Image Image Image Image Image
/ /
Scroll to Top

Para o Topo

Destaque

30

Jun
2017

EmDestaque
Notícias

Uma festa na rua para celebrar um ano da Rede Cultural Chacras da Coria, na Argentina

Em30, Jun 2017 | EmDestaque, Notícias |

Fotos: Silvia Bove y Tatiana Guzmán

Em frente à Praça de Chacras de Coria (Mendoza, Argentina) há um teatro conhecido como “Salão para todos”. Este espaço na rua Viamonte, hoje chamado Teatro Leonardo Favio, já foi um cinema (o Cine Gran Splendid) e um supermercado. Após um período de abandono, em 2010 foi recuperado pelo Teatro Comunitário Chacras Para Todos e desde então é um centro com diversas oficinas e atividades culturais. Há um ano também é sede da Rede Cultural Chacras de Coria y Luján de Cuyo.

A rede, formada por mais de 20 organizações, instituições e fazedores culturais da região de Chacras de Coria, nasceu em 8 de junho de 2016, após uma reunião no Teatro Leonardo Favio. E neste lugar de portas abertas, “alma viva da comunidade”, celebrou seu primeiro ano de existência formal. O teatro foi o palco principal do Festival de Aniversário da Rede Cultural Chacras de Coria, realizado de 23 a 25 de junho, junto com o Encontro Regional de Puntos de Cultura de Cuyo.

 

Durante três dias, o festival comunitário se estendeu por espaços culturais, instituições educativas e praças de Chacras, com seminários, fóruns, oficinas,  apresentações e outras atividades gratuitas, inclusive com transmissão ao vivo da rádio comunitária da Rede Cultural. Além das organizações locais e dos vizinhos e vizinhas do bairro, participaram do encontro representantes de Puntos de Cultura das províncias de Mendoza, San Juan, San Luis e La Rioja.

“Foram três dias cheios de momentos felizes, de aprendizados e de entrega amorosa”, afirma Silvia Bove, presidenta da Associação Chacras para Todos, uma das organizações integrantes da rede. “Vários de nós trabalhamos durante meses, tecendo um festival e um encontro de Puntos onde todas as vozes estivessem representadas. (…) Era importante dar a voz a homens e mulheres, transcendentes e valiosas, e intercambiar com  organizações,  espaços,  vizinhos, comunidade, territórios, como fonte de novas sementes e irmandades.”

Reforçando os laços

Diego Benhabib, coordenador do Programa Puntos de Cultura da Argentina, representou o Ministério de Cultura da Nação e o programa IberCultura Viva em um seminário de formação sobre o conceito de Cultura Viva Comunitária. Nesta mesa também estavam o historiador brasileiro Célio Turino, um dos criadores do programa Cultura Viva; o boliviano Iván Nogales, diretor do Teatro Trono-Fundación Compa (que também levou a oficina “Descolonização do corpo”); María Emilia de la Iglesia, integrante da Cooperativa La Comunitaria (Rivadavia) e  do Conselho Latino-americano de Cultura Viva Comunitária, e Gabriela Fiochetta (da rádio comunitária La Mosquitera).

“Encontros como este são importantes porque permitem reforçar os laços comunitários, tanto entre as organizações que integram uma mesma rede, como com os diferentes atores sociais e territoriais”, ressalta Benhabib. “Além disso, faz com que se estabeleçam vínculos com distintos organismos do Estado e permitem visibilizar as produções culturais comunitárias para a sociedade em geral”.

O fórum de Pontos de Cultura de Cuyo contou com a participação de mais de 35 organizações da região. Também entraram na programação um fórum de comunicação comunitária, atividades para jovens, oficinas artísticas, espetáculos de música e teatro — “uma simultaneidade de experiências diversas, com a marca de uma comunidade cultural de portas abertas”, como resume Silvia Bove.

 

Ainda que estejam celebrando agora um ano de existência formal como rede, as organizações e instituições participantes da Rede Cultural Chacras de Coria já vêm trabalhando juntas há mais de cinco anos. Para Silvia Bove, que acompanha o processo desde seu início, a sensação é de alegria pela tarefa cumprida, “com a firme convicção de que a transformação se faz de baixo para cima, e que é necessário que os governos acompanhem este pulso coletivo comunitário, que é o sangue vital dos povos”.

“Vivemos uma agenda cheia de momentos únicos e intensos, num belo povoado chamado Chacras de Coria, que tem história, identidade, memória, e que celebra estes processos de construção comunitária como instantes únicos que nos fizeram vibrar numa mesma sintonia. Carregamos o coração de experiências comunitárias,  de olhares diversos e caminhos por recorrer”.

O Festival da Red Cultural Chacras de Coria foi um dos projetos ganhadores do Edital Ibercultura Viva de Apoio a Redes 2016. Também contou com o apoio do Ministério de Cultura da Argentina, da Secretaria de Cultura da província de Mendoza, da Prefeitura de Luján de Cuyo e da Universidade Nacional de Cuyo.

Leia também:

Pareceres de un sueño común (por Silvia Bove)

Organizaciones comunitarias lanzan la Red Cultural de Chacras de Coria, en Mendoza

Manifiesto de la Red Cultural Chacras de Coria y Distritos Aledaños de Luyán de Cuyo