Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

El Salvador

23

Sep
2020

EmNotícias

PorIberCultura

Trajetória da Associação TNT é narrada em documentário da Mostra de Cine Comunitário

Em23, Sep 2020 | EmNotícias | PorIberCultura

La Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT) nació en 1993, un año después de la firma de los Acuerdos de Paz que terminaron con más de una década de guerra civil en El Salvador. Surgió en las montañas de un departamento históricamente excluido, Chalatenango, y allí permanece después de 27 años, entre altos y bajos, construyendo sueños y convivencia. 

Su trayectoria es narrada en el documental “25 Años TNT, Haciendo cotidiano el arte”, dirigido por Oscar Orellana. El video está disponible en la página web del 4º Encuentro de Redes IberCultura Viva, como una de las actividades especiales de la Muestra de Cine Comunitario Iberoamericano 2020. 

El 26 de septiembre, día de cierre de la muestra, a las 14:00 (hora de Argentina), habrá una entrevista con Julio Cesar Monge Diosdado, educador y miembro fundador de la Asociación Tiempos Nuevos Teatro, con transmisión en vivo por la página de Facebook y el canal de YouTube de IberCultura Viva.

 

Un “sueño de locos”

Julio Monge

Julio Monge nació en 1964 en Bilbao, País Vasco (España). Su llegada a El Salvador ocurrió en el año 1990, durante la guerra civil, cuando descubrió en Chalatenango un espacio para hacer lo que quería: aportar al movimiento popular revolucionario. Desde allí, donde se incorporó a un grupo de educadores, él empezó un trabajo de teatro popular que hoy es una referencia de arte comunitario en América Latina. 

Monge creó la Asociación Tiempos Nuevos Teatro con dos “compañeros de lucha”, Irma Orellana y Juan Serrano, en 1993. Lo que comenzó siendo un pequeño grupo de teatro comunitario derivó con el tiempo, y en diversas fases, en una asociación cultural con propuestas diversas, además de mantener la original compañía de teatro, que cuenta desde hace años con proyección nacional e internacional.

La compañía monta obras de reconocidos dramaturgos, pero muchos de sus espectáculos son de creación colectiva, inspirados en la realidad cotidiana. Son obras de teatro vinculadas, por ejemplo, a campañas de sensibilización, como la lactancia materna, el alcoholismo o el embarazo de adolescentes.

Entre las líneas de trabajo que la TNT trata de aportar están el apoyo a la educación (educando a niños y alfabetizando a adultos); la facilitación de talleres y formación artística; el fortalecimiento de la memoria histórica; la promoción del liderazgo juvenil, creativo, innovador y con sentido crítico; la valorización de los pueblos originarios; la recuperación y resignificación de espacios culturales (plazas, parques, casas comunales, lugares de conmemoración histórica).

A los 56 años, Julio Monge sigue con su “sueño de locos” en Chalatenango. Sabe que tiene en este “Pulgarcito de América” un proyecto de vida, y todavía hay mucho por hacer. “El oxígeno que nos mantiene vivos nos lo da la comunidad, la gente que tiene las mismas aspiraciones, los mismos anhelos de poder vivir bien y en paz”, afirmó Monge en entrevista a IberCultura Viva en 2015.

“La razón de ser de TNT, desde su origen, está ligada a la comunidad. Como decía (el jesuita) Jon Cortina, fallecido en el año 2005: ‘Lo más importante es acompañar a la gente. Nunca podremos hablar si no estamos con ellos… y una vez con ellos nuestro trabajo tiene que dar esperanza y aliento’”.

 

¿Dónde encontrar el video?

https://encuentroderedes.org/home/videos/eventos-especiales/

 

Conoce más sobre TNT: https://bit.ly/2QyvDBV

Lee la entrevista de Julio Monge (texto publicado en 2015)https://bit.ly/2FQzxUA

 

 

Tags | , ,

29

Aug
2019

EmNotícias

PorIberCultura

Uma feira na reserva de biosfera: conheça o projeto de El Salvador selecionado no Edital de Apoio a Redes 2019

Em29, Aug 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

Nome do evento: Feria y Tianguis Comunitario.

Nome da rede: ASALDI y Asociación Interinstitucional de la Cultura

Organização responsável: ASALDI

Data prevista: de 15 de outubro de 2019 a 15 de fevereiro de 2020

 

A Feira e Mercado Comunitário, que se realizará entre outubro de 2019 e fevereiro de 2020 em Salcoatitán e Izalco (El Salvador), tem como objetivo incidir no fomento dos valores culturais para o fortalecimento dos povos indígenas da Reserva de Biosfera Apaneca-Ilamatepec, através do resgate das expressões culturais, dos conhecimentos, da cosmovisão ancestral e, sobretudo, das tradições culturais dos municípios pertencentes a esta zona. 

Este evento público, que terá intercâmbios de bens, será como um mercado tradicional que se leva a cabo de maneira semi-fixa na rua, mesclado com uma feira, para a apresentação de expressões culturais e artísticas dos povos originários da zona. A ideia é que as atividades permitam um envolvimento intergeracional e que atraiam também pessoas dos municípios vizinhos.

A rede

(Foto: Ministerio de Cultura de El Salvador)

As organizações/coletivos que participam desta proposta apresentada ao Edital de Apoio a Redes 2019 são: as Casas de la Cultura y Convivencia dos municípios de Apaneca, Santa Ana, Izalco, Salcoatitán, San Antonio del Monte, Santo Domingo de Guzmán, San Pedro Puxtla, Juayua, Coatepeque e Nahuizalco; Asociación de Desarrollo Comunal de Mujeres Indígenas de Izalco (ADESCOMIIZ, Izalco), Alcaldía de Nahuizalco, Alcaldía de Salcoatitán, Alcaldía de Apaneca, e Asociación Salvadoreña para el Desarrollo Integral (ASALDI, San Salvador).

Estas entidades, que estão trabalhando em conjunto como parte de uma iniciativa que busca promover e revitalizar a cultura ancestral de El Salvador, formam a Asociación Interinstitucional de la Cultura, antes conhecida como Comité Interinstitucional para la Promoción de la Cultura nos municípios da Reserva de Biosfera Apaneca Ilamatepec. 

Esta associação nasceu em 2018, como um espaço de governança vinculado ao Comité Gestor de la Reserva de Biosfera Apaneca Ilamatepec, criado a partir da execução do projeto  “Fortalecimiento a los pueblos indígenas de la Reserva a través del rescate de sus conocimientos ancestrales vinculados a los recursos naturales, seguridad alimentaria y el fomento de los recursos genéticos ancestrales”, executado em cinco municípios desta zona. 

 

A reserva

Uma das funções da Reserva de Biosfera no campo da educação e na revalorização dos conhecimentos e saberes ancestrais responde a um dos critérios de seleção durante a certificação desta, já que se conta com a presença de povos indígenas e de uma riqueza de patrimônio cultural imaterial que identificou 16 expressões culturais em que se devem ser aplicadas medidas de salvaguarda.

 

(Foto en destaque: ADESCOMIIZ)

Tags | ,

21

Jan
2019

EmNotícias

PorIberCultura

3º Encontro Nacional de Batucadas em El Salvador: a música como ferramenta para a transformação social

Em21, Jan 2019 | EmNotícias | PorIberCultura

Cerca de 100 jovens, pertencentes a 15 grupos percussivos, participaram do 3° Encontro Nacional de Batucadas – Tuyulu 2018, realizado nos dias 19 e 20 de dezembro em San Salvador (El Salvador). O evento, um dos 17 ganhadores do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018, contou com duas atividades prévias nos departamentos de Chalatenango e San Vicente, onde se encontra a maioria dos grupos que fazem parte da Rede de Batucadas Tuyulu.

Em Chalatenango, o encontro preparatório foi realizado no município de San José los Ranchos, na sede da Asociación de Nuevos Tiempos de Teatro (TNT), em 5 de dezembro, com a participação de 30 jovens pertencentes a quatro batucadas. Em San Vicente, a atividade ocorreu no município de Tecoluca, no Parque Ecológico Tehuacán, nos dias 1 e 2 de dezembro, com 48 jovens, integrantes de cinco batucadas.

As jornadas tiveram como objetivo fazer uma análise de necessidades e oportunidades das batucadas nas comunidades, ensaiar os ritmos apresentados em outras jornadas durante o ano de 2018, além de fortalecer habilidades e conhecimentos no tema do direito humano à água, para evitar sua privatização em El Salvador e ressaltar a importância de cuidar das bacias e dos rios.

Oficinas

Foram ministradas oito oficinas em dois blocos de quatro cada. No primeiro bloco, um grupo de participantes teve a experiência de dirigir um ensaio e aprender técnicas de direção de batucada. Outros puderam aprender técnicas de como fazer um mural com a temática da água, usando o grafite, e um terceiro grupo se dedicou a preparar a imagem artística das batucadas para a ação pública. Outros jovens se dedicaram a aprender a fazer baquetas, acessório importante para tocar o tambor e que se rompe mais rapidamente em uma apresentação de batucada.

“Eles estavam entusiasmados em participar destas oficinas. Acho que isso os ajudou a experimentar e descobrir novas habilidades e ver o que poderiam integrar en sus batucadas como forma de expressão artística juvenil”, comentou Gonzalo González, integrante da Rede de Batucadas Tuyulu, lembrando que estas oficinas foram uma sugestão dos participantes das jornadas preparatórias.

No segundo bloco foram ministrados oficinas de malabares; de repique e caixa; de elaboração de comunicados e imagem artística. Na oficina de malabares, os participantes aprenderam a como fazê-los e manipulá-los, praticando com as bolas de malabares, ioiô chinês e DapoStar. Esta oficina foi dada por integrantes de duas batucadas que implementam essas ferramentas artísticas urbanas em seus grupos.

Caixa e repique são dois instrumentos que os jovens custam mais a aprender porque necesitam de mais tempo. Na oficina de imagen artística, o grupo esteve enfocado em fazer acessórios como panos com mensagens para os tambores e adornos nas baquetas.

Os jovens também puderam demonstrar aos demais companheiros/as da Rede de Batucadas suas destrezas artísticas em uma “noite cultural” que contou com apresentações de clown, guitarra e dança contemporânea. Um jovem também aproveitou esta noite para apresentar o que aprendeu na oficina de malabares, com o ioiô chinês.

A marcha

As manhãs foram dedicadas aos ensaios dos ritmos e da estrutura que se levaria à hora da la marcha prevista para o encerramento do 3º Encontro Nacional de Batucadas, na Praça Gerardo Barrios, no centro da cidade de San Salvador.

Na ação pública se fez um recorrido pelas redondezas da Catedral, terminando com uma coletiva de imprensa em que eles se pronunciaram contra as ameaças da privatização da água e a favor da aprovação de uma lei geral de águas, com enfoque em direitos humanos.

A atividade da ação pública foi coordenada com a Aliança Nacional Contra a Privatização da Água em El Salvador, que aglutina espaços (Foro del Agua, Mesa Frente a la Minería Metálica y Mesa de Soberanía Alimentaria, Mesa de Gestión y Riesgo), organizações, sindicatos e universidades em torno de problemáticas de interesse do país.

(Fotos: Rede de Batucadas Tuyulu)

 

A rede

A Rede de Batucadas Tuyulu foi fundada em 30 de agosto de 2015 por 12 grupos de percussão brasileira, com a missão de promover a batucada como uma ferramenta de transformação social e fomentar a cidadania ativa em  El Salvador. “Tuyulu” vem do nahuat-pipil e significa “nosso coração”. A referência ao coração faz o sentido: é o primeiro elemento rítmico que o ser humano experimenta.

 

Comenzamos con el primer ensayo del 3° Encuentro Nacional de Batucada de la Red Tuyulu El Salvador . #RedTuyuluES#3EncuentroNacinaldeBatucadaRedTuyulu

Publicado por TuYulu – Red de Batucadas em Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Tags | , ,

27

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Organizações e coletivos culturais comunitários de El Salvador se reúnem durante o 22º Festival Artístico Chalateco

Em27, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Fotos: René Figueroa

 

Diversos coletivos e organizações de El Salvador compartilharam experiências e metodologias em “Um encontro de Cultura Viva Comunitária”, realizado durante o 22º Festival Artístico Chalateco e 12º Festival del Maíz, nos dias 23, 24 e 25 de novembro, no município de San Antonio Los Ranchos, departamento de Chalatenango.

O evento, que foi um dos selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018, teve como objetivo contribuir para as políticas culturais comunitárias em El Salvador. Participaram das jornadas representantes de organizações e coletivos como TALEGA, FundArte Cojutepeque, ADES Santa Marta, Asociación CusCambia, EDUC-ARTE, Red De Comunicadores Occidente, CCCOT, Colectivo 12-15 y Tamarindo Foundation e Colectivo La-VoR.

Eduardo Balán

O argentino Eduardo Balán, do coletivo El Culebrón Timbal, esteve presente no encontro e falou da preparação do 4º Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária, que se realizará na Argentina em mayo de 2019.  “A Cultura Viva é este caminho amplo compartilhado por centenas de milhares de coletivos populares na América Latina há séculos e que continua crescendo, através das ações artísticas, produtivas e educativas realizadas nos bairros”, comentou Balán, que também elogiou o trabalho desenvolvido em El Salvador a partir da Associação TNT (“grupo lendário na América Latina”).

Os festivais

“13703, El misterio de las utopías”

O 22º Festival Artístico Chalateco, reconhecido como o encontro anual das artes cênicas no departamento de Chalatenango, teve início na quinta-feira (22/11) no Centro Cultural Jon Cortina, com a apresentação dos espetáculos dos grupos Escena X (“Cerdos”) e Los Del Quinto Piso (“13703, El misterio de las utopías”). A abertura contou com a presença de  crianças, jovens, adultos e “adultos maiores” de diferentes comunidades, como Guarjila, Las Minas e San Antonio Los Ranchos.

O segundo dia continuou no anfiteatro do Parque Cultural de San Antonio Los Ranchos e marcou a inauguração da 12ª edição do Festival del Maíz (“Festival do Milho”), a feira gastronômica e artesanal que desde 2007 se realiza simultaneamente ao Festival Artístico Chalateco. Elotes locos, tamalitos de elote, riguas, atol de maíz blanco, enchiladas, tacos, pães recheados, pastéis e chicha à base de milho foram alguns dos pratos elaborados por pessoas empreendedoras do município.

“Cerdos”, do grupo Escena X

No anfiteatro

“Juguemos diferente”

A apresentação de espetáculos no anfiteatro começou com a escola infantil de teatro impulsionada pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro com a obra “Juguemos diferente” (“Brinquemos diferente”). Depois vieram “Pobrecitos mis cuentos de barro”, do Teatro Cíclico de El Salvador, e “Los viajes de Wenceslao”, da Compañía Teatral Quimera (Honduras).

No sábado (24/11), foi a vez do Coro Nacional de Personas Adultas Mayores de El Salvador (CAMES) e do Circus Contemporaneum, com “Alicia en el País de las Maravillas”. A programação de domingo contou com os “Cuentos mágicos” de César Ilusionista, a “Sesión Cirkus” do  palhaço Simoon, e o concerto musical da salvadorenha Nadia Maltez.

 

A equipe produtora de Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT) se apresentou no encerramento, e Walter Romero, diretor da TNT, agradeceu a todas as pessoas e instituições que fazem possível o festival. Aproveitou para falar do trabalho que se faz na instituição, dos diferentes processos de educação artística que se desenvolvem nas comunidades de Azacualpa, Guarjila, Guancora, Las Minas, San Miguel de Mercedes e San Antonio Los Ranchos. Também contou ao público novidades, como a turnê pela Alemanha que o elenco fará em 2019, representando El Salvador na Europa.

Saúl Marín, prefeito de San Antonio Los Ranchos, também agradeceu e reconheceu o trabalho que TNT ali realiza para a prevenção da violência a partir da arte e da cultura. A Asociación TNT nasceu em 1993, um ano depois da assinatura dos Acordos de Paz, que terminou com mais de uma década de guerra civil em El Salvador. Surgiu nas montanhas de um departamento historicamente excluído, Chalatenango, e ali permanece depois de 25 anos, como uma referência de arte comunitária para toda a América Latina.

Leia também:

Apertura del 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz en San Antonio Los Ranchos

Segundo día del 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival del Maíz

Tercer día en el 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz

Cuarto día en el 22º Festival Artístico Chalateco y 12º Festival Del Maíz

Tags | , , ,

21

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Um festival de artes e um encontro de batucada: os dois projetos de El Salvador selecionados no Edital de Apoio a Redes 2018

Em21, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

Nome do evento: Festival Artístico Chalateco y Festival del Maíz, un encuentro por la Cultura Viva Comunitaria

Nome da rede/articulação: Colectivos y Organizaciones de CVC de El Salvador

Organização responsável: Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT)

 

O 22° Festival Artístico Chalateco e 12° Festival del Maíz, apresentado pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro (TNT) em articulação com coletivos e organizações de cultura comunitária de El Salvador, será realizado esta semana, de 22 a 25 de novembro, no município de San Antonio Los Ranchos, departamento de Chalatenango.

Durante esses quatro dias, haverá apresentações de grupos de El Salvador, Honduras y Guatemala. Estão programados espetáculos de Nadia Maltez, El Coro Nacional de Adultos Mayores (CAMES), Escena X, Los del Quinto Piso, Teatro Cíclico, Payaso Simoon de El Salvador, Compañía Teatral Quimera (Honduras) e El Mago César (Guatemala). Na quinta-feira (22), paralelamente à celebração em San Antonio Los Ranchos, o festival também estará nos municípios de Azacualpa, San Miguel de Mercedes e comunidade de Las Minas.

 

Teatro comunitário

O Festival Artístico Chalateco é realizado desde 1998. Chamado de “Festival de Teatro Popular Chalateco” em suas três primeiras edições, o evento surgiu da necessidade da Associação TNT de criar espaços para mostrar as produções dos grupos de teatro comunitário da região.

Neste contexto, a TNT, junto com outras instâncias de San Antonio Los Ranchos, decidiram lançar em 2007 o Festival del Maíz (“Festival do Milho”), tentando resgatar uma das tradições perdidas transitoriamente no município durante o conflito armado.

A Associação TNT nasceu em 1993, um ano depois da assinatura dos Acordos de Paz, que terminou com mais de uma década de guerra civil em El Salvador. Surgiu nas montanhas de um departamento historicamente excluído, Chalatenango, e ali permanece depois de 25 anos. Na zona rural, projeta-se como uma referência de arte comunitário para toda a América Latina.

 

Cultura viva

Este ano, paralelamente à programação dos festivais artístico e gastronômico, de 23 a 25 de novembro haverá um encontro de 15 coletivos e organizações de Cultura Viva Comunitária. A ideia é ter um espaço durante o dia para trocar experiências de trabalho, conhecer a plataforma Mapa IberCultura Viva e contribuir para o 4º Congresso Latino-americano de CVC, que se realizará na Argentina em maio de 2019.

A proposta foi apresentada ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2018 pela Asociación Tiempos Nuevos Teatro em articulação com Centro de Arte para la Paz, Centro Cultural y de las Artes Monseñor Oscar Arnulfo Romero (CLAMOR), Colectivo 12-15, Colectivo La Voz de Romero (LaVoR), Asociación de Arte para el Desarrollo-Primer Acto y Fundación por el Desarrollo de la Cultura a través de las Artes en Cojutepeque (FUNDARTE) e El Culebrón Timbal.

 

 

Nome do evento: III Encuentro Nacional de la Red de Batucadas TUYULU

Nome da red/articulação: Red de Batucadas TUYULU

Organização responsável: TDH-Suiza El Salvador

 

Cerca de 20 grupos de percussão de El Salvador participarão do 3º Encontro Nacional da Rede de Batucadas Tuyulu, nos dias 19 e 20 de dezembro, em San Salvador. O projeto busca fortalecer os grupos de batucada em sua capacidade organizativa em nível local e nacional, e suas habilidades de usar a batucada como ferramenta para a coesão e a transformação social.

Durante as duas jornadas, haverá oficinas sobre técnicas musicais, direitos humanos, equidade de gênero e estratégias de incidência através da arte. O encontro terminará com uma apresentação no espaço público, buscando a conscientização sobre as problemáticas vividas pela juventude salvadorenha.

Se espera a participação de cerca de 100 jovens, entre 15 e 30 anos, residentes da área rural ou urbana dos diferentes departamentos de El Salvador, que tenham conhecimentos básicos de batucada ou percussão e se encontrem em processo de organização ou estejam organizados em coletivos, redes, comitês, etc.

Previamente ao encontro nacional, serão realizadas uma reunião de coordenação, a gravação de um vídeo didático e duas jornadas preparatórias em diferentes zonas do país. A gestão contará com a participação dos/as jovens provenientes dos grupos integrantes da rede, em colaboração com as organizações que apoiam a Tuyulu.

A Rede de Batucadas Tuyulu foi fundada em 30 de agosto de 2015 por 12 grupos de percussão brasileira, com a missão de promover a batucada como uma ferramenta de transformação social e fomentar a cidadania ativa. Atualmente, a rede está preparando um processo formativo para grupos de jovens de 20 comunidades marginalizadas.

A proposta foi apresentada ao Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes 2018 por Asociación y Cooperación de Investigación para la Salud Mental (ACISAM), Plataforma Global El Salvador (PGES), Centro Bartolome de las Casas (CBC) e Terre des Hommes Suisse El Salvador (TDH-Suiza).

 

Saiba mais sobre a Rede Tuyulu: www.facebook.com/tuyulu

Saiba mais sobre a TNT: http://www.tnt.org.sv/https://bit.ly/1MOJw3I

Tags | , ,

24

Sep
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Curso de gestão cultural territorial inicia com 40 participantes em El Salvador

Em24, Sep 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

O Ministério de Cultura de El Salvador, por meio da Comissão para a Fundação do Instituto Superior das Artes (Comisartes), anunciou na sexta-feira, 21 de setembro, a seleção dos participantes de seu primeiro curso de Formulação de Projetos de Gestão Cultural Territorial.

Participaram do processo de inscrição 372 pessoas (198 mulheres e 174 homens) de diferentes partes do país, entre artesãos, artistas, comunicadores, jornalistas, líderes comunitários, representantes das municipalidades, estudantes, docentes, pesquisadores e gestores culturais, entre outros interessados em desenvolver competências para a formulação, o desenho e a gestão de projetos culturais.

A Comisartes selecionou 40 pessoas (22 mulheres e 18 homens) para a iniciativa, que terá como sede o Palácio Nacional, no centro de San Salvador. As atividades serão realizadas aos sábados, das 8h20 às 13h, entre 22 de setembro e 15 de dezembro de 2018.

Durante estes três meses, professores e facilitadores apresentarão aos participantes três módulos: “Marco conceitual para a gestão cultural”, “Enfoque territorial para a gestão cultural” e “Ciclo do projeto de gestão cultural”.

 

A seguir, a lista das pessoas selecionadas:

 

  1. Alas, Francisca Beatriz
  2. Araujo Martínez, Fredy Jeremías
  3. Argueta Cantarely, Ruth Beatriz
  4. Baires Mejía, Yanira Elizabeth
  5. Batres Loza, Ingmar René
  6. Benavides Romero, Leandro Antonio
  7. Benavides Serrano, Eleana Michelle
  8. Cartagena Mejía, Robin Alexander
  9. Casco Díaz, Verónica Saraí
  10. Castillo González, Óscar Eduardo
  11. Castillo Martínez, Vilma del Carmen
  12. Cerna Serpas, Blanca Lidia
  13. Chávez Beltrán, Roberto Antonio
  14. Chávez Bran, Carlos Mario
  15. Chirino Molina, Wendy Yasmara
  16. Córdova Flores, Carlos Antonio
  17. Cortez Montoya, Sandra Magdalena
  18. Cubías Lara, Alan Mauricio
  19. García de Quintanilla, Lidia Margarita
  20. Gómez Guzmán, José Antonio
  21. González Benítez, Silvia Yanira
  22. González Peñate, Alexandra Margarita
  23. Herrera Sigüenza, Edgard Alexander
  24. Jiménez Mata, Oscar Iván
  25. Juárez Cruz, María Roxana
  26. Martínez Nieves, Evelyn Griselda
  27. Mejía Peñate, José Mario
  28. Méndez Rodríguez, Cesar Antonio
  29. Meza Díaz, Frederick
  30. Morales de Echeverría, Vilma Patricia
  31. Pacheco Cardoza, Carlos Mario
  32. Pacheco Turcios, Ivonne Saraí
  33. Perla De Jiménez, Kathya Marilín
  34. Rivas Orellana, Roberto Alexander
  35. Rodríguez Recinos, Roxana Melissa
  36. Sayes de Martínez, Marta Mercedes
  37. Urbina Moreira, Wendy Raquel
  38. Valladares Orellana, Mónica del Carmen
  39. Vásquez Rodríguez, Verónica Lizeth
  40. Velásquez, Jesús Alberto

Fonte: Ministerio de Cultura de El Salvador

Leia também:

Ministerio de Cultura de El Salvador convoca para diplomado en gestión cultural territorial

 

Tags | , ,

04

Sep
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Ministério da Cultura de El Salvador convoca para curso em gestão cultural territorial

Em04, Sep 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

O Ministério da Cultura de El Salvador, por meio da Comissão para a Fundação do Instituto Superior de las Artes (COMISARTES), anunciou nesta segunda-feira (03/09) seu primeiro curso em Formulação de Projetos de Gestão Cultural Territorial.

A iniciativa terá como sede o Palácio Nacional, localizado no centro de San Salvador, é gratuita, iniciará em 22 de setembro e terminará em 15 de dezembro de 2018. As pessoas selecionadas terão aulas aos sábados, das 8h30 às 13h.

Durante esses três meses, os professores e facilitadores apresentarão aos participantes três módulos: “Marco conceitual para a gestão cultural”, “Enfoque territorial para a gestão cultural” e “Ciclo do projeto de gestão cultural”.

O número de vagas é limitado. O curso é destinado a estudantes (maiores de 18 anos), professores, pesquisadores, jornalistas, gestores culturais e funcionários das municipalidades, instituições públicas e privadas, entre outros interessados em desenvolver suas competências na formulação, no desenho e na gestão de projetos culturais.

O único processo de inscrição será on-line, de 3 a 14 de setembro, no seguinte endereço:  http://www.cultura.gob.sv/comisartes-diplomado.

O curso é uma das ações de cumprimento da Lei de Cultura, que estabelece como prioridade a gestão local da cultura. Também é uma aposta de investimento do governo, que contribuirá para o incentivo das iniciativas de empreendimento cultural, o fomento de capacidades para a vida e a formação artística como ferramenta de transformação social de El Salvador.

 

Fonte: Ministerio de Cultura de El Salvador

 

Tags | ,

19

Apr
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Entra em vigência o Ministério da Cultura de El Salvador

Em19, Apr 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

O presidente de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén, oficializou o novo Ministério da Cultura em cerimônia realizada no Salão de Honra da Casa Presidencial, nesta quinta-feira, 19 de abril. Criada após um longo processo de construção e desenho, a nova institucionalidade tem como titular Silvia Elena Regalado, que estava à frente da Secretaria de Cultura da Presidência de El Salvador desde janeiro de 2016.

A ação insere-se no contexto do Objetivo 8 do Plano Quinzenal de Desenvolvimento “El Salvador Produtivo, Educado e Seguro”, impulsado pelo governo para o período de 2014 a 2019.

A missão do novo ministério é assegurar “o direito à cultura e ao fortalecimento das identidades salvadorenhas, executando a proteção, conservação e difusão do patrimônio cultural e das expressões artísticas”.

O Ministério de Cultura estará constituído por quatro entidades: Direção Geral de Artes, a cargo de Marta Rosales; Direção Geral de Redes Territoriais, com César Pineda; Direção Geral de Patrimônio Cultural e Natural, com Irma Flores, e Direção Geral de Pesquisas, Acervos Documentais e Edições, com Carlos Pérez Pineda.

Competências

Entre suas principais competências estão velar pelo cumprimento da Lei de Cultura, e fazer valer o cumprimento da Lei Especial de Proteção  ao Patrimônio Cultural de El Salvador, assim como seus respectivos regulamentos.

Também são atribuições do ministério atualizar, promover e facilitar o desenvolvimento das políticas públicas em matéria de cultura, incluindo a relação com outras instâncias governamentais; estimular a participação dos distintos setores sociais no fazer cultural e artístico nacional; potenciar a memória histórica e fortalecer os processos identitários em nível local e nacional; desenhar e executar a territorialização das políticas públicas em matéria de cultura, através de instâncias como as Casas de la Cultura, os museus e a rede de bibliotecas públicas.

O Ministério de Cultura continuará trabalhando com o orçamento designado para o exercício financeiro fiscal de 2018; todos os bens móveis, imóveis e recursos materiais utilizados atualmente pela Secretaria de Cultura da Presidência serão transferidos para o ministério com as formalidades e requisitos legais.

Lei de Cultura

Antes da conversão da Secretaria de Cultura em Ministério da Cultura, foi aprovada, em 11 de agosto de 2016, a Lei de Cultura, a primeira do país, que estabelece o marco jurídico que fundamenta a política estatal em tal matéria, com a finalidade de proteger os direitos culturais reconhecidos pela Constituição e os tratados internacionais vigentes.

A normativa, aprovada em sessão plenária na Assembleia Legislativa, com 73 votos a favor, contempla o conceito do direito à cultura como um aspecto inerente à pessoa humana, que deve ser promovido a partir do Estado. Para isso, promove a criação de um Fundo Nacional Concursável para a Cultura e incorpora artigos relativos à gestão local da cultura, mediante a designação de fundos e a elaboração de planos locais.

Além disso, a lei inclui a criação do Instituto Superior em Artes; o fomento das empresas culturais, da música nacional e da cinematografia; a criação de dois registros de artistas (um nacional e outro municipal); a reivindicação dos direitos dos povos originários, e outorga especial importância ao trabalho desenvolvido nas comunidades pelas Casas da Cultura.

 

Saiba mais:

http://www.cultura.gob.sv/presidente-de-el-salvador-oficializo-ministerio-de-cultura/

Fuente: Secretaría de Cultura de El Salvador

(*Na foto, o presidente Salvador Sánchez e a ministra Silvia Elena Regalado durante a cerimônia de oficialização do ministério)

Tags |

27

Jun
2017

EmNotícias

PorIberCultura

Histórias e identidades no primeiro encontro de Cultura Viva em Nahuizalco, El Salvador

Em27, Jun 2017 | EmNotícias | PorIberCultura

Por Marlen Argueta

“Cultura Viva Comunitária, organização a partir da cosmovisão dos povos originários” foi o nome do encontro que a Red Salvadoreña de Cultura Viva Comunitaria realizou no último sábado, 24 de junho, no município de Nahuizalco, em El Salvador.

Itztla-Tlan-Balam (Luis de Paz), líder indígena, participou do encontro com o tema “Políticas públicas dos povos originários”. Em sua apresentação, ele falou das principais apostas e desafios da implementação da Política Nacional de Povos Indígenas. Também deu a conhecer o entramado de redes de povos originários que existem e sua organização comunitária no país.

Depois, a antropóloga e pesquisadora Marielba Herrera veio com a palestra “De homens a macacos”. Uma visão a partir das tradições humanas atuais, religiosas, culturais e populares, até o descobrimento do ancestral. A palestra permitiu que os participantes, representantes de diversas organizações comunitárias, compartilhassem suas histórias e narrativas construídas nas comunidades, ao redor do sincretismo religioso e das dinâmicas simbólicas cotidianas que formam parte do legado dos povos originários.

Ao final, o maestro César Pineda, diretor nacional das Casas de la Cultura y la Convivencia, vinculadas à Secretaria de Cultura da Presidência de El Salvador, ressaltou a contribuição da cosmovisão dos povos originários para os processos culturais comunitários em todo o país. “Na medida em que se criem processos que reconheçam os aportes da população indígena e sua cultura, diminuirá a negação da identidade destes povos em nossas raízes como nação”, destacou Pineda.

Construção do diálogo

Para a Red Salvadoreña de Cultura Viva Comunitaria, o intercâmbio é uma contribuição para a construção do diálogo com os coletivos e comunidades, um diálogo que permita a aproximação ao conhecimento das histórias particulares, as origens, os patrimônios e demais elementos que constituem e formam parte das identidades.

“Estes encontros surgem das necessidades e temáticas próprias das regiões, da própria vida do trabalho, das coordenações que um tema tão raro como a CVC. Estas atividades nos ensinam a fortalecer as lideranças, os dirigentes homens e mulheres que descobrem na cultura viva o rumo de seu trabalho, de seu coletivo e de sua realidade”, comentou Rafael Moreira, membro da Red Salvadoreña e do coletivo Red Sivar.

O objetivo destas rodas de conversa é potenciar as convergências entre os diferentes coletivos que pertencem à Red Salvadoreña de CVC e fortalecer seu tecido comunitário. Este ciclo de encontros se realiza previamente ao Encontro Nacional de Cultura Viva, a ser realizado em setembro de 2017. O evento é um dos projetos ganhadores do Edital Ibercultura Viva de Apoio a Redes aberta em 2016.

O próximo encontro será em 1º de julho em San Salvador e abordará o programa de Puntos de Cultura e o Programa Ibercultura Viva. Neste espaço participarão os denominados Puntos de Cultura em El Salvador e duas referências em cultura viva do governo central: Alexander Córdova e César Pineda.

Tags |

05

Nov
2015

EmNotícias

PorIberCultura

El Salvador: semeando alegria, esperança e comunidade

Em05, Nov 2015 | EmNotícias | PorIberCultura

Foto: Bladimir Nolasco

As imagens da “comparsa” (bloco, passeata festiva), os malabaristas, os meninos nos tambores, os pernas-de-pau, os palhaços, os dançarinos, a população nas ruas e os sorrisos não deixam dúvidas. Fazia mesmo todo sentido que El Salvador fosse sede do 2º Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária. Um país marcado por lutas, conflitos, massacres, e que vive um momento histórico com um governo que busca promover mudanças sociais por meio da cultura.

comparsa4-bladimir-nolasco

Foto: Bladimir Nolasco

“Aprendemos que a cultura sai do povo, não sai do governo”, afirma Ramón Rivas, secretário de Cultura da Presidência de El Salvador, que apoiou o evento organizado pela sociedade civil (a Rede Salvadorenha de Cultura Viva Comunitaria), de 27 a 31 de outubro, sob o lema “Convivência para o bem comum”.  “A arte e a cultura são do povo e para o povo e é a partir daí que podemos impulsar as mudanças necessárias.”

E foi um povo alegre que saiu às ruas a receber com largos sorrisos os cerca de 500 congressistas da América Latina e do Caribe durante os cinco dias de conferências, foros, debates, reuniões, cursos, apresentações e visitas às comunidades. A cordialidade, o respeito e o espírito de irmandade marcaram o encontro antes, durante e depois. E mostraram que muitas das mudanças pelas quais o país passa hoje deveriam estar resolvidas desde os Acordos de Paz.

comparsa-bladimir-nolasco4

Foto: Bladimir Nolasco

Antes e depois

A assinatura dos Acordos de Paz, em 16 de janeiro de 1992, marcou um antes e depois na história de El Salvador. Firmados entre o governo e a Frente Farabundo Martí para la Liberación Nacional (FMLN), em Chapultepec, México, os acordos terminaram com 12 anos de guerra civil no pequeno país centro-americano. Mais de 70.000 pessoas morreram nesse período. O ano de 1992, portanto, marcaria o começo da reconstrução do país.

Ainda que tenham trazido valiosas conquistas para a construção e o fortalecimento de uma institucionalidade democrática – os Acordos de Paz colocaram fim não apenas à parte armada do conflito, mas também a 60 anos de ditadura militar –, as coisas não aconteceram como se esperava. As batalhas continuaram. Mudaram de forma e cenário, passando à beligerância político-eleitoral, direita versus esquerda.

Como o mesmo partido político seguiu no poder, El Salvador seguiu como um país de modelo neoliberal, sem moeda própria (ainda está dolarizado), até 2009, quando a Aliança Republicana Nacionalista (Arena) perdeu as eleições presidenciais para o FMLN (a frente de guerrilha virou partido político em 1992). Começava, então, um governo de esquerda, o primeiro da história do país. Em 2014, o FMLN ganharia mais uma vez as eleições.

comparsa3-bladimir-nolasco

Foto: Bladimir Nolasco

De guerrilheiro a presidente

Salvador Sánchez Cerén, o atual presidente, foi um dos guerrilheiros que negociaram com o governo de El Salvador os Acordos de Paz em 1992. “Isto é histórico: um presidente que foi membro do FMLN hoje é presidente, comandante geral das forças armadas”, destacou Wilfredo Zepeda, secretário adjunto de Arte e Cultura do FMLN, no painel-foro “Políticas Públicas e Cultura Viva Comunitária”, em 30 de outubro, no Cine Teatro da Universidade de El Salvador.

wilfredozepeda

Wilfredo Zepeda, do FMLN

“Estamos em um momento histórico que é fruto das lutas populares que vêm num processo contínuo desde a década de 1970, quando surgiram os movimentos revolucionários”, acrescentou Zepeda. “E o momento histórico que vive El Salvador é também um momento de disputa de hegemonia, não apenas política, e sim cultural e ideológica. Nunca antes na história de El Salvador isso havia estado em disputa.”

Segundo o secretário Ramón Rivas, a cultura nunca havia sido um objetivo de país, mas agora é um dos pilares que sustenta a atuação do governo. “Já não nos referimos à cultura como sinônimo de belas artes, e sim como a dimensão de vida que constitui a força viva, criativa e coletiva do país.”

comparsa-bladimir-nolasco

Foto: Bladimir Nolasco

As Casas da Cultura

Umas das ações do Plano Quinquenal de Desenvolvimento (“El Salvador, produtivo, educado e seguro”, 2014-2019), apresentado pelo presidente Sánchez Cerén, é a implementação do programa Cultura Viva Comunitária, por meio da Direção Nacional das Casas da Cultura para o Desenvolvimento da Convivência e do Bem Viver.

ramonrivas_edited

O secretário Ramon Rivas. Foto: Secretaria de Cultura de El Salvador

Ramón Rivas conta que as Casas da Cultura – hoje presentes em 155 municípios do país – eram espaços onde havia uma biblioteca e os funcionários passavam seus dias emprestando livros, recebendo livros, cuidando para que não fossem roubados…. “Agora não. As Casas da Cultura hoje são pontos de socialização. São espaços de convivência onde homens, mulheres, crianças e sobretudo jovens, em vez de estar na esquina ou ser presas das ‘maras’ (gangues) e outros grupos delinquentes, têm um espaço onde podem se encontrar, se entreter.”

César Pineda, o diretor nacional das Casas da Cultura, também ressalta que as casas, antes tão preocupadas com a biblioteca, hoje são centros de convivência e troca de saberes. São espaços que dão poder ao povo, que buscam restituir o bem comum, o interesse coletivo sobre o privado. “O pecado não é estar organizado. O pecado é um povo sem organização”, comenta o diretor, citando uma frase de Monsenhor Romero, o bispo mártir dos salvadorenhos.

E é assim que o 2º Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária acaba marcando um antes e depois na abordagem da temática cultural no pequeno país centro-americano: com o povo em movimento, organizado e sorridente nas ruas, participante de seu destino.

diana-iliescu-foto-comparsa

Foto: Diana Iliescu

Tags | , ,