Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo

Notícias

28

Maio
2021

Em Notícias

“Registro de iniciativas culturais comunitárias” reúne histórias da Região Metropolitana do Chile: uma ideia a replicar

Em 28, Maio 2021 | Em Notícias |

Há um ano, os membros da Mesa de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana (Mesa OCCRM), do Chile, decidiram convocar as OCCs da região para fazer algo que nunca haviam feito antes: contar suas histórias, documentar o que faziam em seus territórios, mostrar que existiam. O projeto, realizado com o apoio do Programa Rede Cultura da Secretaria Regional das Culturas, Artes e Patrimônio, resultou no livro “Registro de iniciativas culturais comunitárias – Região Metropolitana”, lançado em encontro por videoconferência na última quarta-feira dia 26 de maio. 

A publicação reúne, em 176 páginas, um total de 76 organizações e iniciativas culturais comunitárias da Região Metropolitana de Santiago, pertencentes a 27 das 52 comunas que a constituem. Os temas de trabalho são os mais variados, vão desde circo, reciclagem e pintura mural até trabalho com crianças, jovens e mulheres, promoção de direitos, animação cultural de bairro, pesquisa e gestão cultural, entre outros. Na parte final do livro foi incorporado um mapa com a localização territorial de cada uma delas, disponível em sua versão interativa no site www.mesaoccrm.cl.

O lançamento se deu numa das sessões do 6º Encontro de Organizações Culturais Comunitárias da Região Metropolitana. Estavam presentes o coordenador da edição, Roberto Guerra Veas, fundador da Escola de Gestores e Animadores Culturais (Egac); o designer gráfico Alfredo Chuquimia; Camila Garrido, Vania Fernández e Marianela Riquelme, profissionais do programa Red Cultura; Esther Hernández Torres (México), presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, e integrantes de organizações que participam da Mesa de OCC da Região Metropolitana. 

Quatro das organizações presentes no livro se apresentaram neste encontro virtual: Elizabeth Guzmán falou sobre a Escola de Títeres de Lo Espejo; Ruben Berrios, do Grupo Perú Danza; Diana Catani, da Corporación Cultural Teatro Bus Chile; Rosa Luz Vargas, da Ebano y Marfil. A moderação esteve a cargo de Melanie Bustos Alveal, representante da organização La Joya Mosaico. 

Um desejo cumprido

Na abertura do encontro, Camila Garrido, representante do programa Red Cultura, felicitou os representantes da Mesa OCCRM e falou da emoção ao ver o texto, depois de quatro anos de trabalho conjunto em prol do fortalecimento de OCCs para a região. “Havia um desejo de que isso acontecesse, de que esse registro fosse gerado. É muito gratificante ser testemunha deste acontecimento”, comemorou. “Há um ano, quando esse projeto surgiu da mesa, o objetivo técnico era a auto-observação, mas esse foi um pretexto para poder acompanhar, colaborar, se encontrar com as OCCs que estavam no território.”

Segundo Camila, a estratégia era dar visibilidade cultural ao trabalho das organizações, mas havia algo mais: era preciso dar cara, nomes e pele às organizações que distribuíam refeições, coordenavam a entrega de caixas de mercadorias, realizavam bingo, rifas, para ajudar um vizinho com problemas de saúde. “A cultura comunitária acaba sendo um bálsamo nesses momentos difíceis e dolorosos. É uma forma de se conectar com a memória e a resistência”, destacou. Para ela, este registro não é apenas um marco regional, mas também nacional, “uma prática que vale a pena imitar nas várias regiões e comunas do país”, pois sistematizar o que se faz é uma forma de ficar no tempo, uma forma de transcender.

Vania Fernández, outra representante do Red Cultura na região, também expressou a emoção de ver a concretização deste projeto, que “mostra que o trabalho cultural comunitário vai além de se candidatar a fundos públicos”. “Essas organizações trabalham pela construção de uma sociedade que garanta os direitos culturais. Elas trabalham de forma autônoma, se preocupam em empoderar seus pares, se associam, buscam maneiras de sobreviver. (…) Quando começam a deixar de se olhar e passam a olhar para o outro, quando encontram nas expressões artísticas a forma de estimular suas vidas e de todo o seu entorno, é aí que as comunidades começam a crescer. Este registro nos mostra 76 histórias, 76 sonhos, 76 lutas de ativismo territorial.”

Uma experiência inspiradora

Esther Hernández Torres, diretora geral de Vinculação Cultural da Secretaria de Cultura do México e presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, representou o programa no encontro e comentou a emoção transmitida pelos membros da Mesa OCC ao ver materializado este trabalho. “As histórias que vêm das organizações são realmente empolgantes e inspiradoras”, disse ela. Além de parabenizá-los pela edição e pelo complexo trabalho de sistematização (“que eles conseguiram fazer muito bem”), destacou a importância da experiência e do trabalho que as organizações de base realizam quando se articulam nas políticas culturais. 

“Passamos por tempos muito difíceis e nós que gerenciamos políticas de base comunitária nos preocupamos com a necessidade de presença, de território. E quando pensávamos que não podíamos fazer mais nada, as organizações nos surpreendem com redes de solidariedade, sendo agentes de mudança em seus lugares de origem. Agentes que buscam o bem-estar coletivo por meio da arte, da cultura, de suas próprias linguagens, para se manterem vivos. O fato de o trabalho comunitário, em vez de cair como muitos de nós temíamos, ter criado todas essas possibilidades com mais força, é algo que dá muita esperança e que é preciso compartilhar ”, destacou a presidenta do IberCultura Viva.

Para Esther Hernández, a publicação é uma fonte de inspiração para organizações de outras latitudes, de outras partes da Ibero-América, e demonstra a vitalidade da cultura comunitária. “Adorei o que Camila disse: que a cultura da comunidade é um bálsamo em momentos de dor. Sim, é um bálsamo nos momentos difíceis, mas também nos momentos de confiança, de encontro, de alegria. E nos momentos de raiva, de memória, de lembrar por que estamos aqui, por que agimos e por que é cada vez mais necessário trabalharmos juntos, em solidariedade, em redes”, afirmou. 

Sete meses de trabalho editorial

Roberto Guerra Veas, responsável pela coordenação editorial, destacou que as organizações culturais comunitárias são um dos atores mais dinâmicos do setor cultural chileno, estando presentes de uma ponta a outra do país, “de Putre a Puerto Williams”. “Também na nossa região, no conjunto de comunas, elas dizem presente. E têm feito isso desde sempre, desde antes de o ministério existir, e elas estão dizendo presente agora. Nestes tempos complexos, elas se comprometeram a acompanhar seus grupos e comunidades, estão se organizando, ativando, gerando espaços de participação. Aonde o Estado não chega e o mercado não se interessa, aí estão as organizações culturais comunitárias”, comentou. 

Segundo o fundador da Egac, o projeto do livro surgiu a partir de duas das principais demandas que as organizações de base regularmente levantam: que seu trabalho tenha mais visibilidade e seja reconhecido. “Este registro é um presente que damos a nós mesmos e que compartilhamos com todos. O livro nos permite mostrar que existimos, que há processos de ativação e reconhecimento aqui, que há iniciativas que estão fazendo algo que ninguém mais está fazendo, que há um festival de teatro de bonecos que une a população, que estão criando ‘panelas comuns’, que estão pintando murais de forma colaborativa e associativa … Há um valor fundamental aí”, disse, apontando a necessidade de o Estado responder à demanda constante das organizações por um maior reconhecimento, por ter políticas públicas específicas e deixar de ser “os parentes pobres” nas políticas culturais. 

A publicação levou sete meses “intensos” de trabalho e também serviu para lembrar às organizações a necessidade de as organizações prestarem a devida atenção aos processos de registro e documentação de suas práticas. “Isso não é secundário. É importante organizar as informações, documentar o que está sendo feito, ter arquivos, ter fotos que falam bem do seu trabalho”, observou Guerra. “Com informações organizadas, você pode avançar nos processos de sistematização, compartilhar uma experiência. Nesse caso, compartilhar o trabalho de 76 organizações é como tirar uma foto. No outono de 2021, esta é uma foto do setor cultural comunitário que ficará para a história.”

O processo de seleção

Na apresentação do livro, explica-se que o projeto teve início com uma convocatória dirigida a organizações, coletivos e projetos culturais comunitários e sem fins lucrativos, denominados “iniciativas”, que, independentemente da sua natureza jurídica, realizam seu trabalho em qualquer uma das 52 comunas da Região Metropolitana de Santiago. Era necessário ter no mínimo três anos de funcionamento. Concluído o período de registro, foram recebidas 90 postulações de 28 comunas da capital chilena.

A avaliação das iniciativas ficou a cargo de um comitê formado pela Mesa OCCRM e o programa Red Cultura, considerando os critérios de associatividade, trajetória e experiência, abrangência e participação nos encontros regionais de OCCs. As 69 que completaram satisfatoriamente todo o processo juntaram-se às 7 organizações que faziam parte da Mesa OCCRM, completando o total de 76 iniciativas presentes no texto.

Onde baixar a publicação: www.egac.cl

Veja o vídeo do lançamento: https://www.facebook.com/egaccultura/videos/147737554039890

Tags | ,