Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Para o Topo.EPara o Topo

EDITAIS

03

set
2020

Em EDITAIS
Notícias

Inscrições abertas para a oficina virtual “Audiovisual comunitário, narrativas descentralizadas”

Em 03, set 2020 | Em EDITAIS, Notícias |

A Mostra de Cinema Comunitário Ibero-americano 2020, que se realizará durante o 4º Encontro de Redes IberCultura Viva, terá uma oficina virtual chamada “Audiovisual comunitário, Narrativas descentralizadas”, com duas sessões de três horas, nos dias 19 e 26 de setembro. As vagas são limitadas, e para participar é preciso inscrever-se na plataforma Mapa IberCultura Viva.

As inscrições podem ser feitas a partir desta quinta-feira 3 de setembro, até a segunda-feira 14 de setembro, às 18h (horário de Brasília e Buenos Aires). Podem se candidatar pessoas dos 11 países membros do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai.

A oficina está dirigida a pessoas interessadas na criação audiovisual e com experiência em algum de seus processos (criação, produção, promoção e/ou exibição), relatada no formulário da convocatória. Além dessa breve descrição biográfica (máximo de 250 palavras), é necessário informar dados como nome completo, idade, país, correio eletrônico e os motivos para participar (um parágrafo) desta atividade da Mostra de Cinema Comunitário. 

Serão levados em conta na seleção os motivos para participar, prevalecendo os agentes culturais que se encontram desenvolvendo (ou têm interesse em levar a cabo) um projeto comunitário que retome narrativas descentralizadas em seu processo criativo. 

A seleção contempla até 22 vagas, sendo que pelo menos 50% delas devem ser para mulheres. Além de repartidas equitativamente entre os países, as vagas deverão ser divididas entre agentes culturais independentes e agentes culturais vinculados a coletivos  e organizações culturais comunitárias. 

Narrativas

A oficina virtual “Audiovisual comunitário, Narrativas descentralizadas” trata de projetos que promovem a educação popular, práticas narrativas e modos de produção descentralizados. A atividade é coordenada por Manuel Trujillo (Laboratório Audiovisual Comunitário/ Programa Cultura Comunitária da Secretaria de Cultura do México), e tem como docentes  Eloísa Díez (La Sandía Digital, México) e Miguel Hilari (Bolívia). 

Nesta oficina será feita uma revisão de narrativas dos “outros cinemas”, formas que nascem dos processos de organização coletiva, de representações culturais não hegemônicas, como distintas maneiras de comunicação que repercutem no fortalecimento da identidade cultural e da organização das comunidades ante o bombardeio de informação por parte dos meios de comunicação de massa. 

A diversidade é uma de suas principais características: recuperação da memória e das tradições esquecidas, grupos comunitários que produzem suas próprias obras sem a intermediação de cineastas especializados; cinema de povos originários, cine ativismo, cinema participativo, cinema marginal, cinema solidário, entre muitos outros em que a prioridade está nos processos de realização, e não na qualidade da obra. Há autores que falam neste sentido, sobre a poética da imperfeição do cinema comunitário, nomeando-o  como “cinema imperfeito”.

Eloisa Diez ministra a primeira sessão da oficina, no dia 19

Oficineiros

A primeira sessão da oficina será ministrada por Eloísa Díez, no sábado 19 de setembro, e a segunda por Miguel Hilari, no dia 26 de setembro. As duas sessões terão três horas de duração, começando às 11h e terminando às 14h (horário de Brasília e Buenos Aires).

Eloisa Diez é roteirista, produtora de rádio e documentarista. Tem se especializado na elaboração e implementação de processos de criação comunitários, participativos e colaborativos para a transformação social com enfoque de gênero. Feminista, tem trabalhado na formação e na criação de narrativas transformadoras de e sobre mulheres. Desde 2011 faz parte de La Sandía Digital, onde se encarrega de direção, roteiro, som, pesquisa e formação audiovisual.

Miguel Hilari estudiou cinema em La Paz (Bolívia), Santiago (Chile) e Barcelona (Espanha). Seus filmes “El corral y el viento” (2014), “Compañía” (2019) e “Bocamina” (2019) retratam brechas geracionais, identidade indígena e movimentos entre campo e cidade na Bolívia. Foram exibidas e premiadas em festivais internacionais como Visions du Réel, Cinéma du Réel, Oberhausen, Transcinema, FIDOCS e outros. Trabalhou em vários filmes bolivianos e esteve ligado à organização do Festival de Cine Radical. Ministra oficinas de cinema em escolas rurais. 

 

Sobre a plataforma

Para inscrever-se neste seminário virtual é necessário registrar-se primeiro como agente cultural no Mapa IberCultura Viva. Esta plataforma livre, gratuita e colaborativa permite o registro de dois tipos de agentes: individual e coletivo. Por agentes individuais compreendemos as pessoas físicas, e por agentes coletivos, as organizações culturais comunitárias, entidades, povos originários, coletivos, agrupações e instituições. No caso desta convocatória, é obrigatório registrar o perfil de agente individual (a pessoa física que será responsável pela inscrição). 

Uma vez concluído o perfil de agente, deve-se clicar em “Editais” (na parte superior da tela) e buscar o arquivo que aparece com o título do seminário para iniciar a inscrição. Aqui está um guia sobre o registro de agente na plataforma: https://bit.ly/3hvGtnF

 

Inscrições: https://mapa.iberculturaviva.org/oportunidade/152/

Consultas: muestradecinecomunitario@gmail.com.

 

Conoce más sobre la Muestra de Cine Comunitario: www.encuentroderedes.org

Tags | , , ,