Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

Notícias

12

Nov
2019

EmNotícias

Um dia de candombe com o embaixador ibero-americano da cultura Carlinhos Brown no Uruguai

Em12, Nov 2019 | EmNotícias |

Fotos e vídeos: Pancho Pastori & Joaquín González

Ao entrar no Centro Cultural La Calenda, onde funciona a oficina do percussionista e luthier Fernando “Lobo” Nuñez, no Barrio Sur de Montevidéu (Uruguai), Carlinhos Brown viu os tambores no corredor e seguiu logo na direção deles. Do outro lado do prédio, pessoas faziam sinais para o músico brasileiro, como se ele tivesse se equivocado de rumo. “Estamos aqui!”, gritavam. Carlinhos deu mais uns passos, saudou os instrumentos, levantou mãos e olhos para o alto, sorriu e finalmente se dirigiu ao estúdio onde estavam Lobo Nuñez e seus convidados. Não havia se equivocado. Sempre que há tambores em um lugar, ele os reverencia primeiro. “Os tambores evocam o melhor da nossa alma.  Eles têm uma riqueza ancestral, nossos avós estão todos aí”, explicou. 

A visita ao espaço de Lobo Nuñez, no domingo 3 de novembro, foi a primeira atividade de Carlinhos Brown em Montevidéu como embaixador ibero-americano da cultura, título que recebeu da Secretaria Geral Ibero-americana (SEGIB) em abril de 2018. Esta programação no Uruguai, realizada em conjunto com IberCultura Viva, fez parte da 3ª Semana da Cooperação Ibero-americana (de 28 de outubro a 4 de novembro), promovida em várias cidades para dar visibilidade aos 27 programas, iniciativas e projetos de cultura, educação, ciência e coesão social que melhoram a vida das pessoas nos 22 países da Ibero-América. 

Foram dois dias de alegria, em meio a encontros, reencontros e atividades variadas com representantes de organizações culturais comunitárias do Uruguai e da Argentina. “Foi histórico, inesquecível”, celebrou o músico brasileiro, que passou por momentos emocionantes desde os primeiros minutos desta agenda. A começar pelo reencontro com Lobo Nuñez, um dos principais nomes do candombe uruguaio, a quem não via desde a década de 1980. Carlinhos foi à oficina de Lobo com a sensação de que aquele nome lhe era familiar, mas só o reconheceu mesmo quando chegou lá, depois das saudações iniciais aos tambores no corredor. “Fernando viveu no Pelourinho (Salvador, Bahia) em 1982, foi um de meus mestres. É um grande músico, um grande luthier, deixou um legado na Bahia”, afirmou, comovido. 

Uma prática comunitária

Instalado na antiga usina de gás do Barrio Sur, berço da cultura afro-uruguaia, o Centro Cultural La Calenda é a sede da Asociación Civil La Calenda, que promove atividades culturais e sociais em torno do candombe e outros ritmos de origem africana. Neste espaço se encontram a oficina de fabricação de tambores El Power, de Lobo Nuñez, uma sala de ensaios para músicos que queiram usá-la, e o Museu do Candombe, onde está um acervo de objetos e registros familiares e da cultura afro no Uruguai. Para eles, o candombe não é só a expressão de uma resistência, mas também uma festividade musical uruguaia, um símbolo e uma manifestação da memória da comunidade, uma prática social coletiva arraigada na vida diária. 

“O candombe aqui em suas origens, no início do século passado, não estava permitido. Só nos permitiam tocar em 6 de janeiro, Dia de Reis. Hoje se toca todos os dias, com toda a sociedade, com todas as coletividades neste país e fora dele”, contou Lobo na sala de ensaios de La Calenda. “Foi uma proposta cultural que não precisou nem de leis nem de decretos para admitir todo mundo. Quando saímos para tocar, ninguém pergunta a ninguém qual é seu partido político, sua orientação sexual, a que religião pertence, se tem dinheiro ou não tem… Todo mundo dança, toca e desfruta.”

Carlinhos Brown e Lobo na sala de ensaios, improvisando com os netos do luthier

 

Tendo os tambores como um idioma em comum, Brown e Nuñez recordaram os tempos “pré-axé music” na Bahia (Neguinho do Samba, que ficou conhecido como o criador do samba-reggae, também fazia parte deste grupo de percussionistas que se reunia no bairro do Pelourinho nos anos 1980), e falaram de suas escolas de música, dos projetos sociais que desenvolvem respectivamente no Candeal, em Salvador, e no Barrio Sur de Montevidéu. 

“Com o tambor temos conseguido muitas coisas”, comentou o percussionista uruguaio. “Temos feito um trabalho invisível através do tambor, sobretudo quando se trata de propor entretenimento, para que os jovens ocupem a cabeça com algo saudável. Só pelo fato de reunir, de convocar para tocar, já estamos contribuindo. Há muita gente que, enquanto toca, não está em outras atividades. Com cultura eu acredito que se possa ganhar da violência”, reforçou Lobo. “Eu digo a meus alunos, sobretudo aos que estão em situação de risco: ‘Venham tocar!’. Porque cada hora em que estão na percussão é uma hora a menos que dedicam a outras coisas. E eles saem dali ganhando vida”, complementou o brasileiro. 

A conversa se deu na sala de ensaios, enquanto os dois improvisavam nos tambores, acompanhados do filho e dos netos do Lobo, e de convidados como o percussionista Santiago Comin, da organização argentina La Bombocova, uma das beneficiadas com os intercâmbios do edital IberEntrelaçando Experiências, lançado por IberCultura Viva. Também estavam presentes integrantes de dois Pontos de Cultura uruguaios selecionados no mesmo edital (Nación Zumbalelé e Colectivo Tierra Niegra), além de representantes do IberCultura Viva, da SEGIB e da Direção Nacional de Cultura do Ministério de Educação e Cultura do Uruguai. O cantor, compositor, percussionista e ator Rubén “El Negro” Rada chegou ao final da visita para cumprimentar o músico brasileiro. Foi recebido com festa. 

Três gigantes da percussão: Carlinhos Brown, Lobo Nuñez e Ruben Rada

A festa na rua

Depois da visita a La Calenda, Carlinhos Brown, Lobo Nuñez, Ruben Rada e demais convidados foram assistir ao toque de cordas de tambores do Barrio Sur e Palermo. Ao chegar ao ensaio da comparsa Valores de Ansina, o músico brasileiro foi recebido com uma roda de capoeira, uma fogueira acesa no meio da rua para esquentar os tambores,  uma centena de abraços e beijos de toda parte. Com os tambores enfileirados, e as dançarinas à frente deles,  Brown deu início ao ensaio com a habitual saudação ao instrumento (e à ancestralidade) e seguiu com eles pelas ruas de Palermo, acompanhando o ritmo com um agogô. Chegou ao final do percurso com uma bandeira uruguaia pendurada sobre os ombros, e um sorriso largo, um tanto surpreso com o carnaval que encontrou no Uruguai. 

 

Leia también:

Carlinhos Brown e a “orquestra humana de boas forças”: um dia de roda de conversa sobre cultura comunitária no Uruguai

El embajador iberoamericano de la cultura Carlinhos Brown visita la cooperación iberoamericana en Uruguay (SEGIB)

Carlinhos Brown y la unión con Uruguay a través del tambor (EFE)

(Vídeo da Agência EFE sobre a visita de Brown a Montevidéu)

 

 

Tags | , , , ,