Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.

Arquivos redes - IberCultura Viva

20

maio
2024

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Conheça as 3 propostas do Paraguai selecionadas no Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2024

Em 20, maio 2024 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva anunciou os três projetos do Paraguai selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2024. Estas propostas foram anunciadas numa ata complementar à publicada na última sexta-feira, 17 de maio, com 34 projetos selecionados de 11 países. 

O valor total destinado aos 37 projetos selecionados nesta edição é de 189 mil dólares, o maior montante concedido a um Edital de Apoio Redes em 10 anos de programa. Cada projeto selecionado receberá até 5 mil dólares para utilizar nos gastos de produção e comunicação do evento proposto. 

As 37 propostas ganhadoras são provenientes dos 12 países membros do IberCultura Viva: 3 da Argentina, 4 do Brasil, 3 do Chile, 4 da Colômbia, 3 da Costa Rica, 3 do Equador, 3 da Espanha, 2 de El Salvador, 3 do México, 3 do Paraguai, 3 do Peru e 3 do Uruguai. 

Os projetos que obtiveram as pontuações mais altas em cada país foram os selecionados para receber o apoio financeiro. No caso do Paraguai os ganhadores são: o 4º Encontro Nacional de Gestão Cultural Comunitária, apresentado pelo Centro de Desarrollo de las Artes y la Cultura Avaré Sumé; “Por uma lei para os espaços culturais no Paraguai”, apresentado pela Red Escucha, e “Inclusão Digital para o Desenvolvimento Cultural no Chaco Paraguayo (IDDC Chaco)”, proposto pela Asociación Melodía para la Promoción de la Educación y la Cultura.

A seleção levou em conta critérios como a adequação aos objetivos estratégicos do IberCultura Viva, os impactos artístico-culturais, econômicos e/ou sociais do projeto, a experiência da rede ou articulação proponente, a avaliação da proposta técnica, e a coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho aos objetivos e estratégias propostos. Os critérios e sua respectiva pontuação estavam estabelecidos no regulamento do edital. 

As redes que foram selecionadas nesta convocatória serão contatadas pela Unidade Técnica do IberCultura Viva nos próximos dias para realizar os trâmites que permitam o pagamento dos recursos financeiros às organizações responsáveis.

.

Confira a ata complementar com os projetos do Paraguai

.

Leia também:

34 propostas foram selecionadas no Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2024

Tags | , ,

09

abr
2024

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Edital de Apoio a Redes 2024 tem 151 inscrições habilitadas; prazo de recursos termina em 12 de abril

Em 09, abr 2024 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

O programa IberCultura Viva divulgou nesta terça-feira, 9 de abril, a lista de candidaturas habilitadas que continuam no processo seletivo do Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2024: são 151, provenientes dos 12 países membros. As organizações responsáveis ​​pelas 105 candidaturas que foram consideradas não habilitadas terão um prazo de três dias, a partir desta data, para corrigir a documentação, enviando o arquivo solicitado para o e-mail programa@iberculturaviva.org. O prazo para interposição de recursos termina na sexta-feira, 12 de abril.

Os recursos enviados para o email programa@iberculturaviva.org deverão ter a indicação “Recurso” no assunto e a identificação da pessoa responsável (o número de inscrição no edital). É importante revisar os motivos citados para a desabilitação no documento “Informação às Pessoas Interessadas ​​I – Etapa de Habilitação” e enviar por correio apenas a documentação faltante exigida, em arquivo(s) anexo(s).

.

Alguns motivos

Algumas das candidaturas foram enviadas sem carta aval de uma ou mais organizações envolvidas (neste caso basta enviar um e-mail com a carta que faltou) ou com carta aval sem assinatura (o documento deve ser impresso, assinado e digitalizado ou fotografado) ou com carta aval fora do formato exigido (ao clicar no nome da chamada no Mapa IberCultura Viva, os modelos de carta aval, cronograma e orçamento aparecem no lado direito da tela).

Em outros casos, o valor solicitado ultrapassa o máximo permitido (é necessário ajustar o orçamento até US$ 5.000) ou a data de início ou término do projeto não corresponde ao período previsto no regulamento do edital (o cronograma deve ser ajustado tendo em conta o início a partir de junho de 2024 e o término até novembro de 2024).

Esta chamada destina-se a propostas feitas de forma colaborativa por pelo menos três organizações culturais comunitárias. A organização responsável pelo projeto deve ter personalidade jurídica e ser do tipo sem fins lucrativos. (Se a organização responsável pelo projeto não for do tipo sem fins lucrativos, e por isso a proposta foi invalidada, pode-se apresentar outra organização cultural comunitária com o perfil exigido). No caso do Brasil, a organização responsável também deveria ser um Ponto de Cultura cadastrado na Rede Cultura Viva.

.

Continuidade do processo

Na próxima semana, a Unidade Técnica analisará os recursos enviados para esta primeira etapa do edital. Após o envio pelas organizações responsáveis ​​dos anexos exigidos, as candidaturas desclassificadas serão reconsideradas e poderão continuar no processo seletivo. A lista final das candidaturas habiltiadas será publicada neste site após o prazo e análise dos recursos.

Na segunda etapa do processo, os projetos aprovados serão avaliados por representantes dos governos de cada um dos 12 países participantes (cada governo é responsável por avaliar os projetos do seu próprio país). A avaliação será dada de acordo com os critérios previamente estabelecidos no regulamento do edital. Serão selecionados os projetos que obtiverem a pontuação mais alta em cada país.

.

Inscrições recebidas

A edição 2024 do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo esteve aberta entre 23 de janeiro e 13 de março, período em que foram recebidas 256 candidaturas na plataforma Mapa IberCultura Viva. Este foi o maior número de inscrições nesta convocatória desde 2016, ano em que foi lançada a primeira edição. O recorde anterior era de 2022, quando foram enviadas 251 candidaturas.

Os dois países com maior número de candidaturas enviadas este ano foram a Colômbia (74) e a Argentina (73). Depois, México (20), Equador (16), Espanha (12), Peru (12), Brasil (11), Chile (11), Costa Rica (11), Paraguai (7), Uruguai (7) e El Salvador (2). A República Dominicana, que participou como país convidado, não apresentou nenhuma inscrição.

.

Confira a lista de candidaturas habilitadas e não habilitadas

Tags | , ,

01

fev
2024

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Um guia sobre o Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2024

Em 01, fev 2024 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

.

As inscrições para o Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2024 estarão abertas até o dia 11 de março na plataforma Mapa IberCultura Viva. A iniciativa se destina a organizações culturais comunitárias, povos originários e comunidades afrodescendentes interessadas em realizar um evento em conjunto com ao menos outras duas organizações ou coletivos nos países integrantes do IberCultura Viva. 

Os eventos inscritos poderão ser de alcance municipal, estadual, nacional ou internacional e deverão ser realizados entre junho e novembro de 2024. Serão aceitos como eventos: encontros, congressos, seminários, festivais, feiras, assembleias, jornadas  de sensibilização, colóquios e simpósios. 

Nesta edição também serão aceitos projetos de inclusão digital, propostos por redes culturais comunitárias que ponham em prática e/ou promovam o acesso à internet e às diversas ferramentas do digital nos territórios.

Os projetos selecionados receberão até 5 mil dólares para os gastos de produção e/ou comunicação do evento proposto. 

Com este edital, o programa busca apoiar eventos concebidos para fortalecer a articulação e o trabalho em rede das organizações culturais comunitárias, em nível local, nacional ou internacional, e cuja forma de gestão se desenvolve a partir da articulação e do trabalho conjunto das organizações culturais comunitárias participantes. 

A seguir, apresentamos um guia que pode ajudar a realizar sua inscrição.

.

REQUISITOS

A quem se destina o edital?

Podem se inscrever no edital redes ou projetos de trabalho colaborativo que reúnam pelo menos três organizações culturais comunitárias (OCC) ou povos originários, indígenas e afrodescendentes, nos países que fazem parte do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Paraguai, Peru e Uruguai. Este ano, a República Dominicana participa deste edital como país convidado.

Estas organizações deverão trabalhar de maneira articulada e colaborativa. Uma delas (com personalidade jurídica) deverá ser a organização responsável que ficará a cargo da administração dos recursos. Entende-se por OCC as organizações sociais (sem fins lucrativos), com ou sem personalidade jurídica, que trabalham a partir da cultura para promover o desenvolvimento comunitário. 

.

Quais são os requisitos para que uma OCC seja a organização responsável pela inscrição?

A organização responsável pela inscrição deverá contar com personalidade jurídica (CNPJ) vigente e ser do tipo sem fins lucrativos. Também é necessário ter ativa uma conta bancária institucional que lhe permita receber os recursos por transferência internacional caso o projeto seja selecionado.

Além disso, existem requisitos específicos para Brasil, Chile, Equador, México e Peru: 

. No caso do Brasil, só podem participar como organizações responsáveis aquelas certificadas como Ponto ou Pontão de Cultura, com cadastro atualizado na Rede Cultura Viva.

. No caso do Chile, só podem participar como organizações responsáveis aquelas organizações comunitárias inscritas no Registro Nacional de Puntos de Cultura Comunitaria, lançado em 2023. 

. No caso do Equador, a pessoa responsável pelo projeto deve estar inscrita no Registro Único de Actores Culturales (RUAC)

. No caso do México, só podem participar como organizações responsáveis aquelas inscritas no Registro Nacional de Espacios, Prácticas y Agentes Culturales (TELAR).

. No caso do Peru, as organizações responsáveis devem ser reconhecidas como Puntos de Cultura ou estar inscritas no Registro de Organizaciones Afroperuanas Representativas (ROA).

.

Como devem ser os eventos propostos pelas organizações?

As redes ou articulações de organizações interessadas em participar do edital podem apresentar uma proposta de encontro, assembleia, congresso, seminário, festival, feira, jornada de sensibilização, colóquio ou simpósio. Estes são exemplos de eventos que correspondem à linha B do edital. A linha A, por sua vez, é a que engloba os projetos vinculados à inclusão digital.

Será necessário que ao menos três organizações ou coletivos de base comunitária estejam envolvidos na produção/organização do evento proposto. No formulário deve-se especificar de que maneira cada organização participará da atividade, quais são suas responsabilidades no projeto.

Os eventos apresentados devem ser executados entre junho e novembro de 2024, com entrada livre e gratuita. Eles devem contar com as autorizações e habilitações pertinentes para sua realização e respeitar as exigências das autoridades competentes, incluindo as de segurança e higiene e preventivas de saúde, nas localidades onde serão realizados. 

.

REGISTRO

Como iniciar a inscrição?

Para inscrever-se num edital do programa é necessário primeiramente registrar-se como agente cultural no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais compreendem-se as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, entidades, povos originários, coletivos, agrupações e instituições. No caso deste edital, é obrigatório registrar o perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). 

Atenção: O sistema só aceita inscrições de agentes individuais nos editais. Caso o perfil da pessoa responsável pela inscrição esteja registrado como “agente coletivo”, é necessário mudá-lo para “individual” e assim poder encontrar seu nome no campo de busca da página inicial do concurso.

(Aqui está um guia que pode ajudar com o registro do perfil: http://iberculturaviva.org/manual).

.

Se a pessoa responsável pela inscrição já participou de outro edital IberCultura Viva por meio desta plataforma, deve se registrar mais uma vez como agente?

Não. Pessoas que já participaram de algum edital do programa publicado no Mapa IberCultura Viva, ou já completaram seu perfil nesta plataforma, não necessitam registrar-se uma vez mais como agentes; basta ingressar em seu perfil para iniciar a inscrição.

O campo “Registrarse” na página inicial é usado apenas na primeira vez. Nas próximas vezes, você deve clicar “Ingresar” para ter acesso ao seu perfil. (Caso tenha esquecido a senha cadastrada, clique em “Olvidé mi contraseña”). Obs: Na primeira vez, ao fazer o registro, o agente é direcionado automaticamente para o perfil. Depois, será necessário clicar em “Editar” para poder acessar/modificar os dados do cadastro.

Atenção: tenha em conta que são duas etapas para se inscrever no edital: 1) completar o registro de agente individual no Mapa IberCultura Viva (se já o fez em outros editais do programa, deverá usar o mesmo registro); 2) completar o formulário de inscrição do concurso.

.

Uma vez concluído o registro de agente, onde encontrar o formulário de inscrição do edital?

Quando tiver o perfil de agente registrado, clique em “Editais” (na parte superior da tela) e vá até o arquivo que aparece com o título “Convocatoria de Apoyo a Redes y Proyectos de Trabajo Colaborativo 2024/ Edital de Apoio a Redes 2024”. (O formulário se encontra em espanhol e português; o regulamento aparece primeiro em espanhol, depois em português). 

Para iniciar sua inscrição, clique no campo de busca, localize o seu nome (o registro de agente individual/pessoa física previamente cadastrado) e selecione a opção “Realizar inscrição”, disponível ao lado do campo de busca.

Complete as informações requeridas no formulário de inscrição. A qualquer momento é possível salvar os dados de sua inscrição utilizando o botão “Salvar” no canto superior direito. Feito isso, é possível sair da plataforma e continuar o preenchimento em outro momento, antes do término do período de inscrições.

O sistema gera um “número de inscrição”, que deverá ser informado ao entrar em contato com o programa IberCultura Viva para obter alguma informação sobre sua proposta.

Atenção: Em qualquer momento é possível salvar os dados da inscrição utilizando o botão “Salvar” no canto superior direito. Fazendo isso, é possível sair da plataforma e continuar em outro momento, antes do término do período de inscrição. 

.

FORMULÁRIO

Que documentos devem ser preenchidos e/ou enviados?

Além do preenchimento do formulário específico do Edital de Apoio a Redes 2024 que se encontra disponível no Mapa IberCultura Viva, as pessoas candidatas devem enviar (em anexo ao formulário) dois documentos: 1) o certificado de personalidade jurídica (CNPJ) da organização/coletivo(*); 2) a carta aval em que é designada a entidade responsável pela inscrição e são definidas as responsabilidades de cada organização/coletivo/povo no projeto. 

O orçamento e o cronograma do projeto também devem ser enviados em anexo, conforme modelo encontrado no formulário.

Para os/as candidatos/as do Equador, Brasil, Chile, México e Peru, aparecerá um campo específico para envio dos comprovantes específicos requeridos em cada caso: a inscrição no RUAC, o certificado de inscrição como Ponto ou Pontão de Cultura na Rede Cultura Viva; a validação como Ponto de Cultura Comunitária no Chile; a inscrição no Registro Nacional de Espaços, Práticas e Agentes Culturais (TELAR) ou no Registro de Organizações Afro-peruanas Representativa (ROA). 

.

Como apresentar a rede ou articulação que desenvolverá a proposta do candidato?

O agente responsável pela inscrição será uma pessoa física, previamente cadastrada como agente individual na plataforma. No formulário este será o primeiro campo que aparecerá. Em seguida virão os dados da rede ou articulação que apresenta o projeto (deve-se reportar o nome da rede e uma breve descrição, com objetivo, histórico, etc.).

Na primeira parte do formulário, “Dados da rede ou articulação”, encontram-se os campos para preenchimento dos dados das organizações/coletivos que compõem a rede ou articulação (cidade, país, área de atuação, ano de fundação, e-mail, um breve resumo de suas atividades). É necessário preencher os três itens (1, 2 e 3 iguais), um para cada organização/coletivo, pois este é o número mínimo de membros que devem fazer parte da rede ou articulação. No caso de haver mais membros, existe mais um campo onde pode ser anexada uma lista.

Nesta parte encontram-se também os campos para informar a entidade responsável pela administração do projeto, enviar o certificado de personalidade jurídica e a carta aval em que são definidas as responsabilidades de cada membro da rede. 

.

Como apresentar a proposta da rede ou articulação?

A segunda parte do formulário é dedicada aos dados do projeto. Lá você deve informar o nome, local de realização, data de início, data de término, descrição, objetivos, metas, resultados esperados.

Uma das questões que aparecem no formulário é se o projeto propõe ações de reconhecimento e fortalecimento da identidade cultural. Também se pergunta se o projeto inclui características inovadoras e/ou relevantes para a comunidade e se inclui a perspectiva de gênero (descreva como; caso contrário, responda apenas “não contempla”). As ações de comunicação, documentação e registro que serão realizadas também devem ser informadas.

No campo de descrição da “Estrutura de Gestão” devem ser incluídas as responsabilidades assumidas por cada membro da rede ou articulação. Espera-se também que sejam informadas, caso existam, as estratégias de monitoramento e avaliação, a equipe técnica e a participação de outros atores na proposta (prefeituras, instituições públicas e/ou privadas, por exemplo). 

.

Como apresentar o orçamento do projeto?

Cada projeto selecionado neste edital pode receber até US$ 5 mil para despesas de produção e comunicação do evento proposto. Na parte final do formulário de inscrição encontram-se os campos onde deverá constar o orçamento para o projeto. Os dois últimos campos destinam-se ao envio do orçamento e do cronograma do projeto em anexo, conforme os modelos que estão disponíveis para download no formulário.

.

Como preencher a carta aval?

Neste campo do formulário (item 5.1) existe um modelo de carta aval para baixar. É um documento simples, no qual se deve dizer que as pessoas abaixo assinadas expressam seu aval à organização que se apresenta como a entidade responsável pelo projeto, que se encarregará da administração dos recursos. Também deve ser esclarecido como as responsabilidades foram distribuídas entre as organizações que compõem o projeto (a organização X é responsável por uma determinada tarefa, o grupo Y tem essa missão, etc.). 

É necessário baixar o modelo disponível (para o Brasil, há versão em português), preencher os campos obrigatórios, imprimir, coletar as assinaturas dos responsáveis ​​pelas organizações que compõem a rede, e enviar este certificado assinado, anexando o arquivo ao formulário por foto ou scanner.

.

ENVIO

Como saber se a inscrição foi enviada?

A proposta será enviada para a participação no edital somente após o preenchimento de todos os campos do formulário e a inclusão dos anexos obrigatórios. Caso o registro de agente na plataforma não tenha sido completamente preenchido, não será possível enviar a inscrição. O sistema apresentará um alerta (um ponto de exclamação “!” em vermelho, em que se deve clicar para saber onde está o problema). Se o erro estiver no registro de agente, será necessário clicar no seu nome ou na sua imagem de perfil, acessar “Meu perfil” e editar seu registro, completando todos os campos do formulário que estiverem marcados com o símbolo “*”. Também é preciso selecionar ao menos uma área de atuação, no canto superior esquerdo da página de registro.

Revise as informações antes de clicar em “Enviar inscrição”. Após o envio, não será possível editá-la. A plataforma exibirá a tela de confirmação do envio|: o dia e o horário do envio aparecerão na tela com uma tarja verde.

.

AVALIAÇÃO

Como se dá o processo de seleção?

O processo de avaliação do edital tem duas etapas: habilitação e avaliação. Na primeira etapa, a Unidade Técnica do IberCultura Viva revisará a documentação enviada, para ver se os anexos foram enviados corretamente, se o projeto reúne ao menos três organizações culturais comunitárias, se elas são provenientes de países membros do programa. As organizações que tiverem enviado a documentação corretamente passarão à etapa seguinte, de avaliação.

Na segunda etapa, os projetos habilitados serão avaliados pelo comitê de seleção, integrado por representantes do Conselho Intergovernamental. A avaliação se dará conforme os critérios estabelecidos previamente no regulamento do edital.

.

Quais são os critérios de avaliação? 

A seleção levará em conta, por exemplo, se a proposta propicia o desenvolvimento de uma cultura cooperativa, solidária e transformadora, mediante o fortalecimento da capacidade de organização comunitária. Também contarão pontos na avaliação se o projeto promove ações de formação cultural e fortalecimento das identidades culturais; se desenvolve ações de comunicação, documentação e registro nas comunidades e redes em que atuam; se propõe características inovadoras e/ou relevantes para a comunidade; se inclui a perspectiva de gênero de forma transversal; se aborda atividades com temáticas específicas e significativas para comunidades vulneráveis, coletividades, minorias étnicas, etc.

Além da adequação aos objetivos estratégicos do programa, serão avaliadas a experiência da rede ou coletivo proponente e a proposta técnica apresentada. Neste caso, se observará se os objetivos estão explicitados de forma clara e bem definidos; se são pertinentes as estratégias e objetivos em relação aos resultados esperados; se explicitam coerentemente as etapas/ações para o desenvolvimento do projeto; se contam com uma equipe técnica adequada para a realização da proposta; se incluem adequada estrutura de gestão e estratégias de monitoramento e avaliação, se há coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho. 

.

Confira o regulamento do concurso: https://bit.ly/3ubBiVp

Inscreva-se: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidades/265/

Como se inscrever no Mapa IberCultura Viva: https://iberculturaviva.org/mapa-ibercultura-viva/?lang=es

Consultas: programa@iberculturaviva.org

Tags | , ,

10

jul
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Criando pontes, reivindicando a memória: os projetos equatorianos selecionados no Edital de Apoio a Redes 2023

Em 10, jul 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

(Foto: Archivas & Documentas)

.

Um espaço artístico-cultural-literário para valorizar e promover a produção da literatura indígena contemporânea. Um festival intercultural com manifestações artísticas dos povos afro-equatorianos Chachi e Épera, uma feira de artesanato e uma feira gastronômica e de soberania alimentar. Um espaço de pesquisa, produção, circulação e reflexão sobre as práticas da arte e dos direitos humanos para visibilizar e fortalecer a luta de familiares de pessoas desaparecidas. Conheça os três projetos de redes equatorianas selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023.

.


* Nome da rede ou articulação: Red de Creación Intercultural Mingas de la Imagen

* Nome do projeto: II Encontro Internacional Corazonando: curando a palavra e a memória

.

 

O II Encontro Internacional “Corazonando: Sanar la palabra y la memoria” será realizado nas cidades de Quito e Otavalo (província de Imbabura, Equador), nos dias 6, 7 e 8 de setembro. Neste espaço artístico-cultural-literário comunitário e global, artistas, coletivos e grupos culturais se reunirão para trocar experiências e espalhar sementes que multipliquem o trabalho de animação cultural em diferentes campos. A iniciativa nasce da necessidade de valorizar, divulgar e promover a produção da literatura indígena contemporânea, a reivindicação da memória, da oralidade e de outras formas de escrita e texto desconhecidas e desvalorizadas.

(Foto: Mingas de la Imagen)

O projeto contempla a concepção e implantação do site da Biblioraloteca Cultural MUYU, onde serão exibidas produções literárias em línguas nativas, além de um repositório acadêmico, livros comunitários e uma galeria de vídeo-poemas indígenas. Ali também estará abrigada a produção de memórias em vídeo e fotografias resultantes desse encontro internacional, com depoimentos, entrevistas e materiais públicos.

Esta proposta de articulação também visa apoiar os trabalhos de produção do encontro, em oficinas de formação comunitária em auto-edição de livros, ilustração infantil indígena, têxteis de simbologia Embera em chaquira e recitais de poesias-contos. As atividades atenderão comunidades dos povos indígenas Embera, Wayuu, Yanakuna e Camentsa, na Colômbia; o povo Tsotsil Maya, do México, e os povos Kitu Kara e Otavalo, de nacionalidade Kichwa, do Equador.

.

Organizações participantes

A Red de Creación Intercultural Mingas de la Imagen, que apresentou esta proposta ao IberCultura Viva, é um processo que acontece desde 2016 em Mocoa-Bogotá, e já envolveu comunidades indígenas e colaboradores da Colômbia, Panamá, Equador, Estados Unidos, Uruguai, México e Itália. Seus integrantes realizam encontros, conversas, trabalhos colaborativos e oficinas de criação intercultural, em diálogos comunitários que buscam efetivar seu potencial artístico por meio da cooperação e construção coletiva entre diferentes linguagens, artes, espiritualidades e saberes.

Este projeto é uma articulação da Rede de Criação Intercultural Mingas de la Imagem com a Fundação Biblioraloteca Cultural Literária MUYU (Equador); o Coletivo de Comunicações Wainpirai (Guajira, Colômbia), formado por jovens e mulheres Wayuu, e o Coletivo Snichimal Vayuchil (Chiapas, México), que reúne tradutores maias e produtores independentes de materiais literários.

(Foto: Mingas de la Imagen)

O Coletivo Snichimal Vayuchil nasceu em 2016 como uma oficina de criação literária. Em coordenação com casas de cultura e escolas de comunidades rurais, o coletivo promove oficinas, recitais de poemas e poesias e realiza concurso de oralidade-poesia e pintura, entre outras atividades. Em 2022, em colaboração com a Red de Creación Intercultural Mingas de la Imagen, participou da produção de um livro coletivo indígena, “Ritual de Palabras”, com poesias e histórias em dez línguas.

O Coletivo Wainpirai começou a se organizar em Guajira em 2013, a partir de uma escola de formação política e cultural. Formada por jovens e mulheres do povo Wayuu dos municípios de Hato Nuevo e Barrancas, no sul da Guajira, expandiu seu trabalho para a média e alta Guajira (Manaure, Uribia, Riohacha e áreas rurais de Maicao) e trabalha em comunicação em suas diferentes formas e linguagens: desenho, tecido, teatro, audiovisual.

.


* Nome da rede ou articulação: Coalición Intercultural do Río Cayapas

* Nome do projeto: Esmeraldas viva, Viva Esmeraldas! V Festival Intercultural del Río Cayapas

.

O V Festival Intercultural del Río Cayapas, que acontecerá na comunidade intercultural de Santa Maria del Cayapas, reunirá de forma inédita as manifestações artísticas dos povos afro-equatorianos Chachi e Épera em um diálogo de cosmovisões tecidas em torno da vida em a selva ocidental equatoriana. Também será dado espaço à poética da vida através da arte culinária local e da feira de artesanato intercultural, marca identitária do festival.

A intenção é realizar três apresentações artísticas no festival, além da feira de soberania alimentar e gastronômica e da feira de artesanato das comunidades do Rio Cayapas. Está prevista a participação de 60 jovens de diferentes culturas nas manifestações artísticas de música e dança, e um total de 600 pessoas nas atividades. Esta edição contará com o apoio da equipe de documentação audiovisual da Fundação Ochún, que acompanhará todos os eventos para a realização de um minidocumentário.

.

Organizações participantes

A Coalición Intercultural del Río Cayapas é uma organização que trabalha desde 2018 articulando de forma coordenada entidades que prestam apoio estratégico em diferentes áreas relacionadas com a interculturalidade, educação, manifestações artísticas e soberania alimentar. O objetivo da coalizão é criar pontes de fortalecimento, conhecimento e distribuição de conhecimentos entre os afrodescendentes do Equador e as nacionalidades indígenas Chachi e Épera que habitam a Selva Ocidental do país.

Em 2018, em aliança com o Festival del Sur e o Movimento de Cultura Viva Comunitária, a organização promoveu o I Festival Intercultural do Rio Cayapas. Em 2019, a segunda edição do festival contou com a participação de indígenas Chachi e brasileiros da comunidade Ilê Baru (Grupo Senzala Foz), que viajaram ao Equador com o apoio do IberCultura Viva, em um dos intercâmbios realizados no âmbito do edital IberEntralaçando Experiências.

Segunda edição do Festival Intercultural do Rio Cayapas, em 2019 (Foto: Cayapas Intercultural)

.

Para promover esta quinta edição do festival, a coalizão se articulou com CVC Equador e a Fundação Cultural e Artesanato Afro-Equatoriana Ochun Funcuao. A Rede Equatoriana de Cultura Viva Comunitária, formada em 2013, reúne artistas, gestores, lideranças comunitárias, redes colaborativas e processos culturais de base comunitária que trabalham para fortalecer a memória, a história e a identidade por meio de expressões criativas e organização social.

A Fundação Cultural e Artesanal Afro-Equatoriana Ochun Funcuao, criada em Quito em 2007, tem como principal missão gerar fortalecimento identitário em crianças, jovens e mulheres afros e refugiadas, em setores periféricos da cidade. A fundação articula projetos relacionados à arte e cultura afro, escolas de música e dança, oficinas: têxtil, turismo, gastronomia e realiza capacitações em ofícios e direitos com abordagem de gênero e intergeracional.

.


 * Nome da rede ou articulação: Situar: Arte, Activismos y Derechos Humanos

* Nome do projeto: I Encuentro Situar: Arte y Derechos Humanos

.

O Encontro Situar: Arte e Direitos Humanos, a ser realizado na cidade de Quito, gira em torno da ativação da memória crítica ligada ao fenômeno dos desaparecimentos no Equador. Para isso, propõe-se o desenvolvimento de uma série de atividades culturais dentro de um espaço multiplicador de reflexões, questionamentos, solidariedade e afeto, e apoio à luta por melhores políticas públicas para erradicar esse problema. O processo deverá culminar em agosto, Mês das Vítimas de Desaparecimentos Forçados.

O evento inclui uma chamada pública, um laboratório, uma intervenção pública e algumas palestras/conversatórios. O laboratório teórico-prático de ativismo foi pensado como um espaço de reflexão coletiva sobre a memória do corpo ausente e a luta por dignidade e justiça. Foram propostas duas oficinas, a primeira de escrita experimental para a elaboração de um manifesto de slogans e biografias de mulheres desaparecidas; a segunda, de memória-bordado para a elaboração de um manifesto-bandeira em grande formato. As duas oficinas serão destinadas a familiares e amigos dos desaparecidos.

A ideia é realizar uma intervenção pública da bandeira a partir do manifesto coletivo e da leitura em voz alta de biografias de mulheres desaparecidas. Além disso, várias palestras serão realizadas durante as oficinas, permitindo uma aproximação com o tema, as experiências e as ações, e será elaborado um mapa de memória do desaparecimento no país. Especialistas e ativistas, artistas e familiares serão convidados para esses diálogos.

O projeto “Desaparecendo” foi levado adiante por Situar e Asfadec de 2016 a 2019

.

Articulação

As organizações que se articulam para realizar este projeto possuem um histórico de colaborações em torno do tema. São elas: Situar: Arte, Activismos y Derechos Humanos; Asociación de Familiares y Amigos de Desaparecidos en Ecuador (Asfadec) e Archivas y  Documentas.

Coletivo formado em 2009 e formalizado como organização em julho de 2022, Situar tem concentrado sua atuação em programas e atividades de ação social e desenvolvimento, bem como na criação, acompanhamento e produção de espaços de pesquisa e educação não formal vinculados a processos comunitários. Também tem se dedicado ao acompanhamento de organizações para o apoio e desenvolvimento de propostas ligadas ao resgate da memória social e patrimonial a partir da participação cidadã e dos direitos humanos.

(Fotos: Asfadec)

Em 2015, Situar e Asfadec iniciaram o projeto “Desaparecendo”, que buscava dar visibilidade ao fenômeno dos desaparecimentos no Equador por meio de encontros, oficinas e uma exposição artística itinerante, que percorreu vários espaços culturais durante quatro anos. Organização sem fins lucrativos nascida em 2012, a Asfadec assessora e acompanha familiares de desaparecidos em buscas e ações de demanda em instituições do Estado. Além disso, trabalha em conjunto com organizações de direitos humanos para criar políticas públicas que atendam casos de pessoas desaparecidas e realiza campanhas de conscientização sobre o tema, entre outras atividades.

O outro proponente do projeto é Archivas y Documentas, uma organização feminista que pesquisa e publica o trabalho de mulheres artistas equatorianas, e que desde 2016 desenvolve projetos e ações com foco na visibilidade da mulher e na dissidência na arte. As ações que realiza (inclusive em colaboração com a Situar) buscam questionar as relações de poder no sistema artístico e reivindicar espaços mais justos e uma vida digna para os trabalhadores da cultura.

:

Tags | , ,

06

jul
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Trocando saberes, construindo uma cultura de paz: os projetos da Colômbia selecionados no Edital de Apoio a Redes 2023

Em 06, jul 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

 

Os três projetos apresentados por redes colombianas no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023 serão desenvolvidos em diferentes departamentos do país, com diferentes populações, mas com objetivos comuns para a construção de uma cultura de paz. Uma das propostas reunirá novos criadores literários e lideranças comunitárias da região conhecida como “Bolívar Grande”, em um espaço de diálogo e intercâmbio intercultural. Outro projeto prevê a realização de sessões educativas e o intercâmbio de práticas de bem viver e soberania alimentar entre organizações com longa história e lideranças e organizações nascentes da Região Cafeeira Colombiana. Uma terceira proposta consiste em três encontros, em três comunas populares de Medellín, onde serão abordados temas como trabalho comunitário, cuidado, solidariedade, gestão cultural e a importância de tecer uma rede de apoio entre organizações.

 


*Nome da rede ou articulação: Robledo Corporação Social e Cultural Venga Parchemos

* Nome do projeto: Tejido Comunitario Por la Vida

.

O “Tejido Comunitario Por la Vida”, um dos três projetos que serão realizados na Colômbia este ano com o apoio do IberCultura Viva, consiste no desenvolvimento de dois encontros territoriais para o intercâmbio de saberes que promovem práticas de cuidado e solidariedade entre crianças, jovens e adolescentes, e de um encontro na cidade que contribuirá para tecer redes de apoio entre as organizações.

O projeto será promovido em três comunidades populares da cidade de Medellín, territórios que hoje continuam recebendo vítimas do conflito armado e onde vivem populações vulneráveis. Um desses territórios é o bairro El Paraíso, localizado na Comuna 7, Robledo, local onde seus habitantes não têm acesso a serviços básicos como água e luz, o controle social é exercido por grupos associados ao narcotráfico, e a violência múltipla  agrava as condições de desigualdade, vulnerabilidade e acesso à cidade.

O segundo território será o bairro Las Palmas e o setor Niquitao do bairro Colón, na comuna 10 de Medellín. Niquitao é uma área com grandes problemas sociais no centro da cidade, onde profissionais do sexo, migrantes venezuelanos e a comunidade indígena Embera vivem em cortiços, em condições precárias, sujeita a diversos tipos de violência.

O terceiro encontro será realizado no Centro de Desenvolvimento Cultural da Morávia, na comuna 4, Aranjuez, um espaço central e conhecido por suas lutas políticas e organização comunitária em torno da defesa de seu território, que começou como um bairro dentro de um lixão, e seus habitantes se  tornaram recicladores de seu contexto. Este lugar é reconhecido pelos processos e organizações sociais, culturais e comunitárias da cidade.

O primeiro dia, na comuna 7, terá como tema “O corpo, o autocuidado e a não violência contra a mulher”. O segundo, na comuna 10, terá como tema “Narrativas Comunitárias, as cores da solidariedade em um trecho de muralismo coletivo”. Nesses espaços, serão construídas narrativas visuais (fotografia, vídeos), escritas (mensagens) e orais (podcast) a partir dos temas e propostas compartilhadas por cada território. A intenção é trabalhar a importância da solidariedade, cooperação e apoio mútuo para o trabalho conjunto, a não violência e o autocuidado. As organizações participantes esperam receber cerca de 40 crianças, jovens e adolescentes nesses dois dias.

Após os dois encontros territoriais, será realizado um terceiro, o Encontro Tecendo Saberes e Práticas Comunitárias para a Vida. Será aberta uma chamada para ampliar o tecido com organizações relacionadas a esses processos, e também com a participação do público em geral para discutir temas como trabalho comunitário, cuidado, solidariedade, gestão cultural e a importância de construir uma rede de apoio entre as organizações. A iniciativa visa destacar a importância das organizações de bairro em torno da arte e da cultura que contribuem para a dignidade da vida em uma cidade como Medellín, onde crianças, adolescentes e jovens são constantemente vítimas de várias violações.

Festival Cine en la Isla

.

Organizações participantes

Este projeto reúne três organizações de base que vêm se reunindo em várias ocasiões em Medellín desde 2019: a Corporação Social e Cultural Robledo Venga Parchemos, a Corporação Cultural Marabuntas -Casa Cultural El Hormiguero- e a Corporação Fecisla.

A Corporação Social e Cultural Robledo Come Parchemos, fundada em 2014, oferece espaços de formação em clown, teatro, acrobacias, malabares e jogos de palco, transversalizados por temáticas de não violência e resolução de conflitos, bem como espaços como rodas de mulheres, novas masculinidades, identidade e diversidade sexual. Também organiza eventos culturais de grande formato, como a Lunada Artística y Cultural e o Circo al Puente, e outros menores para a formação do público, como o Canelazo literário, Temporadas de Teatro, Cinema-fóruns, Circo de Variedades e Música Acústica Unplugged. e Poesia que abordam temas como antimilitarismo, tecidos comunitários, resistência, bem viver, ecofeminismos e economias solidárias.

Já a Corporação Fecisla desde 2015 organiza o Festival Internacional de Cinema na Ilha, um evento de cinema e formação que acontece na Isla Fuerte, no Caribe colombiano. Desde a formação audiovisual eles têm trabalhado com diversas instituições públicas e privadas, com o objetivo de que a criação audiovisual seja um pretexto para comunicar, expressar e fortalecer a mensagem das comunidades através da narração das suas histórias em sua própria voz. 

Também criado em 2015, a Corporação Cultural Marabuntas tem criado espaços de encontro, conversas, séries cinematográficas, poesias, espaços literários, planos culturais, oficinas, espetáculos circenses e musicais, tertúlias, grupos de estudos, murais, espaços de discussão sobre questões territoriais, econômicas, socioculturais, feministas e agroecológicas, comunicação, feiras de economia solidária, oficinas artísticas e educativas para compartilhar conhecimento. Em seu espaço confluem iniciativas populares, organizações sociais, indivíduos, crianças e jovens que participam da dinâmica dos processos comunitários da cidade.


.

* Nome da rede ou articulação: Bolívar Grande Unido por las Nuevas Narrativas Identitarias

* Nome do projeto: “Estrategia (Ruta) de promoción de lectura y circulación de la antología Bolívar Literal: Contando el barrio desde nuestra piel” 

.

No segundo semestre de 2022, 14 novos criadores literários e líderes comunitários de oito municípios e corregimentos da região colombiana chamada “Bolívar Grande” se reuniram em um laboratório de escrita criativa. O principal resultado deste encontro foi a produção de uma antologia de contos. Para dar continuidade ao trabalho em laboratório para a produção do texto, quatro entidades propuseram uma “Estratégia (percurso) para promover a leitura e circulação da antologia Bolívar Literal: Contando o bairro a partir da nossa pele”.

Esta proposta, selecionada no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023, foi concebida como uma rota de modalidade híbrida, a ser realizada por meio de nove atividades em municípios e corregimentos dos departamentos de Bolívar e Sucre. Estão previstas reuniões e jornadas de sensibilização em municípios como Turbaco, Arjona e Simití (Bolívar) eSan Onofre (Sucre); e nos corregimentos de Santa Ana-Isla de Barú, El Níspero-Marialabaja, Cascajal-Magangué e Canutalito (Ovejas).

Com essas atividades, além de distribuir a antologia Bolívar Literal nos espaços das redes regionais de bibliotecas públicas, a rede espera ampliar o alcance dos resultados obtidos na execução da primeira fase do projeto em termos de formação humana e diminuição das brechas da desigualdade.

O projeto e a antologia constituem um espaço de encontro, diálogo e intercâmbio intercultural entre diversas populações (populações urbanas, rurais, étnicas, deslocadas pela violência, vítimas do conflito armado, migrantes e comunidade LGBTI+); servindo também como ponte intergeracional em torno do fechamento de brechas de desigualdade, convivência comunitária, construção do tecido social e da paz protagonizada por habitantes de um território comum.

.

A rede

A Rede Unida Bolívar Grande para as Novas Narrativas Identitárias visa trabalhar para o desenvolvimento humano através da cultura, literatura, promoção da leitura e divulgação de novas narrativas identitárias de criadores e líderes literários da região bolivariana, como uma contribuição para a concepção e implementação de soluções destinadas a diminuir desigualdades e assegurar o exercício de direitos culturais.

As três iniciativas que compõem a rede e a Corporación Literatura para Todos E.S.A.L., responsável pela gestão do projeto, têm um histórico de trabalho colaborativo estabelecido desde 2016 nos departamentos de Bolívar e Sucre. No âmbito intersetorial, as quatro entidades têm trabalhado em conjunto com o ICULTUR, o Ministério da Cultura da Colômbia, a Manos Visibles Corporation e a Rede RELATA.

(Foto: Fundación Cascajal)

.

A Fundação Cascajal- CuidArte, que desde janeiro de 2022 está no município de Cascajal (Magangué, Bolívar), trabalha em colaboração com a biblioteca comunitária, apoiando a gestão de doações de livros e aparelhos eletrônicos para a educação da população estudantil e organizando atividades culturais, recreativas e concursos literários.

A Corporación Plan Transformando Ideas (C.P.T.I.), fundada em 2016 no município de Arjona (Bolívar), atua como uma plataforma de liderança juvenil, com apoio ao empreendedorismo e iniciativas comunitárias lideradas por jovens e participação em espaços interinstitucionais com prioridade em questões juvenis (desenvolvimento humano, educação , empregabilidade, saúde pública).

A Biblioteca Rural Itinerante Nido de Letras foi criada em 2015 no distrito de Canutalito (Ovejas, Sucre). É uma biblioteca comunitária rural com cobertura de serviços bibliotecários, educativos e culturais para povos, aldeias e povoados da zona fronteiriça de Montes de María, entre os departamentos de Bolívar e Sucre. Seu trabalho enfatiza a primeira infância e adolescência, com ações voltadas para a promoção da leitura, resgate das tradições e preservação da memória histórica ancestral e rural.

(Foto: Biblioteca Nido de Letras)


.

* Nome da rede ou articulação: Red de Organizaciones de la Semilla al Plato

* Nome do projeto: Encuentro de la semilla al plato: culturas para el buen vivir, soberanía y salud alimentaria

.

 

Na Colômbia, a região do Eje Cafetero reúne os departamentos de Quindío, Caldas e Risaralda, com mais de 46 municípios. Seis anos depois da assinatura do Acordo de Paz, esta região acolhe organizações, movimentos e iniciativas que surgiram deste processo, interessados ​​em ativar e articular espaços culturais, comunitários e cívicos. O projeto “Encontro da Semente ao Prato: culturas do bem viver, da soberania e da saúde alimentar”, apresentado no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes 2023, reúne iniciativas comunitárias da Região Cafeeira que buscam fortalecer identidades e culturas territoriais.

Este encontro se realiza no âmbito do Diploma Da Semente ao Prato, liderado pela Fundação Educar de Ida y Vuelta. A intenção é conectar a experiência de organizações comunitárias e culturais que trabalham pelo bem viver e a soberania alimentar nos territórios com organizações juvenis, lideranças juvenis nascentes ou emergentes, organizações de vítimas e ex-combatentes interessados ​​em fortalecer suas capacidades de organização, liderança de iniciativas e buscar espaços para colocar sua vocação a serviço.

Tanto o encontro quanto os espaços de interação do curso de graduação estão voltados para a geração de jornadas pedagógicas e troca de práticas de bem viver e soberania alimentar. Entre as atividades que acontecerão entre agosto e novembro de 2023 estão oficinas culinárias com sementes e frutas típicas da região; oficinas de desenho de hortas urbanas e rurais, oficinas de fortalecimento das capacidades de saúde alimentar em ambientes complexos; oficina de biofertilizantes e biocontrole; oficina para abordagem da reprodução e uso de plantas medicinais; oficina de governança territorial e geração de acordos para a sustentabilidade e a boa convivência de territórios e comunidades.

(Foto: Red de Familias Quindianas Custódia de Semillas Libres)

.

 

Organizações participantes

Por meio da Fundação Educar de Ida y Vuelta, várias organizações pertencentes aos departamentos de Quindío, Caldas e Risaralda realizam atividades territoriais que incentivam o conhecimento, resgate, uso e integração dos frutos do território, como forma de gerar culturas de bem-estar e saúde. Entre eles estão a Red de Familias Quindianas Custódia de Semillas Libres, EcoGenova e o Mercado Agroecológico de Quindío, que apresentaram esta proposta ao edital.

A Red de Familias Quindianas Custódia de Semillas Libres, criada em 2013 na cidade de Armênia, é formada por 30 famílias que se dedicam a resgatar, plantar e cuidar das sementes crioulas e nativas, principalmente aquelas que correm risco de desaparecer. Além de realizar reuniões bimensais em diferentes municípios do departamento de Quindío, a iniciativa apóia atividades educativas sobre essas sementes em estabelecimentos de ensino e em comunidades urbanas e rurais.

EcoGenova, fundada em 2017 em Gênova, é uma organização que trabalha pela defesa das águas, montanhas e rios, e também pela defesa dos direitos das pessoas que habitam esses territórios. Entre as atividades realizadas estão o “Cabildo Aberto pela Defesa dos Rios e contra as Pequenas Centrais Hidrelétricas” (2021), documentários e peças de teatro, além da Rede de Mulheres Diversas Semeando Igualdade, onde organizam fóruns e encontros com oficinas de empoderamento da mulher rural.

O Mercado Agroecológico do Quindío, por sua vez, existe na cidade de Armênia desde o ano 2000. Todos os meses são realizadas duas feiras onde são expostos diferentes produtos agroecológicos da região, incentivando a produção local, o bom uso do território, a dignidade do campesinato colombiano e o resgate das tradições ancestrais.

 

 

Tags | , ,

04

jul
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Celebrando infâncias e comunidades migrantes, construindo outros mundos possíveis: os projetos do Chile selecionados no Edital de Apoio a Redes 2023

Em 04, jul 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

(Foto: Centro de Promoción Cinematográfica de Valdivia. Celebra!, agosto de 2022) 

.

Um projeto para gerar espaços de encontro e exposição entre organizações que desenvolvem criações artísticas no contexto da privação de liberdade na América Latina. Um evento para comemorar os direitos das crianças e adolescentes no Chile de hoje. Uma feira intercultural para apresentar a cultura chilena aos migrantes e sensibilizar a comunidade chilena sobre a contribuição da migração. Estes são os três projetos apresentados por organizações chilenas que foram selecionadas no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023. A seguir, detalhamos as propostas que receberão apoio financeiro de até 5 mil dólares cada para serem utilizados na produção e/ou despesas de comunicação dos eventos propostos.

.


* Nome da rede ou articulação: Red Celebra!

* Nome do projeto: Celebra! Derechos de niñas, niños y adolescentes

.

Todos os anos, em agosto, a infância e a adolescência são celebradas no Chile. A comemoração costuma ser exacerbada pelo marketing consumista de objetos ou alimentos que, longe de valorizar a infância e a adolescência, as determina em estereótipos culturais e sociológicos. Por isso, há nove anos, em Valdivia, alguns atores culturais do território se articulam em favor de gerar uma atividade que celebre e valorize as infâncias.

No começo, eram organizadas mostras de cinema diferenciadas por faixa etária, convocando o público de crianças e adolescentes (NNA) por meio de um trabalho conjunto com estabelecimentos de ensino. Com o passar do tempo, e a necessidade de proporcionar um espaço de debate e reflexão crítica, surgiu o PichiKawin (em mapudungun, pichi=menino e kawin=conversa), um espaço de conversa entre crianças e adolescentes. No ano passado, esta atividade foi coordenada com os gabinetes comunais de proteção de menores.

Da experiência das versões anteriores, surgiu a proposta apresentada no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023. Celebra!, o evento proposto pela rede de mesmo nome, será uma atividade comemorativa dos direitos de crianças e adolescentes no Chile de hoje. Durante um dia de agosto serão realizadas oficinas de criação artística, cultural e científica, exposições audiovisuais (presenciais e virtuais), apresentações artísticas (dança, teatro, música, circo, entre outras) e um espaço de debate e reflexão crítica (PichiKawin), liderados por jovens participantes das organizações de base convocadas.

A atividade contará com sessões prévias de trabalho articulado, que resultarão na definição conjunta das temáticas artístico-culturais a serem concretizadas em oficinas, em apresentações e no PichiKawin. Essa iniciativa também inclui uma oficina de criação audiovisual em microfilme com crianças e adolescentes das organizações comunitárias participantes. Os trabalhos resultantes serão apresentados no Celebra!

O projeto espera atingir: 800 participantes na atividade; 5 sessões de criação e programação conjunta; 2 oficinas de criação audiovisual para adolescentes sobre questões de direitos; exibição de curtas-metragens realizados por adolescentes; rotativo MicroCine, com foco nos direitos da criança; exibição de curtas-metragens de animação para a primeira infância via Zoom; 3 oficinas artístico-culturais para crianças e adolescentes; 1 PichiKawin, debate conduzido por jovens das entidades, e 2 apresentações artísticas de crianças e adolescentes.

Imagens da edição de 2022 do Celebra! (Fotos: Centro de Promoción Cinematografica de Valdivia)

.

Organizações participantes

Para implementar a rede Celebra!, o Centro de Promoção Cinematográfica de Valdivia (CPCV), responsável pela administração do projeto, articula-se com as organizações comunitárias Migrantes Los Ríos, Cambiando Destinos e Kasa Wenuleufu e três instituições públicas: o Centro de Criação Los Ríos do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio, o Conselho Nacional de Jardins de Infância e a Fundação Integra (Rede de Creches e Jardins de Infância).

O Centro Cultural de Promoción Cinematográfica de Valdivia, fundado em 2002, é uma organização comunitária funcional, sem fins lucrativos, que concentra suas atividades na promoção e no desenvolvimento das artes audiovisuais. Suas linhas estratégicas são formação de público, cidadania, indústrias criativas, educação e formação. Nessas áreas, a abordagem de direitos humanos é transversal no plano de gestão sobre inclusão, perspectiva de gênero, povos indígenas, relevância territorial, promoção de crianças e adolescentes.

Migrantes de Los Rios é uma ONG criada por migrantes para migrantes, refugiados e todos que apoiam o direito de migrar. Fundada em 2017 com o objetivo de prestar serviço social, comunitário, cultural e incluir a comunidade migrante na sociedade da região de Los Ríos, seu trabalho se concentra na gestão do apoio jurídico, educacional, social e de inclusão intercultural. Nos últimos anos, implementou cinco projetos de criação artístico-cultural que buscam fortalecer a integração das comunidades.

O Espaço Cultural Kasa Wenuleufu nasceu em 2015 na cidade de Niebla, na serra costeira, território habitado ancestralmente por comunidades Mapuche Lafkenche. É este território, sua essência e seu saber, que Kasa Wenuleufu divulga e promove, convidando os habitantes da costa a mergulhar na cultura local, em sua natureza e riqueza cultural. O espaço tem se destacado nos últimos anos por promover ofícios típicos do território, como a cestaria de fibras naturais, a produção de produtos alimentares artesanais, a utilização de ervas medicinais, a agricultura biológica e biodiversa, além de desenvolver uma série de oficinas artístico-culturais para crianças e adolescentes.

Já a Corporação Cambiando Destinos, fundada em 2017, é uma organização que se dedica ao apoio socioeducativo a crianças e adolescentes em instituições de proteção e guarda de menores. Destaca-se pela criação da primeira escola de ofícios Cambiando Destinos, que promove ofícios com identidade local para integração social e promoção da cultura regional.

.


* Nome da rede: Red de Organizaciones de Migrantes

* Nome do projeto: Mi Chile Lindo

.

A opinião negativa a respeito da comunidade estrangeira, em consequência da situação nas fronteiras, com a entrada irregular de pessoas e os confrontos constantes entre migrantes e chilenos devido a diversas situações, como famílias com crianças mendigando nas ruas e atos criminosos perpetrados por estrangeiros, são algumas das causas que motivam o projeto “Mi Chile Lindo “, apresentado pela Red de Organizaciones Migrantes ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023.

Com o objetivo de apresentar a cultura chilena aos migrantes e sensibilizar a comunidade chilena sobre a contribuição da migração, as organizações participantes propõem a realização de uma mostra cultural, gastronômica e artesanal da cultura migrante com elementos chilenos. Nesta feira intercultural, que eles chamaram de “Mi Chile Lindo”, haverá danças folclóricas chilenas realizadas pela comunidade estrangeira, “cozinha fusion” e artesanato comum a várias culturas. Como atividades prévias ao evento central do projeto, estão previstas aulas de culinária, palestras sobre histórias e casos dos povos.

A iniciativa tem como propósito promover e fomentar espaços interculturais constantes que busquem a coesão social e interação entre a comunidade chilena e migrante, para melhorar sua convivência, integração e inclusão nos territórios e espaços sociais onde os problemas convergem e são vivenciados. Desta forma, a rede proponente espera conseguir mudanças na percepção, imagem e reconhecimento de ambas as comunidades a partir de sua riqueza, contribuição cultural e econômica que é feita ao país.

.

Organizações participantes

O trabalho da Red de Organizaciones Migrantes gira em torno da geração de políticas públicas que promovam a cidadania, a democracia e a cooperação. Além de integrar vários conselhos da sociedade civil, onde são geradas propostas ao governo e outras plataformas de trabalho colaborativo, a rede tem experiência na realização de atividades, como cinco feiras interculturais e outros 15 eventos relacionados à inclusão de migrantes.

A Associação Compromisso Migrante, fundada em 2020 em Santiago, é uma organização sem fins lucrativos que visa integrar cidadãos estrangeiros na sociedade chilena por meio de treinamento e assessoria em questões como migração, saúde, empregabilidade, entre outras, a fim de contribuir para o desenvolvimento da sociedade em suas diferentes dimensões. A entidade também organiza mostras gastronômicas, feiras culturais de empreendedorismo e outras atividades com apelo massivo. 

A Federação Mesa Nacional de Organizações de Migrantes e Refugiados (FENAMIR) atua desde 2019 como aglutinadora de outras organizações, desenvolvendo ações voltadas para a promoção de políticas públicas de inclusão. A FENAMIR oferece um programa de educação e treinamento para líderes migrantes, suas organizações e comunidades, focado no fortalecimento do conhecimento em regulamentação migratória, gestão de procedimentos, criação e legalização de organizações sociais, alfabetização digital e oferta público-privada de serviços e acesso a direitos.

A Fundação Esperanza de Mujer (FEM) é uma organização sem fins lucrativos focada em fornecer as ferramentas necessárias para o enfrentamento da violência contra a mulher em todas as suas esferas. Por isso, coloca ênfase em proporcionar às usuárias  diversas redes de apoio, concentrando seus objetivos e competências profissionais para capacitar cada mulher que necessita de um local onde seja sempre acolhida, sem preconceitos, conscientizando-a sobre a importância que está fazendo mudanças em suas vidas para vencer os obstáculos que se interpõem no caminho de alcançar melhores oportunidades. A fundação desenvolve atividades há mais de um ano e foi formalizada em março de 2023.

.


.

* Nome da rede e do projeto: Arte en Fuga 2023 – Encontro Internacional de Artes nas Prisões: Diálogos sobre experiências artísticas com mulheres encarceradas e dissidentes para construir outros mundos possíveis

.

Arte en Fuga 2023 – Encontro Internacional de Artes nas Prisões (“Diálogos sobre experiências artísticas com mulheres encarceradas e dissidentes para construir outros mundos possíveis”) é um projeto que se realiza de forma híbrida, entre os meses de setembro e novembro, com o objetivo de gerar espaços de encontro e exposição entre organizações que desenvolvem criações artísticas no contexto da privação de liberdade em toda a América Latina.

(Foto: Pájax Entre Puas)

A primeira parte é realizada em formato virtual, através de uma plataforma onde decorrem as conversas promovidas pela rede. Este ciclo de diálogos, além de problematizar a existência do cárcere e as questões em volta dele, busca tornar visíveis as vivências artísticas, a camaradagem e os afetos de mulheres e dissidentes privados de liberdade. Estão previstos três espaços de diálogo: os conversatórios “Sociedades de controle” (25 de setembro) e “Justiça alternativa e experiências reparadoras a partir das artes” (12 de outubro) e a oficina virtual “Narrativas artísticas com mulheres e dissidentes de fora e dentro do confinamento” (16 de novembro).

A segunda parte é realizada presencialmente no Parque Cultural de Valparaíso – Ex Cárcel, no dia 23 de novembro, com o encontro de entidades que atuam nesse contexto penitenciário. Durante este encontro será realizada a oficina “Estratégias Comunitárias de Resolução de Conflitos” e contemplada a criação de um documento comunitário que manifeste os diálogos e experiências resultantes da gestão colaborativa da rede. Por fim, no dia 25 de novembro, será inaugurada a galeria Arte en Fuga no Parque Cultural de Valparaíso, um espaço expositivo de criações artísticas em contexto prisional.

.

Organizações participantes

O projeto foi apresentado por três organizações que trabalham no contexto da privação de liberdade em três países da região: Pájarx Entre Púas (Chile), Mujeres Tras Las Rejas (Argentina) e Mujeres de Frente (Equador). Essa articulação é baseada nas ações de articulação que vêm sendo realizadas entre os coletivos colaboradores, somadas à experiência do encontro Arte en Fuga, realizado com sucesso por três anos consecutivos.

Fundação e coletivo que desde 2016 trabalha em prisões para mulheres e dissidências sexuais na região de Valparaíso, Chile, Pájarx Entre Puas tem como missão criar redes de ativismos feministas interseccionais, formadas por mulheres e diversidades privadas de liberdade, libertadas da prisão, seus filhos e famílias. Nas oficinas artivistas que acontecem nos presídios, são abordados temas coletivos mediados por ferramentas artísticas como artes cênicas, dança, música, leitura e escrita, performance, artes plásticas e ofícios. 

.

Mujeres de Frente é um coletivo feminista e comunidade de cooperação e cuidado criado em 2004 em Quito, Equador. É formado por ambulantes, catadoras de lixo, trabalhadoras domésticas, universitárias, professoras, artistas, mulheres em liberdade e familiares de presidiárias. Entre as atividades desenvolvidas estão o Espaço Wawas, onde crianças e adolescentes frequentam voluntariamente atividades educativas, recreativas, artísticas e esportivas; um refeitório popular e oficinas para mulheres. 

A ONG Mujeres Tras las Rejas trabalha com mulheres privadas de liberdade em Rosário, Argentina, para tornar visíveis as situações de desigualdade que vivem. Criada em 2006, a entidade já realizou oficinas artísticas em presídios (saúde reprodutiva, sexualidade, arte, maternidade, fotografia, rádio, teatro); um programa de rádio (“Tire a voz dos que não têm voz: mulheres na cadeia, rádio na prisão”), onde as mulheres do presídio têm voz numa rádio comunitária, e uma oficina que aborda técnicas têxteis através de diferentes ferramentas artísticas e troca de conhecimentos.

(Foto: Pájarx Entre Puas)

Tags | , ,

27

jun
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Cultura quilombola, fé e folia, arte indígena e inteligência artificial: os projetos do Brasil selecionados no Edital de Apoio a Redes 2023

Em 27, jun 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

(Imagem do projeto Arte Eletrônica Indígena, que a Thydewá realiza com a Universidade de Leeds)

.

Um projeto que se apropria da inteligência artificial para criar obras de arte indígena e promove “fogueiras digitais” com indígenas de diferentes povos do Brasil, da Argentina e do Chile; um festival cultural de comunidades de remanescentes quilombolas em Rondônia; o encontro de uma rede que mobiliza grupos culturais de Folia de Reis e Folia de São Sebastião no interior da Bahia. Esses são os três projetos propostos por organizações brasileiras selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023. Um misto de fé e folia, conhecimento ancestral e arte digital, cultura afro-brasileira e identidade plural.


* Nome da rede ou articulação: De Abya Yala com Amor

* Nome do projeto: AIIA – Apropriação indígena da Inteligência Artificial

.

Nove indígenas de diferentes povos/nações – 3 da Argentina, 3 do Brasil e 3 do Chile – vão atuar como comunidade colaborativa de aprendizagem e ação no projeto “AIIA – Apropriação indígena da Inteligência Artificial”, apresentado pela rede De Abya Yala com Amor ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023. A ideia é que o coletivo produza, de modo digital, 10 obras de arte indígena contemporânea e possa levar suas expressões mundo afora.

Com realização prevista entre julho e outubro de 2023, o projeto prevê a capacitação de 10 agentes culturais (há um não indígena no grupo), tanto para a gestão compartilhada como para a utilização da inteligência artificial (IA). Com o uso de programas como Midjourney e Adobe Firefly, espera-se aprender sobre IA para se apropriar dela de forma consciente, crítica, técnica e artística. Além de criar 10 obras de arte digital aproveitando os conhecimentos de IA, a rede pretende dar visibilidade às obras e ao projeto, sensibilizando o público sobre o paradigma do bem viver que os povos indígenas sonham, inspiram e trabalham para que se concretize.

Para o desenvolvimento do projeto, estão previstas 13 “fogueiras digitais”: 10 internas (só para a comunidade) e 3 abertas ao público. As “fogueiras digitais” são encontros on-line, como as videoconferências pela plataforma Zoom, mas com um método próprio que eles criaram em 2020, baseado nas fogueiras indígenas tradicionais, em que cada participante traz sua “lenha” ao fogo comum que tudo transforma.

.

Alquimia indígena

Os dois e-books produzidos pela rede De Abya Yala Com Amor

A rede De Abya Yala com Amor – Diversidade Indígena Viva nasceu em 2021 pela “alquimia” de 15 indígenas (5 da Argentina, 5 do Brasil e 5 do Equador) que se uniram para realizar o projeto selecionado no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2021. A proposta rendeu a produção do e-book “De Abya Yala com Amor”, além de 51 vídeos curtos e vários eventos de diálogo intercultural (que eles chamaram de “fogueiras digitais”). 

Em 2002, a rede foi mais uma vez ganhadora do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes, desta vez com 18 indígenas, estendendo a alquimia a Chile, Colômbia, México, Paraguai e Bolívia. Com este projeto, foram produzidos um segundo e-book De Abya Yala com Amor, 10 eventos e 22 vídeos. 

Atualmente, 8 indígenas da rede e outros 8 indígenas participam de um projeto de pesquisa relacionado à identidade indígena e os algoritmos de inteligência artificial, liderado pela Universidade de Leeds (Reino Unido) em parceria com instituições do Brasil, da Bolívia e da Irlanda.

Fotos de Arte Eletrônica Indígena (AEI), projeto realizado pela Thydewá com o apoio da Universidade de Leeds

.

Organizações participantes

A organização que apresenta o projeto ao Edital de Apoio a Redes 2022 é a brasileira Thydêwá, criada em 2002 na Bahia. Entre as mais de 70 iniciativas idealizadas e promovidas pela Thydêwá, destacam-se o Canal Mensagens da Terra (coletivo digital com 550 vídeos produzidos), o Ponto de Cultura Índios On-Line, o Pontão Esperança da Terra, a rede e coleção de livros Índios na Visão dos Índios, a Rede Risada, a Rede Pelas Mulheres Indígenas, Kwatiara, AEI – Arte Eletrônica Indígena e AIRE – Arte com Indígenas em Residências Eletrônicas.

O trabalho com comunidades indígenas na Argentina remonta a 2015, ano em que a Thydêwá foi selecionada para o Edital IberCultura Viva de Intercâmbio e deu início aos primeiros projetos em conjunto com Mariela Jorgelina Tulián, casqui curaca da Comunidade Indígena Territorial Comechingón Sanavirón “Tulián”, fundada em 2010. Situada em San Marcos Sierras (Argentina), esta comunidade está presente em escolas, tramitando bolsas de estudos, dando palestras e cursos de cosmovisão, além de integrar a Coordinadora de Comunicación Audiovisual Indígena de Argentina (CCAIA) e o Consejo Continental de Ancianas, Ancianos y Guías Espirituales de América.

A terceira organização que participa da rede é a Asociación Indígena Calaucan, de San Antonio, Quinta Región (Valparaíso, Chile). Fundada em 1999, a associação tem entre suas atividades um projeto de saúde ancestral e intercultural, que vem sendo realizado desde 2008 no Centro Cerimonial de Desenvolvimento Indígena, em Llolleo, onde são ministradas oficinas de cosmovisão mapuche, ervas medicinais, tear mapuche, alimentação saudável, técnicas de arte com relevância indígena e formação de agentes de saúde. Também conta com atividades de educação intercultural bilíngue; cuidado ambiental e ecologia; projetos artísticos e arte-terapia.


* Nome da rede ou articulação: Diversidade Amazônica

* Nome do projeto: Festival Cultural Reconstruindo o Quilombo

.

O Festival Cultural Reconstruindo o Quilombo será realizado em outubro de 2023, na Comunidade Santa Cruz de Remanescentes Quilombolas do município de Pimenteiras do Oeste, em Rondônia, na fronteira do Brasil com a Bolívia. Espera-se a participação de 500 pessoas da comunidade nas atividades que serão desenvolvidas, incluindo oficinas, palestras e apresentações artísticas.

O evento contará com várias atrações culturais, como apresentação de musical, poemas, vídeo documentário, dança, exposição de fotografias e de literatura. Também estão previstas uma palestra sobre a importância da preservação da cultura e identidade quilombola, uma oficina de dança afro-brasileira com 50 vagas e uma oficina de artesanato com palha de buriti com 50 vagas, ensinando a população a produzir biojóias com produtos encontrados na floresta. 

Com este festival, que terá atividades gratuitas para pessoas de todas as idades, a rede Diversidade Amazônica pretende valorizar a cultura afro-brasileira; combater o racismo; incentivar o protagonismo da comunidade de remanescentes quilombolas; propiciar uma convivência harmônica entre as diferenças existentes; promover a cidadania e a questão da igualdade entre os povos.

(Foto: Associação de Remanescentes Quilombolas de Pimenteiras do Oeste)

.

Diversidade Amazônica é uma rede composta por três organizações que atuam no estado de Rondônia: a Associação Cultural, Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Diversidade Amazônica (ACEMDA), Ponto de Cultura e de Memória criado em 2015 na cidade de Vilhena; a Associação de Remanescentes Quilombolas de Pimenteiras do Oeste (ARQOS), fundada em 2011, e o Ponto de Cultura e Ponto de Mídia Livre Serpentário Produções, que existe desde 2009 no município de Vilhena.

A rede trabalha com projetos de valorização cultural de comunidades quilombolas e indígenas da Amazônia Legal, com a produção de livros, revistas, eventos culturais e capacitação, tendo como objetivo a valorização da cultura local.


* Nome da rede ou articulação: Rede Fé e Folia

* Nome do projeto: Encontro: Resistência Fé e Folia

.

A Rede Fé e Folia articula e mobiliza os grupos culturais de Folia de Reis e de São Sebastião, formados por pessoas das comunidades campesinas ou de bairros periféricos de cidades de porte médio no interior da Bahia. A rede se localiza na região chamada de “Costa do Descobrimento”, em um território composto por oito municípios, nos quais estão presentes as comunidades culturais que mantêm a prática religiosa das Folias de Reis, que unem reza, canto e festa no ciclo natalino, de novembro a janeiro.

Grupo de Folia do bairro do Alto, em Guaratinga, Bahia

O projeto “Encontro: Resistência Fé e Folia”, apresentado na oitava edição do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo, pretende realizar uma ampla mobilização dos grupos comunitários do território, resultando na institucionalização da rede, na produção de um documentário de curta-metragem com imagens do encontro, e na publicação de uma revista sobre as práticas culturais dos grupos das Folias de Reis que celebram a colheita, o trabalho e a alegria de viver.

O Encontro da Rede Fé e Folia se dará no município de Itagimirim no mês de outubro, mas os trabalhos começam antes, em julho, para a mobilização e articulação dos grupos culturais. A intenção é que o projeto seja um exercício de diálogo intercultural entre diferentes realidades, seja dos grupos de periferias dos terreiros de candomblé, seja dos grupos comunitários de povoados, além dos Pataxó e sua cosmovisão. Entre os objetivos propostos estão o fortalecimento da rede e a criação de um calendário anual das assembleias comunitárias.

Embora exista informalmente há muito tempo, pois os grupos há décadas se articulam e se apoiam mutuamente, a Rede Fé e Folia passou a ser assim denominada em 2018, depois de uma assembleia em que os/as agentes decidiram adotar diálogos mais permanentes, participando de ações de lutas políticas voltadas para os direitos das comunidades tradicionais e dos direitos culturais no Brasil.

.

Organizações participantes

Viola de Bolso Arte e Memória Cultural, a organização responsável pela administração do projeto apresentado a IberCultura Viva, foi fundada em 2008 na cidade de Eunápolis. Seu espaço cultural é aberto ao público em geral, que semanalmente participa das oficinas de artes ou das “vivências culturais”, como eles chamam os encontros e atividades que envolvem temas e reflexões sobre a cultura e os saberes locais. Entre as atividades ali realizadas estão oficinas de música, com aulas teóricas e práticas; oficinas de artes visuais, com aulas e dinâmicas criativas que envolvem a utilização de materiais reutilizáveis; rodas de leitura e contação de histórias.

O Centro de Umbanda São Jorge, fundado em 1958 em Itagimirim, é um terreiro de religião de matriz africana, que recebe a visita de pessoas em busca de orientação espiritual e práticas de cura. Seus membros realizam junto à comunidade aulas de percussão, reforço escolar e festejam os orixás em diversas datas no Brasil. O terreiro conta com grupos de música afro; grupo de Folia de Reis, Grupos das Baianas e o Coletivo Jovem de Caboclos, além de um coletivo de jovens que pretende trabalhar com cultura digital.

Quem também participa da rede é a Frente de Resistência e Luta Pataxó, que existe desde 2002 na cidade de Itamaraju, atuando em defesa do território tradicional do Monte Pascoal, lugar símbolo da invasão do Brasil. Essa entidade indígena campesina, que realiza a Folia de São Sebastião, atua também na formação dos jovens Pataxó, realizando encontros e assembleias.

Tags | , , ,

26

jun
2023

Em Notícias
Sin categorizar

Por IberCultura

Encontros de feminismos, candombes e formação em cultura viva: os projetos da Argentina selecionados no Edital de Apoio a Redes 2023

Em 26, jun 2023 | Em Notícias, Sin categorizar | Por IberCultura

(Foto: Instituto Rodolfo Kusch. 1º Encontro de Feminismos Comunitários Campesinos e Populares, 2022)

.

Três propostas de eventos apresentadas por redes argentinas foram selecionadas no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo. A convocatória, que este ano chegou à oitava edição, destina um total de 174 mil dólares a 34 projetos provenientes dos 12 países integrantes do programa (cada projeto recebe até 5 mil dólares). Da Argentina entraram na lista o Segundo Encontro Internacional de Feminismos Comunitários Campesinos e Populares em Abya Yala, marcado para agosto em Tilcara (província de Jujuy); o Encontro Internacional de Candombes, que será realizado  também em agosto na cidade de Rosário (província de Santa Fé), e a Formação de Formadores em Cultura Viva Comunitária, que espera reunir cerca de 250  pessoas na cidade de Moreno (província de Buenos Aires).

 


* Nome da rede ou articulação: Red Quilla

* Nome do projeto: Segundo Encontro Internacional de Feminismos Comunitários Camponeses e Populares em Abya Yala

 

O Segundo Encontro Internacional de Feminismos Comunitários Campesinos e Populares de Abya Yala, proposto pela Red Quilla, está programado para acontecer em Tilcara (província de Jujuy, Argentina) de 18 a 20 de agosto de 2023. O evento visa dar continuidade ao espaço de reflexão e troca de experiências que se deu na primeira edição do encontro em Tilcara, na Quebrada de Humahuaca, por onde passaram mais de 2 mil mulheres entre os dias 13 e 15 de agosto de 2022.

A programação inclui oficinas, conferências, apresentação de trabalhos, vivências e apresentações, performances poéticas, apresentação de livros, cinema, teatro e música, além de feira de artesanato e feira de troca de sementes. A coordenação das atividades estará a cargo de membros de comunidades indígenas, camponesas e/ou populares.

Os eixos de trabalho serão quatro: 1) O comunal como opção política; 2) A alimentação como questão ético-política; 3) Estética feminista; 4) Epistemologias feministas do cuidado. Um dos objetivos do evento é construir epistemologias anticolonialistas que recuperem saberes e práticas ancestrais, bem como criar um espaço de articulação entre ativismo, prática política e teorização.

A intenção é abrir espaço para rever as culturas organizacionais patriarcais, capitalistas e colonialistas, e propor novas formas de gestão da vida cotidiana a partir dos feminismos: O que fazer? Como fazer? Com quem fazer?

A proposta inclui o lançamento de convocatórias para oficinas coordenadas por organizações, coletivos e instituições interessadas, bem como a publicação de um livro (físico ou digital) que reúna as apresentações/experiências dos/das participantes e das conferências centrais. Será feito também um registro fotográfico e em vídeo das atividades.

O primeiro Encontro de Feminismos Comunitários se deu em agosto de 2022 (Foto: Instituto Rodolfo Kusch)

.

Trabalho colaborativo

A Red Quilla realiza um trabalho colaborativo desde 2021. Seus objetivos incluem a criação de espaços formativos e educativos, a promoção do encontro de mulheres e do coletivo LGBTQIA+ e o resgate das narrativas dos feminismos. Na Universidade Nacional de Jujuy (UNJu), por meio do Instituto Rodolfo Kusch, a rede nos últimos três anos a Diplomatura em Feminismos Comunitários Campesinos e Populares em Abya Yala, que convocou mais de mil mulheres em cada uma de suas edições (2020, 2021 e 2022).

Neste projeto apresentado ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023, a rede conta com a participação do Instituto Rodolfo Kusch, da Casa Mama Quilla e da Fundandes, que será a entidade responsável pela administração dos recursos.

Criada em 1990 em Tilcara, a Fundandes tem como objetivo desenvolver atividades de gestão cultural comunitária, recuperação e resgate do patrimônio e da memória dos povos indígenas. A fundação tem desenvolvido projetos de formação, pesquisa e produção, com perspectiva de gênero, ecológica e sustentável para as comunidades.

O Instituto Rodolfo Kusch, da Universidade Nacional de Jujuy, tem como atribuições a pesquisa e a formação. Tem desenvolvido múltiplos projetos de formação, como diplomaturas, cursos, seminários, conferências, encontros com caráter de difusão e divulgação do pensamento americano. Fundado em 2017, o instituto sediou o primeiro Encontro de Feminismos em 2022 e sediará também este segundo encontro.

A Casa Mãe Quilla, por sua vez, existe desde 2022 e conta com uma equipe de 22 pessoas, entre ativistas, professores/as, alunos/as, gestores/as comunitários, membros da comunidade, acadêmicos/as e profissionais de Jujuy, Argentina e da comunidade internacional. Com um modelo de gestão comunitária feminista, a casa conta com o Espaço de Atendimento e Acompanhamento de Mulheres e Dissidentes em Situação de Violência de Gênero e tem prestado esse serviço à comunidade de Quebrada e Puna. Na Área de Gestão Cultural Comunitária, tem promovido oficinas de arte e cultura indígena.

(*) Inscrições para participar do encontro: https://forms.gle/QmvtbwwjHET3jFdf9


.

*Nome da rede ou articulação: Movimento Argentino de Cultura Viva Comunitária

* Nome do projeto: Formação de Formadores em Cultura Comunitária Viva

 

A Formação de Formadores em Cultura Viva Comunitária, proposta apresentada pelo Movimento Argentino de CVC, foi concebida como um evento integral de cinco dias, dirigido a um total de 250 formadores/promotores de processos de Cultura Viva Comunitária nos territórios. A ideia é que participem pessoas de todas as províncias argentinas e que o encontro permita vivenciar oficinas e atividades integradoras para que tenham uma visão global dos temas e possam produzir ferramentas e diálogos que fortaleçam suas tarefas comunitárias.

A atividade será realizada em Moreno, nas instalações da Associação Civil El Culebrón Timbal e da Escola Primária Mil Pueblos Jóvenes, que funcionam em uma propriedade de dois hectares, apta para acampamentos, atividades ao ar livre, debates, feiras e oficinas, facilitando o alojamento e a alimentação dos participantes no mesmo local.

Pretende-se explorar as diferentes linguagens e disciplinas que são a espinha dorsal dos processos de Cultura Viva Comunitária para abordá-las em conjunto, fazendo-as dialogar entre si e valorizando suas contribuições diferenciais nos processos locais de liderança popular e participação cidadã, reforçando a dimensão pedagógica de cada proposta.

.
A rede

O galpão de La Comunitaria em 2020

Uma das organizações que inscreveram esta proposta no Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023 foi a Cooperativa La Comunitaria de Rivadavia. Esta organização social, que nasceu há 17 anos nos pampas argentinos, atualmente conta com 16 sedes autogeridas em áreas rurais e cidades das províncias de Buenos Aires e La Pampa. As mais de 120 oficinas artísticas e propostas comunitárias desenvolvidas nesses espaços envolvem cerca de 2 mil pessoas. O grande motor da cooperativa La Comunitaria sempre foi o teatro comunitário, mas ao longo do tempo foram-se incorporando oficinas de diferentes artes e ofícios, comedores, merenderos e desenvolvimento rural.

Outro participante é a Fundação de Apoio à Infância e Juventude Che Pibe, de Lomas de Zamora (província de Buenos Aires), que desde 1987 em Villa Fiorito busca fortalecer as famílias e a comunidade articulando-se com organizações, movimentos, redes e o Estado para o cumprimento e gozo dos direitos humanos, por meio de projetos e atividades de promoção social envolvendo aspectos culturais, educacionais, esportivos e recreativos.

A Asociación Civil Clericó Cultura Viva Comunitaria, de Devoto (província de Córdoba) é a terceira organização que apresenta este projeto. Fundada em janeiro de 2015, tem entre as suas actividades a promoção e o incentivo às expressões culturais e artísticas através da organização de mostras, exposições, oficinas, cursos, palestras, seminários, congressos, feiras, festivais, palestras, intervenções e todo o tipo de eventos e instâncias de capacitação. A organização responsável pela gestão do projeto é a Associação Civil El Culebrón Timbal, que sediará o evento.

(Foto: El Culebrón Timbal)


*Nome da rede ou articulação: Rede Latino-Americana de Candombes

* Nome do projeto: Encontro Internacional de Candombes

.

O Encontro Internacional de Candombes ocupará a cidade de Rosário, de 18 a 21 de agosto de 2023, reunindo diferentes grupos e organizações que abordam e divulgam as expressões de matriz afro denominadas “candombe”. O evento busca estimular o diálogo entre as comunidades candombeiras, reconhecendo os diferentes contextos culturais, promovendo uma troca respeitosa e convidando à construção de uma rede comunitária com uma perspectiva antirracista e transfeminista.

A proposta fala de “candombes” no plural, já que, transcendendo as fronteiras do atual estado-nação, existem diferentes expressões afro-latinas na região denominada “Cuenca del Plata”, cuja história é comum. Para essas comunidades, os candombes são parte viva de sua história, pela qual existem e resistem.

O projeto busca fortalecer e ampliar a rede já existente de candombes, entendendo-os como formas de expressão cultural e artística de origem afro-latino-americana. As organizações envolvidas propõem espaços de oficinas e bate-papos em torno dos saberes específicos de cada comunidade e das diferentes formas de construção comunitária (suas contribuições e problemáticas) em cada território.

.

Organizações participantes

(Foto: Ballet Kamba Cúa)

Cinco organizações (quatro argentinas e uma paraguaia) estão envolvidas neste projeto. Criado em Corrientes em 2003, Camba Cuá Candombes tiene como principal objetivo manter vivas a tradição e a história relacionadas ao culto a São Baltazar, principalmente nas comemorações dos dias 5 e 6 de janeiro, no bairro Camba Cuá, e durante o ano em escolas, eventos culturais e sociais, centros comunitários e centros culturais. No culto a São Baltazar, cada família de santo recebe o toque do candombe e danças como oferenda principal. Também são distribuídos doces, comidas e a bebida do santo chamada “sangría”.

A Casa da Cultura Indo-Afro-Americana Mario Luis López existe desde 1989 na cidade de Santa Fé, tendo como área de atuação o resgate, a defesa, o desenvolvimento, a divulgação e a valorização das raízes culturais, destacando-se as dos povos nativos e as dos africanos transplantados para a América pela escravidão, e promover o resgate da memória histórica. A organização promove apresentações de livros, palestras, debates e oficinas, bem como intervenções em espaços culturais, escolas e espaços públicos.

A Associação Misibamba, por sua vez, é uma comunidade afro-argentina de Buenos Aires que desde 2008 trabalha em torno de ações territoriais e propostas educativas que promovam maior reconhecimento e visibilidade das raízes afrodescendentes argentinas. O Misibamba procura fortalecer a luta contra o racismo, a discriminação e a xenofobia na sociedade e promover o respeito pelas diferentes culturas que compõem a identidade nacional.

A Associação Casa da Memória, responsável pela administração dos recursos, é a organização territorial que reúne a rede para esse encontro. A atual Casa da Memória, em Rosario, foi a residência do casal Etelvino Vega e María Ester Ravelo, ambos cegos, ativistas sociais sequestrados e desaparecidos pela ditadura no país. Desde sua recuperação jurídica, social e política, em 1994, tem contribuído para a preservação da memória coletiva e se tornou um centro de promoção e desenvolvimento do patrimônio imaterial de Rosario, relacionado com práticas democráticas e defesa dos direitos humanos. Neste espaço ocorrem diversas atividades artísticas e culturais, como oficinas, ensaios, palestras, debates, biblioteca e rádio.

Já a Associação Grupo Tradicional Kamba Cúa, que atua em uma comunidade afro-paraguaia na cidade de Fernando de la Mora, se dedica desde 1980 ao resgate e divulgação da cultura, dança e música de afrodescendentes em espaços educativos, culturais, oficinas e eventos nacionais e internacionais festivais. O grupo também é conhecido como “Ballet Kamba Cúa de Lázaro Medina”.

 

Tags | , , ,

16

jun
2023

Em Destaque
EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

34 projetos foram selecionados no Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023

Em 16, jun 2023 | Em Destaque, EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

(Foto: Mario Ruiz/ Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio de Chile)

.

Um encontro internacional de feminismos comunitários camponeses e populares na Argentina; um festival em torno da palavra das pessoas migrantes, racializadas e dissidentes sexuais na Espanha; um ciclo de diálogos sobre experiências artísticas junto a mulheres e dissidências encarceradas no Chile; um encontro de líderes comunitários em defesa da cultura da terra na Costa Rica; um festival intercultural com as manifestações artísticas do povo afro-equatoriano Chachi e Épera; um encontro de comunicação popular reunindo mulheres indígenas e camponesas no México; um ciclo de “fogueiras digitais” com indígenas de Argentina, Brasil e Chile para a produção de obras de arte indígena apropriando-se da inteligência artificial; um encontro regional de cultura viva comunitária em El Salvador; a terceira edição dos Intercâmbios de Saberes para a Gestão Cultural Comunitária no Paraguai.

Estes são alguns dos 34 projetos selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023. O montante destinado a esta edição da convocatória é de 174 mil dólares, o maior concedido por IberCultura Viva até o momento. Cada projeto selecionado receberá até 5 mil dólares para utilizar nos gastos de produção e comunicação do evento proposto. 

As 34 propostas ganhadoras que se encontram na lista publicada nesta sexta-feira, 16 de junho, são provenientes de 12 países: 3 da Argentina, 3 do Brasil, 3 do Chile, 3 da Colômbia, 3 de El Salvador, 3 do Equador, 3 do México, 3 do Paraguai, 3 do Peru, 3 do Uruguai, 2 da Espanha e 2 da Costa Rica. 

A seleção levou em conta critérios como a adequação aos objetivos estratégicos do IberCultura Viva, os impactos artístico-culturais, econômicos e/ou sociais do projeto, a experiência da rede ou articulação proponente, a avaliação da proposta técnica, e a coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho aos objetivos e estratégias propostos. Os critérios e sua respectiva pontuação estavam estabelecidos no regulamento do edital. Os projetos que obtiveram as maiores pontuações em cada país foram os selecionados para receber apoio financeiro.

As redes que foram selecionadas no edital serão contatadas pela Unidade Técnica do Programa IberCultura Viva nos próximos dias para a realização dos trâmites que permitam o pagamento dos recursos financeiros às organizações responsáveis.

.

O edital

O Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023 recebeu 208 inscrições. Desse total, 157 candidaturas foram consideradas habilitadas e seguiram para a segunda fase do processo de seleção, em que os projetos habilitados são avaliados por representantes dos governos de cada um dos 12 países participantes (cada governo se encarrega de avaliar os projetos do próprio país). O país com o maior número de propostas habilitadas foi Colômbia, com 49 projetos avaliados. México (20), Chile (19), Argentina (16) e Peru (13) foram os outros países que apresentaram mais projetos nesta edição.

O prazo de inscrição na plataforma Mapa IberCultura Viva começou em 10 de fevereiro e terminou em 20 de abril. Segundo o regulamento, seriam aceitos como eventos nesta edição: assembleias, encontros, congressos, jornadas de conscientização, seminários, festivais, feiras, colóquios e simpósios. Este ano também era possível apresentar propostas com o tema inclusão digital, para promover projetos em rede que coloquem em prática e/ou promovam o acesso à internet nas comunidades. As atividades devem ser realizadas entre junho e novembro de 2023, com entrada gratuita.

.

⇒Confira a lista de propostas selecionadas (resultado final)

.

Leia também:

Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023 tem 157 candidaturas habilitadas

IberCultura Viva abre inscrições para o Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023

Tags | , ,

17

abr
2023

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Um guia sobre o Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023

Em 17, abr 2023 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

As inscrições para o Edital de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2023 foram prorrogadas até o dia 20 de abril. Esta convocatória está dirigida a organizações culturais comunitárias e/ou povos originários que apresentem uma proposta de evento para ser realizada em conjunto com ao menos outras duas organizações nos países integrantes do IberCultura Viva. O formulário para a postulação está disponível na plataforma Mapa IberCultura Viva. 

Os eventos inscritos podem ser de alcance municipal, estadual, nacional ou internacional e devem ser realizados entre junho e novembro de 2023. Serão aceitos como eventos: assembleias, encontros, congressos, jornadas de sensibilização, seminários, festivais, feiras, colóquios e simpósios. Os projetos selecionados receberão até 5 mil dólares cada um. 

Com este edital, o programa busca apoiar eventos desenhados para fortalecer a articulação e o trabalho em rede das organizações culturais comunitárias, em nível local, nacional ou internacional, e cuja forma de gestão se desenvolve a partir da articulação e do trabalho conjunto das organizações culturais comunitárias participantes. 

A seguir, apresentamos um guia que pode ajudar a realizar sua inscrição.

.

REQUISITOS

Podem se inscrever no edital redes ou projetos de trabalho colaborativo que reúnam pelo menos três organizações culturais comunitárias (OCC) ou povos originários nos países que fazem parte do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Paraguai, Peru e Uruguai. 

Estas organizações devem trabalhar de maneira articulada e colaborativa. Uma delas (com personalidade jurídica) deverá ser a organização responsável que ficará a cargo da administração dos recursos. Entende-se por OCC as organizações sociais (sem fins lucrativos), com ou sem personalidade jurídica, que trabalham a partir da cultura para promover o desenvolvimento comunitário. 

.

Quais são os requisitos para que uma OCC/coletivo ou povo seja a organização responsável pela inscrição?

A organização responsável pela inscrição deverá contar com personalidade jurídica (CNPJ) vigente e ser do tipo sem fins lucrativos. Também é necessário ter ativa uma conta bancária institucional que lhe permita receber os recursos por transferência internacional, caso o projeto seja selecionado.

No caso do Brasil, é necessário que a organização responsável seja um Ponto ou Pontão de Cultura reconhecido e certificado pelo Ministério da Cultura, com cadastro atualizado na plataforma Rede Cultura Viva.

.

 Como devem ser os eventos propostos pelas organizações?

As redes ou articulações de organizações interessadas em participar do edital podem apresentar uma proposta de encontro, assembleia, congresso, seminário, festival, feira, colóquio ou simpósio. Os eventos apresentados deverão ser executados entre junho e novembro de 2023, com entrada gratuita. 

Os eventos deverão contar com as autorizações e habilitações pertinentes para sua realização e respeitar as exigências das autoridades competentes, incluindo as de segurança e higiene e preventivas de saúde.  

.

REGISTRO

Como iniciar a inscrição?

Para inscrever-se num edital do programa é necessário primeiramente registrar-se como agente cultural no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais compreendem-se as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, entidades, povos originários, coletivos, agrupações e instituições. No caso deste edital, é obrigatório registrar o perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). 

Atenção: O sistema só aceita inscrições de agentes individuais nos editais. Caso o perfil da pessoa responsável pela inscrição esteja registrado como “agente coletivo”, é necessário mudá-lo para “individual” e assim poder encontrar seu nome no campo de busca da página inicial do concurso.

(Aqui está um guia que pode ajudar com o registro do perfil: http://iberculturaviva.org/manual).

.

Se a pessoa responsável pela inscrição já participou de outro edital IberCultura Viva por meio desta plataforma, deve se registrar mais uma vez como agente?

Não. Pessoas que já participaram de algum edital do programa publicado no Mapa IberCultura Viva, ou já completaram seu perfil nesta plataforma, não necessitam registrar-se uma vez mais como agentes; basta ingressar em seu perfil para iniciar a inscrição.

O campo “Registrarse” na página inicial é usado apenas na primeira vez. Nas próximas vezes, você deve clicar “Ingresar” para ter acesso ao seu perfil. (Caso tenha esquecido a senha cadastrada, clique em “Olvidé mi contraseña”). Obs: Na primeira vez, ao fazer o registro, o agente é direcionado automaticamente para o perfil. Depois, será necessário clicar em “Editar” para poder acessar/modificar os dados do cadastro.

Atenção: tenha em conta que são duas etapas para se inscrever no edital: 1) completar o registro de agente individual no Mapa IberCultura Viva (se já o fez em outros editais do programa, deverá usar o mesmo registro); 2) completar o formulário de inscrição do concurso.

.

Uma vez concluído o registro de agente, onde encontrar o formulário de inscrição do edital?

Quando tiver o perfil de agente registrado, clique em “Editais” (na parte superior da tela) e vá até o arquivo que aparece com o título ““Convocatoria IberCultura Viva de Apoyo a Redes y Proyectos de Trabajo Colaborativo 2022”. (Desta vez o formulário se encontra em espanhol e português; o regulamento também aparece primeiro em espanhol, depois em português). 

Para iniciar sua inscrição, clique no campo de busca, localize o seu nome (o registro de agente individual/pessoa física previamente cadastrado) e selecione a opção “Realizar inscrição”, disponível ao lado do campo de busca.

Complete as informações requeridas no formulário de inscrição. A qualquer momento é possível salvar os dados de sua inscrição utilizando o botão “Salvar” no canto superior direito. Feito isso, é possível sair da plataforma e continuar o preenchimento em outro momento, antes do término do período de inscrições.

O sistema gera um “número de inscrição”, que deverá ser informado ao entrar em contato com o programa IberCultura Viva para obter alguma informação sobre sua proposta.

Atenção: Em qualquer momento é possível salvar os dados da inscrição utilizando o botão “Salvar” no canto superior direito. Fazendo isso, é possível sair da plataforma e continuar em outro momento, antes do término do período de inscrição. 

.

FORMULÁRIO

Que documentos devem ser preenchidos e/ou enviados?

Além do preenchimento do formulário específico do Edital de Apoio a Redes 2022 que se encontra disponível no Mapa IberCultura Viva, os candidatos devem enviar (em anexo ao formulário) dois documentos: 1) o certificado de personalidade jurídica (CNPJ) da organização/coletivo(*); 2) a carta aval em que é designada a entidade responsável pela inscrição e definidas as responsabilidades de cada organização/grupo/ povo no projeto. O orçamento e o cronograma do projeto também devem ser enviados em anexo, conforme modelo encontrado no formulário.

Para os candidatos do Equador e do Brasil, aparecerá um campo específico para envio do comprovante de inscrição no RUAC e o certificado de inscrição como Ponto de Cultura.

.

Como apresentar a rede ou articulação que desenvolverá a proposta do candidato?

O agente responsável pela inscrição será uma pessoa física, previamente cadastrada como agente individual na plataforma. No formulário este será o primeiro campo que aparecerá. Em seguida virão os dados da rede ou articulação que apresenta o projeto (deve-se reportar o nome da rede e uma breve descrição, com objetivo, histórico, etc.).

Na primeira parte do formulário, “Dados da rede ou articulação”, encontram-se os campos para preenchimento dos dados das organizações/coletivos que compõem a rede ou articulação (cidade, país, área de atuação, ano de fundação, e-mail, um breve resumo de suas atividades). É necessário preencher os três itens (1, 2 e 3 iguais), um para cada organização/coletivo, pois este é o número mínimo de membros que devem fazer parte da rede ou articulação. No caso de haver mais membros, existe mais um campo onde pode ser anexada uma lista.

Nesta parte encontram-se também os campos para informar a entidade responsável pela administração do projeto, enviar o certificado de personalidade jurídica e a carta aval em que são definidas as responsabilidades de cada membro da rede. 

.

Como apresentar a proposta da rede ou articulação?

A segunda parte do formulário é dedicada aos dados do projeto. Lá você deve informar o nome, local de realização, data de início, data de término, descrição, objetivos, metas, resultados esperados.

Uma das questões que aparecem no formulário é se o projeto propõe ações de reconhecimento e fortalecimento da identidade cultural. Também se pergunta se o projeto inclui características inovadoras e/ou relevantes para a comunidade e se inclui a perspectiva de gênero (descreva como; caso contrário, responda apenas “não contempla”). As ações de comunicação, documentação e registro que serão realizadas também devem ser informadas.

No campo de descrição da “Estrutura de Gestão” devem ser incluídas as responsabilidades assumidas por cada membro da rede ou articulação. Espera-se também que as estratégias de monitoramento e avaliação, a equipe técnica e a participação de outros atores na proposta (prefeituras, instituições públicas e/ou privadas, por exemplo) sejam informadas, caso existam.

.

Como apresentar o orçamento do projeto?

Cada projeto selecionado neste edital pode receber até US$ 5 mil para despesas de produção e comunicação do evento proposto. Na parte final do formulário de inscrição encontram-se os campos onde deverá constar o orçamento para o projeto. Os dois últimos campos destinam-se ao envio do orçamento e do cronograma do projeto em anexo, conforme os modelos que estão disponíveis para download no formulário.

.

Como preencher a carta aval?

Neste campo do formulário (item 5.1) existe um modelo de carta aval para baixar. É um documento simples, no qual se deve dizer que as pessoas abaixo assinadas expressam seu aval à organização que se apresenta como a entidade responsável pelo projeto, que se encarregará da administração dos recursos. Também deve ser esclarecido como as responsabilidades foram distribuídas entre as organizações que compõem o projeto (a organização X é responsável por uma determinada tarefa, o grupo Y tem essa missão, etc.). 

É necessário baixar o modelo disponível (para o Brasil, há versão em português), preencher os campos obrigatórios, imprimir, coletar as assinaturas dos responsáveis ​​pelas organizações que compõem a rede, e enviar este certificado assinado, anexando o arquivo ao formulário por foto ou scanner.

.

ENVIO

Como saber se a inscrição foi enviada?

A proposta será enviada somente após o preenchimento de todos os campos do formulário e a inclusão dos anexos obrigatórios. Caso falte algum desses campos, o sistema apresentará um alerta (um ponto de exclamação “!” em vermelho, em que se deve clicar para saber onde está o problema). Se o erro estiver no registro de agente, será necessário clicar no seu nome ou na sua imagem de perfil, acessar “Meu perfil” e editar seu registro, completando todos os campos do formulário que estiverem marcados com o símbolo “*”. 

Revise as informações antes de clicar em “Enviar inscrição”. Após o envio, não será possível editá-la. A plataforma exibirá a tela de confirmação do envio|: o dia e o horário do envio aparecerão na tela com uma tarja verde.

.

AVALIAÇÃO

Como se dá o processo de seleção?

O processo de avaliação do edital tem duas etapas: habilitação e avaliação. Na primeira etapa, a Unidade Técnica do IberCultura Viva revisará a documentação enviada, para ver se os anexos foram enviados corretamente, se o projeto reúne ao menos três organizações culturais comunitárias, se elas são provenientes de países membros do programa. As organizações que tiverem enviado a documentação corretamente passarão à etapa seguinte, de avaliação.

Na segunda etapa, representantes dos governos integrantes do programa estarão encarregados de realizar a seleção dos projetos apresentados. A avaliação se dará conforme os critérios estabelecidos previamente no regulamento do edital.

.

Quais são os critérios de avaliação?

A seleção levará em conta, por exemplo, se a proposta propicia o desenvolvimento de uma cultura cooperativa, solidária e transformadora, mediante o fortalecimento da capacidade de organização comunitária. Também contarão pontos na avaliação se o projeto promove ações de formación cultural e fortalecimento das identidades culturais; se desenvolve ações de comunicação, documentação e registro nas comunidades e redes em que atuam; se propõe características inovadoras e/ou relevantes para a comunidade; se inclui a perspectiva de gênero de forma transversal; se aborda atividades com temáticas específicas e significativas para comunidades vulneráveis, coletividades, minorias étnicas, etc.

Além da adequação aos objetivos estratégicos do programa, serão avaliadas a experiência da rede ou coletivo proponente e a proposta técnica apresentada. Neste caso, se observará se os objetivos estão explicitados de forma clara e bem definidos; se são pertinentes as estratégias e objetivos em relação aos resultados esperados; se explicitam coerentemente as etapas/ações para o desenvolvimento do projeto; se contam com uma equipe técnica adequada para a realização da proposta; se incluem adequada estrutura de gestão e estratégias de monitoramento e avaliação, se há coerência e adequação do orçamento e do plano de trabalho. 

.

Confira o regulamentohttps://bit.ly/3HMtpsx

Inscriçõeshttps://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/231/

Como se inscrever no Mapa IberCultura Viva: https://iberculturaviva.org/mapa-ibercultura-viva/?lang=es

Tags |