Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

Experiências

Entepola: o teatro como ferramenta de formação e transformação socialEntepola: o teatro como ferramenta de formação e transformação socialEntepola: o teatro como ferramenta de formação e transformação socialEntepola: o teatro como ferramenta de formação e transformação socialEntepola: o teatro como ferramenta de formação e transformação social

Por IberCultura

Em22, Sep 2015 | Em | PorIberCultura

Entepola: o teatro como ferramenta de formação e transformação social

Em 1987, num período difícil da história chilena, nasceu em Santiago um festival de teatro que cumpriu papel fundamental na luta contra a ditadura. O Encontro de Teatro Popular Latino-americano – Entepola, criado como um projeto da companhia La Carreta, surgiu como uma ferramenta para mostrar às pessoas que elas podiam ser protagonistas, que era possível dizer algo naquele momento, quando ninguém podia se expressar livremente.

Congregando muitas companhias que se expressavam por meio do teatro, o festival logo se transformou em referência de teatro comunitário para toda América Latina. Com o passar do tempo, foi crescendo, incorporando novas instâncias sob o teto Entepola. Transformado em fundação em 2013, hoje é parte de um projeto com três programas de intervenção social: Festival Internacional de Teatro Comunitário, Escola Latino-americana de Teatro Popular (Elatep) e Seminário de Pedagogia Teatral e Ação Social.

Sua missão é “potencializar e manter o movimento artístico comunitário, utilizando o teatro como ferramenta de formação e transformação no âmbito social, educacional e cultural”. Criar um protagonismo social real e vital das comunidades que não têm acesso aos bens e serviços culturais são os preceitos do projeto, que desde o ano 2000 se realiza de forma contínua em Pudahuel, na região metropolitana de Santiago.

“Há 10 anos, entramos em um processo pensando em contar com um espaço que contenha e aglutine esta experiência formativa com uma metodologia baseada em nossa própria experiência e conhecimento de trabalho teatral comunitário”, conta David Musa Ureta, criador e presidente da Fundação Entepola e diretor-geral do Festival Internacional de Teatro Comunitário.

entepola-teatro-foto-cesar-gozales-aliaga

O diretor David Musa, à esquerda na foto, é também um dos atores da companhia teatral Entepola. Foto: César Gonzáles Aliaga

Escola

Antes da criação da escola, houve cursos dirigidos a diferentes faixas etárias, com maior presença de mulheres adultas e grupos de jovens. Transformados em grupos de teatro, eles realizaram suas obras de criação coletiva e inspiraram o surgimento de uma experiência formativa inserida na comunidade, transversal e inclusiva, para os vizinhos de Pudahuel e outros municípios da região metropolitana.

Os cursos de artes cênicas realizados na Elatep usam o jogo lúdico e expressivo para conseguir um trabalho harmônico e criativo, onde se desenvolvem temáticas, opiniões e críticas, que são compartilhadas em um espaço de conversação e depois passam para o palco. O objetivo é que os alunos tenham liberdade para criar, para se expressar, e que se sintam livres de julgamentos. Pela participação coletiva, eles descobrem suas próprias capacidades, respeitando as dos demais, para potencializar o trabalho coletivo e comunitário.

O conceito que eles promovem é o do teatro como uma ferramenta que consegue abrir portas em direção a uma mudança de paradigma, contribuindo de maneira transversal para a melhoria do entorno. Levando arte àqueles que não têm acesso, eles buscam, além de apresentar espetáculos de qualidade, provocar profundas mudanças sociais.

A Escola Latino-americana de Teatro Popular (Elatep) começou com cursos de teatro comunitário e logo ganhou atividades complementares de reflexão, intercâmbio e análise crítica, sobre a prática e filosofia do teatro comunitário (como o Seminário de Pedagogia Teatral e Ação Social e o Seminário de Pedagogia da Esperança Radical: Teatro e Comunidade, ambos inspirados nos pensamentos do brasileiro Paulo Freire), e sobre a metodologia de Augusto Boal, criador do teatro do oprimido. Esses seminários buscam ativar a esperança desde a raiz e mostrar como ser parte da mudança social, a partir das comunidades ou territórios.

Durante o Festival Entepola são realizados o “Populteatro”, um espaço de intercâmbio e exposição de experiências relevantes de arte comunitária da América Latina e de outros continentes, e a “Desmontagem”, onde são compartilhados diversos processos de criação, formação e gestão das companhias.

“Todas as nossas atividades estão dirigidas a artistas, líderes ou educadores comunitários, profissionais que estejam sensibilizados com esta ferramenta teatral ou pessoas que trabalhem em espaços em espaços de vulnerabilidade”, resalta David Musa Ureta.

entepola-festival-2015

Convênios

Entepola transmite o sentido de proximidade, de irmandade. E com o passar do tempo vai se ramificando pela América Latina. Alguns encontros com as formas e os objetivos da iniciativa nascida no Chile foram feitos em países como Brasil, Equador, Porto Rico e Peru. Em 2014 foram firmados convênios com Argentina e México para a exportação do modelo de projeto do Festival Internacional de Teatro Comunitário. Esses convênios dão ao festival, como diz David Musa, “solidez e sobretudo dignidade a sua realização”.

Os Entepola vão se criando como redes, e em cada espaço o projeto ganha características próprias, conforme as necessidades e os costumes locais. Sua versão argentina é realizada na cidade de Jujuy, no noroeste do país. No México, na cidade de Aguascalientes, o segundo Encontro de Teatro Popular Latino-americano recebeu 33 montagens de seis países entre 21 e 27 de agosto.

Os festivais e encontros realizados fora do Chile contam com a assessoria de David Musa na coordenação. Diretor, produtor, professor e gestor cultural, Musa também é um dos atores da companhia teatral da Fundação Entepola (os outros integrantes são Rubi Figueroa e Enri Díaz). Além de trabalhar no resgate da dramaturgia latino-americana e fazer excursões teatrais por Chile, América Latino e Europa, ele realiza seminários, bate-papos e cursos de teatro.

No Chile, o Festival Internacional de Teatro Comunitário já teve 29 versões. Todos os anos, uma média de 25 companhias nacionais e estrangeiras, representativas das mais diversas tendências do teatro comunitário, participa do evento realizado em janeiro e fevereiro na região metropolitana e na “quarta região”. O programa integra atividades de interação entre a comunidade e as companhias, com itinerâncias, cursos, bate-papos e palestras que visam não apenas compartilhar saberes, mas também empoderar as pessoas, mostrando que “protagonistas somos todos nós”.

 

Três perguntas para David Musa Ureta

1. Entepola nasceu em um período difícil da história chilena, marcado pela ditadura. O teatro serviu como ferramenta para chegar até as pessoas, a lhes dizer que podiam se expressar, poderiam ser protagonistas?

Nasce no período final da ditadura. É um país que padece de uma enfermidade social e está culturalmente pulverizado. O projeto procura reestabelecer o tecido social, utilizando o teatro como pretexto e como uma ferramenta poderosa e efetiva, através de suas generosas técnicas, permitindo às pessoas que se comuniquem, se expressem, se relacionem, buscando um espírito crítico e reflexivo que os faça conscientes e protagonistas de seus processos individuais e coletivos.

david-musa-microfone

2. A ideia de se conectar com as organizações, com o espaço comunitário, vem desde o começo do Entepola, não? Em que momento sentiram necessidade de criar uma escola?

A ideia e o impulso de criar redes, de se associar com outras organizações, se convertem em uma ação natural e vital, para poder manter, criar fortes e criativos vínculos para avançar, projetar caminhos críticos e construtivos de democratização dos espaços ganhos. A formação faz parte da iniciativa, pois entendemos que o acesso aos bens e serviços culturais é uma forma de lutar contra as desigualdades sociais.

3. Vocês têm mais de 30 anos de história em Chile e são fonte de inspiração para outros projetos em América Latina. Sempre houve o objetivo de integração, de conexão com outros países?

O sentido profundamente “latino-americanista” do projeto é parte de um ideário político, pois como povos nos vemos historicamente atropelados por setores dominantes e opressivos que atentam contra os direitos humanos. Esta iniciativa não está ausente e é sensível a estes aspectos da vida dos povos latino-americanos.

(*Texto publicado em 22 de setembro de 2015)

Saiba mais:

www.fundacionentepola.org

https://www.facebook.com/Fundacion.entepola.chile