Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.

Arquivos governos locais - IberCultura Viva

10

nov
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Representantes de Guadalajara fazem visita de estudo à Argentina para conhecer o programa Pontos de Cultura

Em 10, nov 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

.

Nesta quinta-feira, 9 de novembro, teve início a visita de estudo da Direção de Cultura de Guadalajara/ Pontos de Cultura de Guadalajara a Buenos Aires, Argentina, para celebrar a atividade “Articulações Estado-Sociedade Civil, um caminho possível”, que se realizará até segunda-feira, 13 de novembro, no âmbito da Iniciativa de Cooperação Triangular “Estratégias culturais para a participação cidadã”.

Esta iniciativa tem como entidades beneficiárias a Direção de Cultura de Guadalajara e a Secretaria de Cultura, Recreação e Esportes de Bogotá (Colômbia). Tanto Bogotá quanto Guadalajara são municípios membros da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais.

Participam desta visita sete pessoas de Guadalajara: o chefe da Unidade de Cidadania da Direção de Cultura, a coordenadora de Cultura Comunitária, quatro representantes de Pontos de Cultura e um representante da Universidade de Guadalajara.

.

A primeira sessão da delegação mexicana na cidade de Buenos Aires começou com uma apresentação das jornadas de trabalho, seguida de uma visita guiada ao Centro Cultural Kirchner e uma apresentação do Programa de Pontos de Cultura Argentina e seus resultados.

O objetivo desta atividade é conhecer a experiência desenvolvida pelo programa Pontos de Cultura da Argentina durante seus 12 anos de existência, seus modelos de intervenção e relacionamento com as organizações da sociedade civil, assim como o instrumento de elaboração, acompanhamento e avaliação da política.

Este primeiro dia contou com a presença de Federico Prieto, secretário de Gestão Cultural do Ministério da Cultura da Argentina e vice-presidente do IberCultura Viva; de Diego Benhabib, coordenador de Pontos de Cultura e representante da Argentina no IberCultura Viva; de Julia Houllé, diretora de Planejamento e Acompanhamento de Gestão do Ministério de Cultura da Nação, e de Gaby Yauza, subsecretária de Cultura da província de Santiago del Estero, que faz parte da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais.

Esta é a quinta das sete atividades que estão previstas para ocorrer até março de 2024 na iniciativa “Estratégias culturais para a participação cidadã”, que se realiza no âmbito da Ventana Adelante 2023. Laura Cabral, da equipe do programa Adelante da União Europeia, acompanha a visita.

.

Atividades híbridas

Nesta visita da delegação mexicana a Buenos Aires, as pessoas de Bogotá envolvidas neste projeto participam virtualmente de algumas das atividades que são transmitidas no canal IberCultura Viva no YouTube. Num dos encontros que se realizaram nesta quinta-feira, com a apresentação do programa IberCultura Viva e da Rede de Cidades e Governos Locais, 12 pessoas participaram virtualmente. Entre elas, Viviana Ramírez, representante da Secretaria de Cultura, Recreação e Esportes de Bogotá na rede.

Outras atividades híbridas (virtuais/presenciais) estão programadas para segunda-feira, 13 de novembro: a reunião com o Instituto Argentino para a Promoção da Cultura Viva Comunitária; o encontro com representantes da Comissão Nacional de Pontos de Cultura e o encerramento com apresentação do livro do historiador e escritor brasileiro Célio Turino que teve tradução para o espanhol realizada com o apoio do IberCultura Viva. A edição em espanhol do livro “Por todos os caminhos: Pontos de Cultura na América Latina” foi publicada em formato digital, com download gratuito.

.

Visitas a Pontos de Cultura

A programação também inclui passeios às comunidades e visitas a três Pontos de Cultura. Nesta sexta-feira, 10 de novembro, a visita foi à sede da Asociación de Mujeres La Colmena – FM Reconquista, em José León Suárez, San Martín (província de Buenos Aires). Para sábado está programada uma visita ao Grupo de Teatro Comunitário Catalinas Sur, no bairro La Boca, e no domingo, dia 12, uma visita à Cooperativa Laboratório Comunitário Audiovisual, em Villa Ortúzar, cidade de Buenos Aires.

As entidades ofertantes da iniciativa “Estratégias culturais para a participação cidadã” são o Ministério da Cultura da Argentina (por meio da Secretaria de Gestão Cultural), a Fundação Casa de Rui Barbosa (vinculada ao Ministério da Cultura do Brasil) e a Secretaria Geral Ibero-americana (SEGIB)/Programa IberCultura Viva.

.

Saiba mais sobre este projeto em: https://bit.ly/3QUQ8Io

📌A transmissão de atividades do primeiro dia está disponível no canal do IberCultura Viva no YouTube: https://www.youtube.com/live/ffKeXhvNTck?si=yQVf7m7w1fjxkKRh

.

Tags | , , ,

25

set
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Governo de Tabasco realizará o 1º Encontro do Patrimônio Cultural Imaterial da Região Sul-Sudeste do México

Em 25, set 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

O que é patrimônio cultural imaterial? Porque é importante? Qual a importância deste património no cotidiano? São muitas as perguntas que têm sido feitas nos últimos anos nas comunidades de Tabasco (México), no trabalho que o governo do estado tem desenvolvido com as prefeituras dos 17 municípios para a identificação e registro de manifestações do PCI. Para compartilhar as experiências e resultados alcançados neste caminho, a Secretaria de Cultura do Estado de Tabasco realizará o 1º Encontro de Patrimônio Cultural Imaterial da Região Sul-Sudeste do México nos dias 28 e 29 de setembro, em Villahermosa.

A iniciativa conta com o apoio da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais, da Secretaria de Cultura do Governo do México (através da Direção Geral de Vínculação Cultural e da Direção Geral de Culturas Populares Indígenas e Urbanas), do Instituto Nacional Instituto de Antropologia e História (INAH) e a Representação da UNESCO no México.

Ao longo dos dois dias de atividades serão abordados diversos temas associados ao patrimônio cultural imaterial, como salvaguarda, metodologias de planos de salvaguarda e políticas públicas vinculadas ao PCI nos estados da região Sul-Sudeste do México (Tabasco, Oaxaca, Guerrero, Campeche, Quintana Roo, Yucatán, Chiapas) e na região ibero-americana, bem como experiências de gestão comunitária.

A programação inclui conferências, oficinas, painéis, mesas de diálogo, visita aos Pântanos Centla, degustação de gastronomia tradicional, apresentação do Laboratório de Teatro Campesino e Indígena de Tabasco e reunião do Comitê Regional de Cultura Sul-Sudeste. Está também prevista uma conversa com organizações culturais comunitárias da região, com o objetivo de criar um espaço de troca de experiências, em que as pessoas se reconheçam como portadoras e gestoras do património a partir do seu trabalho cultural.

Com este encontro, a Secretaria de Cultura de Tabasco procura promover o fortalecimento das capacidades institucionais em termos de salvaguarda do PCI, bem como definir o papel dos governos como agentes que geram as condições e acompanham as ações que as comunidades decidem realizar para a salvaguarda de seu patrimônio. A iniciativa de Tabasco junta-se às ações do vigésimo aniversário da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adotada em 17 de outubro de 2003, durante a 32ª sessão da Conferência Geral da UNESCO.

.

Programação

A cerimônia de abertura será ao meio-dia de quinta-feira, dia 28, na Sala de Arte Antonio Ocampo Ramírez, seguida da apresentação do Inventário PCI de Tabasco, por Elisabeth Casanova, diretora de Culturas Populares e Indígenas da Secretaria de Cultura do Governo de Tabasco .

Esther Hernández Torres, diretora geral de Vínculação Cultural da Secretaria de Cultura do Governo do México e presidenta do Conselho Intergovernamental IberCultura Viva, estará presente na cerimônia de abertura e será a moderadora do painel “Experiências na gestão do PCI nos estados da Região Sul-Sudeste”, que acontecerá a partir das 17h, no Planetário Tabasco 2000.

Carlos Portilla Reyes, coordenador de Educação, Cultura e Esportes do município de Tempoal de Sanchez (Veracruz), um dos membros da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais, será o responsável pela oficina “Defesa e promoção comunitária dos patrimônios culturais” (quinta-feira, dia 28, das 15h00 às 19h00, na Sala de Arte Antonio Ocampo Ramírez) e a oficina “Património cultural e arte popular, defesa e promoção” (sexta-feira, 9: 00h00, às 12h30, no Palco María Alicia Martínez).

A gestora cultural Vanessa Biasetti Vargas, coordenadora de Becas Taller, um dos fundos concursáveis da Diretoria de Gestão Sociocultural do Ministério da Cultura e Juventude da Costa Rica, apresentará a palestra “Fundo Becas Taller para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial” (dia 28, às 19h15, na Sala de Arte Antonio Ocampo Ramírez).

Antes do encerramento do evento, no Planetário Tabasco 2000, está prevista a leitura e assinatura da Declaração Conjunta sobre Compromissos de Políticas Públicas para a Proteção Regional do Patrimônio Cultural Imaterial.

Confira a programação completa

.

Apoios

O apoio do programa IberCultura Viva ao evento foi discutido na última reunião da Rede de Cidades e Governos Locais, no dia 8 de agosto, quando Elisabeth Casanova apresentou a proposta. “Ao trabalhar em conjunto com as comunidades, percebemos que tínhamos algumas necessidades, como partilhar o que fizemos que deu resultados, e aprender com o que outras cidades, outras organizações, outros governos, têm feito em torno deste assunto e trocar. E também socializar entre outras áreas, como o meio acadêmico e a população em geral”, afirmou a representante da Secretaria de Cultura de Tabasco.

Neste encontro por videoconferência foi proposto o apoio da rede para a realização de uma oficina com um especialista na temática do património, além de gastos com traslados e diárias de conferencistas e coffee break. Além disso, os/as representantes dos países membros do programa foram convidados a indicar um especialista no tema para uma palestra durante o evento (daí a participação de Vanessa Biasetti).

Manuel Trujillo, representante técnico da presidência do programa, também destacou na ocasião que o Governo do México utilizará os recursos de formação disponíveis no Fundo IberCultura Viva para apoiar a participação de organizações comunitárias da região nas atividades que acontecerão nestes dois dias.

Tags | , , , ,

31

mar
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Novos integrantes da Rede de Cidades e Governos Locais se reúnem para conhecer o programa e as atividades propostas para 2023

Em 31, mar 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

Nesta quinta-feira, 30 de março, representantes de municípios que aderiram recentemente à Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais participaram de uma reunião com a secretária da Unidade Técnica do IberCultura Viva, Flor Minici; o vice-presidente do Conselho Intergovernamental, Federico Prieto, e o representante da presidência do programa, Manuel Trujillo.

 Este encontro por videoconferência, que contou com a presença de 32 pessoas, foi organizado com o intuito de informar sobre o funcionamento da rede e as propostas de atividades para este ano, a fim de gerar um espaço de diálogo e intercâmbio entre os governos locais participantes. Também foram convidados representantes de municípios que estão em processo de adesão à rede.

Marianela Riquelme Aguilar, chefe do Departamento de Cidadania Cultural do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile (e representante do país no Conselho Intergovernamental do IberCultura Viva), iniciou o encontro agradecendo “aos municípios que aceitaram fazer parte desta rede e se disponibilizaram a fazer esse intercâmbio”, assim como à equipe do programa Red Cultura, que atende redes locais em seu país.

No segundo semestre de 2022, nove municípios chilenos aderiram à Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais. Algumas delas, como Concepción, La Unión, Puqueldón e Quilaco, estiveram representadas neste encontro virtual, que também contou com funcionárias que compõem as equipes de Red Cultura nas regiões de Biobío, Los Lagos e Araucanía, e um representante da comuna de Alto Biobio, que está em processo de adesão. Das 32 pessoas que participaram do encontro, 12 eram do Chile.

Além dos chilenos, estiveram presentes representantes de governos locais que também aderiram à rede em 2022, como Lima (Peru), Guadalajara (México) e a província de Santiago del Estero (Argentina), e outros que fazem parte dessa instância há mais tempo, como Alajuelita (Costa Rica), Marcos Juárez (Argentina), São Leopoldo (Brasil) e o estado de Tabasco (México). Entre os que participaram como ouvintes, interessados ​​em ingressar, estavam representantes de Bogotá (Colômbia), Pujili e Tena (Equador) e do estado de Quintana Roo (México).

.

Construção cidadã

Em seu discurso, o vice-presidente do IberCultura Viva, o argentino Federico Prieto, comentou que há 11 meses assumiu o cargo de secretário de Gestão Cultural do Ministério da Cultura da Nação e que antes disso participava da rede em nome da Secretaria da Cultura da província de Entre Ríos. “Com outros participantes, conseguimos dar uma certa organização à rede, dividindo os governos locais em comissões para um trabalho mais contínuo e dinâmico”, observou Prieto, que foi membro da Comissão de Articulação da rede, e que antes vinha de trabalhar em uma organização comunitária.

“Muitos dos que hoje são representantes do governo local nesta rede vêm da participação em organizações culturais comunitárias. Este não é um fato menor porque significa também que a cultura comunitária incide nas questões políticas”, afirmou, incentivando a todos para que coloquem a sua energia e o seu tempo “a favor de trabalhar em projetos comuns que sirvam na construção da cidadania, na descolonização, algo que nosso continente precisa para alcançar uma boa vida e um bem comum”.

Sobre a descolonização, um dos conceitos que se trabalha quando se pensa em cultura comunitária, Federico Prieto explicou que existe uma dissociação entre o que somos em termos de identidade e o que podemos ser. “É preciso buscar processos que permitam pensar de forma coerente o lugar e o ambiente. Isso é descolonização. Isso nos permitirá ter uma vida boa, (…) objetivar um bem comum para a sociedade em que vivemos. Esse bem comum nos permitirá desenvolver uma harmonia mais ampla com a natureza, com a comunidade da qual participamos”.

Ao convidar os/as participantes a pensar sobre quais meios utilizar a partir das políticas públicas locais para influenciar esses conceitos de cultura viva em comunidade, o vice-presidente do IberCultura Viva destacou que os governos locais são a primeira trincheira no trabalho com os territórios. “Aí também nos influencia, como países, a poder aplicar melhores políticas públicas e melhores níveis de cooperação com outros países”, afirmou. “Aproveite esta instância, este conhecimento, para – a partir de seus lugares – poder transformar as realidades dos povos, dos territórios, rumo à construção de um mundo melhor.”

.

Uma dialética necessária

Após a apresentação de Prieto sobre a rede e o espírito do IberCultura Viva, Flor Minici lembrou que tanto ele quanto Marianela Riquelme e outros REPPIs (representantes de países ante o programa) vêm de extensas trajetórias enraizadas na territorialidade. “Essa dialética necessária entre o Estado e o território, o Estado e as organizações, o Estado e os problemas que estão na superfície nos países de nossa região e outras latitudes, faz a diferença na gestão e na hora de propor âmbitos como este”, afirmou.

A secretária técnica também mencionou os “reordenamentos” que o programa teve em 2022 e a participação da Rede de Cidades e Governos Locais no 5º Congresso Latino-Americano de Cultura Viva Comunitária, que aconteceu no Peru de 8 a 15 de outubro. “A rede teve um bom ano e conseguiu realizar uma atividade concreta no marco deste encontro tão amplo, tão diverso, cheio de riquezas, contradições, discussões e diferentes realidades”, comentou Minici.

No âmbito do 5º Congresso, a rede realizou a reunião inaugural do Ciclo de Vídeo Diálogos e Laboratório “Direitos Culturais e Cultura Viva”. Esta atividade da Comissão de Formação, originalmente proposta pelos governos de Niterói (Brasil) e San Luis Potosí (México), foi concebida como um espaço de construção participativa e intersetorial para imaginar coletivamente o que poderia ser um novo programa de formação e pesquisa do IberCultura Viva.

O início do Ciclo de Vídeo Diálogos foi possível graças ao orçamento disponibilizado à rede no Plano Operativo Anual do IberCultura Viva. Na reunião, Flor Minici explicou que este orçamento é atribuído por aprovação do Conselho Intergovernamental (composto pelos 12 países membros), e que no ano passado a rede conseguiu executá-lo a 100%, “o que mostra que esteve ativa, realizou atividades, comprometeu-se”.

.

Comissões de trabalho

A secretária técnica destacou ainda a organização interna, com comissões de trabalho às quais os membros se incorporam para levar a cabo diversas iniciativas, somar-se a atividades que outros governos locais propõem, conhecer-se, articular-se, trocar experiências, inclusive na construção de marcos jurídicos, de leis de cultura.

“A rede é um espaço onde vocês poderão encontrar diferentes experiências para se basear, intercambiar materiais e atividades”, comentou. “Sugiro que aproveitem para começar a tecer relações, que vamos acompanhar desde a Unidade Técnica, mas isso requer uma participação ativa, porque são vocês que representam a rede e que devem conduzir e assumir esta rede como seu próprio espaço para implantar suas iniciativas”.

Minici esclareceu que não é obrigatório que os governos locais façam contribuições financeiras para fazer parte desta rede, mas é necessário que eles possam realizar pelo menos duas atividades ao longo do ano, vinculadas à rede. “Isto pode implicar a adesão a algumas das atividades que já estão propostas, ou no âmbito dos seus municípios construir alguma atividade que julgue relacionada com o tema e articulada com a rede, para que seja orgânica tanto a dinâmica dos processos locais de vocês como a dinâmica da rede”.

Luisa Velásquez, atualmente representante de Guadalajara, também reforçou que a rede é “muito jovem” (foi formalizada em 2019 e teve seus estatutos criados em 2021) e que é importante voltar à questão das comissões agora que alguns governos estão se somando. De acordo com os estatutos aprovados em julho de 2021, durante o 2º Encontro Cultura Comunitária Viva em Cidades e Governos Locais que aconteceu em Zapopan (Jalisco, México), a rede se organiza em quatro comissões de trabalho (Articulação, Sistematização, Comunicação e Formação) e toma suas decisões a partir das reuniões de seus membros.

.

Governos convidados

Após convocar os novos integrantes para integrarem esses grupos de trabalho, a secretária técnica do IberCultura Viva convidou os “ouvintes” a se apresentarem e comentarem sobre o interesse em ingressar na rede.

Marcela Ramirez, da equipe de Relações Internacionais e Cooperação da Secretaria de Cultura de Bogotá, foi a primeira a falar, comentando que a capital colombiana está finalizando sua adesão à rede. “Isso nos parece importante porque esta plataforma nos permitirá trocar conhecimentos e experiências em torno do propósito de garantir os direitos culturais para todos e, como disse o colega da Argentina, ter um bem viver e garantir um bem comum”, afirmou, citando o que Federico Prieto havia dito anteriormente.

Viviana Ramirez, da equipe técnica que acompanhará esta rede em nome da Direção de Assuntos Locais e Participação da Secretaria de Cultura de Bogotá, também citou um projeto realizado com Guadalajara em 2022, para a construção de uma rede com grupos desta cidade e comunidades de Bogotá. “A aposta que temos ao nos vincular nesta rede é continuar esses esforços iniciais que geramos com Guadalajara e ampliá-los, buscando transmitir esse conhecimento sobre as tarefas técnicas e metodológicas que as organizações dessas regiões têm”, acrescentou. Além de Marcela e Viviana, Bogotá foi representada no encontro por Hugo Cortés.

Do Equador, Javier Jami mencionou o trabalho que vêm realizando desde as comunidades, desde o povo panzaleo, na província de Cotopaxi. “Nosso interesse é que nossos povos e nacionalidades possam se integrar ativamente à Rede de Governos Locais para buscar a integração, especialmente dos setores rurais, em programas culturais de base comunitária”, afirmou. Os outros equatorianos que participaram da reunião foram Fernando Espinoza Jarrín, Santiago Buitron Chávez e Danny Salazar, representando os cantões de Tena e Pujili (províncias de Napo e Cotopaxi, respectivamente).

Entre os recém-chegados que pediram a palavra, Jaime Haro, responsável pelo Departamento de Cultura do Município de Puqueldón (Chile), expressou seu contentamento em realizar um intercâmbio na América Latina, principalmente por estar em uma comuna rural, localizada na Isla de Lemuy, uma das 42 ilhas do Arquipélago de Chiloé. O convite para Puqueldón ingressar na rede partiu de Cristina Sánchez, responsável pelo programa Red Cultura na região de Los Lagos, também presente no encontro.

Fernando Acuña, representante de Alto Biobío (Chile), que está prestes a concluir sua incorporação à rede, também expressou seu entusiasmo por ingressar nesta instância. “Estamos na comunidade indígena Pewenche de Alto Biobío, uma associação territorial de 13 comunidades indígenas, e muito felizes de pertencer a esta rede. Faz muito sentido para mim o que Federico Prieto disse ao apontar a descolonização como uma das principais tarefas dessa rede, pois é justamente aquilo que acreditamos como cultura viva, uma cultura que descoloniza nosso território, nossos corações e nossas mentes”, concluiu.

Em seu discurso, Sandra Scotto anunciou sua saída do programa Cultura Viva Comunitária da Prefeitura de Lima, após quatro anos na equipe, e aproveitou para se despedir e agradecer pelo trabalho conjunto. Em seguida, Elisabeth Casanova comentou sobre a intenção de realizar um encontro internacional sobre patrimônio cultural imaterial no estado de Tabasco. “Fizemos algumas propostas e seria bom que outros governos locais se juntassem, se pudéssemos estabelecer algum tipo de participação de alguma forma, presencial ou remotamente, principalmente enriquecendo esta proposta com a experiência das outras cidades do rede”, acrescentou.

Sofía Ochoa, por sua vez, disse que está à frente de um projeto em Quintana Roo chamado Faro e que se inspira em um projeto de mesmo nome na Cidade do México. “Quintana Roo é um estado eminentemente turístico, um turismo explorador. O que buscamos com esse projeto é fazer uma espécie de contrapeso a isso, através da cultura comunitária, da busca de identidade, do artesanato, do ensino, ser um espaço cultural. Estou aqui como ouvinte, procurando Quintana Roo para entrar na rede porque queremos outro tipo de presença internacional”, disse.

.

Atividades de articulação

Manuel Trujillo, representante da presidência do IberCultura Viva, lembrou que quando um governo adere à rede, compromete-se a realizar duas atividades com uma perspectiva comunitária, com orçamento próprio, mas em coordenação com a rede. “Pode ser um projeto que dialoga com uma comissão, pode ser um encontro com organizações, um processo de formação de organizações, uma série de seminários”, comentou, citando como exemplos o 2º Encontro de Cultura Comunitária Viva nas Cidades e Governos Locais, promovido em Zapopan, e os processos de construção participativa das Cartas de Direitos Culturais desenvolvidos pelos governos de San Luis Potosí e Niterói, e que agora também inspiram o município de Concepción. “É um bom momento para começar a gerar essas sinergias na rede, para começar a gerar possíveis processos de formação”, acrescentou.

Ao apresentar as duas propostas da Comissão de Formação para este ano, Luisa Velásquez deu como antecedente o que aconteceu durante o 5º Congresso Latino-Americano de CVC, em outubro de 2022, quando as representantes da Rede de Cidades e Governos Locais tiveram algumas sessões de trabalho e constataram algumas dificuldades no diálogo com organizações de base.

“Durante o congresso no Peru, percebemos que falta formação para a incidência política entre os ativistas do movimento latino-americano de CVC. As causas podem ser muitas, inclusive geracionais. Vimos que muitos não têm a memória histórica de que o programa IberCultura Viva é uma conquista e responde às demandas das organizações para criar um programa de cooperação que fortaleça tanto as políticas culturais de base comunitária quanto as próprias organizações”, comentou a representante de Guadalajara .

Com a missão de buscar alternativas para superar essa ausência, a comissão elaborou uma proposta de formação de atores sociopolíticos. A iniciativa, apresentada pela Direção de Cultura de Guadalajara, visa criar espaços de formação e análise em organizações culturais comunitárias para a criação de estratégias de incidência política para o exercício dos direitos culturais, além de fortalecer a articulação entre os atores da Rede das Cidades e organizações de base comunitária.

Este espaço formativo acontecerá de 7 a 11 de agosto na Casa de Encontro para los Diálogos y Saberes, em Guadalajara, e a ideia é poder receber no município 40 agentes culturais comunitários da América Latina. Para isso, a solicitação específica é que parte do orçamento da Rede de Cidades e Governos Locais seja destinada ao custeio das despesas com alimentação e serviço de coffee break do evento. Espera-se também a colaboração de governos locais ou ministérios da Cultura que tenham apoios de mobilidade e possam facilitar o traslado de agentes e/ou funcionários culturais. A Direção de Cultura de Guadalajara se encarregará da hospedagem.

.

3º Congresso Mesoamericano

A outra atividade proposta pela Comissão de Formação a ser realizada este ano é a participação da Rede de Cidades e Governos Locais no 3º Congresso de Culturas Vivas Comunitárias da Mesoamérica e do Caribe, que será realizado em Matanzas, Cuba, de 28 de junho a 3 de julho. O evento é promovido pela Rede de Culturas Vivas Comunitárias da Mesoamérica e do Caribe (Red MECA) e tem na sua programação sessões de trabalho em 10 círculos da palavra, uma assembleia, oficinas e apresentações artísticas.

“Cuba está organizando esse processo a partir de sua visão, de seu tipo de produção. É um grande aprendizado como as organizações culturais comunitárias e o governo trabalham na construção de processos, em articulação”, destacou a costarriquenha Tania Alvarez, integrante do movimento meso-americano de CVC e representante do cantão de Alajuelita na Rede de Cidades e Governos locais.

A organização do 3º Congresso Mesoamericano tem agendada uma importante participação da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais, a quem cedeu quatro espaços de trabalho. “O que temos que fazer é trabalhar as metodologias de troca de experiências, treinamentos e apresentações, para gerar programação para os funcionários públicos no âmbito do congresso. Um dos pedidos concretos à rede é que parte do seu orçamento seja destinado à mobilidade de alguns referentes para que possam participar presencialmente no congresso”, esclareceu Luisa Velásquez, destacando que algo semelhante foi feito há dois anos, no Zapopan .

Após as apresentações das duas propostas de atividades para 2023, Flor Minici propôs que a Comissão de Formação se reunisse nos dias seguintes para apresentar uma proposta final, com orçamentos, a ser aprovada pela Rede de Cidades e Governos Locais e pelo Conselho Intergovernamental. Além disso, recomendou que os novos membros ingressem nas comissões, inclusive na Comissão de Comunicação, pensando em como podem contribuir com esta iniciativa para ampliá-la e enriquecê-la.

Gaby Yauza, de Santiago del Estero, a quem a secretária técnica citou como um nome que poderia “assumir a batuta” da Comissão de Comunicação (ela é jornalista), também manifestou interesse em integrar a Comissão de Sistematização. “O trabalho que é feito por governos ou organizações carece da sistematização com uma visão política profunda e ordenada, para contar um pouco do que temos feito”, justificou Yauza. Em resposta à companheira argentina, Flor Minici disse que “o que tem a ver com a construção do ambiente de comunicação deve incorporar também a sistematização, porque não se trata apenas de divulgar as coisas, mas de produzir conhecimento”.

 “A rede, nas suas diferentes comissões, tem um funcionamento orgânico, holístico, (…) e volto a dizer que se trata de espaço jovem que tem os seus prós e os seus contras. Mais prós do que contras, porque há muito terreno fértil para construir nesta rede. Decidiu-se fazer um estatuto, algumas comissões, mas é um processo dinâmico. Quando este ano acabar, a rede terá que fazer um balanço do que foi feito, ver o que funciona, o que não funciona. Se na prática houver comissões que talvez possam ser unificadas, veremos. O poder real em relação ao concreto da dinâmica de funcionamento da rede é de vocês”, finalizou Minici.

.

Experiência de intercâmbio

Nos minutos finais, Luisa Velásquez pediu para comentar a experiência que a Direção de Cultura de Guadalajara teve com a Secretaria de Cultura, Recreação e Esporte de Bogotá e a organização Incidem, que está em Madri e se dedica à cooperação internacional que vincula os municípios. Esta iniciativa foi desenvolvida no ano passado no âmbito da Ventana Adelante 2022, da Cooperação Triangular União Europeia-América Latina e Caribe.

“Guadalajara foi a cidade beneficiária, recebemos acompanhamento e capacitação em termos de metodologias para a criação de políticas de base, uma experiência de décadas que Bogotá e Barcelona têm em sua gestão municipal de direitos culturais. A ideia também foi compartilhar experiências, conhecimentos e estratégias de cultura comunitária entre as organizações dessas cidades. Foi uma experiência super enriquecedora”, comemorou Luisa, anunciando que vai compartilhar a sistematização dessa iniciativa com os demais governos da rede. “É um documento interessante que pode ser útil para outros governos locais que estão construindo suas políticas básicas, para entender esse elo da participação cidadã, da democracia na questão da cultura.”

Para Viviana Ramirez, do Ministério da Cultura, Esportes e Recreação de Bogotá, a experiência de intercâmbio com Guadalajara foi “bastante valiosa”, ao disponibilizar o conhecimento de organizações comunitárias. “Os resultados da análise dos processos e metodologias têm sido importantes e as mesmas organizações pedem retorno (“próximo passo, qual é?”). Queremos continuar materializando o que começou como um sonho”, afirmou.

A intenção das duas cidades é traçar um novo projeto para este ano, já que a Ventana 2023 acaba de ser lançada, e assim dar continuidade ao trabalho iniciado em 2022 e ampliar o alcance da rede. A possibilidade de incorporar o IberCultura Viva como uma das entidades cooperantes neste projeto de cooperação triangular deve ser colocada sobre a mesa, a ser trabalhada pela Comissão de Formação nos próximos meses.

 Um novo encontro da Rede IberCultura de Cidades e Governos Locais será realizado no final de abril, provavelmente no dia 20.

 

(*) Participaram da reunião: Carola Gonzalez – Marcos Juárez (AR); Sandra Scotto – Lima (PE); Gaby Yauza – Santiago del Estero (AR); Tania Alvarez – Alajuelita (CR); Santiago Buitron Chávez (CE); Danny Salazar-Pujili (CE); Elisabeth Casanova – Tabasco (MX); Fernando Acuña – Alto Biobío (CL); Luisa Velasquez – Guadalajara (MX); Leticia Aguilera – Quilaco (CL); Marcela Ramirez – Bogotá (CO); Fernando Espinosa Jarrín – Tena, Napo (CE); Cristina Sánchez – Rede de Cultura, região de Los Lagos (CL); Daisy Retamal – Rede de Culturas, região do Biobío (CL); Yasmina Alvear – Rede de Cultura (CL); Mauricio Castro – Concepción (CL); Jovita Uribe – La Union (CL); Bárbara Venegas – Puqueldón (CL); Viviana Ramirez – Bogotá (CO); Jaime Haro – Puqueldón (CL); Sofia Ocho – Quintana Roo (MX); Javier Jami (CE); Carolina Parra – Rede de Culturas, região da Araucanía (CL); Hugo Cortés – Bogotá (CO);Marco Fillipin – São Leopoldo (BR); José Arroyo Cabrera – Editor (CE); Andrea Castellon – Cultura de Rede (CL); Vinhedo Gershon Zadok; Marianela Riquelme (CL); Federico Prieto (AR), Flor Minici (UT/AR); Manuel Trujillo (UT/MX).

 

Tags | ,

24

mar
2023

Em Notícias

Por IberCultura

“A cidade e os direitos culturais”: conversatório marca o início do processo de elaboração da Carta de Concepción

Em 24, mar 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

A Prefeitura de Concepción iniciou o processo de construção participativa da Carta de Direitos Culturais da Cidade. O município chileno, que recentemente aderiu à Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais, segue o caminho de San Luis Potosí (México) e Niterói (Brasil), duas integrantes da rede que lançaram suas Cartas de Direitos Culturais em 2021 – após um amplo processo participativo – e de cidades como Roma, que apresentou sua Carta em 2020.

O conversatório “A cidade e os direitos culturais”, marcado para a próxima quarta-feira, 29 de março, às 12h (horário de Brasília e do Chile), é uma das primeiras ações que serão realizadas no âmbito da elaboração da Carta de Concepción, junto com uma série de enquetes públicas aplicadas aos habitantes e agentes culturais do território. Essa roda de conversa terá um formato híbrido, via Zoom, com transmissão ao vivo pela página de Facebook de Concepción Cultural.

A atividade começará com algumas palavras de boas-vindas do prefeito da Concepción, Álvaro Ortiz, e apresentação do diretor de Cultura do município, Maurício Castro. Jordi Pascual, Cynthia Santoyo e Alexandre Santini* são os convidados que apresentarão, respectivamente, as experiências de Roma, San Luis Potosi e Niterói

O conversatório será moderado por Claudia Araya, coordenadora técnica da Carta de Direitos de Concepción, e Luisa Velásquez, representante de Guadalajara (México) perante a Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais. Também vão participar do encontro representantes do Ministério das Culturas, das Artes e do Patrimônio do Chile, do programa IberCultura Viva e da associação internacional Mercociudades.

.

Quem são os convidados

.

Jordi Pascual é coordenador da Comissão de Cultura da Organização Mundial de Cidades e Governos Locais Unidos (CGLU). Especialista em desenvolvimento sustentável, municipalismo e direitos culturais, foi ele quem coordenou o processo de construção da Carta de Roma 2020.

.

Alexandre Santini, hoje presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, foi diretor de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura do Brasil (2015-2016) e secretário das Culturas de Niterói, onde coordenou o processo de elaboração da Carta dos Direitos Culturais da cidade, entre março e novembro de 2021.

.

Cynthia Santoyo colabora desde 2018 como especialista em programas do setor de Cultura da UNESCO México. Mestre em Género e Migração, é responsável por monitorar e implementar iniciativas apoiadas pelo governo federal, governos locais e ONGs nas áreas de diversidade cultural e trabalho comunitário, economias e indústrias criativas, multilinguismo, patrimônio cultural imaterial e fortalecimento de capacidades técnicas para a igualdade de gênero. Ela acompanhou o processo de construção da Carta de Direitos Culturais que o governo municipal de San Luis Potosí realizou ao longo de mais de três anos (entre 2018 e 2021) em coordenação com a UNESCO México.

.

Leia também:

Município de Concepción começa os trabalhos para a construção participativa de sua Carta de Direitos Culturais

Tags | , , , ,

10

mar
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Grupo de Gestores Socioculturais fará parte do modelo de gestão do Parque de Desenvolvimento Humano de Alajuelita

Em 10, mar 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

Em mais um passo no caminho de incidência política comunitária que o cantão de Alajuelita (província de San José, Costa Rica) tem percorrido nos últimos sete anos, o grupo de Gestores Socioculturais de Alajuelita (GESCUA) fará parte da construção do modelo de administração e organização do Parque de Desenvolvimento Humano do cantão. A decisão foi tomada por moção apresentada na última terça-feira, 7 de março, pela Comissão de Corresponsabilidade Cultural do cantão, que é composta por três partes: GESCUA, o Gabinete de Gestão Cultural do Município e a Comissão de Cultura do Conselho Municipal.

GESCUA é a organização comunitária representativa da Cultura em Alajuelita, de caráter funcional e de duração indeterminada. Seus objetivos são criar, promover, gerenciar, estimular, executar e divulgar qualquer projeto, organização ou iniciativa que tenha como objetivo o desenvolvimento sociocultural de Alajuelita, bem como apoiar e monitorar a educação artística e a pesquisa sobre o patrimônio cultural e natural do cantão

A Política Cultural do Município de Alajuelita foi aprovada pelo Conselho Municipal em 29 de outubro de 2019, após anos de análises, rascunhos, avaliações e validações. Construída de forma participativa, com a contribuição da comunidade, esta política tem um plano operacional que inclui a formação do GESCUA e dos Núcleos de Ação Cultural Comunitária (NACCs). Por meio dessas instâncias, que atuam nos cinco distritos do cantão, a comunidade faz a gestão da política cultural em coordenação com o governo local.

Com esse modelo de gestão, que também estará no Parque de Desenvolvimento Humano, os espaços públicos continuarão contando com a comunidade não só para receber atividades, mas também para produzi-las, a partir dos interesses locais.

.

O parque

O Parque de Desenvolvimento Humano de Alajuelita foi concebido como um parque inclusivo que promoverá a convivência social e o desenvolvimento de capacidades locais, com o objetivo de reduzir as diferenças de gênero e criar espaços mais diversificados que levem em consideração as necessidades de todas as pessoas. As mulheres são um eixo central deste projeto, com o desenvolvimento de atividades como jornadas de sensibilização de gênero de acordo com as necessidades identificadas.

Iniciativa do Governo da Costa Rica e do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), o parque teve sua primeira fase de construção iniciada em outubro de 2022 e estima-se que seja concluído no primeiro semestre de 2023. A obra urbana de 8 hectares, localizada no bairro de Tejarcillos, permitirá que mais de 97 mil pessoas do cantão de Alajuelita pratiquem e participem de atividades recreativas, esportivas e produtivas.

A primeira fase do parque terá 1,9 km de trilhas para pedestres, ciclovias ​​e mistos, 6 praças, três pontes; sistema de evacuação de águas pluviais, sistemas de água potável para abastecimento de bebedouros e sistema de iluminação; estacionamento de veículos pavimentado; quadra poliesportiva para futsal, basquete e vôlei e pista de skate.

​.

Leia também:

Cantão de Alajuelita, na Costa Rica, integra a Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais

Tags | , , ,

10

mar
2023

Em Notícias

Por IberCultura

Programa Viva Cultura Comunitária de Lima comemora 10 anos com uma semana de atividades

Em 10, mar 2023 | Em Notícias | Por IberCultura

De 11 a 17 de março, a Prefeitura de Lima realizará a Semana de Cultura Viva Comunitária para comemorar o 10º aniversário da publicação da Portaria nº 1673, que institui a política pública para o reconhecimento, fortalecimento e promoção da cultura viva comunitária no território de Lima.

Ao longo de sete dias se realizará uma série de atividades em coordenação com os grupos Cultura Viva Comunitária e Banco de Dados Aliados, com o objetivo de contribuir para a capacitação, a democratização das ações culturais, a difusão da vivência comunitária, a visibilidade da prática cultural e para a sustentabilidade da cultura viva comunitária.

Entre as atividades previstas estão palestras, oficinas, apresentações artísticas e roteiros culturais. Um dos destaques da programação é o Conversatório nº 4: “Cultura viva em comunidade: experiências em gestão pública na América Latina”, que será realizada na segunda-feira, 13 de março, às 12h (horário do Peru), virtualmente.

Esta reunião na segunda-feira terá a presença de representantes de três municípios e uma província que compõem a Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais, além de Lima. Participarão da conversa: Luisa Velásquez (Guadalajara, México); Tania Álvarez (Alajuelita, Costa Rica); Francisco Benitez (El Chaco, Argentina) e Pablo Cabezas (Quilaco, Chile). A moderação ficará a cargo de Sandra Scotto, coordenadora do Programa Comunidade Viva Cultura da Prefeitura de Lima.

.

Programação

A semana de atividades terá início no sábado, dia 11, a partir das 9h, com a “Escola de Cultura Viva Comunitária”, que reunirá representantes de organizações culturais comunitárias, gestores culturais e artistas para uma capacitação na Sala 4 do Teatro Municipal de Lima (Jr. Ica, 377, Cercado de Lima), com inscrição prévia. A oficina “O projeto cultural: bases, gestão e implementação” fornecerá as ferramentas para a concepção de propostas artísticas e culturais de base comunitária.

Domingo, dia 12, será dia da Feira Cultura Viva Comunitária na Praça Rosa Merino do Theatro Municipal, com apresentações artísticas e oficinas de artes dos grupos de Cultura Viva Comunitária e do Banco de Aliados. A manhã de segunda-feira, dia 13, será dedicada à exposição de experiências em gestão cultural na perspectiva de grupos culturais, especialistas e governos locais, nacionais e internacionais.

Antes do encontro com representantes da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais, ao meio-dia desta segunda-feira, haverá três conversatórios (via Google Meet): “Cultura Viva Comunitária: Participação das entidades culturais na construção da Portaria 1673” (às 9h), “Experiências de cultura viva comunitária: Ativação e implementação de espaços culturais na cidade” (às 10h) e “Cultura viva comunitária: Experiências em gestão pública a nível local e nacional” (às 11h).

Na tarde desta segunda-feira, na Caixa Preta do Theatro Municipal, será realizada a oficina “Gestão de projetos culturais de base comunitária” para servidores públicos e autoridades municipais. Em seguida, das 17h às 18h, está programada uma sessão de cinema comunitário, com a exibição de curtas-metragens e produções audiovisuais geradas por projetos e iniciativas de grupos como Lunasol, Centro Cultural de Pesquisa, Educação e Criação Artística (Comas), Associação Cinco Minutos Cinco (Villa María del Triunfo) e Associação Cultural Latino-Cultural – Comunicação Audiovisual (Rímac).

Estes três grupos serão também visitados nos percursos culturais marcados para os dias seguintes, de 14 a 17 de março. Além deles, os quatro percursos (por Lima Leste, Lima Sul, Lima Norte, Lima Centro) incluem visitas aos espaços de intervenção do grupo ARCA – Agindo com Respeito, Cariño y Amor (Cieneguilla), da Rede San Juan de Lurigancho, a Associação Cultural Bigote de Gato (Villa El Salvador) e a Associação Cultural Haciendo Pueblo (Comas).

.

Confira a programação completa

📍 Plataforma MEET: meet.google.com/tkm-fpdm-nfn

🔹 Programación: https://bit.ly/3SY28bL

Sobre a portaria

Publicada em 14 de março de 2013, a Portaria (Ordenanza) nº 1.673 criou o Programa Cultura Viva Comunitária de Lima e o Cadastro de Organizações de Cultura Viva Comunitária e Aliados, além de estabelecer a articulação desta política pública com secretarias, órgãos públicos descentralizados, empresas, programas e projetos especiais do Município Metropolitano de Lima no âmbito de um enfoque de desenvolvimento territorial.

Saiba mais sobre a Portaria nº 1.673

Tags | , , ,

27

fev
2022

Em Notícias

Por IberCultura

Municipalidade de Alajuelita realiza processo de formação comunitária para a implementação de sua política cultural 

Em 27, fev 2022 | Em Notícias | Por IberCultura

Como parte do Plano Operativo da Política Cultural de Alajuelita, que está se implementando no cantão costa-ricense, o programa Comunidades Artísticas -Organización Social (C.A.O.S) e a Municipalidade de Alajuelita organizaram as “Oficinas do C.A.O.S.”, um curso curto com ferramentas básicas para a identificação, formulação, planejamento, gestão e avaliação de projetos socioculturais.

Este processo de formação comunitária, que se realizará em 13 sessões de 2 horas,  de 3 de março a 10 de junho, está voltado para artistas, gestores/as, líderes e pessoas interessadas em promover e difundir os direitos culturais em Alajuelita. O curso se divide em uma primeira etapa de sensibilização em direitos culturais com ferramentas de gestão/animação sociocultural, e uma segunda etapa de execução de atividades comunitárias e cantonais, com avaliação e sistematização.

.

Inscrições:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSewwXPlWxEq8mJ8ANgvyis6vlePQN0DDa6-1VgRFMi9qGWbzQ/viewform

Consultas: cultura@munialajuelita.go.cr y alajuelitacc@gmail.com

Tags | , ,

03

nov
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Prefeitura de Niterói lança a Carta de Direitos Culturais da cidade e o portal “Cultura é um Direito”

Em 03, nov 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Neste 5 de novembro, Dia Nacional da Cultura, será lançada a Carta de Direitos Culturais de Niterói. O documento, que foi elaborado de maneira participativa ao longo deste ano, será apresentado no Encontro “Cultura é um Direito”, promovido pela Prefeitura de Niterói, por meio da Secretaria Municipal das Culturas. Além da Carta, serão lançados o portal “Cultura é um Direito” e um edital de fomento para o setor cultural. O evento marcará também a abertura da plenária final da 5ª Conferência Municipal de Cultura de Niterói. 

Niterói é a primeira cidade brasileira a produzir uma Carta de Direitos Culturais. Nesta proposta que levou em conta experiências realizadas em outras cidades, como Roma (Itália), Mérida (México) e Barcelona (Espanha), a principal inspiração foi o processo de construção da Carta de Direitos Culturais da cidade de San Luis Potosí, no México, desenvolvida em parceria com a UNESCO e o programa IberCultura Viva, por meio da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais.

Assim como a iniciativa de San Luis Potosí, que teve todo o seu processo de construção e implementação registrado no site “La cultura es un derecho”, Niterói agora também terá seu portal “Cultura é um direito”. Além de ser o principal registro e repositório da Carta de Niterói, o portal será um instrumento público de difusão de conteúdos relacionados aos temas das políticas culturais e abrigará uma base de dados com perfis/portfólios dos/das agentes culturais de Niterói.

Para 2022, com o apoio do programa IberCultura Viva, também como parte das atividades de divulgação das Cartas de Direitos Culturais de Niterói e de San Luis Potosí, está prevista a realização do webinar “Direitos Culturais e Cultura Comunitária”, com a presença de gestores, especialistas e agentes culturais de diversos países. 

.

Construção participativa

Para a construção da Carta de Niterói foram realizados 21 encontros com a sociedade civil, instituições e governo. As reuniões envolveram as câmaras setoriais do Conselho Municipal de Política Cultural (CMPC), os Pontos e Pontões de Cultura que integram a Rede Cultura Viva de Niterói, o Fórum de Capoeira de Niterói, as expressões culturais religiosas, as lideranças comunitárias, o Fórum Popular Permanente dos Direitos da Criança e do Adolescente de Niterói, a Secretaria Municipal das Culturas (SMC) e a Fundação de Arte de Niterói (FAN).

Durante os seis meses de debates, participaram desse processo mais de 800 pessoas. As mais de 200 propostas recebidas se materializaram em seis capítulos do documento. O primeiro deles discute o que é a Carta e como ela se relaciona com as declarações e pactos internacionais e com as demandas individuais e coletivas dos cidadãos e cidadãs niteroienses.

A Carta de Niterói toma como base a Declaração Universal de Direitos Humanos; o Pacto Internacional Sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais; a Declaração Universal Sobre a Diversidade Cultural; a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988; o Sistema Nacional de Cultura; o Sistema Estadual de Cultura do Rio de Janeiro, e o Sistema Municipal de Cultura de Niterói.

As leis municipais de Niterói relativas à arte e à cultura estão reunidas no segundo capítulo da Carta. O terceiro, por sua vez, apresenta políticas públicas de cultura que, embora não se configurem necessariamente como legislação, constituem e/ou abordam direitos culturais demandados/conquistados pela população.

No quarto capítulo são apresentadas a metodologia de debate e as características das reuniões realizadas. No quinto estão as diretrizes construídas a partir de observações comuns feitas nessas 21 reuniões. Por fim, no sexto capítulo, são listadas as metas e as estratégias indicadas em cada reunião, com o objetivo de reconhecer, proteger, promover e garantir o exercício dos direitos culturais por cidadãs e cidadãos em Niterói.

 .

(*) O encontro “Cultura é um direito” será realizado de maneira presencial, a partir das 10h, na Sala Nelson Pereira dos Santos. Para participar, é preciso preencher este formulário: https://forms.gle/fan5egw4ynDGjAHy7

.

Leia também:

Carta dos Direitos Culturais de Niterói: uma construção participativa inspirada na experiência de San Luis Potosí

“La cultura es un derecho”: la experiencia potosina como inspiración de procesos participativos

Carta da Cidade de San Luis Potosí pelos Direitos Culturais agora é lei

Carta da Cidade de San Luís Potosí pelos Direitos Culturais: uma construção participativa 

Tags | , , ,

20

out
2021

Em Notícias

Por IberCultura

Cantão de Alajuelita promove rodas de conversa sobre direitos culturais e participação comunitária

Em 20, out 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

Começa nesta quinta-feira, 21 de outubro, o Ciclo de Conversatórios “Direitos Culturais e Participação Comunitária”, organizado pela Municipalidade de Alajuelita (Costa Rica) em colaboração com o programa IberCultura Viva e a Fundação Keme. O evento, que será transmitido por Facebook Live a partir das 16h (horário da América Central), reúne experiências que contribuem para o exercício dos direitos culturais com estratégias propostas por governos locais e organizações de base comunitária. 

Neste primeiro encontro, serão compartilhadas experiências das municipalidades de Alajuelita, Curridabat e Bagaces, tendo como governo local convidado a Província de Entre Ríos (Argentina). Participarão da conversa Silvia Pereira (Curridabat), Ronald Montero (Alajuelita), Nicolas Guevara Mora (Bagaces) e Federico Prieto (Entre Ríos). 

Os próximos encontros estão programados para os dias 26 e 29 de outubro e 3 de novembro. No dia 26, serão apresentadas experiências comunitárias em Boca e Alajuelita, tendo como convidada a organização Sentidotorio (Guatemala). No dia 29, o tema será marco jurídico e legislação em direitos culturais. A última conversa reunirá experiências de base comunitária desenvolvidas por municípios e instituições de Equador, Cuba, México, Espanha e Chile.

Em todos os encontros, artistas e investigadores da plataforma de gestão cultural Lanobienal terão um espaço ao início de cada sessão para abordar a arte como ferramenta de transformação. Andrea Mata Benavides, a convidada de Lanobienal para a primeira sessão, é antropóloga social, atriz e diretora de teatro, professora da Universidade de Costa Rica e doutoranda FLACSO-Argentina, tendo como tema de tese “A ação coletiva do Movimento Latino-americano de Cultura Viva Comunitária nos casos de Costa Rica e Argentina.

.

⇒Acompanhe a transmissão ao vivo: www.facebook.com/municipalidadalajuelita

.

*O cantão de Alajuelita é integrante da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais. Saiba mais sobre a rede em https://bit.ly/2Wsx6j1

Tags | , , ,

28

set
2021

Em Notícias

Por IberCultura

San Miguel de Allende adere à Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais

Em 28, set 2021 | Em Notícias | Por IberCultura

O município de San Miguel de Allende (Guanajuato, México) é o novo integrante da Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais. A carta de solicitação de adesão foi assinada em 20 de setembro pelo prefeito Jesús Gonzalo González Rodríguez, e aceita pela presidenta do Conselho Intergovernamental de IberCultura Viva, Esther Hernández Torres.

O documento comunica que Paulina Cadena Gallardo, da Direção de Culturas e Tradições de San Miguel de Allende, será a pessoa representante do município na rede, responsável por fazer as contribuições necessárias. A Unidade Técnica entrará em contato com a representante nos próximos dias para dar inicio à programação das atividades de articulação para 2021.

Com a adesão de San Miguel de Allende, México passa a ter seis representantes na Rede IberCultura Viva de Cidades e Governos Locais. Os outros são o estado de Tabasco e as municipalidades de Xalapa e Jojutla, que se incorporaram neste ano, além de San Luís Potosí e Zapopan, que integram a iniciativa desde 2019.

Tags | ,