Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

México

08

Nov
2018

EmNotícias

PorIberCultura

Festival da Terra e Cores da Serra: os dois projetos do México selecionados no Edital de Apoio a Redes 2018

Em08, Nov 2018 | EmNotícias | PorIberCultura

 

 

Nome do evento: 3er Festival de la Tierra

Organização responsável: Dulce Camino A. C.

 

A terceira edição do Festival de la Tierra será realizada no município de Zapopan (a Praça de las Américas e o Parque Agroecológico serão as duas sedes), em abril de 2019, por ocasião do Dia da Terra. Este espaço pretende ser um polo de convergência de pessoas, grupos, povos indígenas, organizações urbanas e camponesas, instituições acadêmicas e coletivos interessados no cuidado do planeta e no bem-viver.

Serão dois dias de exposição e um dia de oficinas para que os participantes compartilhem as conquistas obtidas ao longo do ano em seus processos formativos, organizativos e de comunicação. Estão previstas 30 oficinas nas áreas de bioconstrução, transformação, agroecologia, economia solidária, consumo responsável, medicina tradicional e alternativa, criatividade, reciclagem e artísticas.

Um dos objetivos do evento é sensibilizar o público em geral – por meio da ciência e das artes, música, dança, pintura, escultura, arquitetura – que existem alternativas viáveis na agroecologia, no processamento saudável, na medicina tradicional e na bioconstrução para a construção de políticas comunitárias de cuidado do planeta e do bem-viver. Outro objetivo é gerar as melhores condições e o ambiente propício entre pessoas, grupos e redes de empatia e colaboração para celebrar e compartilhar seus saberes, experiências e produtos de seu trabalho, frutos dos processos sociais e comunitários.

O festival é uma articulação de Dulce Camino A. C. (Guadalajara), Colectivo Agroecológico Teocintle (Zapopan), IMDEC (Guadalajara), REMECC– Red Mexicana de Comercio Comunitario (Guanajuato), CIPTEV – Centro de Investigación y Producción de Tecnología Ecológica para la Vivienda (Zapopan), RedSoSu – Red para el Desarrollo de Sociedades Sustentables (Jalisco), Kookay, A. C. (Guadalajara), Recybank (Guadalajara), Bioespiral (Guadalajara), Red MAK – Red MesoAmeri-Kaab (Guadalajara), Casa de Asistencia para la Comunidad A. C., (Tonalá), Colectivo Escuela Campesina de Educación Popular y Alternativas Sustentables (Cuzalapa, Cuautitlán), Fasmex – Fortaleza de Agroindustria Sustentable de México (Zapopan), OIDH – Organización Internacional para el Desarrollo Humano (Guadalajara), Escuela para Defensoras Benita Galeana A.C.

 

 

Nome do evento: Festival Multicultural “Colores de la Sierra”

Nome da red/articulação: Ha Ta Tukari

Instituição responsável: Proyecto Concentrarte A.C.

 

O Festival Multicultural Colores de la Sierra: arte, tradición, ecología, difusión de los derechos de los pueblos indígenas y cultura ancestral será realizado de 26 de janeiro a 3 de fevereiro de 2019 na comunidade de San Andrés Cohamiata, onde vive o povo wixárika. Esta comunidade é um lugar de difícil acesso, adentrando na Sierra Madre Occidental, no norte do estado de Jalisco, no município de Mezquitic – onde a oferta cultural, de saúde, alimentos, etc. não chega.

A proposta de criar um festival de uma semana no qual se possa compartilhar e criar junto com a comunidade de San Andrés Cohamiata, é resultado de uma articulação entre o povo wixárika, quatro associações civis e um coletivo: Proyecto Concentrarte A.C., Desarrollo Sustentable Lu’um A.C., Isla Urbana A.C., Colores de la Tierra y Organización Cultural Todos Somos Otros A.C.  

As atividades terão como foco a promoção dos direitos dos povos indígenas, e consistirão em murais coletivos dirigidos por artistas profissionais que canalizem as mãos e as ideias das crianças e jovens da comunidade, projeção de documentários, oficinas de cartões, pães e cuidado com o meio ambiente, jogos cooperativos e de convivência, e um concerto. Tudo será documentado em vídeo e fotografia. Posteriormente, um documentário será lançado para difundir a importância da proteção do direitos e da preservação da cultura.

A rede Ha Ta Tukari, promotora do projeto, é uma equipe multidisciplinar formada por quatro ONGs com quase nove anos de trabalho ininterrupto em duas comunidades da serra indígena Wixárika (povo huichol). Este festival é realizado em parceria com Colores de la Tierra, um projeto multicultural fundado em 2012, que alcança mais de 1500 meninos e meninas em oito comunidades da serra, mediante a criação de espaços para compartilhar ferramentas criativas e ecológicas, sempre com o objetivo de promover e preservar a cultura wixárika.

O povo wixárika está formado por cerca de 20 comunidades e, até o momento, a rede Ha Ta Tukari e Colores de la Tierra vinham atuando em comunidades diferentes por um mesmo objetivo: um futuro sustentável para o povo wixárika mediante o respeito e a preservação de sua cosmovisão e tradições. Para poder alcançá-lo, decidiram unir forças e complementar-se, de forma que possam ampliar seu espectro de ação e realizar um trabalho ainda mais profundo e com maior alcance. Este festival é a semente para esta nova aliança.

 

Saiba mais sobre a rede Ha Ta Tukari

Tags | , ,

23

Oct
2017

EmNotícias

PorIberCultura

1º Encontro Nacional de CVC México: abrindo fronteiras para o uso do espaço social

Em23, Oct 2017 | EmNotícias | PorIberCultura

O 1º Encontro Nacional de Cultura Viva Comunitária do México (“Abrir fronteiras para o uso do espaço social”) será realizado de 26 a 30 de outubro na Cidade do México. O evento, organizado pelos coletivos Comunidad Comelibros e Habitajes Centro de Estudios y Acciones sobre el Espacio Público, foi um dos projetos ganhadores do Edital de Apoio a Redes IberCultura Viva 2016.

O painel de abertura (“O espaço social como estratégia para a construção de cidadanias culturais”) está marcado para a sexta-feira (27/10), às 12h, no Centro Cultural de Espanha (rua República de Guatemala 18), no Centro Histórico da Cidade do México. Às 17h, na Comunidade ñhäñhü-otomí da Colonia Roma (Av. Chapultepec 342), haverá o círculo de diálogo “O espaço social como estratégia comunitária para a exigibilidade de direitos culturais”. As duas atividades são abertas ao público.

Para o sábado (28/10) estão previstos dois círculos de diálogo na Assembleia Comunitária Miravalle (Iztapalapa). O primeiro (às 12h) é aberto ao público e tem como tema “Políticas públicas, cultura viva comunitária e espaço social: regulações e suspeitas”. O segundo, às 16h, reunirá integrantes da Assembleia Comunitária Miravalle e de organizações da rede Cultura Viva Comunitária México.

No domingo (29/10), as atividades serão no Centro de Artes y Oficios Tiempo Nuevo (Jesús Lecuona s/n esq. Oaxaca, Delegación Tlalpan), com três círculos de diálogo a partir das 17h: “Compartilhando resultados dos momentos de diálogo”, “Princípios e valores de Cultura Viva Comunitária México” e “Rumo ao Congresso Latino-americano em Quito, Equador”. A segunda-feira (30/10) será dedicada à sistematização do encontro.

O 1º Encontro Nacional de Cultura Viva Comunitária México tem como objetivos fortalecer os processos regionais e o processo nacional de articulação da plataforma; aprofundar o diálogo, a reflexão e a articulação de ações em torno da Cultura Viva Comunitária e dos usos do espaço social; fortalecer a organização do movimento de Cultura Viva Comunitária em nível nacional e reafirmar seu caráter latino-americano.

Informação, inscrições e programação: http://bit.ly/2f1LGIX

 

Fonte: Plataforma Cultura Viva Comunitaria México

 

Tags | ,

23

Aug
2017

EmNotícias

PorIberCultura

2º Encontro Metropolitano de CVC Jalisco: construindo coletividade e transformando realidades 

Em23, Aug 2017 | EmNotícias | PorIberCultura

Fotos: CVC Jalisco

 

“O que nos motiva a fazer o que fazemos?” “Quais são as barreiras que temos enfrentado em nosso trabalho comunitário?” “Como se tem superado estas barreiras?”

Estas foram algumas das perguntas que guiaram os trabalhos no 2º Encontro Metropolitano de Cultura Viva Comunitária Jalisco 2017, realizado em 29 de julho na colônia Lomas de Polanco, no município de Guadalajara (Jalisco, México). O evento, que teve como anfitriões o Colectivo Cultural Polanco e o coletivo CulturAula Comunidades Aprendiendo, é parte de um dos projetos ganhadores do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes 2016.

 

 

Quarenta pessoas participaram da jornada, que contou com rodas de conversa, oficinas, atividades artísticas e mesas de trabalho para o intercâmbio de experiências, reflexão e debate. Segundo Rocío Orozco, membro do coletivo CulturAula e da Rede de Cultura Viva Comunitária México, buscou-se gerar um espaço para a troca de experiências no trabalho comunitário, aquilo que lhes motiva e os desafios que enfrentam no dia a dia na comunidade.  “Para seguir transformando e sobretudo construindo juntos, consideramos necessário nos conhecer e reconhecer no outro”, ressaltou.

A importância de construir coletividade e “vislumbrar posteriormente uma rede que  possa dar apoio para juntos abordar temas relevantes que correspondam à comunidade mexicana” foi um dos pontos de destaque. Muitos dos participantes também expressaram suas preocupações com a onda de violência e insegurança por que passa o país, levantando como possível solução o trabalho de base através da arte e da cultura.

Gerando vínculos

Entre as oficinas oferecidas havia uma de “vinculação efetiva”, em que os participantes se reuniram em mesas de trabalho para debater sobre como gerar vínculos e trabalhar em rede. No final das sessões de trabalho houve uma festa popular, com a presença de artistas, em que se apresentou o mariachi tradicional Los Choznos e o balé folclórico de Santa Ana. Também foram realizadas atividades para as crianças: uma oficina de percussão e outra de livros artesanais.

“De maneira geral, o encontro cumpriu com os objetivos que havíamos definido, e cuidou especialmente do aspecto humano”, afirmou Rocío. “Tivemos espaços dedicados para nos conhecer e conversar, colocar à disposição o corpo e o coração, acompanhamos os momentos com dinâmicas lúdicas. Com isso, para o 3º Encuentro, esperamos que os participantes dos ciclos anteriores nos acompanhem e se somem à Plataforma Puente de Cultura Viva México.”

Este ciclo de três encontros metropolitanos propostos pela Rede de CVC Jalisco para 2017 tem como objetivo visibilizar e articular as iniciativas de arte, comunicação e educação que trabalham em nível comunitário na área metropolitana de Guadalajara. A intenção é promover atividades que permitam ampliar as relações colaborativas entre as organizações e conscientizar sobre o pensar, fazer e viver o comunitário. O primeiro encontro se deu em 6 de maio, em Santa Ana Tepetitlán (Zapopan). O terceiro está previsto para setembro (a data e o lugar ainda estão por anunciar).

Saiba mais: https://culturavivacomunitaria.org.mx/jalisco

 

https://drive.google.com/file/d/0B5UIvQc1z5dkTFRSNGZLNzRoTUE/view?ts=599bbcf4

Leia também:

Rede de Cultura Viva Comunitária de Jalisco promove o 1º Encontro Metropolitano de 2017

Encontro Metropolitano: os sons e as cores da Cultura Viva em Santa Ana Tepetitlán

O surgimento da plataforma Cultura Viva Comunitária México

Coletivo Cultural Polanco: os sonhos e esforços de um grupo de amigos para transformar a realidade do bairro

Tags |

27

Jun
2017

EmNotícias

PorIberCultura

“Cultura Viva Comunitária e Espaço Público”: um ciclo de diálogos em cidades mexicanas como preparação para o Encontro Nacional

Em27, Jun 2017 | EmNotícias | PorIberCultura

Coletivos sociais, gestores culturais, artistas e vizinhos de diferentes colônias e bairros de Guadalajara (Jalisco, México) se reunirão para dialogar sobre a cultura e a arte que aviva a cidade, nesta quarta-feira 28 de junho, das 19h às 21h, no parque do bairro de Mexicaltzingo. Roberto Guerra, fundador da Escuela de Gestores y Animadores Culturales en Chile (Egac), será um dos convidados do encontros.

Também nesta quarta-feira (28/06), das 11h às 15h, será realizada outra roda de conversa com o tema “Cultura Viva Comunitária e espaço público” na Cidade de México (Colonia Pueblo Axotla). Na quinta e na sexta-feira (29 e 30/06) haverá atividades no centro de Toluca  das 11h às 16h: no dia 29, uma aula aberta com apresentação musical a cargo de Mauricio Curna nos portais da cidade, e no dia 30, mesas de trabalho com artistas e coletivos no Centro Toluqueño de Escritores.

O ciclo de diálogos em diferentes cidades mexicanas foi iniciado nos dias 24 e 25 de junho em Puebla, como uma estratégia para construir a declaração do 1º Encontro Nacional de Cultura Viva Comunitária, a ser realizado em outubro de 2017. Um esboço deste documento deve sair do Colóquio Nacional de Cultura Viva Comunitária e Espaço Público, marcado para 19 de agosto na cidade de Puebla. Em novembro, a declaração será levada para o 3º Congresso Latino-americano de Cultura Viva Comunitária em Quito, Equador.

As rodas de conversa preparatórias do Encontro Nacional são convocadas por organizações vinculadas à plataforma Cultura Viva Comunitária México e estão abertas à participação de pessoas e organizações com experiência de trabalho em espaços públicos a partir da arte, da comunicação e da educação.

Antecedentes

A articulação em torno de uma plataforma de Cultura Viva Comunitária no México começou em fevereiro de 2014 com um encontro de caráter local na cidade de Guadalajara, Jalisco. Em outubro de 2015 houve um segundo encontro em Guadalajara e Tlaquepaque. Em seguida, em San Salvador, El Salvador, a plataforma-puente mexicana se integrou ao Conselho Latino-americano de Cultura Viva Comunitária por meio dos coletivos Altepee (Veracruz) e Abarrotera Mexicana (Jalisco).

Em março de 2016 houve um encontro regional em Acayucan, Veracruz. Sete meses depois, em outubro, se organizou na Cidade de México o Fórum de Políticas Públicas, Direitos Culturais e Cultura Viva, com a participação de organizações sociais, representantes da administração pública e de universidades. Entre janeiro e abril de 2017 ocorreram as primeiras reuniões para a construção de redes de Cultura Viva Comunitária nos estados de Michoacán e Puebla.

Uma série de encontros na área metropolitana de Guadalajara se deu a partir de maio para acrescentar a participação na rede Cultura Viva Comunitária Jalisco. Em junho, um colóquio de políticas culturais na cidade de Orizaba, Veracruz, marcou a primeira atividade da rede de Cultura Viva Comunitária “Recultivar México”. O primeiro encontro de caráter nacional da plataforma, marcado para outubro de 2017 na Cidade do México, foi um dos projetos ganhadores do Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes 2016.

Os pré-encontros começaram em Puebla nos dias 24 e 25 de junho e seguem até 19 de agosto (Fotos: CVC México)

Trabalho colaborativo

A plataforma-puente Cultura Viva Comunitária México é uma iniciativa que busca a visibilidade, a articulação e o fortalecimento de organizações que se identificam com o movimento no México. A plataforma facilita diálogos, encontros e colaborações, graças à solidariedade e ao trabalho de organizações de diferentes cidades do país que formam seu núcleo dinamizador e suas comissões de trabalho.

Ao eleger o tema dos espaços públicos como eixo das atividades em 2017, as organizações procuram chamar a atenção não somente para a importância da convivência, da inclusão e da apropriação dos espaços, mas também para uma série de processos de violência e exclusão observados em diferentes cidades do país. Como o trabalho em espaços públicos é um fator comum para muitas das organizações que fazem parte da plataforma, o ciclo de diálogos resulta como uma oportunidade de trocar olhares, experiências e estratégias de intervenção.

 

Saiba mais: www.culturavivacomunitaria.org.mx

Metodologia dos pré-encontros: http://bit.ly/2riuobs

Calendário em detalhe: http://bit.ly/2rpls40

Tags |

21

Jun
2017

EmNotícias

PorIberCultura

Estão abertas as inscrições para a convocatória “Fomento a Proyectos y Coinversiones Culturales 2017”, no México

Em21, Jun 2017 | EmNotícias | PorIberCultura

A Secretaria de Cultura do México, por meio do Fondo Nacional para la Cultura y las Artes (FONCA), lançou nesta terça-feira, 20 de junho, a convocatória “Fomento a Proyectos y Coinversiones Culturales 2017”. Além de ampliar algumas áreas e especialidades, incluindo por exemplo o teatro comunitário e as novas tecnologias, o FONCA este ano oferece três modalidades de financiamento, com montantes de até 250 mil, 500 mil ou 750 mil pesos.

Podem participar de forma grupal ou individual aqueles que apresentem projetos a serem desenvolvidos no país em um máximo de 12 meses, nas seguintes áreas: espaços culturais independentes, arquitetura, artes visuais, dança, estudos culturais, interdisciplina, letras, letras em línguas indígenas, meios audiovisuais, música, projetos para crianças e jovens e teatro.

O objetivo do edital é apoiar a iniciativa de criadores, intérpretes, pesquisadores, gestores, promotores, educadores, curadores, agrupações, espaços culturais independentes, entre outros, para realizar projetos artísticos e culturais. O prazo de inscrições termina em agosto.

Formas de apoio

São duas as modalidades de financiamento: fomento, de até 250 mil pesos, e “coinvestimento”, com um montante de até 500 mil pesos, e um novo apoio de até 750 mil pesos, para pessoas jurídicas que tenham pelo menos cinco anos de trajetória e desenvolvam projetos relacionados com a) espaços culturais independentes; b) centros de ensino ou atividades de formação ou capacitação; c) produção editorial, de rádio e documentários; e d) festivais, mostras ou encontros.

Entre as áreas que foram ampliadas está a de espaços culturais independentes, agora dividida em três partes: “fóruns e salas de artes cênicas”; “centros culturais multidisciplinares” e “galerias de arte”. Letras em línguas indígenas, por sua vez, conta com as especialidades de conto, ensaio, novela, poesia, animação e incentivo à leitura.

Em dança, estudos culturais, meios audiovisuais e teatro foram adicionadas as seguintes especialidades, respectivamente: dança comunitária e videodança; formação de públicos e pedagogia cultural; novas tecnologias; teatro comunitário, de rua, cabaré e teatro de bonecos. Os projetos para crianças e adolescentes devem atender ao público de até 17 anos.

Prazo de inscrição

Os interessados devem fazer a inscrição no site foncaenlinea.cultura.gob.mx.  As bases de participação se encerram de acordo com a especialidade, nas seguintes datas: em 1º de agosto, dança, estudos culturais, letras, letras em línguas indígenas e projetos para crianças e jovens; em 15 de agosto, arquitetura, interdisciplina, música e teatro; e em 29 de agosto, artes visuais, espaços culturais independentes e meios audiovisuais.

Os resultados serão divulgados em 9 de janeiro de 2018 (na página web http://fonca.cultura.gob.mx) e os apoios começaram em março. Mais informações pelo telefone (55) 4155 0730, ramais 7010 e 7011, ou pelo correio convocatoriafyc@cultura.gob.mx. O horário de atendimento ao público é das 10h às 14h (horário da Cidade do México), de segunda a sexta-feira.

 

Leia também:

Amplía el FONCA apoyos para la convocatoria de Fomento a Proyectos y Coinversiones Culturales 2017

Tags | ,