Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.EPara o Topo

Diversidad sexual

05

mar
2020

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Conheça os vídeos premiados no concurso “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

Em 05, mar 2020 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

(Foto: Echo raiz – Ventana a la Diversidad)

 

Frida Morgana é uma mulher trans que joga futebol e basquete e é fã de heavy metal. Bem longe dos estereótipos, ela vive em Lima (Peru) de forma independente, feliz e fiel a si mesma, ensinando a todos que há muitas formas de ser mulher. “Há mulheres gordas, magras, altas, baixas, tem de tudo. Não perco minha feminilidade por jogar futebol…Há muitas mulheres no futebol, sejam cis ou trans, que o praticam por amor ao esporte. (…) Bem, metaleira trans já não conheço, devo ser a única”, ela comenta (entre risos) no vídeo “Frida”, de Gianna Camacho García, um dos curtas ganhadores do Concurso “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”.

O concurso de curtas-metragens, que premia 10 vídeos com 500 dólares cada, foi lançado em 28 de junho de 2019 pelo programa IberCultura Viva em parceria com o Ministério de Desenvolvimento Social (MIDES) do Uruguai, e teve seu resultado final publicado nesta quinta-feira 5 de março. A iniciativa buscou abordar o tema da diversidade sexual com enfoque em direitos, visibilizando os aportes da comunidade LGBTIQ para o fortalecimento das identidades diversas.

“Mi pequeño cuerpo prohibido”

Os vídeos selecionados vêm de Argentina, Brasil, Chile, Espanha, México e Peru. A lista conta com personagens pouco comuns, como Frida, Victoria ou Flor, três mulheres transgênero que lutam contra a discriminação e os estereótipos em diferentes cidades latino-americanas. Conta, também, com histórias de preconceito, de violência, de resistência. E também com alguma ironia, como o vídeo do coletivo Ventana a la Diversidad (Espanha), que se apropria de termos usados em tom pejorativo, dando-lhes um significado novo, com um toque de humor, para a partir daí fortalecer os laços que unem a “comunidade de comunidades diversas”.

 

A seguir, apresentamos os 10 vídeos premiados no concurso.

 

ARGENTINA

  • Victoria – Rosario Palma

Victoria é uma mulher transgênero trabajadora sexual e ativista. Neste curta, ela compartilha conceitos transfeministas e as experiências pessoais que a levaram ao posto de primeira presidenta do Conselho Consultivo de Diversidade do Poder Executivo de sua cidade de residência: San Carlos de Bariloche, na Patagônia argentina. A realizadora do vídeo, Rosario Palma, é integrante de uma coletiva de mujeres trabalhadoras de meios audiovisuais na província de Rio Negro. 

 

  • Flor – Yanina Kaztman

Flor é uma mulher que na infância sonhou ser o que é hoje em dia. Depois de uma vida cheia de obstáculos e discriminação, ela se diz feliz e orgulhosa. “Quando eu era pequena, me aconteciam muitas coisas, eu não gostava de ser uma ‘mariquinha’, queria ser uma mulher. Para mim, foi importante ter o documento feminino, poder buscar trabalho assim”, conta Flor no curta de Yanina Kaztman. “(…) Há pouco fui à Marcha do Orgulho Gay. Adoro, porque as pessoas aplaudem, tiram fotos… Aí temos o direito de nos mostrar, de ser livres.”

 

BRASIL

  • Manifesta Maldita (Teaser) – Ana Caroline

Manifesta Maldita é um processo de documentário, o caos, uma anormalidade dentro do “CIS-tema”. Reúne imagens, sons e sentimentos para contar uma história do grupo “Culto das Malditas”, surgido em Brasília no ano de 2016 durante as ocupações da Funarte, logo após o ex-presidente Michel Temer decretar o fim do Ministério da Cultura. As Mal-ditas são uma comunidade de artistas periféricas, LGBTs, negras cheia de cicatrizes. Esta manifesta é um estudo sobre as referências do cinema negro e sobre como essa comunidade usa o amor e afeto como armas para sua resistência diária, realizada através da arte. 

 

  • Dia Internacional Contra a Homofobia – Victor Hugo Fiuza (14 | Agência de Conteúdo Estratégico)

Este curta resume uma série de vídeos feitos pelo coletivo 14 para o Dia Internacional Contra a Homofobia e LGBTFobia. Os vídeos trazem diversas perspectivas de luta e vivência do tema, como os estereótipos e o medo da violência, por meio de depoimentos de poetas, publicitários e comunicadores. Além de Victor Fiuza, que assina a direção, a série foi realizada por Camilla Leal, Isabel Marques, Pedro Kuster, Lucas Gomes, Marcelo Bordallo e Leandro Rodrigues.

 

  • Juntos – Evandro Manchini

O vídeo parte de elementos biográficos para celebrar a vitória do amor sobre o preconceito, humanizando as pessoas que vivem com o vírus HIV e abrindo espaço para discussões acerca de relações “sorodiferentes”. Um brasileiro e um espanhol, um soropositivo, o outro negativo, “juntos, mas diferentes”, “diferentes, mas juntos”.

 

CHILE

  • Mi pequeño cuerpo prohibido (Sólo con él jugaría al lobo feroz) – Adrian Casanova

O curta trata do primeiro enamoramento de um menino homossexual e as percepções sociais sobre este fato nos anos 1990, no México. Este vídeo é o sexto capítulo da minissérie queer “Meu pequeno corpo proibido – Só com ele brincaria o lobo feroz” (‘Mi pequeño cuerpo prohibido’ – ‘Sólo con él jugaría al lobo feroz‘).

 

ESPANHA

  • Echo Raiz – Guillermo Maceiras Gómez (Ventana a la Diversidad)

As comunidades LGTBIQ+ dispõem de uma capacidade especial de apropriar-se e ressignificar termos que ao longo do tempo e do território têm sido usados para burlar, insultar ou menosprezar. Com este vídeo, as/os realizadores propõem despojar de poder estes qualificativos que inicialmente foram pensados para ferir. Para isso, se apropriam deles, dando-lhes um novo significado, com um toque de picardia e ironia. O curta é de autoria coletiva da Comunidade VEDI (de Ventana a la Diversidad), uma plataforma que conecta jovens do mundo através da arte, da criatividade e das tecnologias digitais. 

 

MÉXICO

  • Jodida realidad yuca – Claudia Novelo Alpuche

Em 2011, cidadãos e diferentes coletivos da comunidade LGBT apresentaram ao congresso do estado de Yucatán (México) uma proposta de aprovação do chamado “Pacto Civil de Solidariedade”. O projeto foi rechaçado. Neste vídeo realizado por Claudia Novelo e Eugenia Montalván Colón, a ginecologista Sandra Peniche fala sobre tal pacto, e sobre como continua sendo atacada por grupos católicos e outras instituições que atentaram contra sua vida.

 

PERU

  • Frida, una mujer trans alejada de los estereotipos – Gianna Camacho García

Frida é uma mulher trans que joga futebol, basquete e gosta de heavy metal. Vivendo em Lima (Peru) de forma independente, ela ensina que há muitas formas de ser mulher, neste vídeo dirigido por Gianna Camacho García e Julio Lossio Quichiz. Trata-se de uma produção do coletivo Crónicas de la Diversidad, que há cinco anos se dedica a registrar e difundir o acervo cultural LGTBIQ peruano, com o objetivo de contribuir com a luta contra a discriminação. 

 

  • Danielle – Talía Flores

Danielle é discriminada pela mãe, e um dia lhe confessa que está injetando testosterona em si mesma. Depois de escutar a reação da mãe aos gritos, Danielle optará por refugiar-se em recordações, revendo fotos em que aparece com a namorada, que aceita sua identidade de gênero e sexualidade.

 

 

Leia também:

Vídeos de seis países foram selecionados no concurso “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

Conheça os selecionados no concurso de curtas “Comunidades Linguísticas”: identidade e salvaguarda”

Resistência, identidade e ancestralidade: os premiados no Concurso “Comunidades Afrodescendentes”

 

Tags | , ,

05

mar
2020

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Vídeos de seis países foram selecionados no concurso “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

Em 05, mar 2020 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

(Foto: Kaloian/ Secretaría de Cultura de la Nación de Argentina)

 

Dez vídeos de Argentina, Brasil, Chile, Espanha, México e Peru foram selecionados no Concurso de curtas-metragens “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”, lançado em 2019 pelo programa IberCultura Viva em parceria com o Ministério de Desenvolvimento Social (MIDES) do Uruguai. Os realizadores receberão prêmios de 500 dólares cada. A lista de ganhadores foi divulgada nesta quinta-feira 5 de março. 

Este concurso teve como inspiração os 50 anos da revolta de Stonewall, comemorados em 28 de junho de 2019. A rebelião no pub The Stonewall Inn, em Nova York, é considerada um marco para os movimentos pró-direitos da população LGBTIQ. Foi a primeira vez que gays, lésbicas, travestis e transexuais se uniram como uma só comunidade para dizer basta, para exigir o fim da brutalidade policial contra os homossexuais. 

Com esta iniciativa, o programa IberCultura Viva buscou dar visibilidade aos aportes da comunidade LGBTIQ para o fortalecimento das identidades diversas. A intenção foi contribuir e chamar a atenção sobre a importância do respeito e da tolerância sobre as diferentes percepções em torno da identidade de gênero e da orientação sexual das pessoas, assim como a necessidade de inclusão das dissidências sexuais no pleno exercício dos direitos humanos e culturais.

As inscrições estiveram abertas de 28 de junho a 15 de novembro de 2019, na plataforma Mapa IberCultura Viva, para pessoas maiores de 18 anos provenientes dos países membros do programa. Os vídeos deveriam ter duração mínima de 1 minuto e máxima de 3 minutos, incluindo os créditos iniciais e finais, e poderiam pertencer a qualquer gênero audiovisual. Os critérios de seleção incluíram a realização técnica, a originalidade temática e a adequação aos objetivos do concurso.

 

Concursos anteriores

Este foi o quarto concurso de audiovisuais promovido por IberCultura Viva. Em 2016, o programa lançou o Concurso de Videominuto “Mulheres: culturas e comunidades”, buscando dar visibilidade ao aporte fundamental das mulheres para a cultura e organização comunitária, enfrentando atitudes e estereótipos discriminatórios que contribuem para a desigualdade de gênero e a violência.

Em novembro de 2017, foi a vez do Concurso de curtas-metragens “Comunidades Afrodescendentes: Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento”, lançado em parceria com o Escritório de Representação no Brasil da UNESCO, como uma das atividades da Década Internacional dos Afrodescendentes (2015-2024), declarada pelas Nações Unidas em 2015.

Em outubro de 2018, em colaboração com a Representação na Guatemala da UNESCO, o programa apresentou o Concurso “Comunidades Linguísticas: identidade e salvaguarda”, inspirado na resolução das Nações Unidas que havia declarado 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas, para advertir sobre a perda desses idiomas e a necessidade de conservá-los e revitalizá-los.  

 

Confira a lista de vídeos selecionados:

Informação às pessoas interessadas II – Etapa de Avaliação – Concurso de curtas-metragens “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

 

Assista aos vídeos premiados:

Conheça os vídeos premiados no concurso “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

 

Tags | , ,

20

nov
2019

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Curtas-metragens de seis países foram habilitados no concurso de vídeos sobre diversidade sexual 

Em 20, nov 2019 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

Foto: Kaloian/ Secretaría de Cultura de la Nación de Argentina

 

Quatorze vídeos foram habilitados no Concurso de curtas audiovisuais “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”, lançado pelo programa IberCultura Viva em colaboração com o Ministério de Desenvolvimento Social (MIDES) do Uruguai. As propostas são provenientes de Brasil (5), Argentina (3), México (2), Peru (2), Chile (1) e Espanha (1). Elas passarão para a próxima etapa do edital e serão avaliadas por uma comissão composta por um representante do MIDES e pessoas de três países membros do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva. Dez curtas serão premiados com 500 dólares cada.

Entre os critérios que serão levados em conta na avaliação dos curtas-metragens se encontram a realização técnica, a originalidade temática e a adequação aos objetivos do tema. Receberão maior pontuação os vídeos cujos conteúdos promovam a reivindicação, visibilidade e fortalecimento dos coletivos LGBTIQ; promovam a ruptura de estereótipos discriminatórios; reflexionem sobre práticas culturais da comunidade LGBTIQ, e enfatizem boas práticas da comunidade LGBTIQ que contribuem para a diversidade na região ibero-americana.

A Comissão de Avaliação se reserva o direito de desqualificar os vídeos que considere que não correspondam ao tema do edital. Em caso de empate, será concedida maior pontuação aos vídeos apresentados por pessoas pertencentes à comunidade LGBTIQ, povos originários e/ou mulheres, sendo a somatória das três condições considerada como maior pontuação. Além disso, será utilizado como critério na seleção a distribuição geográfica das propostas selecionadas, de modo que possam ser conhecidas diversas iniciativas culturais existentes nos países da região, desde que existam projetos que obtenham ao menos a nota mínima de 55.

 

O concurso

Lançada em 28 de junho para comemorar os 50 anos da revolta de Stonewall, um marco para os movimentos pró-direitos da população LGBTIQ, a convocatória estava destinada a pessoas maiores de 18 anos dos países membros do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Cuba (país convidado), Equador, Guatemala, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai. As inscrições estiveram abertas na plataforma Mapa IberCultura Viva até a sexta-feira 15 de novembro. 

 

Confira a lista de vídeos habilitados:

Informação aos Interessados I: Etapa de habilitação – Concurso de curtas “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

Leia também:

IberCultura Viva lança concurso de curtas-metragens sobre diversidade sexual com enfoque em direitos

 

Tags | , , ,

07

nov
2019

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

Como inscrever-se no Concurso de curtas “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

Em 07, nov 2019 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

(Foto: Kaloian/ Secretaría de Cultura de la Nación de Argentina)

 

O  concurso de curtas “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania” foi lançado em 28 de junho de 2019 pelo programa IberCultura Viva, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social do Uruguai (MIDES), com o objetivo de dar visibilidade aos aportes da comunidade LGBTIQ para o fortalecimento das identidades diversas. A iniciativa, que tem inscrições abertas até as 18h de sexta-feira 15 de novembro, premiará 10 vídeos com 500 dólares cada.

A seguir, apresentamos um guia para ajudar você a fazer sua inscrição.

 

OS CRITÉRIOS 

. Quem pode participar do concurso?

A convocatória está destinada a pessoas maiores de 18 anos dos países membros do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Cuba (país convidado), Equador, Guatemala, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai.

. Quais são os requisitos para a apresentação dos vídeos?

Os vídeos deverão ter duração mínima de 1 minuto e máxima de 3 minutos, incluindo os créditos iniciais e finais, e poderão pertencer a qualquer gênero audiovisual (documentário, ficção, animação, jornalístico, entre outros). Deverão estar dirigidos ao público em geral, com classificação etária livre, ser inéditos nos meios de comunicação e não podem ter sido inscritos em concursos anteriores.

. Que tipo de abordagem se espera dos vídeos?

O concurso aborda o tema da diversidade sexual com enfoque em direitos. A intenção é contribuir e chamar a atenção sobre a importância do respeito e da tolerância sobre as diferentes percepções em torno da identidade de gênero e da orientação sexual das pessoas, assim como a necessidade de inclusão das dissidências sexuais no pleno exercício dos direitos humanos e culturais.

. Quais serão os critérios para a seleção?

Entre os critérios que serão levados em conta na avaliação dos curtas-metragens se encontram a realização técnica, a originalidade temática e a adequação aos objetivos do tema. Receberão maior pontuação os vídeos cujos conteúdos promovam a reivindicação, visibilidade e fortalecimento dos coletivos LGBTIQ; promovam a ruptura de estereótipos discriminatórios; reflexionem sobre práticas culturais da comunidade LGBTIQ, e enfatizem boas práticas da comunidade LGBTIQ que contribuem para a diversidade na região ibero-americana.

. Devo publicar o vídeo diretamente na plataforma Mapa IberCultura Viva?

Não. A pessoa postulante deverá publicar seu vídeo em alguma plataforma de divulgação gratuita, como Vimeo ou YouTube, para depois incluir o link no formulário de inscrição do Mapa IberCultura Viva.

 

COMO INSCREVER-SE 

Desde agosto de 2018 as inscrições para os editais do IberCultura Viva são realizadas por meio do Mapa IberCultura Viva (https://mapa.iberculturaviva.org/). Nesta plataforma livre, gratuita e colaborativa, agentes culturais, organizações culturais comunitárias e povos indígenas podem, além de inscrever-se nos editais e concursos do programa, divulgar seus próprios eventos, espaços e projetos. 

. Já participei de outro edital do IberCultura Viva por meio desta plataforma. Devo me registrar de novo como agente individual?

Não é necessário. O campo “Registrar-se” na página inicial é usado apenas na primeira vez. Nas próximas vezes, você deve clicar “Ingressar” para ter acesso ao seu perfil. (Caso tenha esquecido a senha cadastrada, clique em “Olvidé mi contraseña”). Obs: Na primeira vez, ao fazer o registro, o agente é direcionado automaticamente para o perfil. Depois, será necessário clicar em “Editar” para poder acessar/modificar os dados do cadastro.

. Esta é a minha primeira vez na plataforma Mapa IberCultura Viva. Onde e como me inscrevo para participar do concurso?

Para inscrever-se no concurso, é necessário registrar-se antes como agente cultural no Mapa IberCultura Viva: https://mapa.iberculturaviva.org/. Esta plataforma permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais entendemos as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, povos indígenas, agrupações e instituições. 

No caso do Concurso “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”, é obrigatório registrar o perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). Para isso, na página inicial da plataforma, clique em “Entrar”. Vá a “Registrar-se” e complete seu registro de usuário, preenchendo os dados necessários (nome, e-mail e senha). Com o login registrado, pode-se criar um perfil de agente. Aqui está um guia de como registrar-se na plataforma: https://iberculturaviva.org/manual/

. Uma vez concluído o registro como agente na plataforma, onde encontro o formulário de inscrição do concurso?

Quando tiver o perfil de agente registrado, clique em “Editais” (na parte superior da tela) e vá até o arquivo que aparece com o título em português: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/87/. (Brasileiros devem inscrever-se neste edital que está em português; o documento em espanhol é para os postulantes dos demais países membros do programa).

Para iniciar sua inscrição, clique no campo de busca, localize o nome da pessoa física titular do registro (deve ser um agente pessoa física previamente cadastrado) e selecione a opção “Realizar inscrição”. O sistema gera um número de inscrição, que você deve anotar e informar se precisar entrar em contato com o programa para obter alguma informação sobre a sua proposta.

Complete as informações requeridas no formulário de inscrição. A qualquer momento é possível salvar os dados de sua inscrição utilizando o botão “Salvar” no canto superior direito. Feito isso, é possível sair da plataforma e continuar o preenchimento em outro momento (antes do término do período de inscrições).

. Que dados e documentos devo apresentar para realizar a inscrição?

São dois formulários que devem ser preenchidos para postular a um edital do IberCultura Viva: o perfil de agente individual na plataforma (este mesmo cadastro servirá para outros editais e concursos do programa) e o formulário do edital em que se pretende inscrever. 

No caso deste concurso de curtas, deve-se informar no formulário o documento de identidade (e enviar uma cópia do documento), indicar se o/a autor/a pertence à comunidade LGBTIQ, se é afrodescendente ou pertencente a povos indígenas (basta informar “sim” ou “não”), se é integrante de coletivo ou rede (e detalhar o trabalho, se for o caso). Também é necessário preencher o termo de cessão de direitos (no formulário se encontra um modelo que pode ser baixado). Depois de completar este termo, deve-se assinar e devolver o documento à plataforma usando o scanner ou fotografando-o (há um botão “Enviar” para subir o arquivo) 

Além disso, deve-se informar o título do vídeo apresentado no concurso, fazer uma breve descrição dele e incluir o link do curta (publicado no Vimeo ou no YouTube). Caso o vídeo contenha falas que não sejam em espanhol ou em português, a tradução deve ir anexada ao formulário de inscrição. 

. Como saber se a proposta foi enviada?

Caso o seu registro de agente na plataforma não tenha sido completamente preenchido, não será possível enviar sua inscrição. O sistema apresentará um alerta (um ponto de exclamação “!” em vermelho, em que se deve clicar para saber onde está o problema). Se o erro estiver no registro de agente, será necessário clicar na sua imagem de perfil, na parte superior da tela, acessar “Meu perfil” e editar seu registro, completando todos os campos do formulário que estiverem marcados com o símbolo “*”. Também é preciso selecionar ao menos uma área de atuação, no canto superior esquerdo da página de registro.

A proposta será enviada para a participação no edital somente após o preenchimento de todos os campos do formulário e a inclusão dos anexos obrigatórios (o documento de identidade e o termo de cessão de direitos). Revise as informações antes de clicar em “Enviar inscrição”. Após o envio, não será possível editá-la. A plataforma exibirá a tela de confirmação do envio (o dia e o horário do envio aparecerão na tela com uma tarja verde).

 

Confira o regulamento do concurso: https://bit.ly/2ZSSiek

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/87/

Como registrar-se no Mapa IberCultura Viva: https://iberculturaviva.org/manual/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

 

Leia também

IberCultura Viva lança concurso de curtas-metragens sobre diversidade sexual com enfoque em direitos

 

Tags | , , ,

28

jun
2019

Em EDITAIS
Notícias

Por IberCultura

IberCultura Viva lança concurso de curtas-metragens sobre diversidade sexual com enfoque em direitos

Em 28, jun 2019 | Em EDITAIS, Notícias | Por IberCultura

Foto: Kaloian/ Secretaría de Cultura de la Nación de Argentina

 

Comemorando os 50 anos da revolta de Stonewall – a noite de 28 de junho de 1969  que é um marco para os movimentos pró-direitos da população LGBTIQ –, o programa IberCultura Viva e o Ministério de Desenvolvimento Social do Uruguai (MIDES) apresentam o  concurso de curtas-metragens “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”. 

A iniciativa, que premiará 10 vídeos com 500 dólares cada, busca dar visibilidade aos aportes da comunidade LGBTIQ para o fortalecimento das identidades diversas. A intenção é contribuir e chamar a atenção sobre a importância do respeito e da tolerância sobre as diferentes percepções em torno da identidade de gênero e da orientação sexual das pessoas, assim como a necessidade de inclusão das dissidências sexuais no pleno exercício dos direitos humanos e culturais.

As inscrições estarão abertas de 28 de junho a 15 de novembro de 2019, na plataforma Mapa IberCultura Viva. Os vídeos deverão ter duração mínima de 1 minuto e máxima de 3 minutos, incluindo os créditos iniciais e finais, e poderão pertencer a qualquer gênero audiovisual (documentário, ficção, animação, jornalístico, entre outros). Deverão estar dirigidos ao público em geral, com classificação etária livre, ser inéditos nos meios de comunicação e não podem ter sido inscritos em concursos anteriores.

A convocatória está destinada a pessoas maiores de 18 anos dos países membros do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Cuba (país convidado), Equador, Guatemala, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai. A pessoa postulante deverá publicar seu vídeo em alguma plataforma de divulgação gratuita, como Vimeo ou YouTube, para depois incluir o link no formulário de inscrição do Mapa IberCultura Viva.

Entre os critérios que serão levados em conta na avaliação dos curtas-metragens se encontram a realização técnica, a originalidade temática e a adequação aos objetivos do tema. Receberão maior pontuação os vídeos cujos conteúdos promovam a reivindicação, visibilidade e fortalecimento dos coletivos LGBTIQ; promovam a ruptura de estereótipos discriminatórios; reflexionem sobre práticas culturais da comunidade LGBTIQ, e enfatizem boas práticas da comunidade LGBTIQ que contribuem para a diversidade na região ibero-americana.

Foto: Kaloian/ Secretaría de Cultura de la Nación de Argentina

Concursos anteriores

Este é o quarto concurso de audiovisuais promovido por IberCultura Viva. Em 2016, o programa lançou o Concurso de Videominuto “Mulheres: culturas e comunidades”, buscando dar visibilidade ao aporte fundamental das mulheres para a cultura e organização comunitária, enfrentando atitudes e estereótipos discriminatórios que contribuem para a desigualdade de gênero e a violência.

Em novembro de 2017, foi a vez do Concurso de curtas-metragens “Comunidades Afrodescendentes: Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento”, lançado em parceria com o Escritório de Representação no Brasil da UNESCO, como uma das atividades da Década Internacional dos Afrodescendentes (2015-2024), declarada pelas Nações Unidas em 2015.

Em outubro de 2018, em colaboração com a Representação na Guatemala da UNESCO, o programa apresentou o Concurso “Comunidades Linguísticas: identidade e salvaguarda”, inspirado na resolução das Nações Unidas que havia declarado 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas, para advertir sobre a perda desses idiomas e a necessidade de conservá-los e revitalizá-los. Neste junho de 2019, a inspiração é a celebração dos 50 anos da rebelião de Stonewall. 

 

A revolta de Stonewall

Na noite de 28 de junho de 1969, a polícia entrou no pub The Stonewall Inn para mais uma de suas operações habituais. Já tinha virado rotina neste casa noturna frequentada por homossexuais, travestis e transexuais no Greenwich Village, em Nova York: policiais entravam no bar e obrigavam os clientes a fazer fila e identificar-se, dispostos a prender os empregados por venda ilegal de álcool e os frequentadores que não tinham documentos de identidade. Também eram detidos aqueles que apresentavam “desvio sexual” por vestir peças de roupa “não correspondentes” ao gênero designado no nascimento

Nesta madrugada, no entanto, o roteiro mudou. Aqueles que não haviam sido detidos não saíram rapidamente, como de costume. Foram juntando em frente ao bar e a eles foram se somando dezenas, e depois centenas de outras pessoas. A tensão explodiu quando uma lésbica resistiu à prisão e gritou para aqueles que assistiam à cena: “Por que não fazem algo?”.  Assim começou uma chuva de moedas, objetos, garrafas, pedras e insultos em direção à polícia, obrigada a retroceder e a se refugiar de novo no Stonewall, que seguiu sendo atacado do lado de fora. Os protestos continuaram durante vários dias.

Esta rebelião é considerada um ponto de inflexão para os movimentos LGTBIQ. Foi a primeira vez que gays, lésbicas, transexuais – e também negros, latinos, jovens sem teto e ativistas contra a guerra do Vietnã – se uniram como uma só comunidade para dizer basta, para exigir que parasse a brutalidade policial contra os homossexuais. Um ano depois da revolta de The Stonewall Inn, em 28 de junho de 1970, se realizou a primeira marcha do orgulho gay na cidade de Nova York.

 

 

Confira o regulamento do concurso: https://bit.ly/2KKz1Zd

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/87/

Consultas: programa@iberculturaviva.org

 

⇒ Leia também:

Como inscrever-se no Concurso de curtas “Diversidade sexual e de gênero: direitos e cidadania”

 

(Fotos no alto: 27° Marcha del Orgullo LGBTIQ de Buenos Aires, realizada em 17 de novembro de 2018. Crédito: Kaloian/ Secretaría de Cultura de la Nación de Argentina)

Tags | , , ,