surgiu nas montanhas de um departamento historicamente excluído, Chalatenango, e ali permanece depois de 25 anos, como uma referência de arte comunitária para toda a América Latina.

Leia também:

Apertura del 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz en San Antonio Los Ranchos

Segundo día del 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival del Maíz

Tercer día en el 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz

Cuarto día en el 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz

Tags | , , ,

23

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Um encontro de Pontos de Cultura e Memória Rurais e um festival no interior do Ceará: os dois projetos brasileiros selecionados no Edital de Apoio a Redes 2018

Em23, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Nome do evento: Teia Latino-americana dos Pontos de Cultura e Memória Rurais

Nome da rede ou articulação: Rede Nacional de Pontos de Cultura e Memória Rurais

Organização responsável: Instituto de Imagem e Cidadania RJ

 

Um dos dois projetos brasileiros ganhadores do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Trabalho Colaborativo 2018, a 1ª Teia Latino-americana dos Pontos de Cultura e Memória Rurais será realizada em abril de 2019 na comunidade rural de Santo Antônio, município de Bom Jardim (Rio de Janeiro). Participarão do encontro 22 organizações integrantes da Rede Nacional de Pontos de Cultura e Memória Rurais (*) e cinco de países membros do programa IberCultura Viva, entre outros convidados.

A Teia integrará as atividades do 3º Encontro Nacional de Pontos de Cultura e Memória Rurais, buscando um diálogo sobre os territórios rurais presentes na América Latina, suas proximidades e distinções, com vistas à elaboração de políticas públicas de cultura para áreas rurais. Os cinco representantes de organizações culturais de Argentina, México, Uruguai, Equador e Chile serão selecionados por integrantes da Rede Nacional de Pontos de Cultura e Memória Rurais, que levarão em consideração a inserção da organização cultural em territórios rurais.

Será realizado um seminário envolvendo oficinas e rodas de conversa com temas presentes no dia a dia das organizações que atuam em áreas rurais, como cultura e educação, cultura e agroecologia, cultura e turismo comunitário. Também estão previstas duas mesas redondas: “Mulheres rurais, guardiãs da cultura camponesa” e “Políticas públicas de cultura para territórios rurais no Brasil, Argentina, Chile, México, Uruguai e Equador”.

Além de conhecer a realidade das organizações culturais que atuam em territórios rurais nos países que integram o programa IberCultura Viva, o encontro tem como objetivo constituir um canal de diálogo com essas organizações e fomentar a integração ibero-americana, valorizando a cultura na sua dimensão simbólica, cidadã e econômica.

A Rede Nacional de Pontos de Cultura e Memória Rurais é uma articulação de organizações culturais reconhecidas pelo Ministério da Cultura como Pontos de Cultura e/ou Pontos de Memória. Essas 22 organizações atuam em comunidades rurais nas cinco regiões brasileiras, por meio de bibliotecas comunitárias, museus comunitários, centros culturais, pontos de leitura, pontinhos de cultura, cineclubes, entre outros, atendendo aos povos da floresta, das águas e do campo.

1º Encontro de Pontos de Cultura e Memória Rurais (fotos: Ponto de Cultura Rural/Ecomuseu Rural e Biblioteca de Artes Visuais)

(*) Participam da rede os seguintes Pontos de Cultura e Memória Rurais: Ponto de Cultura Meninos do São João (Palmas,Tocantins), ASCALTA (Cantá, Roraima), Ponto de Cultura a Bruxa Tá Solta (Boa Vista, Roraima), Comunidade Kilombola Morada da Paz (Rio Grande do Sul), Rede Tucum (Ceará), Fundação Cultural Cabras de Lampião (Museu do Cangaço – Serra Talhada, Pernambuco), Ponto de Cultura Nina (Campinas, São Paulo), Associação Cultural Viva (Duas Barras, Rio de Janeiro), Ponto de Cultura Tesouros da Terra (Nova Friburgo, Rio de Janeiro), Sociedade Musical Euterpe Lumiarense (SMEL – Nova Friburgo, Rio de Janeiro), Centro Cultural Visconde de Mauá (Visconde de Mauá, Rio de Janeiro), Associação Amigos de Piaçabuçu (Piaçabuçu, Alagoas), Terra Una (Liberdade, Minas Gerais), Associação dos Moradores do Sitio Volta (Jaguaruana, Ceará), Ponto de Cultura Alimentar Iacitatá (Belém, Pará), Associação Mata Atlântica Ponto de Cultura Caipira (Silva Jardim, Rio de Janeiro), Associação dos Produtores do Triângulo da Pinha – APPIAL (Alagoas), Instituto de Imagem e Cidadania (Bom Jardim, Rio de Janeiro), Associação dos Produtores de Artesanato, Gestores Culturais e Artistas de Icó – APROARTI (Icó, Ceará), Escola Viva Olho do Tempo (Gramame/João Pessoa, Paraíba), Guaimbe – Espaço e Movimento CriAtivo (Pirenópolis, Goiás) e Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo – CEPAGRO (Florianópolis, Santa Catarina).

 

Nome do evento: 8º Festival Nacional ICOZEIRO

Nome da rede/articulação: Festival da Cultura Icoense – ICOZEIRO

Organização responsável: Associação Filhos e Amigos de Icó – AMICÓ

 

O Festival da Cultura Icoense – Icozeiro, que este ano chega à oitava edição, é um evento realizado na cidade histórica de Icó (Ceará) para a divulgação, articulação, fruição e fortalecimento da produção cultural local. Mesclando música, teatro, dança, audiovisual, literatura, artes plásticas e artesanato, conta também com palestras, workshops, debates e rodas de conversa, de forma a promover e contemplar a miscelânea cultural presente desde a formação da população icoense e do sertão do Ceará.

O evento é gratuito e realizado anualmente desde 2011, entre os dias 18 e 30 de dezembro, no Centro de Arte e Cultura Prefeito Aldo Marcozzi Monteiro (CACPAMM), instalado no prédio da antiga Casa de Câmara e Cadeia de Icó, espaço tombado como patrimônio em 1975 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Também há atividades em outros espaços públicos do centro histórico e em bairros periféricos, comunidades e distritos do município.

A data coincide com o período de maior efervescência na cidade, com as festas do dia da padroeira do município, Nossa Senhora da Expectação (18 de dezembro) e do Senhor do Bonfim (1º de janeiro), e as confraternizações de fim de ano. Em 2011, ano em que o festival estreou com oito apoiadores e parceiros, o público estimado foi de 2,5 mil pessoas. Na última edição, este número aumentou para 23,5 mil pessoas e 78 apoiadores e parceiros.

A proposta do festival foi apresentada ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018 pela Associação Filhos e Amigos de Icó (Amicó) em articulação com Universidade Federal do Cariri (UFCA)/ Instituto de Estudos do Semiárido (IESA), Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Icó (Sindsepmi), Escola Livre de Artes (ELA) e Faculdade Vale do Salgado (FVS).

Esta rede colaborativa, voltada para ações educativas, formativas e culturais, busca dar vazão a uma demanda do município no tocante à ocupação do espaço público, fortalecendo a identidade local, promovendo o intercâmbio cultural e possibilitando a geração de renda em torno da economia criativa e da economia da cultura, em espaços que representam a memória, a história e a cidadania.

Saiba mais sobre o Festival de Cultura Icoense: http://www.icozeiro.com

 

Tags | , , ,

21

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Um festival de artes e um encontro de batucada: os dois projetos de El Salvador selecionados no Edital de Apoio a Redes 2018

Em21, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Nome do evento: Festival Artístico Chalateco y Festival del Maíz, un encuentro por la Cultura Viva Comunitaria

Nome da rede/articulação: Colectivos y Organizaciones de CVC de El Salvador

Organização responsável: Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT)

 

O 22° Festival Artístico Chalateco e 12° Festival del Maíz, apresentado pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT) em articulação com coletivos e organizações de cultura comunitária de El Salvador, será realizado esta semana, de 22 a 25 de novembro, no município de San Antonio Los Ranchos, departamento de Chalatenango.

Durante esses quatro dias, haverá apresentações de grupos de El Salvador, Honduras y Guatemala. Estão programados espetáculos de Nadia Maltez, El Coro Nacional de Adultos Mayores (CAMES), Escena X, Los del Quinto Piso, Teatro Cíclico, Payaso Simoon de El Salvador, Compañía Teatral Quimera (Honduras) e El Mago César (Guatemala). Na quinta-feira (22), paralelamente à celebração em San Antonio Los Ranchos, o festival também estará nos municípios de Azacualpa, San Miguel de Mercedes e comunidade de Las Minas.

 

Teatro comunitário

O Festival Artístico Chalateco é realizado desde 1998. Chamado de “Festival de Teatro Popular Chalateco” em suas três primeiras edições, o evento surgiu da necessidade da Associação TNT de criar espaços para mostrar as produções dos grupos de teatro comunitário da região.

Neste contexto, a TNT, junto com outras instâncias de San Antonio Los Ranchos, decidiram lançar em 2007 o Festival del Maíz (“Festival do Milho”), tentando resgatar uma das tradições perdidas transitoriamente no município durante o conflito armado.

A Associação TNT nasceu em 1993, um ano depois da assinatura dos Acordos de Paz, que terminou com mais de uma década de guerra civil em El Salvador. Surgiu nas montanhas de um departamento historicamente excluído, Chalatenango, e ali permanece depois de 25 anos. Na zona rural, projeta-se como uma referência de arte comunitário para toda a América Latina.

 

Cultura viva

Este ano, paralelamente à programação dos festivais artístico e gastronômico, de 23 a 25 de novembro haverá um encontro de 15 coletivos e organizações de Cultura Viva Comunitária. A ideia é ter um espaço durante o dia para trocar experiências de trabalho, conhecer a plataforma Mapa IberCultura Viva e contribuir para o 4º Congresso Latino-americano de CVC, que se realizará na Argentina em maio de 2019.

A proposta foi apresentada ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018 pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro em articulação com Centro de Arte para la Paz, Centro Cultural y de las Artes Monseñor Oscar Arnulfo Romero (CLAMOR), Colectivo 12-15, Colectivo La Voz de Romero (LaVoR), Asociación de Arte para el Desarrollo-Primer Acto y Fundación por el Desarrollo de la Cultura a través de las Artes en Cojutepeque (FUNDARTE) e El Culebrón Timbal.

 

 

Nome do evento: III Encuentro Nacional de la Red de Batucadas TUYULU

Nome da red/articulação: Red de Batucadas TUYULU

Organização responsável: TDH-Suiza El Salvador

 

Cerca de 20 grupos de percussão de El Salvador participarão do 3º Encontro Nacional da Rede de Batucadas Tuyulu, nos dias 19 e 20 de dezembro, em San Salvador. O projeto busca fortalecer os grupos de batucada em sua capacidade organizativa em nível local e nacional, e suas habilidades de usar a batucada como ferramenta para a coesão e a transformação social.

Durante as duas jornadas, haverá oficinas sobre técnicas musicais, direitos humanos, equidade de gênero e estratégias de incidência através da arte. O encontro terminará com uma apresentação no espaço público, buscando a conscientização sobre as problemáticas vividas pela juventude salvadorenha.

Se espera a participação de cerca de 100 jovens, entre 15 e 30 anos, residentes da área rural ou urbana dos diferentes departamentos de El Salvador, que tenham conhecimentos básicos de batucada ou percussão e se encontrem em processo de organização ou estejam organizados em coletivos, redes, comitês, etc.

Previamente ao encontro nacional, serão realizadas uma reunião de coordenação, a gravação de um vídeo didático e duas jornadas preparatórias em diferentes zonas do país. A gestão contará com a participação dos/as jovens provenientes dos grupos integrantes da rede, em colaboração com as organizações que apoiam a Tuyulu.

A Rede de Batucadas Tuyulu foi fundada em 30 de agosto de 2015 por 12 grupos de percussão brasileira, com a missão de promover a batucada como uma ferramenta de transformação social e fomentar a cidadania ativa. Atualmente, a rede está preparando um processo formativo para grupos de jovens de 20 comunidades marginalizadas.

A proposta foi apresentada ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes 2018 por Asociación y Cooperación de Investigación para la Salud Mental (ACISAM), Plataforma Global El Salvador (PGES), Centro Bartolome de las Casas (CBC) e Terre des Hommes Suisse El Salvador (TDH-Suiza).

 

Saiba mais sobre a Rede Tuyulu: www.facebook.com/tuyulu

Saiba mais sobre a TNT: http://www.tnt.org.sv/https://bit.ly/1MOJw3I

Tags | , ,

20

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Um encontro para conversar sobre patrimônio: o projeto do Uruguai selecionado no Edital de Apoio a Redes 2018

Em20, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

 

Nome do evento: “Patrimonio invisible, construyendo cultura viva”

Nome da red/articulação: Las Vías

Organização responsável: Intermedios Producciones

 

O projeto “Patrimônio invisível, construindo cultura viva”, apresentado pela rede uruguaia Las Vías, aposta na criação de um espaço de encontro e reflexão sobre patrimônio vivo, sobre o patrimônio imaterial e seu diálogo com o patrimônio material, resgatando sua história e sua memória.

Espaço Cultural Ignacio Espino

As instituições que integram a rede Las Vías (Oficina de la Juventud, Comparsa Cuerda de la Explanada, Espacio Cultural Ignacio Espino, Intermedios Producciones) estão baseadas no bairro Las Palmas da cidade de San José de Mayo (departamento de San José), onde ficavam as instalações da Antiga Estação de Trem do Estado. Mantêm identidade própria, mas num contínuo trabalho colaborativo, atendendo a públicos de diferentes idades e contextos, potenciando o bairro como um polo sociocultural da cidade.

A proposta dos coletivos busca gerar uma instância de reflexão sobre os projetos sociais, culturais, artísticos e educativos da zona da Antiga Estação de Trem do Estado, e estabelecer um contraste entre ontem e hoje, entre o visível e o invisível (para visibilizar o invisível), entre o material e o intangível. A zona esteve abandonada durante anos, até que os coletivos se apropriaram do lugar.

O “encontro-conversatório” tem como objetivos: conscientizar sobre a importância do patrimônio imaterial em diálogo com o patrimônio material; valorizar as expressões culturais e artísticas; estimular o trabalho conjunto entre diferentes organizações e coletivos da zona territorial onde se baseia o projeto; criar uma exposição fotográfica que reflexione sobre o valor do patrimônio imaterial; oferecer ao bairro uma infraestrutura fixa para exposições a céu aberto durante os 365 dias do ano; aumentar o trânsito de público pela zona.

As três etapas

Esta proposta será desenvolvida em três etapas. A primeira jornada propiciará o encontro de diferentes atores, integrantes das organizações e coletivos, vizinhos do bairro e público em geral. Também serão convidados a participar do encontro agentes locais e nacionais envolvidos com o tema do patrimônio imaterial,  para dar sua visão e enriquecer o intercâmbio. Desse encontro será produzido um documento com as propostas e conclusões.

(Foto: Comparsa La Explanada)

Fotógrafos profissionais (da cidade) e emergentes (dos espaços formativos do Espaço Cultural Ignacio Espino e integrantes dos coletivos da zona) serão convidados a transitar um dia pelo bairro com a premissa de registrar a convivência do patrimônio material e imaterial. Serão registradas as diversas atividades realizadas durante um dia nos espaços a cargo dos coletivos: oficinas, atividades ao ar livre, espetáculos de artes cênicas, saída e percurso da Comparsa Cuerda de la Explanada (o bloco carnavalesco local), etc.

Com base no material elaborado durante o encontro e tendo como insumos o material fotográfico, será montada uma exposição de 28 fotografias e 2 placas (una apresentando o projeto e outra apresentando o bairro). A etapa 2 abarca a realização/curadoria e inauguração da exposição fotográfica a céu aberto. A etapa 3 será de circulação da mostra.

 

Saiba mais sobre o Espaço Cultural Ignacio Espino: http://www.ecie.com.uy

Tags | , , ,

08

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Um festival para dar espaço às mulheres: o projeto do Equador selecionado no Edital de Apoio a Redes 2018

Em08, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Nome do evento: Otras Miradas, Otras Voces

Nome da rede/ articulação: Circuito4

Instituição responsável: Femrock Ecuador

 

O festival Otras Miradas, Otras Voces, programado para março de 2019, é uma proposta das organizações Femrock Ecuador, Dionisios Arte Cultura e Identidad e Unión Orfebres de Pichincha e o Comité Barrial Ciudadela Quito Sur para dar espaço e empoderamento às mulheres e à população LGBTI no Equador, a partir da produção das mulheres.

As atividades incluem jornadas de capacitação (“Saberes patrimoniais”), jornadas de sensibilização, jornadas de cinema de mulheres, oficinas, rodas de conversa com mulheres cineastas e um encerramento festivo com vários grupos artísticos comunitários.

As poetisas Sarawi Andrango e Mayari Granda na primeira edição da mostra (Foto: Femrock)

O evento, que teve sua primeira mostra em 2018, surgiu como resposta a uma necessidade de um grupo de mulheres que buscavam um espaço mais amplo nas artes. A este processo se somou a comunidade LGBTI, que unindo esforços encontrou um mecanismo para promover o tema dos direitos por meio do teatro, da música e das artes. Assim, Femrock e Dionisios apostaram na criação de jornadas de trabalho, sensibilização e capacitação através da arte, o que fez com que outras agrupações de mulheres diversas e da população LGBTI se unissem em torno da iniciativa.

Em março deste ano, por ocasião do Dia da Mulher, o festival reuniu artistas fotógrafas, mulheres indígenas, meninas afrodescendentes, mulheres roqueiras, mulheres da terceira idade, mulheres do hip-hop, mulheres que gostam de esportes radicais, poetas, “teatreiras” e artistas drag. A meta para 2019 é que mais mulheres, organizações e grupos de bairros se somem a estas jornadas. As atividades serão realizadas em várias localidades, como Calzado, Quito Sur, San Bartolo, Plaza Grande, Casa del Orfebre, Ferroviaria, Colmena e o Parque das Diversidades.

 

Saiba mais sobre Femrock Ecuador: https://www.femrockecuador.com/

Tags | , ,