Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

Experiências

Altepee: a música de cordas como ponte entre realidades comuns e miradas diversasAltepee: a música de cordas como ponte entre realidades comuns e miradas diversasAltepee: a música de cordas como ponte entre realidades comuns e miradas diversas

Por IberCultura

Em20, May 2016 | Em | PorIberCultura

Altepee: a música de cordas como ponte entre realidades comuns e miradas diversas

altepee-4No princípio, o que fazia com que um grupo de jovens de Veracruz, México, se juntasse em torno de suas jaranas (instrumento de corda parecido com um violão) era a amizade e o gosto por tocar. Pouco a pouco eles foram se dando conta de que a tradição do fandango (festa que reúne músicos e sapateadores ao redor da tarima) era uma forma natural de se organizar, que os aproximava das comunidades e do conhecimento de seus avós. Nascia então o Colectivo Altepee Son.

O músico Sael Blanco, um dos fundadores, conta que a maioria dos que iniciaram o coletivo há sete anos se conheceu na universidade e por causa dos huapangos (fandangos), as festas onde tocam esta música de cordas oriunda dos povos originários. “Todos somos de comunidades do sul de nosso estado, que é rico em biodiversidade e assuntos culturais, mas também é um dos que recebem menos atenção por parte do Estado e onde há alguns anos começou a surgir uma violência perpetuada pelo crime organizado”, afirma.

Ao ver e viver tudo isso em suas comunidades, Sael e os amigos decidiram fazer algo por meio da música. “Tivemos que deixar a universidade e passamos a trabalhar com a música, que nesses momentos te cura do temor que te imobiliza. Começamos a nos dar conta de que, por medo, pouco a pouco as pessoas deixavam de falar ou de sair de suas casas, os jovens viam como melhor opção entrar para o crime organizado que para outro tipo de trabalho (também escasso)”, comenta.

Encontro de gerações

altepee-13A música de cordas do sul de Veracruz, que ao longo de 300 anos vem sendo transmitida de geração em geração, tem sido uma importante ferramenta de unificação social para o Altepee, já que permite a interação entre gerações – os jovens interessados em aprender a música e os mais velhos, que vêm sabendo conservá-la, e dos quais aprendem também uma série de valores e aptidões que lhes permitem se aproximar de sua identidade, conhecê-la e defendê-la.

“Nos pareceu necessário começar a ocupar diferentes ferramentas para poder preservar esse conhecimento há muito desvalorizado e que, por nossa experiência de vida, entendíamos que nos faz falta. Assim, começamos a documentar em vídeo e áudio, o que depois serviu para que mais companheiros que chegavam às oficinas pudessem se integrar ao trabalho do coletivo”, diz Sael.

altepee-acayucan-veracruz

Além de contar com uma “disquera” que lhes permite gravar os músicos das comunidades, os integrantes de Altepee fazem um programa de rádio todas as quartas-feiras, oferecem uma pequena oficina de serigrafia e outra de artesanato. Também têm uma produção de jaranas, sabões artesanais, medicina natural e chocolates, vendidos em uma lojinha administrada por eles mesmos. Alguns companheiros se dedicam à agricultura. “Na realidade, a documentação é uma forma de levar a mais pessoas uma visão diferente de vida, que possa ser mais equilibrada com a natureza, entendendo que nós somos parte dela, que, como mostram nossos avós, é parte de nossa identidade.”

 

Construindo sonhos

No começo eram cinco pessoas. Agora são 20, com o respaldo de muitas comunidades, o que lhes permite seguir sonhando e construindo esses sonhos. “Dia a dia vamos vendo os resultados de nosso trabalho. Estamos vivos, seguimos trabalhando e nosso trabalho permite que outros possam também sonhar”, ressalta.

“E nesta ideia de sonhar e seguir fazendo, nos damos conta de que é importante cada experiência assim, pois ainda que nós e muitos mais estejamos trabalhando nessa mudança de nossas más realidades, enquanto o mundo seguir por esse caminho que leva ao abismo, a destruição, todas essas experiências de vida estão em risco. Daí a importância de se juntar, conhecer e construir em rede. Ainda que isso seja bastante difícil, ainda mais num país como o nosso, que é bastante grande em território e bem diferente.”

altepee-16

O movimento de CVC

altepee-3Altepee é uma das 14 organizações que fazem parte da plataforma Cultura Viva Comunitária México, criada em 2015. Sael conta que no começo da história do coletivo eles fizeram uma viagem a Guatemala, onde conheceram os companheiros de Caja Lúdica. Depois, convidado para participar de um evento chamado Juntos, soube da existência do movimento de Cultura Viva Comunitária e do trabalho feito pela Red Maraca. “Me pareceu bastante boa a forma de trabalhar a rede, experiência que no México não conhecia. Me pareceu interessante a forma tão fraternal com que as organizações se vêm e o trabalho com alegria, que é algo muito importante, também compartilhado pelo coletivo”.

Segundo ele, isso trouxe o interesse para que no México se conhecesse e construísse esse espaço de diálogo e construção, não apenas com as pessoas do país, mas com todos os mesoamericanos. A primeira reunião com vistas à criação de uma rede de CVC no México se deu em fevereiro de 2014. Em outubro de 2015, depois de muita busca e diálogo, as 14 organizações finalmente criaram a plataforma Cultura Viva Comunitária México.

encuentro acayucan, cierre 1

Em março passado, elas participaram do III Encontro de Cultura Viva Comunitária México, organizado pelo Colectivo Altepee no município de Acayucan, Veracruz. Durante cinco dias, as companheiros e os companheiros que chegaram ao encontro puderam compartilhar suas metodologias com outros coletivos e depois colocá-los em prática na comunidade, deixando  várias iniciativas já em ação.

Pelas características da região e o momento político, ao coletivo parecia importante que o encontro em Acayucan se construísse com o que – e com quem – contavam. “Isso também é uma maneira de mostrar como trabalhamos, que permite nos conhecer melhor”, comenta Sael. “Para nós é muito importante que os recursos monetários não sejam uma barreira para que possamos nos juntar e nos conhecer”.

Saiba mais:

http://colectivoaltepee.blogspot.com.br

https://altepee.bandcamp.com

www.facebook.com/altepees